Discurso no XX Congresso do PCUS

M. G. Pervukhin

Fevereiro de 1956


Fonte: Problemas - Revista Mensal de Cultura Política nº 73 - Mar-Jun de 1956.
Transcrição e HTML: Fernando A. S. Araújo
Direitos de Reprodução: A cópia ou distribuição deste documento é livre e indefinidamente garantida nos termos da GNU Free Documentation License.

Camaradas!

Nos informes dos camaradas N. S. Kruschiov e N. A. Bulgânin há uma profunda análise do caminho percorrido pela União Soviética durante o quinquênio passado e são definidas com precisão, à base da teoria do marxismo-leninismo as tarefas principais e as perspectivas para o desenvolvimento da economia nacional da URSS na etapa atual da construção do comunismo.

À base das diretivas aprovadas pelo XX Congresso do P.C.U.S. será elaborado o VI Plano Quinquenal para o desenvolvimento da economia nacional da União Soviética. Este será um plano para um avanço mais acelerado de nosso país no sentido do comunismo.

Como resultado da realização do VI Plano Quinquenal, nossa pátria se transformará radicalmente, tornar-se-á mais rica e poderosa, a cultura e o bem-estar do povo elevar-se-ão consideravelmente.

Daremos um passo considerável na solução da tarefa econômica fundamental — alcançar e superar os países capitalistas mais desenvolvidos quanto a produção per capita.

Assim como nos anos anteriores, nosso Partido chefiará a luta das massas trabalhadoras pela realização vitoriosa ao VI Plano Quinquenal e todos estamos convictos de que este será não só cumprido, como também ultrapassado.

No projeto de Diretivas prevê-se o aumento de 70% na produção de meios de produção, e de 60% na de artigos de consumo, o que é perfeitamente regular e não quer dizer que consideremos tarefa de segunda ordem o desenvolvimento da indústria leve e de produtos alimentícios.

Na base do desenvolvimento preferencial da indústria pesada, do progresso técnico ininterrupto e da elevação da produtividade do trabalho, no VI Plano Quinquenal será assegurado um poderoso desenvolvimento de todos os ramos da economia nacional, um ascenso vertical da agricultura e, como decorrência disso, uma considerável elevação do bem-estar material e do nível cultural do povo soviético.

Essa tese, clara e evidente para os cidadãos soviéticos, decorre da doutrina marxista-leninista e de toda a experiência acumulada durante a construção do socialismo.

Nos trabalhos de Vladimir Ilitch Lênin demonstra-se de maneira profunda e circunstanciada que somente uma indústria pesada e poderosa, a eletrificação de todo o país e o desenvolvimento ininterrupto da técnica poderão ser uma base sólida para o desenvolvimento da economia socialista.

Nosso Partido sempre se ateve firmemente a essa doutrina, lutou e luta decididamente contra as concepções hostis ao espírito cio ien"msmo e que se traduzem em contrapor a indústria leve à pesada e em supor que, em certa etapa da construção do socialismo o desenvolvimento preferencial da indústria pesada deixaria de constituir a tarefa principal e que os ritmos de desenvolvimento da indústria leve começariam a ultrapassar os ritmos de desenvolvimento da indústria pesada.

A imprensa e o rádio da burguesia, hostis a nós, tentam denegrir por todas as formas as nobres finalidades do VI Plano Quinquenal.

Assim é que, por exemplo, o jornal londrino «Times», ressaltando que a tarefa principal do VI Plano Quinquenal é o desenvolvimento preferencial da indústria pesada, afirma aos seus leitores que na URSS a elevação do nível de vida da população foi «procrastinada».

FASA

É duvidoso que na União Soviética e entre os nossos amigos no estrangeiro haja pessoas que possam levar a sério afirmações desse tipo.

Os resultados alcançados no cumprimento dos planos quinquenais anteriores confirmam de maneira convincente a justeza da orientação de nosso Partido no sentido do desenvolvimento preferencial da indústria pesada, que garante o progresso de todos os ramos da economia nacional e o melhoramento ininterrupto do bem-estar material do povo.

O aumento preferencial da produção dos meios de produção é condição importantíssima para realizar a reprodução ampliada. Lênin afirma:

«Para ampliar a produção («acumular» na significação categórica do termo) é necessário produzir primeiro meios de produção e, por conseguinte, ampliar o setor da produção social que produz meios de produção». (Obras, tomo II, página 137.)

Sem desenvolvimento preferencial da indústria pesada não teremos em quantidade necessária combustível, metais, energia elétrica, máquinas sem isso é impossível ter nas proporções necessárias matérias-primas industriais e agrícolas para a produção de mercadorias de amplo consumo.

Por conseguinte, a solução da tarefa fundamental do VI Plano quinquenal — elevar consideravelmente o bem-estar material e o nível de cultura do povo soviético — depende sobretudo do desenvolvimento da indústria pesada.

O VI quinquênio será um período de progresso técnico sem precedentes, de elevação séria de todos os índices qualitativos com base na utilização da nova técnica em todos os setores da economia nacional.

A solução dessa tarefa também é impossível sem o desenvolvimento preferencial da produção de meios de produção.

O progresso técnico no novo Plano quinquenal será determinado pelo aperfeiçoamento do equipamento a ser produzido pela indústria de construção de maquinaria pela produção de novos materiais químicos, pelo desenvolvimento da produção dos metais não ferrosos, de metais raros, de aços de qualidade e de ligas resistentes ao calor. Por conseguinte, ao lado da eletrificação serão sobretudo a indústria mecânica, a metalúrgica e a química que resolverão o problema do progresso técnico.

Quais, porém, são as tarefas principais que os diferentes setores da indústria pesada deverão realizar para garantir a realização vitoriosa do novo Plano quinquenal?

No VI Plano quinquenal a produção industrial aumentará não só graças à exploração de novas instalações, mas também, em medida considerável, graças a um aproveitamento mais eficiente do equipamento existente, pela substituição do equipamento que se tornou obsoleto por um equipamento mais produtivo e pela intensificação do emprego dos processos tecnológicos. Será continuada ao mesmo tempo, a mecanização dos trabalhos penosos básicos e auxiliares. A etapa superior da mecanização, a automatização dos processos da produção, terá amplo desenvolvimento.

Na metalurgia, química, na indústria de fabricação de máquinas e em outros setores, terão amplo emprego os processos eletrotecnológicos mais aperfeiçoados, baseados na ação química e térmica da corrente elétrica.

