O Golpe de Estado da Contra-Revolução

Karl Marx

8 de Dezembro de 1848


Primeira Edição: Neue Rheinische Zeitung. Organ der Demokratie (Nova Gazeta Renana. Órgão da Democracia), nº 163
Fonte: PUC SP Revista Margem
Tradução: Artigos recolhidos e traduzidos por Lívia Contrim (e-mail: lcotrim @ aol . com).
HTML:
Fernando A. S. Araújo.


A Assembléia Nacional foi dissolvida. Os representantes do povo foram dispersados "pela graça de Deus".

Ao golpe de Estado executado com tal ousadia juntou o ministério em seus Considerandos a violência da zombaria mais amarga.

A Assembléia Nacional colhe agora os frutos de sua crônica fraqueza e covardia. Durante meses, ela permitiu que a conspiração contra o povo prosseguisse calmamente, se tornasse forte e poderosa, e por isso agora cai como sua primeira vítima.

Também o povo expia aquilo de que se tornou culpado em março e ainda em abril e maio por generosidade ou, mais exatamente, por estupidez, e por último pela assim chamada "resistência passiva". Ele recebeu agora uma lição de que certamente se aproveitará.

Sua próxima vitória porá um fim à "entente", como a todas as restantes frases e hipocrisias.

Compartilhe este texto:
Início da página
 
Visite o MIA no Facebook
 

Inclusão 11/09/2013