Catarina Morreu Como Deve Saber Morrer um Membro do Partido

Álvaro Cunhal

19 de Maio de 1974


Primeira Edição: in «Avante!» de 24 de Maio de 1974. Discurso pronunciado no primeiro comício em Baleizão após a Revolução de Abril de homenagem a Catarina Eufémia.
Fonte:
Partido Comunista Português - Organização Regional de Lisboa
Enviado por: Diego Grossi

HTML: Fernando A. S. Araújo.

foto

É com profunda emoção que aqui, nestas terras onde viveu Catarina Eufémia(1), vemos unidas as massas trabalhadoras alentejanas na homenagem àquela que se tornou o exemplo e símbolo da trabalhadora de vanguarda e da mulher comunista.

Catarina morreu como deve saber morrer um membro do Partido. Morreu à frente das massas, encabeçando a luta de classe, defendendo os interesses vitais dos trabalhadores. Enquanto viva, Catarina serviu com a sua actividade a classe trabalhadora. Morta, continuou a servi-la pelo seu exemplo, inspirando sucessivas gerações no espírito de combatividade e de abnegação.

Catarina tornou-se uma lendária heroína popular, orgulho do glorioso proletariado rural alentejano, orgulho de todos os trabalhadores portugueses, orgulho do Partido.

O sacrifício de Catarina não foi em vão. Da terra portuguesa começam a brotar flores das plantas que Catarina regou com o seu sangue. Começam a alcançar-se objectivos pelos quais lutou e deu a vida Catarina.

Catarina lutou pela liberdade e a liberdade foi alcançada. Os outros ideais por que Catarina, a militante comunista, lutou, serão também alcançados. Chegará o dia em que a Reforma Agrária entregará a terra dos grandes latifúndios àqueles que a trabalham. Chegará o dia em que no Alentejo não mais haverá senhores e escravos. Sempre lutámos, lutamos e lutaremos para a conquista do poder pelos trabalhadores, para liquidar a exploração do homem pelo homem, para construir em Portugal a sociedade socialista. Nada e ninguém nos desviará deste caminho e caberá ao Povo Português dizer a última palavra. Caberá ao Povo Português escolher e construir o regime social e político em que deseja viver. Temos confiança em que o Povo português escolherá, finalmente, o socialismo.

Estes grandes objectivos não nos devem porém desviar dos objectivos essenciais imediatos. No momento presente, as tarefas fundamentais são liquidar completamente o fascismo, consolidar e alargar as liberdades, pôr fim à guerra colonial, prosseguir a democratização da sociedade portuguesa, realizar eleições livres e instaurar um regime democrático escolhido pelo próprio povo. Todas as nossas forças e energias se devem concentrar para alcançarmos estes objectivos e impedir que o fascismo volte.

Esta grande manifestação é prova da unidade e da força invencível dos trabalhadores alentejanos. Ela confirma que o glorioso proletariado rural alentejano tem um importante papel a desempenhar na construção da nova sociedade portuguesa. Esta manifestação é também - pela presença fraternal dos militares - uma prova da aliança das massas populares com as Forças Armadas.

Catarina caiu às balas de um oficial fascista. Mas hoje o Movimento das Forças Armadas restituiu o brio e a honra à farda dos soldados e marinheiros.

Aqui vemos connosco oficiais e soldados, filhos do povo, irmanados com o povo. Que jamais se quebre esta aliança, de que hoje depende o futuro. Unidos prossigamos o combate!

Connosco está Catarina, estão todos aqueles que sacrificaram a vida pelo bem do povo trabalhador e pela liberdade.

Não deixemos mais que levante cabeça o fascismo que assassinou Catarina. Prossigamos unidos e confiantes na defesa dos legítimos interesses dos trabalhadores, no caminho da paz e da democracia.

O Partido Comunista Português, o partido de Catarina Eufémia, é uma criação do povo trabalhador e existe para servi-lo. Nós, comunistas onde quer que estejamos, nos locais de trabalho ou no Governo, não pouparemos esforços e daremos a vida se necessário, na defesa dos interesses, das aspirações, dos objectivos do povo trabalhador!

