Carta a W. Borgius[N303]
(em Breslau(1*))

Friedrich Engels

25 de Janeiro de 1894

Link Avante

Primeira Edição: Publicado pela primeira vez na revista Der sozialistische Akademiker, n.° 20, Berlin 1895.Publicado segundo o texto da revista. Traduzido do alemão.
Fonte: Obras Escolhidas em três tomos, Editorial "Avante!" - Edição dirigida por um colectivo composto por: José BARATA-MOURA, Eduardo CHITAS, Francisco MELO e Álvaro PINA, tomo III, pág: 565-567.
Tradução: José BARATA-MOURA.
Transcrição e HTML: Fernando A. S. Araújo.
Direitos de Reprodução: © Direitos de tradução em língua portuguesa reservados por Editorial "Avante!" - Edições Progresso Lisboa - Moscovo, 1982.


Londres, 25 de Janeiro de 1894
122, Regent's Park Road, N. W.

capa

Mui caro senhor,

Aqui [vai] a resposta às suas perguntas!

1. Por relações económicas [ökonomische Verhältnisse] — que encaramos como base [Basis] determinante da história da sociedade — entendemos a maneira como os homens de uma determinada sociedade produzem o seu sustento na vida [Lebensunterhalt] e trocam entre si os produtos (na medida em que existe divisão do trabalho). Portanto, a técnica toda da produção e do transporte [Transport] está aí compreendida. Esta técnica determina também, segundo a nossa concepção, a maneira da troca e, além disso, a da repartição dos produtos e, assim, depois da dissolução da sociedade gentílica, [determina] também a distribuição [Einteilung] das classes e, com isso, as relações de dominação e de servidão, com isso [igualmente] o Estado, a política, o direito, etc. Além disso, estão compreendidas nas relações económicas a base [Grundlage] geográfica em que elas se desenrolam e os restos efectivamente transmitidos de anteriores estádios económicos de desenvolvimento, que continuaram a manter-se, frequentemente apenas pela tradição ou pela vis inertiae(2*), [e] naturalmente também o meio [Milieu] que rodeia exteriormente esta forma de sociedade.

Se a técnica, como V. diz, está, por certo, em grande parte dependente do estado da ciência, esta de longe o está ainda mais do estado e das necessidades da técnica. Se a sociedade tiver uma necessidade técnica, isso ajudará mais a ciência do que dez universidades. A hidrostática toda (Torricelli, etc.) foi suscitada pela necessidade de regulação das torrentes de montanha, na Itália, nos séculos XVI e XVII. Só soubemos algo de racional acerca da electricidade desde que se descobriu a sua aplicabilidade técnica. Na Alemanha, porém, as pessoas habituaram-se infelizmente a escrever a história das ciências como se elas tivessem caído do céu.

2. Nós encaramos as condições económicas [ökonomische Bedingungen] como o em última instância condicionante [Bedingende] do desenvolvimento histórico. Mas a raça é ela própria um factor económico. Ora há aqui, porém, dois pontos a não deixar de ver:

a) O desenvolvimento político, jurídico, filosófico, religioso, literário, artístico, etc, repousa sobre o [desenvolvimento] económico. Mas, todos eles reagem também uns sobre os outros e sobre a base económica. Não é que a situação económica seja causa, unicamente activa, e tudo o mais apenas efeito passivo. Mas há acção recíproca na base da necessidade [Notwendigkeit] económica que em última instância sempre vem ao de cima. O Estado, por exemplo, actua através de direitos proteccionistas, livre-câmbio, boa ou má fiscalidade; e mesmo o esgotamento e impotência mortais do pequeno burguês [Spiessbürger] alemão, que resultam da situação económica de miséria da Alemanha de 1648 até 1830, que se exteriorizam, primeiro, no pietismo, depois, no sentimentalismo [Sentimentalität] e na servidão rastejante ante príncipes e nobreza, não deixaram de ter um efeito económico. Foram um dos maiores obstáculos à recuperação e só foram abalados pelo facto de as guerras da Revolução e napoleónicas terem tornado aguda a miséria crónica. Não há, portanto, como aqui e além por comodidade se quer imaginar, um efeito [Wirkung] automático da situação económica, mas os homens fazem eles próprios a sua história, mas num meio dado que a condiciona, sobre a base de condições efectivas que encontram [já], entre as quais, as económicas — por mais influenciadas que possam ser pelas [condições] políticas e ideológicas — são, contudo, em última instância, as decisivas e constituem o fio condutor que as percorre e que, só ele, leva ao entendimento.

