Materialismo e Empirocriticismo
Notas e Críticas Sobre uma Filosofia Reacionária

V. I. Lênin


Introdução


“A derrota da revolução de 1905 produziu o desmoronamento e a decomposição entre os que a ela tinham aderido ocasionalmente. Onde mais se notavam a decomposição e a decadência era entre os intelectuais. Os “companheiros de viagem”, que tinham passado do campo da burguesia para as fileiras revolucionárias, durante o período do avanço avassalador da revolução, separaram-se do Partido ao sobrevir a etapa reacionária. Uma parte deles passou para o campo dos inimigos descarados da revolução, outros refugiaram-se nas organizações legais da classe operária que saíram indenes da repressão e esforçaram-se no sentido de desviar o proletariado da senda revolucionária e em desacreditar o Partido revolucionário do proletariado. Apartando-se da revolução, os antigos revolucionários ocasionais procuraram adaptar-se à reação e viver em paz com o tsarismo.

O Governo tsarista aproveitou-se da derrota da revolução para colocar a seu serviço, como agentes provocadores, os desertores da revolução mais covardes e arrivistas. Estes vis e repugnantes espiões e provocadores, destacados pela Orrana tzarista entre os operários e nas organizações do Partido, espionavam de dentro e entregavam os revolucionários a seus verdugos.

“A ofensiva da contrarrevolução desenvolvia-se também na frente ideológica. Brotou toda uma multidão de escritores de moda que “criticavam” e “desacreditavam” o marxismo, (essa era a moda) e cuspiam para a revolução, ridicularizavam-na, glorificando a traição e exaltando a perversão sexual, sob o nome de “culto à personalidade”.

“No campo da filosofia, redobravam-se as tentativas de “criticar”, de rever o marxismo, e surgiam também todo gênero de correntes religiosas, envoltas em argumentos pretensamente “científicos”.

“Tornara-se moda fazer a “crítica” do marxismo.

“Mau grado a desconcertante diversidade de suas tendências, todos estes senhores perseguiam um fim comum: desviar as massas da revolução.

“A decadência e a falta de fé se apoderaram também de uma parte dos intelectuais do Partido, os quais, embora considerando-se marxistas, jamais se haviam mantido com firmeza nas posições do marxismo. Entre eles figuravam escritores como Bogdánov, Basárov, Lunatcharski (que em 1905 haviam aderido aos bolcheviques) e como Iuchkévitch e Valentínov (mencheviques). Estes intelectuais desenvolviam simultaneamente sua “crítica” contra os fundamentos filosófico-teóricos do marxismo, ou melhor, contra o materialismo dialético, e contra seus fundamentos histórico-científicos, isto é, contra o materialismo histórico. Esta crítica se distinguia da usual, não se desenvolvendo de modo franco e honesto, mas velada e hipocritamente, pretextando “defender” as posições fundamentais do marxismo.

“Nós, diziam esses “críticos”, somos essencialmente marxistas, mas queremos melhorar” o marxismo, depurá-lo de algumas teses fundamentais”.

“Na realidade, eram inimigos do marxismo, pois aspiravam solapar suas bases teóricas, ainda que por palavras negassem hipocritamente sua hostilidade contra ele e continuassem se chamando, falsamente, marxistas. O perigo desta crítica farisaica consistia em que, com ela, pretendiam enganar os militantes das fileiras do Partido e poderiam levá-los à confusão. E quanto mais hipócrita fosse esse trabalho crítico de sapa dos fundamentos teóricos do marxismo, mais perigoso era para o Partido, pois se identificava mais de cheio com a campanha geral empreendida pela reação contra o Partido e contra a revolução. Uma parte dos intelectuais (o grupo dos chamados “indagadores” ou “construtores de Deus”), que desertara do marxismo, chegou inclusive a pregar a necessidade de criar uma nova religião.

“Ante os marxistas, apresentava-se a tarefa indeclinável de dar a esses degenerados uma resposta exata no campo da teoria do marxismo, de arrancar-lhes o disfarce e desmascará-los inteiramente, defendendo, deste modo, os fundamentos teóricos do Partido marxista.

“Era lógico pensar que Plerrânov e seus amigos mencheviques, que se consideravam “célebres teóricos marxistas”, tomassem a si essa empresa. Preferiram, porém, limitar-se a escrever, para encobrir as aparências, um par de artigos de crítica de folhetim e logo depois retirar-se do cenário.

“Foi Lénin quem enfrentou e levou a cabo esta empresa, com seu famoso livro Materialismo e Empirocriticismo, publicado em 1909.