Realizar-se-á um grande programa de eletrificação dos transportes ferroviários e também da agricultura.

Aumentará consideravelmente a utilização da energia elétrica nos serviços públicos e para atender às necessidades da população.

Em virtude de tudo isso, em fins do VI Plano Quinquenal, o consumo de energia elétrica aumentará em comparação com 1955: na indústria, quase duas vezes na agricultura, 2,2 vezes nos transportes ferroviários, 2,3 vezes.

Conclui-se daí que a principal tarefa da energética é assegurar ritmos superiores de desenvolvimento da construção de estações elétricas.

A inversão de capitais na construção de estações e de redes elétricas aumentará durante o VI Quinquênio em 90% aproximadamente, em comparação com os gastos feitos no V Plano Quinquenal. A potência das estações elétricas aumentará 2,2 vezes e a produção de energia em 88%. Nestas condições aumentarão as reservas de potencial nos sistemas energéticos principais, o que garantirá a elevação dos suprimentos de energia elétrica à economia nacional.

No VI Plano Quinquenal prevê-se a construção de grandes estações elétricas, hidráulicas e térmicas.

Nos quinquênios precedentes o crescimento do potencial energético não foi suficiente. Uma das causas disso foi a decisão errônea tomada a respeito da construção de estações elétricas distritais de capacidade limitada e com pequenos agregados. A potência média de um turbo-agregado instalado nas estações termoelétricas de distrito em 1938-1942 era de 26.000 quilowatts em 1946-1950 baixou para 24.000 quilowatts e no quinto plano quinquenal aumentou apenas para 34.000 quilowatts.

Para demonstrar o erro dessa orientação na construção das estações elétricas, consideremos, por exemplo, o sistema energético dos Urais, cuja potência instalada total é de 4 milhões e 400 mil quilowatts. Com um aumento anual da demanda de 600 a 700 mil Quilowatts, é difícil garantir o aumento correspondente na potência instalada com agregados de 25 e até mesmo de 50 mil quilowatts como se fez ate recentemente. Num sistema energético tão grande é necessário instalar nas estações elétricas em construção agregados com uma potência de 100 a 200 mil quilowatts.

Ao fixar a potência das próprias estações elétricas é preciso considerar as proporções do desenvolvimento da energética, as perspectivas de unificação do sistema energético, as necessidades da região em energia elétrica e determinar em cada caso, de acordo com isso, a capacidade da estação elétrica e a potência individual dos agregados nela instalados.

Nesse sentido é preciso ter em mente que a elevação da capacidade das estações termoelétricas, por exemplo de 300 mil quilowatts a 600 mil quilowatts, permite reduzir 15 a 20% nos gastos com um quilowatt instalado, enquanto que essa redução será de 25 a 30% nas estações elétricas com uma potência de 1 milhão e 200 mil quilowatts.

Por isso, no projeto de Diretivas prevê-se de maneira completamente justa a construção de poderosas estações elétricas com instalação de grandes agregados para 100, 150, 200 e até mesmo 300 mil quilowatts e de caldeiras de potência correspondente e prevê-se realizar a construção segundo o esquema mais perfeito tecnicamente: o sistema caldeira-turbina.

O emprego, nas estações elétricas, de agregados tão grandes é tanto mais conveniente pelo fato de que permite aumentar a potência das usinas que produzem turbinas, caldeiras e máquinas elétricas.

Por exemplo: na usina metalúrgica de Leningrado, passando-se da produção de turbinas com uma potência de 25.000 quilowatts para as de 100, 150 e 200 mil quilowatts, a potência total das turbinas aumentará de 2,5 vezes.

Na usina «Electro-Sila», para a fabricação de um turbo-gerador de 100 mil quilowatts se gasta no torno menos 25 a 30% em horas do que para o preparo de 4 turbo-geradores de 25 mil quilowatts cada um.

Nas estações termoelétricas será necessário instalar equipamento de parâmetros de vapor ainda mais elevados em comparação com os que são atualmente empregados. Pelos dados que passamos a citar vê-se o que isso representa economicamente: elevação da pressão do vapor nas turbinas de 90 atmosferas para 135 atmosferas e da temperatura de 500 graus para 535 graus centígrados, reduz o gasto específico do combustível de 10 â 12 por cento na produção de energia elétrica passando a uma pressão ainda mais elevada de 220 atmosferas e à temperatura de 600 graus, o gasto específico de combustível reduz-se de 14 a 15%. Eis as grandes vantagens que o Estado pode conseguir, em consequência do emprego da nova técnica na energética.

Durante o VI Plano Quinquenal é necessário realizar, ao lado de construção de novas estações elétricas altamente econômicas, a reconstrução de várias estações erigidas nos anos dos primeiros planos quinquenais.

A reconstrução pode realizar-se no fundamental nos edifícios existentes por meio de pequenas alterações e da substituição parcial das caldeiras e das turbinas de baixa pressão por agregados de alta pressão. Aí a potência das estações elétricas será aumentada praticamente sem grandes pastes complementares, com um suprimento de água e de combustível, e sem pessoal complementar. A despesa de combustível para a produção de energia elétrica baixará consideravelmente, os cáculos feitos quanto a 25 estações elétricas revelam que sua potência deverá ser, após a reconstrução, aumentada de mais de 1 milhão e 500 mil quilowatts, ou 35%. A economia anual de combustível será de 3.000.000 de toneladas enquanto que as despesas complementares com a reconstrução serão cobertas em dois anos ou, no máximo, 4 anos.

O desenvolvimento da eletrificação na URSS, no novo Plano quinquenal deve processar-se não só no sentido de abastecer os grandes centros industriais com energia elétrica, como também por meio da anexação aos sistemas energéticos de novas regiões, distritos e cidades.

Atualmente, com a existência de grandes sistemas energéticos, várias regiões e distritos urbanos que possuem os recursos necessários em matéria-prima e em força de trabalho desenvolvem-se lentamente por falta de energia elétrica. Por exemplo, centros regionais como Vologda, Balachov, Kirovograd, Kerson, Grodno e muitos outros recebem de pequenas estações elétricas comunais e industriais uma energia cara e em quantidade insuficiente. A falta de uma base energética segura freia o desenvolvimento da indústria e da agricultura nessas cidades e regiões.

No novo Plano quinquenal é necessário começar a abolir essas «manchas brancas» na eletrificação e ampliar as redes elétricas de maneira que novas cidades e regiões agrícolas sejam gradualmente ligadas aos grandes sistemas energéticos nacionais. A criação de um sistema energético único na parte européia da URSS contribuirá sem dúvida alguma para resolver esse problema.