Viva a unidade da classe operária e das forças democráticas!
Viva a aliança das massas populares com as Forças Armadas!
Avante para novas vitórias!

 

Compartilhe este texto:
Início da página
 
Visite o MIA no Facebook
 

Notas de rodapé:

(1) O assassinato de Catarina Eufémia é um expressivo documento do que foi o fascismo em Portugal.
A lição da sua vida e da sua morte será guardada pelos tempos fora não só entre os operários agrícolas do Alentejo mas por todo o país.
Chamava-se Catarina o Alentejo a viu nascer em 1928, na aldeia de Baleizão, concelho de Beja.
Segunda filha de um casal de camponeses pobres, Catarina Eufémia bem cedo experimentou as dificuldades de sobrevivência dos «sem terra» em zona de latifúndio.
Cresceu com os trigos, contou os anos pelas ceifas e por escola teve a lonjura da campina, onde a escrita se fazia com o gadanho e a foice.
Ainda criança perdeu o pai, José Diogo Baleizão, e abandonou as bonecas de trapos, farinha e papel, para colaborar no sustento da família, constituída pela mãe, pela irmã mais velha Maria Eufémia, por ela (Catarina) e a mais nova, Delmira da Assunção.
A adolescência passou-a nas terras do Monte Olival, propriedade do agrário Fernando Nunes, gerando lucros com fome. calor, sede e magra jorna.
Aos 17 anos casou com um conterrâneo, o «Carmona», então trabalhador da CUF, e muda-se para o Barreiro onde nasceria a primeira filha do casal, Maria Catarina. Porém, o companheiro de Catarina é despedido e o agregado familiar volta para Baleizão.
Corriam, na época, tempos de grandes fomes e heróicas lutas. O proletariado agrícola alentejano fervia de revolta face às aviltantes condições de trabalho, sendo remetido a uma dieta espartana de pão duro, alho e bacalhau seco.
A aldeia de Baleizão não destoava na paisagem económico-social do Alentejo dos anos 50, e Catarina Eufémia, que se recusara a aceitar Um salário de miséria, discutido com José Vedor, feitor de Fernando Nunes, palmilhava diariamente 12 quilómetros até ao Monte Campano, por a jorna ser ali mais alta do que no Monte Olival.
Em 1954, a luta do campesinato alentejano ganhou novas e redobradas energias. É nesta lida, dia a dia mais pesada, que se vai gerando o futuro António Gaspar, segundo filho e primeiro rapaz de Catarina, nascido em Baleizão.
Já experimentada na resistência à ofensiva de fome e exploração, Catarina Eufémia ingressa no PCP com 24 anos e, pouco depois, fazendo parte do Comité Local, lidera a organização das mulheres da sua terra.
Entretanto, o marido fora colocado em Quintos, como cantoneiro, e para lá se encaminha Catarina onde, no Outono de 1953, nasce o seu terceiro rebento, o José Adolfo. Contudo, não havendo condições de permanência na «casa dos cantoneiros», Mãe Catarina regressa com a sua prole a Baleizão.
Em 1954, a luta do campesinato alentejano ganhou novas e redobradas energias, como, nos dá conta «o camponês», publicado em Março desse ano: «A participação das mulheres camponesas na luta por melhores jornas é um grande passo em frente no reforçamento da Unidade. Em muitos lados, elas vão à Praça de Jornas, fazem parte de Comissões com os homens e constituem também as suas próprias Comissões. Esta rica experiência deve ser seguida, chamando as camponesas à luta pela conquista de melhores jornas nas ceifas».
Tal como em anos anteriores, os agrários e o Governo aprontavam-se para imporem o pagamento de jornas baixas e impedirem, por qualquer meio, a resistência dos explorados. Porém, a tais manobras e intimidações se opunha, cada vez com mais firmeza, a luta unida e organizada dos trabalhadores.
