Princípios da Filosofia do Futuro
"O núcleo essencial deste escrito de L. Feuerbach transparece, de forma sintética e acutilante, no princípio 51, sob a proposta de um novo imperativo categórico: “Sê apenas um homem que pensa; não penses como pensador, isto é, numa faculdade arrancada à totalidade do ser humano real e para si isolada; pensa como ser vivo e real, exposto às vagas vivificantes e refrescantes do oceano do mundo; pensa na existência, no mundo como membro do mundo, e não no vazio da abstracção como uma mónada isolada, como monarca absoluto, como um deus indiferente e exterior ao mundo - podes, depois, estar certo de que os teus pensamentos são unidades de ser e de pensar.” Este parágrafo insinua os motivos teóricos ou os filosofemas em virtude dos quais Feuerbach ganhou o seu lugar na história do pensamento: a dissolução da teologia em antropologia, portanto o esboço de um ateísmo teórico e consequente, o enlace do homem com a natureza, o consórcio entre razão e sensibilidade, o significado do corpo, a implicação do eu e dos outros no conhecimen­to, a convicção de que a realidade exige uma nova filosofia que não pense o concreto de forma abstracta, mas o abstracto de modo concreto." (da Apresentação)

capa livro
Baixe o livro em pdf
(313 KB)
pdf
Sumário
Apresentação
Princípios da Filosofia do Futuro
MIA Secção em Português Temas
Compartilhe este texto:
Fonte
dhnet
Visite o MIA no Facebook
 
Inclusão 19/06/2014