Na elaboração dos planos de construção das linhas de transmissão elétrica a longas distâncias é necessário considerar com maior audácia o emprego de corrente elétrica contínua ao invés da corrente elétrica alternada. É particularmente conveniente empregar a corrente contínua para as linhas de transmissão que unem certos grandes sistemas energéticos. Isto facilitará a maior estabilidade no trabalho do sistema energético único, e, além disso, reduzirá de 3 a 4% as perdas de energia na transmissão, bem como o gasto dos metais não ferrosos.

O desenvolvimento da eletrificação do país e a elevação do nível técnico da energética colocam sérios problemas diante de nossa indústria eletrotécnica.

Durante o quinquênio atual é necessário iniciar a produção de turbo-geradores com potência até 300 mil quilowatts, de poderosos hidrogeradores, de grandes transformadores e de aparelhagem elétrica de alta-voltagem para as tensões superelevadas e grandes potências explosivas. Essa tarefa só pode ser realizada com êxito à base do emprego das últimas conquistas no domínio da eletrotécnica.

Ao determinar o que a indústria de combustíveis deve realizar, o Comitê Central do P.C.U.S. considera a conveniência econômica de desenvolver a extração de certos tipos de combustíveis levando em conta os gastos de capital, o preço de custo da extração e a redução das distâncias no transporte.

No projeto de Diretivas prevê-se o desenvolvimento preferencial da extração de petróleo e de gás como os tipos de combustível mais economicamente úteis. Em 1960 será extraído petróleo quase duas vezes e gás quatro vezes mais do que em 1955. Em consequência disso, o peso específico do petróleo e do gás na balança de combustíveis ao pais aumentará até 30,5% em 1960. Essa elevação do papel do gás e do petróleo no balanço de combustíveis é de todo conveniente porque o preço de custo da extração de uma tonelada de gás é interior 8 vezes, e do petróleo 3 vezes, ao da extração de uma tonelada de carvão.

Se acrescentarmos a isso que o trabalho subterrâneo dos mineiros é muito mais complicado e difícil do que o trabalho dos operários da indústria petrolífera, torna-se perfeitamente caro quão justa e fundamentada e a orientação do Comitê Central quanto ao desenvolvimento da indústria de combustíveis na URSS

No VI Plano quinquenal propomo-nos também continuar a desenvolver a extração de carvão, sobretudo nas regiões da parte européia da URSS, porque para essa região do país somos forçados a importar carvão do Oriente. O aumento previsto na extração de carvão na bacia do Donetz, das adjacências de Moscou e de Petchora permitirá reduzir verticalmente, em 1960, a importação do carvão oriundo de regiões distantes.

Com o objetivo de utilizar mais racionalmente carvão e reduzir seu transporte, tencionamos erguer grandes estações termoelétricas destinadas unicamente a produzir energia elétrica, principalmente nas proximidades dos lugares de extração de combustível de baixa caloria enquanto que a energia elétrica produzida será transmitida aos locais de consumo por meio de linhas de alta tensão.

A balança de combustível do país foi prevista tendo em vista a baixa de consumo de carvão graças ao aumento da produção de energia hidroelétrica, a eletrificação dos transportes, o uso de equipamento altamente econômico nas estações termoelétricas, a termificação das cidades e das indústrias e também a construção de estações elétricas atômicas.

A baixa geral do consumo de combustível como resultado da realização das medidas mencionadas será de cerca de 100 milhões de toneladas, ou 17% de toda a produção de carvão em 1960, inclusive 20 milhões de toneladas graças à eletrificação dos transportes ferroviários.

O volume da extração de carvão previsto no projeto de Diretivas atenderá completamente ao consumo na economia nacional, sob a condição, porém, de cumprimento obrigatório das tarefas relativas ao desenvolvimento da extração de carvão, do gás, e da redução no consumo do carvão por meio das medidas acima mencionadas. Por isso, a fim de evitar as desproporções na balança de combustíveis do pois, os trabalhadores da indústria do petróleo e do gás, da indústria da energia, os metalúrgicos, os químicos e os ferroviários não devem esquecer-se dessa importante circunstância.

Nosso Partido e o Governo lutam de maneira firme e consequente pela interdição das armas atômicas e de hidrogênio e pela utilização da energia atômica com finalidades pacíficas.

Como é de domínio público, em junho de 1954 começou a funcionar na União Soviética a 1.ª Estação Elétrica Atômica do mundo, com uma potência de 5.000 quilowatts. A experiência adquirida com o trabalho dessa Estação demonstrou de maneira convincente a possibilidade e a conveniência de utilizar energia atômica para a produção de energia elétrica. Por isso, o Comitê Central tenciona construir no curso do VI Plano Quinquenal algumas Estações Eletroatômicas com uma potência total de 2 milhões e quinhentos mil quilowatts, principalmente nas regiões que consomem carvão importado de longas distâncias. Trata-se de uma tarefa muito séria e que exige dos trabalhadores dos diferentes domínios da ciência e da indústria grandes esforços para ser realizada.

No processo de criação de reatores atômicos destinados às estações elétricas e ao funcionamento de instalações atômicas para transportes, é necessário, — como afirmou em seu discurso o acadêmico Kurtchatov — resolver em prazo curto complexos problemas científicos e técnicos.

Será necessário que os fabricantes de máquinas e os trabalhadores da indústria da energia construam também reatores atômicos que possibilitem receber o vapor à alta pressão e, por conseguinte, equipar as estações eletroatômicas com turbo-agregados modernos.

A indústria metalúrgica deve garantir a produção de materiais de construção de solidez elevada, os quais são necessários para o fabrico dos reatores atômicos.

A utilização da energia atômica, para produzir energia elétrica, como se sabe, baseia-se no emprego, nos reatores atômicos, do urânio natural ou enriquecido, do plutônio, e também do urânio, 233, conseguido através do tório.

A quantidade de energia contida no urânio e no tório naturais, os quais se encontram nas entranhas da terra, ultrapassa muitas vezes as reservas de combustível existentes no mundo.

No entanto, a humanidade poderá construir fontes de energia consideravelmente maiores se se descobrirem os meios de regulamentar o processo termonuclear de síntese dos elementos leves. Com esse processo, destaca-se uma energia algumas vezes maior do que com a desintegração do urânio.