E assim que, por todo o lado, se vão multiplicando amplas comissões de unidade, com homens e mulheres, nas Praças de Jornas, em herdades, montes e ranchos, conduzindo, sem tréguas, a luta contra o fascismo e os latifundiários.
Entretanto, já em Fevereiro desse ano, a GNR insultara uma comissão de 25 mulheres em Vale de Vargo e espancara uma delas, tendo o Tribunal de Serpa condenado 3 camponesas a 18 dias de prisão.
Nos campos crescia a agitação social e Baleizão não era obviamente diferente dos demais baluartes de resistência. Aí, perante a recusa sistemática do agrário Fernando Nunes em pagar a jorna pretendida para a apanha das ‘favas, os camponeses deliberaram entrar em greve e, a partir de sábado (15 de Maio), ninguém foi trabalhar.
Dado o impasse da situação, na terça-feira seguinte (18 de Maio), um grupo de camponeses onde figurava Catarina Eufémia, vai ao Monte Olival para tentar negociar, mais uma vez com o feitor, o aumento. Em vão!
Contudo, no dia seguinte, o conflito iria sofrer dramática evolução, pois Fernando Nunes apostara quebrar a Unidade dos grevistas e mandara buscar um rancho a Penedo Gordo, pagando 18$00 aos homens e 12$00 às mulheres.
A notícia correu célebre entre as gentes de Baleizão, que, perante esta acção divisionista, decidem ir falar aos trabalhadores do rancho de Penedo Gordo.
A justeza da posição reúne 300 baleizoeiros que tomam o caminho do Monte Olival, no intuito de esclarecerem o rancho de fora quanto aos motivos porque lutavam a exortá-los à Unidade. «Não foram precisas muitas falas para os trabalhadores se entenderem. Estavam todos de acordo, não se trabalhava com salários de fome». (2)
No entanto, alguém previra o natural acordo e solidariedade, e teimando em vergar a vontade popular, chamara a GNR, que prontamente cerca o rancho do Penedo Gordo, obrigando-o a trabalhar sob a ameaça das armas e pela jorna determinada pelo «senhor da terra».
O Povo de Baleizão, ao tomar conhecimento da provocação, avança unido para a herdade, determinado a demover o grupo «contratado», mas depara com forte barreira de guardas republicanos que, de espingardas aperradas, lhe impede a marcha.
Perante a pertinaz resistência do proletariado agrícola, inabalavelmente convicto dos seus direitos e firme nos objectivos, os guardas deixam passar um grupo de 15 mulheres lideradas por Catarina Eufémia.
Grávida e com o pequenito José Adolfo, de 8 meses, ao colo, esta avança decidida, confiante e sem temor, para o diálogo.
E então que, detrás de um monte de favas, lhe salta traiçoeiramente ao caminho o facínora tenente Carrajola que, recém-chegado de Beja com reforços, lhe aponta uma pistola-metralhadora, perguntando: «O que queres, bruta?»
«O que eu quero é pão para matar a fome aos meus filhos!»
A resposta soou em três tiros desfechados à queima-roupa.
Mortalmente ferida, tombou de pé Catarina Eufémia, vítima da besta fascista.
(...) Ficou vermelha a campina
Do sangue que então brotou
(...)C)
Morreu de pé e sem medo «como deve saber morrer um membro do Partido à frente das massas, encabeçando a luta de classe». (3)
No dia 19 de Maio de 1954, às 11 horas da manhã, Catarina Eufémia, mulher esforçada e mãe corajosa, destemida comunista, ultrapassou a morte e, vencendo o tempo, reergueu-se em vermelha bandeira dentro de cada um de nós.
Catarina — orgulho do proletariado agrícola alentejano!
Catarina — símbolo de firmeza e exemplo de militante do Partido Comunista Português!
Catarina Eufémia — a-sempre-viva na nossa memória!
Porque...
(...) Quem viu matar Catarina
Não perdoa a quem matou!
«Militante» nº172 de 1989

banner
Inclusão 27/01/2012