b) Os homens fazem a sua própria história, mas, até agora, não com uma vontade conjunta [Gesamtwillen] segundo um plano conjunto [Gesamtplan], nem mesmo numa sociedade dada, determinada, delimitada. Os seus esforços entrecruzam-se e, precisamente por isso, em todas essas sociedades, domina a necessidade [Notwendigkeit], cujo complemento e forma de manifestação é a casualidade [Zufälligkeit]. A necessidade, que aqui vem ao de cima através de toda a casualidade, é de novo finalmente a económica. Vêm então aqui à colação os chamados grandes homens. Que um desses e precisamente esse se erga neste tempo determinado, neste dado país — é naturalmente puro acaso. Mas, se o riscarmos, haverá procura [Nachfrage] de substituto, e esse substituto encontrar-se-á, tant bien que mal(3*), mas com o tempo encontrar-se-á. Que Napoleão, precisamente esse corso, fosse o ditador militar de que a república francesa, esgotada pela sua própria guerra, precisava — isso foi acaso; que, porém, na falta de um Napoleão, um outro teria preenchido o lugar, isso é demonstrado pelo facto de que de cada vez sempre se encontrou o homem logo que ele foi preciso: César, Augusto, Cromwell, etc. Se Marx descobriu a concepção materialista da história, Thierry, Mignet, Guizot, os historiadores ingleses todos até 1850, demonstram que havia um esforço nesse sentido, e a descoberta da mesma concepção por Morgan demonstra que o tempo estava maduro para ela e que ela tinha precisamente que ser descoberta.

[Acontece] assim com todas as outras casualidades e aparentes casualidades na história. Quanto mais o domínio que nós, precisamente, investigamos se afasta do económico e se aproxima do ideológico puramente abstracto tanto mais encontraremos que ele exibe casualidades no seu desenvolvimento, tanto mais a sua curva decorre em ziguezague. Mas, se V. desenhar o eixo médio da curva, verificará que, quanto mais longo for o período considerado e maior for o domínio assim tratado, esse eixo corre tanto mais aproximadamente de modo paralelo ao eixo do desenvolvimento económico.

O maior obstáculo a um correcto entendimento é, na Alemanha, a irresponsável negligência, na literatura, da história económica. E tão difícil, não só de se desabituar das representações da história inculcadas na escola, como ainda mais de reunir o material que é preciso para tal. Por exemplo, apenas: quem é que leu o velho G. v. Gülich que, no entanto, na sua seca reunião de materiais contém tanta matéria para o esclarecimento de inúmeros factos políticos[N304]?

De resto, o belo exemplo que Marx deu no 18. Brumaire deveria, creio eu, dar-lhe já suficiente informação sobre as suas perguntas, precisamente porque é um exemplo prático. Eu creio ter também tocado já na maioria dos pontos no Anti-Dühring, I, capítulos 9-11 e II, 2-4, assim como III, 1, ou na introdução e, depois, na última secção do Feuerbach.

Peço-lhe que, no acima dito, não pese as palavras demasiado meticulosamente, mas que tenha em vista a conexão; lamento não ter tempo para lhe escrever de um modo tão exactamente elaborado como teria de o fazer para publicação...

Compartilhe este texto:
Início da página
 
Visite o MIA no Facebook
 

Notas de rodapé:

(1*) Nome actual, Wroclaw. (retornar ao texto)

(2*) Em latim no texto: força da inércia. (Nota da edição portuguesa.) (retornar ao texto)

(3*) Em francês no texto: mal ou bem. (Nota da edição portuguesa.) (retornar ao texto)

Notas de fim de tomo:

[N303] Esta carta foi publicada pela primeira vez sem indicação do destinatário na revista Der Sozialistische Akademiker (O Académico Socialista ). n.° 20. 1895, pelo seu chefe de redacção H. Starkenburg. Por isso edições anteriores referem sem razão Starkenburg como destinatário. (retornar ao texto)

[N304] Trata-se da obra de G. von Gülich intitulada Geschichtliche Darstellung des Handels, der Gewerbe und des Ackerbaus der bedeutendsten handeltreibenden Staaten unserer Zeit (Descrição Histórica do Comércio, da Indústria e da Agricultura dos mais Importantes Estados Comerciais da Nossa Época), publicada em vários tomos em Jena de 1830 a 1845. (retornar ao texto)

Inclusão 10/10/2011