Os sábios e engenheiros soviéticos devem intensificar por todos os meios as pesquisas científicas no sentido de conseguir reações termonucleares reguladas e encontrar os meios de resolver este importantíssimo problema. Penso que os sábios soviéticos têm a capacidade de resolver este problema e que este será sem dúvida alguma por eles solucionado, o que representará uma grandiosa vitória da ciência. Serão estabelecidos os alicerces para a criação de uma inesgotável base energética para a futura sociedade comunista.

Ao falar do progresso técnico da economia nacional no novo quinquênio, não podemos silenciar a respeito do papel particular que a radiotécnica e a eletrônica representarão neste domínio. A radiotécnica e a eletrônica não só se empregam no domínio das comunicações, radiodifusão e televisão, como também são amplamente utilizadas nas indústrias metalúrgicas, petrolíferas, químicas, na indústria mecânica, na energética e em outros ramos da economia nacional. A elevação da velocidade, a intensificação dos processos na metalurgia, química e outros setores, tornam-nos tão complexos, tão rápidos e dinâmicos, que se torna impossível governá-los a mão ou por meio dos dispositivos comuns. A direção desses processos realiza-se por meio de aparelhos eletrônicos.

O nível já alcançado na técnica da televisão permite empregá-la amplamente na indústria, nos transportes e na energética, para o controle visual, para a direção a distância e para a triagem. Já no ano corrente o Ministério da Indústria Radiotécnica preparará uma partida de aparelhos de televisão, receptores e transmissores para emprego na economia nacional.

No projeto de Diretivas encontra-se entre os objetivos de primeira importância o desenvolvimento considerável da indústria química. Atualmente é difícil subestimar o papel da química no aperfeiçoamento dos processos tecnológicos, na melhoria da qualidade dos artefatos em todos os ramos da indústria pesada e leve.

Novos materiais sintéticos não só substituem atualmente os naturais, frequentemente deficitários, como, possuindo qualidades peculiares, possibilitam elevar a produção a nível técnico mais alto. Por exemplo, na radiotécnica e nos ramos a ela ligados são atualmente empregados em profusão os ferrites, um novo grupo de materiais magnéticos. O emprego de ferrites no preparo dos receptores de rádio e nos televisores permite melhorar consideravelmente sua qualidade, reduzir suas proporções e peso, e de 20 a 30% a despesa de energia elétrica.

Poderíamos citar centenas de exemplos que revelam o papel insubstituível da indústria química no progresso técnico dos diferentes setores da economia nacional.

Atualmente quase todos os setores exigem novos produtos químicos em quantidade sempre crescente. No entanto, nossa indústria química por enquanto não satisfaz a essas necessidades da economia nacional. No projeto de Diretivas prevê-se acelerar o ritmo de desenvolvimento da indústria química e em particular daqueles seus setores de que dependem o progresso técnico, a ampliação da produção industrial e o progresso da agricultura.

Nos informes dos camaradas N. S. Kruschiov e N. A. Bulgânin aponta-se de maneira inteiramente justa a importância particular de aumentar por todos os meios a produção de preparados químicos derivados de produtos do petróleo e de gases naturais para ampliar a produção de tecidos artificiais e de sucedâneos dos produtos alimentares. Nesse sentido a nossa indústria química está bastante atrasada.

A principal responsabilidade por isso cabe ao Ministério da Indústria Química que dedica pouca atenção ao desenvolvimento desse importante setor da economia nacional. Além disso, a utilização dos gases naturais e dos produtos derivados do petróleo como matéria-prima química tem sido, até ultimamente, freada também pelo Ministério da Indústria Petrolífera. Os dirigentes de algumas usinas de elaboração de petróleo não compreendem a importância estatal da questão e, por isso, preferem queimar ou deixar perder-se na atmosfera uma matéria-prima extremamente valiosa para elaboração química. Por exemplo, a usina de borracha sintética em Sumgai, durante muito tempo, funcionou com interrupções, em virtude do deficiente abastecimento de gás pela usina petrolífera «Novo-Bakinski».

No projeto de Diretivas prevê-se ampliar verticalmente a utilização de gases derivados do petróleo e de gás natural para a produção de diversos produtos químicos sintéticos.

Conjuntamente com os construtores, os químicos e os trabalhadores da indústria petrolífera devem empregar todos os esforços para realizar com êxito essa importante tarefa do Partido.

Grandes recursos em matéria-prima valiosa para a produção de diferentes preparados químicos estão contidos nos gases conseguidos com a produção do coque. No entanto, é também em proporção extremamente insuficiente que esses recursos são utilizados em nosso país.

Assim é que, por exemplo, em 1955 somente 5,3% de 15 bilhões de metros cúbicos de gás do coque foram elaborados quimicamente, para a obtenção de amoníaco e preparados químicos orgânicos. A quantidade restante desse gás foi utilizada pela usina- metalúrgica simplesmente como combustível. É tecnicamente de todo possível, porém, utilizar considerável parte do gás de coque como matéria-prima, para preparados químicos, e atender ao consumo de combustível aas usinas metalúrgicas por meio do gás dos altos fornos, dos geradores ou do combustível líquido.

É particularmente importante utilizar mais completamente o etileno contido no gás de coque para produção do pó etileno e do álcool sintético. Assim, o país poderá conseguir mais uma grande quantidade de diferentes preparados químicos orgânicos e também de adubos minerais.

O Ministério da Siderurgia não considera seu dever desenvolver o preparo químico dos gases do coque e, além disso, comumente manifesta-se contra a construção de novas usinas químicas, quando se tenciona utilizar o gás de coque para a produção de preparados químicos.

Essa atitude burocrática em relação à solução de problemas que dizem respeito a vários setores da economia nacional representa uma séria deficiência em muitos Ministérios e Departamentos. Alguns comunistas — dirigentes de Ministérios, de Organizações Econômicas e de Empresas — se acham tão enredados nos assuntos de seus departamentos que não vêem um palmo adiante do nariz e por isso, com frequência, abordam de maneira praticista, sem espírito público, a solução de importantíssimos problemas que dizem respeito a vários setores da economia nacional.

É necessário lutar firmemente contra esses fenômenos perniciosos na atividade do aparelho estatal e limpá-lo da ferrugem do burocratismo imperante em certos departamentos. Isto abolirá muitos empecilhos no progresso da economia nacional e permitirá resolver mais rapidamente, no interesse geral, as questões técnicas e econômicas que simultaneamente dizem respeito a vários setores da economia nacional.