“Em menos de meio ano — escrevia Lénin nesta obra — vieram à luz quatro livros consagrados fundamental e quase exclusivamente a atacar o materialismo dialético. Entre eles, e em primeiro lugar, figura o intitulado Apontamentos Sobre (contra, é o que deveria dizer) a Filosofia do Marxismo. São Petersburgo, 1908, — uma coleção de artigos de Basárov, Bogdánov, Lunatcharski, Bermann, Helfond, Iuchkévitch e Suvórov. Logo depois vêm os livros de Iuchkévitch, O Materialismo e o Realismo Crítico; de Bermann, A Dialética à Luz da Moderna Teoria do Conhecimento e de Valentínov, As Construções Filosóficas do Marxismo ... Todos estes indivíduos, unidos — apesar das profundas diferenças que há entre suas ideias políticas — por sua hostilidade ao materialismo dialético, pretendem, ao mesmo tempo, fazer-se passar, em filosofia, por marxistas! A dialética de Engels é um “misticismo”, diz Bermann; as ideias de Engels ficaram “antiquadas”, exclama Basárov, de passagem, como algo que não necessita de demonstração: considera-se o materialismo refutado por nossos valentes paladinos, quais se referem orgulhosamente à “moderna teoria do conhecimento”, à “novíssima filosofia” (ou ao “novíssimo positivismo”), à “filosofia das modernas ciências naturais” e inclusive à “filosofia das ciências naturais do século XX”. (Lénin, t. XIII, pág. 11, ed. russa).

“Contestando a Lunatcharski, que, na pretensão de justificar seus amigos, os revisionistas no campo filosófico, dizia: “Talvez nos equivoquemos, porém indagamos”, escrevia Lénin: “Pelo que se refere a mim, também sou, em filosofia, um indagador”. Nestes apontamentos (trata-se da obra Materialismo e Empirocriticismo. N. da R.), propus-me como tarefa pesquisar quão baixo caíram esses indivíduos, que pregam, sob o nome de marxismo, algo incrivelmente caótico, confuso e reacionário” (Obra citada, pág. 12).

“Na realidade, porém, o livro de Lénin ia muito além do âmbito dessa modesta tarefa. Na realidade, este livro não é somente uma crítica de Bogdánov, Iuchkévitch, Basárov, Valentínov e seus mestres filosóficos, Avenarius e Mach, que em suas obras tentaram ensinar um refinado e polido idealismo, contrapondo-o ao materialismo marxista. O livro de Lénin é, além disso, uma defesa dos fundamentos teóricos do marxismo, do materialismo dialético e do materialismo histórico; uma generalização materialista dos descobrimentos mais importantes e essenciais das ciências naturais, durante um período histórico inteiro, que vai desde a morte de Engels até o aparecimento da obra Materialismo e Empirocriticismo:

“Depois de criticar e rebater completamente os empiro-criticistas russos e seus mestres estrangeiros, Lénin chega, em seu livro, às seguintes conclusões contra o revisionismo teórico- filosófico:

  1. — “Uma falsificação cada vez mais sutil do marxismo e um disfarce cada vez mais sutil das doutrinas anti-materialistas apresentadas como marxismo: tal é o que caracteriza o revisionismo moderno, tanto no campo da economia política como nos problemas de tática e no campo da filosofia em geral” (Obra citada, pág. 270).
  2. — “Toda a escola de Mach e Avenarius tende ao idealismo” (Obra citada pág. 291).
  3. — Nossos machistas estão todos impregnados de idealismo” (Obra citada, pág. 282).
  4. — “Atrás do escolasticismo gnoseológico do Empirocriticismo não se pode deixar de ver a luta dos partidos na filosofia, luta que reflete, em última instância, as tendências e a ideologia das classes inimigas dentro da sociedade moderna” (Obra citada, pág. 292).
  5. — “O papel objetivo, de classe, do Empirocriticismo reduz-se de modo absoluto a servir aos fideístas (reacionários que antepõem a fé à ciência. N. da R.) em sua luta contra o materialismo em geral e contra o materialismo histórico em particular” (Obra citada, pág. 292).
  6. — “O idealismo filosófico é... o caminho para o obscurantismo clerical” (Obra citada, pág. 304).

“Para poder julgar a enorme importância, que esta obra de Lénin tem na história do Partido bolchevique, e compreender que riqueza teórica era a que defendia Lénin contra todos e cada um dos revisionistas e degenerados do período da reação stolipiniana, é necessário deter-se a examinar, ainda que brevemente, os fundamentos do materialismo dialético e histórico.

“Este exame é tanto mais necessário quando o materialismo dialético e o materialismo histórico constituem a base teórica do comunismo, as bases teóricas do Partido marxista e todo militante ativo do Partido Comunista é obrigado a conhecer estes fundamentos teóricos e assimilá-los(1).

(Da Históna del P. C. (b) de la URSS, págs. 116-20, 1940,
Ediciones en Lenguas Extrangeras, Moscú).

Compartilhe este texto:
Início da página
 
Visite o MIA no Facebook
 

Notas de rodapé:

(1) Refere-se aqui ao capítulo Sobre o Materialismo Dialético e o Materialismo Histórico, que se encontra na Historia do P. C. (b) da URSS e no livro de Stálin Sobre os Fundamentos do Leninismo, págs. 261/310 — Editorial Calvino Ltda. (retornar ao texto)

Inclusão 20/12/2013