MIA - Secção em Português
Ho Chi Minh
Foto de Ho Chi Minh
1890-1969

“Em primeiro lugar, foi o patriotismo, e não o comunismo, que me levaram a acreditar em Lênin e na Terceira Internacional. Aos poucos, durante a luta e enquanto estudava o marxismo-leninismo paralelamente às minhas participações nas atividades práticas, eu me dei conta de forma gradativa de que somente o socialismo e o comunismo poderiam libertar as nações oprimidas e o povo trabalhador ao redor do mundo da escravidão.”
Ho Chi Minh
in "O Caminho Que Me Levou ao Leninismo"

Ho Chi Minh, cujo nome verdadeiro era Nguyen Tat Thanh, foi um líder comunista vietnamita e principal articulista da luta do Vietnã contra o domínio colonial francês.

Ho nasceu em 19 de maio de 1890, na vila de Kimlien, em Anã (no Vietnã central), filho de um oficial que se demitiu em protesto contra o domínio francês de seu país. Ho freqüentou a escola em Hue e lecionou por pouco tempo em uma escola particular em Phan Thiet. Em 1911 foi empregado como cozinheiro em um navio a vapor francês. Em uma de suas viagens desembarcou no Rio de Janeiro para tratamento de saúde tendo ficado hospedado, por cerca de três meses, em uma pensão no bairro de Santa Tereza, no Rio de Janeiro[1N]. Em 1924, ao encontrar-se, em Moscou, com Astrojildo Pereira e Rodolfo Coutinho, que buscavam o reconhecimento do Partido Comunista do Brasil - PCB pela Terceira Internacional, Ho evocou seus dias de Rio de Janeiro e revelou que ficara impressionado com a "zona do mangue" (antiga zona de prostituição do Rio de Janeiro): com o cheiro fétido, com o mercado do sexo, subproduto do capitalismo nas condições do atraso semicolonial.

Depois da Primeira Guerra Mundial, adotando o pseudônimo Nguyen Ai Quoc (“Nguyen, o Patriota”), Ho se envolveu em atividades radicais e foi do grupo fundador do Partido Comunista francês. Ele foi convocado por Moscou para treinamento e, posteriormente, em 1924, foi enviado para Cantão, na China, onde organizou um movimento revolucionário junto a exilados vietnamitas.

Ho foi obrigado a deixar a China quando autoridades locais desbarataram as atividades comunistas, mas em 1930 retornou para fundar o Partido Comunista Indochinês (PCI). Ele permaneceu em Hong Kong como representante da Internacional Comunista e lá, em junho de 1931, foi detido pela polícia britânica e ficou preso até sua soltura, em 1933. Ho voltou então para a União Soviética, onde, segundo consta, ficou alguns anos se recuperando de uma tuberculose. Ele retornou em 1938 à China e serviu como conselheiro junto à militância armada comunista no país.

Quando o Japão ocupou o Vietnã em 1941, Ho retomou contato com os líderes do PCI e ajudou a fundar um novo movimento independentista de orientação comunista, popularmente conhecido como Vietminh, que lutou contra os japoneses. Em agosto de 45, com a rendição do Japão, o Vietminh tomou o poder e proclamou a República Democrática do Vietnã (RDV) em Hanói. Então conhecido por seu último e mais conhecido pseudônimo, Ho Chi Minh (que quer dizer o “Iluminador”) se tornou presidente. Os franceses não estavam dispostos a conceder a independência de suas colônias e no fim de 1946 explodiu a guerra.

Por oito anos, guerrilheiros do Vietminh combateram as tropas francesas nas montanhas e arrozais do Vietnã, derrotando-os finalmente na decisiva Batalha de Dien Bien Phu, em 1954. Ho, entretanto, foi privado de sua vitória. Negociações subseqüentes em Genebra dividiram o país, restando apenas a parte norte ao Vietminh. A RDV, tendo ainda Ho na presidência, concentrou então seus esforços na construção de uma sociedade comunista no Vietnã do Norte. Todavia, no começo dos anos 60, o conflito no Sul foi retomado por guerrilheiros de liderança comunista que organizaram uma insurgência contra o governo de Saigon, este apoiado pelos Estados Unidos. Então com a saúde debilitada, Ho foi relegado a um posto mais cerimonial, enquanto as políticas eram conduzidas por outros.

Em 3 de setembro de 1969, ele faleceu em Hanói de ataque cardíaco. Com a conquista comunista do Sul em 1975, Saigon foi renomeada em sua homenagem como Cidade Ho Chi Minh. Ho não foi apenas o fundador do comunismo vietnamita; ele era também a verdadeira alma da revolução e da luta do Vietnã por sua independência. Suas qualidades pessoais de simplicidade, integridade e determinação eram amplamente admiradas não apenas em seu país, mas também em todo lugar onde esteve.

Atualmente estão disponíveis em Português as seguintes obras:

1922 - Mai Algumas Considerações Sobre a Questão Colonial
1922 - Jun Igualdade!
1922 - Jul Os Civilizadores
1922 - Ago Civilização Assassina!
1924 - Jan Lênin e os Povos Colonizados!
1945 - Set Declaração de Independência do Vietnã
1945 - Set Carta aos Anciãos
1945 - Abr Doze Recomendações
1950 - Mai Recomendações ao I Congresso Nacional de Educação dos Quadros
1955 - Abr O Leninismo e a Libertaçom dos Povos Oprimidos
1958 Da Moralidade Revolucionária
1960 - Abr O Caminho Que Me Levou ao Leninismo
   
Seja um Voluntário!Se você deseja colaborar com a construção desta biblioteca, ou deseja iniciar uma nova biblioteca para um autor cujo trabalho contribui de alguma maneira para a compreensão do Marxismo, entre em contato conosco.

Notas:

[1N] Fonte: Moniz Bandeira em "Poemas do Cárcere", Ho Chi Minh, Gráfica Editora Laemmert SA, 1968 (retornar ao texto)

Abriu o arquivo 28/05/2007
Última alteração 22/04/2014