É necessário que o GOSPLAN da URSS, os Ministérios da Indústria Química e da Siderurgia, elaborem um plano de desenvolvimento da produção química no VI Plano Quinquenal com base no aproveitamento dos gases de coque.

Prevê-se no novo quinquênio sério desenvolvimento de outros setores da indústria química, isto é, a produção de adubos minerais, de preparados químicos venenosos, ácido sulfúrico, soda, tintas, pneus de automóveis e outros artefatos.

De acordo com as tarefas estabelecidas para a indústria química, pretende-se aumentar as inversões de capital nesse setor, 25 vezes, em comparação com o V Plano Quinquenal. É questão de honra para os trabalhadores da indústria química e para os construtores realizar esse grande programa do desenvolvimento da química na União Soviética.

O melhoramento, por todas as formas, da qualidade da produção é uma das tarefas mais importantes que se apresentam aos trabalhadores da indústria.

As questões relativas à melhoria da qualidade da produção foram amplamente discutidas em virtude da conhecida carta do C. C. do P. C. U. S. e também no pleno de julho.

Muitas empresas conseguiram depois disso consideráveis êxitos e tomaram várias medidas para aperfeiçoar as máquinas e equipamentos, para introduzir na produção uma tecnologia nova e mais aperfeiçoada, para intensificar o controle sobre a observância dos padrões e para elevar a qualidade da produção.

No entanto, algumas usinas continuam a produzir equipamentos com defeitos e mal-acabados, apesar da existência do controle técnico na seção e na fábrica.

São particularmente insatisfatórias a fundição, a soldagem, a pintura e outras operações de acabamento. Em consequência disso a produção não merece confiança, tem um aspecto pouco atraente e grosseiro.

Vou citar alguns exemplos. A usina da indústria químico-mecânica nos Urais fabricou dois aparelhos de vácuo para a fábrica de soda de Islavianski. A prova a que esses aparelhos foram submetidos no local da instalação revelou serem os mesmos imprestáveis porque as telas dos tubos foram fundidas de ferro gusa inadequado. Lamentavelmente certos dirigentes de usinas fecham os olhos a tais aberrações e limitam-se a cobrir as perdas resultantes da produção defeituosa à custa do Estado.

O camarada Chestakov, diretor da Usina químico-mecânica dos Urais respondeu tranquilamente a uma reclamação da fábrica de Soda de Islavianski que durante o mês de novembro e primeira metade de dezembro de 1955 seriam fabricadas e enviadas novas peças em troca das defeituosas.

Essa atitude nos faz lembrar o famigerado Bivalov do filme «Canção do Volga». Às reclamações indignadas feitas por compradores de balalaicas defeituosas, fabricadas segundo seu "sistema", imperturbavelmente ordenou à sua secretária: "Receba essa droga e entregue outra". (Animação no auditório, risos.)

Com frequência as empresas subordinadas ao Ministério da Indústria Eletrotécnica fornecem produtos de má qualidade.

A fábrica de Leningrado, "Electric" — a mais antiga fábrica na produção de equipamento para solda elétrica — possui muitos técnicos experimentados, mestres e operários de elevada qualificação, isto é, tudo possui para a produção de equipamento de primeira classe e de elevada qualidade. No entanto, com frequência seus produtos apresentam uma grande quantidade da defeitos. Por exemplo, em 1955 ao se fazer o controle regulamentar da produção, constatou-se em 28 máquinas e aparelhos fabricados pela Usina, por solicitação do Ministério do Comércio exterior e aprovadas pelo Departamento de Controle Técnico da fábrica, 440 defeitos, em consequência do que esse equipamento foi declarado imprestável.

As empresas subordinadas ao Ministério da Metalurgia não ferrosa fornecem à indústria eletrotécnica.lingotes de cobre de qualidade insatisfatória. Nas usinas Glavmiodi a produção desses lingotes é feita segundo uma técnica imperfeita e obsoleta, em consequência do que sua camada superficial apresenta vários defeitos, que reduzem as propriedades práticas do cobre e acarretam uma maior quantidade de produtos imprestáveis.

A indústria carbonífera com frequência fornece à economia nacional carvão com uma percentagem de cinzas acima da norma, com grande conteúdo de umidade e com fragmentos fora das proporções padronizadas a concentração do carvão é realizada em proporções insuficientes.

O Ministério da Indústria Florestal da URSS fornece considerável quantidade de madeira em precárias condições, não selecionada que acarreta grandes despesas em sua utilização.

A população reclama seriamente a qualidade de certas mercadorias de amplo consumo.

Os motivos principais de que a produção da indústria de fabricação de máquinas não seja de boa qualidade é a tecnologia atrasada, a transgressão dos princípios tecnológicos, a precariedade das seções e a falta de atenção quanto à sua qualidade, por parte dos engenheiros, dos técnicos e dos dirigentes das fábricas

Em certas empresas não se acha bem organizada a direção técnica da produção nas seções. Nas seções das empresas da indústria de construção de máquinas poucos engenheiros trabalham como tecnólogos, mestres, chefes de setores e até mesmo chefes de seções. Chegamos a essa situação em particular porque nossa juventude não é bem educada nos estabelecimentos de ensino superior. Certos jovens especialistas recém-formados pelas escolas superiores consideram que devem trabalhar somente nas Instituições de Pesquisas Científicas, nos escritórios de construção e, se na fábrica, então na administração desta. Considera-se sem sorte aquele que é enviado a uma seção. Esses jovens técnicos não compreendem que para assimilar bem a tecnologia da produção, para criar boas plantas e projetos, é necessário ver com os próprios olhos todos os detalhes da produção, manusear os instrumentos de produção e ter uma idéia do que seja a produção. Só se torna engenheiro, construtor, e técnico qualificado o jovem especialista que passa pela escola da produção. É necessário observar estritamente a ordem estabelecida pelo governo e enviar os jovens engenheiros e técnicos diretamente à produção, o que elevará a direção técnica nas secões e será de utilidade tanto à empresa como aos próprios jovens especialistas.

Devemos, ao mesmo tempo, ampliar por todos os meios o preparo de engenheiros e técnicos dentre os operários e mestres, sem desligá-los da produção e nas instituições de ensino por correspondência e noturnas. O progresso da economia nacional e os interesses do povo exigem que ponhamos fim, dentro do prazo mais curto, à produção de baixa qualidade e incompleta quanto à sua variedade.

