A URSS e a Contra-Revolução de Veludo

Ludo Martens

1991


capa Primeira Edição: Ludo Martens, L'URSS et la contre-révolution de velours, Editions EPO, Bruxelas, 1991, ISBN 2-87262-057-5 D 1991/2204/19. (N. Ed.).
Fonte: Para a História do Socialismo.
Tradução: Tradução do francês por LM, revisão e edição por CN, entre 05.04.11 e 01.07.11
Transcrição e HTML: Fernando A. S. Araújo

Índice

Prefácio

À laia de introdução. A esperança a Leste? [Setembro 1987]

Abrir um debate perigoso

Massacres imperialistas, quimeras «socialistas»

O socialismo num só país

Face ao terror colonial e fascista

Stalingrado, o símbolo

O pseudo-comunismo

Nuances

Breve passagem sobre um longo inverno

Depois houve a estrela Gorbatchov

Ler Gorbatchov e ler a CIA

A possibilidade de uma evolução positiva

Praga, 1968-1989, reflexões antes da tempestade

Lech Walesa, o porta-voz das multinacionais

Hungria: a emergência de uma camada muito rica...

Praga 68: o caminho para a Comunidade Europeia?

Dubcek era um Rocard checo?

A luta de classe continua sob o socialismo

A intervenção: escolher entre dois males?

Fidel Castro e a intervenção em Praga

Uma Checoslováquia entregue ao liberalismo

Não intervenção e internacionalismo

A catástrofe retardada...

A autocrítica do Partido Comunista da Checoslováquia

Carta 77: a voz da Radio Free Europe

Rumo à luta final?

Post-scriptum Eles estavam do lado da «revolução»...

Os primeiros frutos podres da «revolução democrática»

O diabo transforma-se em anjo e vice-versa...

A fauna multipartidária que invadiu a Hungria

Revoluções que rendem muito às nossas multinacionais!

A entrada triunfal dos carniceiros do FMI

Miséria abominável e miséria salvadora...

Budapeste: liberdade para os vadios e mendigos...

O imperialismo ama os seus «socialistas»

Budapeste, 1956: a contra-revolução armada

A libertação, após um quarto de século de fascismo

O primeiro complot fascista

O arcebispo Mindszenty aposta na Terceira Guerra Mundial...

A CIA e os sociais-democratas de direita

O estabelecimento do poder operário

As confissões de Rajk

Rajk, Nagy, Pozsgay, Nyers e a restauração

A ofensiva americana

O desencadear da luta contra o «stalinismo»

A CIA dita o programa da «revolução»

O revisionista Nagy à cabeça do governo

Nagy à cabeça da contra-revolução

Kadar e a sua ama Nikita Khruchov

Lénine a propósito da revolução húngara

Como Kadar fez apodrecer o Partido

Quando o Vampiro dos Cárpatos atacou Timisoara

E depois houve a Roménia

Democracia imperialista, ditadura das multinacionais

Lénine, Stáline e a ditadura do proletariado

A penetração das teses sociais-democratas

De Nikita Khruchov a Ceausescu: 35 anos de revisionismo

Cólera popular e «totalitarismo»

Ceausescu versus Kohl e Thatcher

Mãos cortadas, mulheres esventradas, homens esvaziados de sangue

O bom assassinato e os direitos humanos

A continuação da luta de classes no socialismo

A União Soviética à beira do abismo

Nikita Khruchov na ladeira escorregadia

Bréjnev: esclerose e loucura

Gorbatchov: reviravoltas e promessas aliciantes

Glasnost para os anticomunistas

Os ataques contra o stalinismo visam o socialismo

Valores universais: o grande recuo

Deus e o seu profeta, o reverendo Moon

O cancro do nacionalismo burguês

Gorbatchov: lastimoso

Friedman, ajude-nos a restaurar o capitalismo

A longa marcha na direcção da empresa privada

O imperialismo que já não existe...

Vivam as multinacionais e o FMI!

Os deserdados do mundo: potenciais terroristas...

CIA e KGB de mãos dadas contra a revolução?

Golpes de Estado a Leste, orquestrados pela URSS

Construir o socialismo com o Solidarnosc?

A revolução de quem contra o quê?

A glasnost e as mentiras romenas

Em direcção à desagregação

Em direcção às crises que irão abalar o continente europeu

A crise final do revisionismo

A restauração do capitalismo no caos e na guerra civil

Glasnost: a preparação dos espíritos para o capitalismo

Glasnost: quem fala?

A palavra à CIA

A palavra à grande burguesia de antes de 1917

A palavra ao tsar

A palavra à Igreja Ortodoxa

A palavra aos fascistas

Glasnost para levar a quê?

Ao socialismo burguês

Ao pluralismo burguês

Ao anticomunismo

À contra-revolução aberta

A passagem à economia capitalista

O Congresso da restauração

A apologia do mercado

A batalha pelo capitalismo selvagem

E eis a «classe média», e viva a «liberdade para os mais fortes»

O domínio imperialista

Democracia à americana na União Soviética

Os Sovietes contra o Partido

A social-democratização do Partido Comunista

O multipartidarismo burguês

As formações nacionalistas burguesas

Os movimentos de massa reaccionários

A crise política e econômica geral

Os elementos da crise

A burguesia liberal e pró-ocidental

Os defensores da economia mista e do poder central forte

O restabelecimento do regime monárquico?

O restabelecimento da ditadura do proletariado?

Hostilidade para com os países socialistas e o terceiro mundo

Reconciliação com o Ocidente, exploração do Sul

Morte a Cuba! Morte ao Iraque!

Para concluir

Dois pontos de ruptura


Inclusão 19/01/2013
Última alteração 12/06/2013