As organizações do Partido nas empresas e ministérios não devem admitir a produção de baixa qualidade. Devemos alcançar uma situação em que todo operário, engenheiro ou diretor compreenda que a produção de materiais, de máquinas e de mercadorias de amplo consumo de má qualidade é incompatível com a dignidade do cidadão soviético, construtor do comunismo.

Camaradas! O sistema socialista planificado de economia nacional abre amplas possibilidades para uma economia de meios de produção e de trabalho mais completa e cientificamente fundamentada.

Segundo as afirmações de Vladimir Ilítch Lênin, a sociedade socialista soviética é a mais progressista do mundo e a sociedade mais econômica.

O Comitê Central e todo o nosso Partido lutam diariamente pela realização do mais severo regime de poupança em todos os setores da economia nacional como condição indispensável às acumulações internas na economia, ao contínuo aumento da produção e à elevação da produtividade do trabalho social.

Para realizar a histórica tarefa de fomentar ainda mais a indústria socialista, a agricultura e os transportes, e também para realizar o grande programa de elevação do nível material e cultural de vida do povo, no projeto de Diretivas do XX Congresso prevê-se uma grande envergadura de inversões básicas em todos os setores da economia nacional.

Uma acertada utilização dessas inversões básicas, uma ampla economia nas obras, criam grandes reservas complementares para ampliar a produção socialista e elevar o bem-estar material dos trabalhadores.

Efetivamente, só uma economia de 1% nas inversões básicas representa uma importância considerável: cerca de 10 bilhões de rublos. Com tais recursos poder-se-ia construir mais uma poderosa estação hidrelétrica análoga à de Kuibichev, ou um combinado metalúrgico, equivalente quanto à capacidade ao de Magnitogorsk, ou, então, construir residências confortáveis numa área de 7 milhões e 500 mil metros quadrados.

Vladimir Ilítch Lênin afirmou em discurso no Pleno do Soviet de Moscou em fevereiro de 1921:

«Na atividade econômica é necessária uma certa «avareza», embora essa palavra não seja de todo adequada». (Obras, tomo 32, pág. 131.)

No entanto, desde então passaram-se 35 anos e até hoje certos dirigentes não aprenderam a ser «avarentos» como devem, isto é, observar diariamente em tudo, o mais estrito regime de economia, ter cuidado com cada rublo dos recursos nacionais, economizar cada tonelada de carvão, petróleo, metal, cimento, cada hora de tempo de trabalho, observar firmemente o rendimento econômico, conseguir o trabalho rentável em todas as empresas e obras.

Consideremos, por exemplo, a realização das obras básicas. Permitimos aqui a dispersão das inversões básicas por uma grande quantidade de projetos o que acarreta prazos prolongados para as obras e o gasto improdutivo dos recursos do Estado. Muitas empresas de construção elaboram projetos com grandes excessos no que diz respeito às soluções dadas aos problemas de arquitetura, de planificação e construção dos edifícios destinados a residências e à fins culturais, sociais e públicos. É preciso dizer que esses excessos se verificam também nas plantas para as empresas industriais em relação às dimensões do território ocupado pela empresa, às áreas e às proporções de seus edifícios. Com frequência prevê-se o emprego de pequenos agregados pouco produtivos e de uma tecnologia obsoleta da produção, o que acarreta o encarecimento das obras.

Em fins do ano passado estive na Geórgia, na cidade de Rustavi. Bela cidade, bem planificada, tudo ali é agradável, mas em sua edificação permitiram-se muitos excessos.

Consideremos, por exemplo, o Palácio da Cultura. Exteriormente o edifício é maior do que o Teatro Bolshoi em Moscou, mas o salão principal só comporta 750 assentos em compensação, ao edifício foram acrescentadas colunatas de todo desnecessárias, lembrando-nos aproximadamente a célebre Catedral de Kasan em Leningrado.

Podemos citar muitos exemplos de atração idêntica pela arquitetura do passado que custa muito caro ao Estado. Já é tempo de os nossos arquitetos e projetistas reorganizarem de fato suas atividades.

Há também superfluidades na planificação e na construção de estações ferroviárias em quase toda a estrada de ferro da Transcaucásia, particularmente às margens do Mar Negro. Em Graga, por exemplo, há duas estações, uma de mercadorias e outra de passageiros, embora não haja necessidade disso.

Em Nova Afona havia uma velha estação. Construiu-se entre dois túneis uma nova estação e agora constrói-se uma terceira, porque não é possível utilizar a estação entre os túneis. Num pequeno centro populoso — Gantiadi — foi construída uma nova e grande estação muito pouco utilizada, por ser reduzido o número de passageiros.

Pergunta-se: em que pensavam os trabalhadores da estrada de ferro da Transcaucásia e do Ministério das Vias de Comunicação ao aprovarem os projetos para tais obras? Trata-se de uma dissipação dos recursos orçamentários, inadmissível no Estado socialista.

Quando se pergunta o que explica tais aberrações, com frequência ouve-se a resposta: tudo foi feito antes da decisão do C.C do P.C.U.S. e do Conselho de Ministros de lutar contra as superfluidades, como se antes disso os comunistas administradores da economia não tivessem que manter uma atitude parcimoniosa em relação ao gasto dos recursos orçamentários.

Os comunistas que elaboraram e aprovaram esse projeto perderam o senso partidário, na prática deixaram de ser comunistas, porque para o comunista e para o cidadão soviético é lei suprema uma atitude parcimoniosa em relação aos recursos públicos. É preciso que as obras sejam mais modestas, porém, mais confortáveis e baratas e graças a isso é preciso construir mais empresas, residências, escolas e hospitais.

Não é boa a situação quanto ao cumprimento das tarefas relativas à baixa dos preços de custo dos trabalhos de edificação e de montagem em muitas organizações que a eles se dedicam. Durante os anos do V Plano Quinquenal os construtores permitiram prejuízos superiores a 9 bilhões de rublos. Na elaboração do projeto de Diretivas para o VI Plano Quinquenal, ao invés de compreenderem que as obras não acabadas chegam a imensas proporções, e de estabelecerem os meios para terminá-las o mais breve possível, barateá-los e utilizar ao máximo o potencial em funcionamento, muitos Ministérios tomaram o caminho de planificar, com exagero, novas obras básicas. Os Ministérios e as repúblicas declararam que necessitarão de mais cerca de 250 bilhões de rublos acima das inversões de capital previstas no Plano quinquenal, quando sabem perfeitamente bem que o volume das obras básicas é determinado pelos recursos materiais e técnicos e não pode ser arbitrariamente aumentado.

Com uma estrita observância do regime de economia e uma justa distribuição de recursos destinados às obras básicas todos os trabalhos previstos no projeto de Diretivas para o desenvolvimento de certos setores da economia nacional, a construção de residências e de instituições culturais e públicas poderão ser incondicionalmente realizados sem inversões de capital complementares.

Camaradas! A imensa amplitude da produção socialista no novo Plano Quinquenal, a passagem da economia nacional para um nível técnico mais elevado exigem dos funcionários públicos e dos dirigentes das empresas e instituições um melhoramento da direção da economia. Ultimamente o Comitê Central e o Conselho de Ministros tomaram várias e sérias providências rara melhorar a atividade do aparelho estatal, para descentralizar a direção da economia e intensificar a atividade operativa das empresas no setor econômico.

A tutela mesquinha vigente antes, a necessidade de receber aos centros as sanções quanto a muitas questões econômicas freavam a iniciativa e dificultavam o trabalho dos Conselhos de Ministros das Repúblicas Federadas, dos Ministérios e das Empresas. No fundo desse sistema de administração estavam sobrevivências da antiga desconfiança em relação aos órgãos locais, aos dirigentes das empresas.

Para intensificarem a iniciativa no domínio da economia e elevar a responsabilidade dos diretores das empresas pela realização dos planos estatais, pelo emprego da nova técnica e da tecnologia da produção, pela regulamentação, organização e aumento da produtividade do trabalho e também pela baixa do preço de custo da produção decidiu-se ampliar consideravelmente os direitos outorgados aos dirigentes das empresas e aos chefes, de setores e mestres. Deve-se assinalar que lamentavelmente algumas instituições centrais resistem à reorganização do aparelho estatal e à ampliação dos direitos outorgados às empresas e aos órgãos locais. Podemos citar o seguinte fato como exemplo: só em janeiro de 1956, com um atraso de 5 meses, o Ministério das Finanças da URSS publicou, para execução, a decisão do Conselho de Ministros da URSS de 9 de agosto de 1955, sobre «a ampliação dos direitos outorgados aos diretores das empresas», instruções sobre a ordem de ratificação da estrutura e do pessoal das empresas e sobre a ordem de formação e gasto dos fundos das empresas. É por isso que antes do começo de 1956 essa importante decisão estava longe de ser cumprida integralmente.

Reorganizando a administração da economia do país o Comitê Central partiu da necessidade de combinar o princípio da planificação centralizada em benefício de toda a União Soviética com a elevação da independência e da iniciativa na solução dos problemas das repúblicas relativos à economia e à cultura.

Temos tomado muitas decisões sobre diferentes problemas ligados à atividade econômica, porém, com frequência estas decisões são cumpridas mal e fora dos prazos fixados.

Uma das causas para tal situação é sobretudo a organização insatisfatória e ineficiente do trabalho, a direção imprecisa, e também o controle pouco eficaz sobre a realização das decisões tomadas, pelos Ministérios e Departamentos.

O controle da atividade dos órgãos soviéticos da economia, tanto pela base, por parte das massas trabalhadoras e da organização do Partido, como de cima, por parte dos órgãos centrais do Partido e dos Soviets, não é uma expressão de desconfiança para com os dirigentes e sim, parte inseparável dos princípios de organização bolchevique que regulam a administração do país. No entanto, certos dirigentes de Ministérios e Departamentos não compreendem a importância do controle e com frequência reduzem-no à sindicância no papel e à constatação dos fatos. Lamentavelmente, é pelos mesmos processos burocráticos que também o Ministério do Controle Estatal da URSS trabalha na maioria dos casos.

Devemos lembrar que na carta «As tarefas da Inspeção Operária e Camponesa» Vladimir Ilícht Lênin escreve:

«A finalidade da Inspeção Operária e Camponesa não é só e até mesmo não é tanto «descobrir», «desmascarar» (o que é tarefa da justiça, com a qual a I.O.C. está de perto em contacto, não sendo, porém, idêntica a mesma), quanto saber corrigir. A correção hábil e em ocasião oportuna — eis a principal tarefa da I.O.C.» (Obras, t. 33, pág. 21.)

O controle exercido pelo Estado Soviético sobre a atividade dos órgãos e empresas estatais na produção, na economia e nas finanças é condição indispensável para que a direção da gigantesca economia de nosso país seja acertada. Todavia, o Ministério do Controle Estatal da URSS e seus órgãos locais ainda não se tornaram a alavanca mais importante na luta pela realização oportuna e exata das decisões do Comitê Central e do Conselho de Ministros da URSS. Nos órgãos do Ministério do Controle Estatal da URSS trabalha um imenso exército de pessoal qualificado que, com uma justa organização do controle, poderá prestar indispensável ajuda diária ao governo e ao C.C. No Ministério do Controle Estatal da URSS criou profundas raízes, porém, a prática viciosa de correr atrás de grande quantidade de verificações, processo que acarretou a dispersão de forças e a redução da eficiência do controle. Em regra geral, as verificações e exames se realizam por métodos duplamente burocráticos, com frequência sem a participação dos militantes do Partido e das organizações sindicais, bem como dos operários das empresas submetidas a controle.

Ao invés de um esforço em todos os sentidos para conseguir-se um controle eficiente, prevenir e corrigir as deficiências com habilidade e em tempo, conseguir que os ministérios e empresas em questão tomem providências imediatas para extirpar as falhas reveladas pelo controle segundo os resultados deste, o Ministério do Controle Estatal da URSS limita-se a enviar ao governo informes volumosos.

Vou citar um exemplo que caracteriza o estilo de trabalho desse Ministério. De junho a julho de 1955 o Ministério do Controle Estatal da URSS fez uma verificação do cumprimento da decisão tomada pelo Conselho de Ministros da URSS e pelo C.C. do P.C.U.S. quanto ao aumento da produção e do armazenamento de carne nos colcoses e sovcoses. Dessa verificação participaram 125 controladores que inspecionaram 150 colcoses, 46 E.M.T. e 38 sovcoses e apresentaram ao Ministério do Controle Estatal da U.R/S.S. atas e informações com 786 páginas. O assistente do controlador principal do.Ministério da Agricultura da URSS, que chefiou a brigada de controladores enviada à região de Penza, visitou em um dia dois colcoses do distrito de Kuznietsk. Toda a sua inspeção reduziu-se à coleta de materiais estatísticos. Elaborou as «atas de verificação» que inscrevem as tarefas estabelecidas aos colcoses para o fornecimento de carne, a quantidade de cabeças de gado de corte, de suínos, ovelhas, chegando à conclusão de que até o fim do ano os colcoses devem entregar ao Estado tantos quintais de carne. (Animação na sala.)

Com base nesses controles burocráticos o Ministério do Controle Estatal da URSS apresentou ao Conselho de Ministros um memorandum constituído de duas propostas sem qualquer significação.

Primeiro: «Chamar a atenção do Ministério da Agricultura da URSS para o cumprimento insatisfatório da resolução do C.C. do P.C.U.S. e ao Conselho de Ministros da URSS sobre o aumento da produção e o armazenamento de carne nos colcoses».

Segundo: «Ordenar ao Ministério da Agricultura da URSS e aos Conselhos de Ministros da RSFSR, da RSS da Ucrânia, da RSS do Kazaquistão e da RSS da Letônia examinar o estado da produção, da entrega de carne ao Estado pelos colcoses e tomar as medidas necessárias que assegurem o cumprimento da resolução do C.C. do P.C.U.S. e do governo quanto a esta questão". (Risos.)

Eis aqui o resultado de um controle tão grande. É como se afirma na Ucrânia: «Muito barulho é sinal de pequeno resultado". (Risos, aplausos.)

Pergunta-se: qual é o valor de um controle desse tipo e de todo esse papelório? Sua utilidade é nula e só serve para afastar as pessoas do trabalho. O Ministério do Controle Estatal da URSS deixou escapar o elo fundamental de sua atividade: o controle real sobre o cumprimento das decisões tomadas pelo governo e pelo C.C.

Camaradas! O grandioso programa do poderoso fomento da edificação econômica e cultural de nosso país, estabelecido pelo projeto de Diretivas para o VI Plano Quinquenal de Desenvolvimento da Economia Nacional da URSS demonstra com novo vigor, a toda a humanidade, a política de paz de nosso Estado. Cada capítulo do novo Plano Quinquenal, cada uma de suas cifras constitui prova convincente das intenções pacificas de nosso povo, entregue ao trabalho criador. O VI Plano Quinquenal é um plano de poderoso aumento do poderio econômico de nossa pátria, de ascenso da sua agricultura e de considerável elevação do bem-estar do povo.

O novo Plano Quinquenal é um exemplo brilhante das vantagens fundamentais do sistema socialista de economia que se desenvolve tendo em vista a satisfação cada vez mais completa das necessidades materiais e culturais do povo, o fortalecimento da paz em todo o mundo.

O VI Plano Quinquenal se acha tão estreitamente ligado aos interesses fundamentais do povo soviético que não pode haver dúvida quanto a sua realização vitoriosa.

Muito depende de nós, os comunistas dirigentes das organizações partidárias, soviéticas e da economia e particularmente de nossa habilidade em organizar o cumprimento dos planos por empresa, por colcós e sovcós e garantir o progresso técnico com base no uso da nova técnica em todos os ramos da economia.

A realização das grandiosas tarefas relativas ao novo quinquênio, a utilização da nova técnica e da experiência de vanguarda, dependerão no fundamental do trabalho da organização partidária e da atividade dos comunistas.

No período decorrido após o XIX Congresso nosso Partido e o C.C. realizaram grande trabalho para fomentar a agricultura, melhorar a atividade na indústria e fortalecer a capacidade de defesa do país. Aumentou o poderio econômico da União Soviética e elevou-se ainda mais sua autoridade internacional.

Esses êxitos explicam-se antes de tudo pelo fato de que nosso C.C. realiza uma política interna e externa justa, baseada na grande doutrina do marxismo-leninismo. Após o XIX Congresso do Partido e em particular nos últimos anos, o C.C. segue de maneira consequente a orientação de desenvolver a democracia interna no Partido, e realizar firmemente os princípios leninistas que regem a vida partidária. Os plenos do C.C. do Partido ocuparam o lugar que lhes cabe na direção do Partido e do país. Nos Plenos do C.C. analisam-se as questões mais importantes, tanto relativas à vida interna do país como à situação internacional.

O Comitê Central orienta-se consequentemente no sentido de fortalecer a direção coletiva no Partido porque aí está nossa força, a força do Estado soviético, o vigor de nosso Partido Comunista como dirigente de todo o povo soviético.

Considerando o caminho percorrido pelo nosso Partido vemos, com clareza, ainda maior, a grandeza e a perspicácia de nosso chefe e mestre, Vladimir Ilítch Lênin. Há mais de meio século Lênin ressaltava com vigor particular que não basta admitir o marxismo e propagá-lo, que é necessário desenvolvê-lo criadoramente. Para garantir a vitória do proletariado na luta contra o capitalismo é necessário existir o Partido Comunista, destacamento de vanguarda da classe operária, que não só prepare as massas e organize a vitória da revolução proletária, como também conduza os trabalhadores na luta subsequente pela construção da sociedade comunista.

O XX Congresso do Partido Comunista penetrará na história do movimento operário revolucionário como grande acontecimento político. O Congresso aprovará o grandioso programa de construção do comunismo e enriquecerá o marxismo-leninismo com novas teses teóricas baseadas na imensa experiência acumulada na luta pelo comunismo e na análise profunda da situação internacional contemporânea.

Cabe-nos a grande felicidade de viver e trabalhar na época da construção do comunismo, de lutar pela realização prática das idéias do marxismo-leninismo. Nessa luta criadora vemos crescer extraordinariamente, a força, o poderio e o talento do povo que deitou por terra o jugo da exploração capitalista e que livremente constrói uma vida feliz. A doutrina do marxismo-leninismo, penetrando cada vez mais ampla e profundamente entre os povos do mundo, tornou-se uma força tão poderosa que supera a resistência do regime capitalista, e dia a dia conquista novas e novas posições.

Não há dúvida de que o VI Plano Quinquenal de desenvolvimento da economia nacional da URSS será realizado vitoriosamente, como todos os planos quinquenais anteriores.

É garantia disso o heroísmo criador do povo soviético no trabalho e sua confiança ilimitada em seu Partido Comunista, o grande Partido que conduz de maneira firme e sem desfalecimento a União Soviética pelo caminho do leninismo, em direção ao comunismo. (Tempestuosos aplausos.)

Compartilhe este texto:
Início da página
 
Visite o MIA no Facebook
 

logomarca problemas
Inclusão 23/12/2011