O Homem, o Capital Mais Precioso

J. V. Stálin

4 de Maio de 1935


Primeira Edição: Discurso aos Finalistas da Academia do Exército Vermelho. Pravda, 6 de Maio de 1935. Discurso proferido no Palácio do Krémlin aos finalistas da Academia do Exército Vermelho.
Fonte:
Pelo Socialismo. Retirado de I.V. Stáline “L 'homme, le capital le plus précieux”, Editions Sociales, 1952; I. V. Stáline, Obras (em russo), 1.14, ed Pissátel, Moscovo, 1977, pp. 58-63 .
Tradução: do francês de TAM, cotejado com o original russo por CN, em 2013/01/03
HTML:
Fernando A. S. Araújo.

Camaradas!

Não se pode negar que nos últimos tempos tivemos grandes êxitos, quer no domínio da construção, quer no da gestão. A este propósito, tem-se falado demasiado dos méritos dos dirigentes, dos méritos dos líderes. Atribuem-se-lhes todas, quase todas as nossas realizações. Isto é evidentemente inexacto e incorrecto. Não se trata apenas dos líderes. Mas não é disso que eu queria falar hoje. Queria dizer algumas palavras sobre os quadros, os nossos quadros em geral e, em particular, dos quadros do nosso Exército Vermelho. Sabeis que herdámos dos velhos tempos um país tecnologicamente atrasado, um país empobrecido e devastado. Um país destruído por quatro anos de guerra imperialista, novamente destruído por três anos de guerra civil, com uma população semianalfabeta, uma técnica de baixo nível, com alguns pequenos oásis de indústria, rodeados por um oceano de pequenas explorações camponesas: eis o país que herdámos do passado. A nossa tarefa consistia em fazer passar este país da via medieval obscurantista para a via da indústria moderna e da agricultura mecanizada. Como vedes é uma tarefa séria e difícil. A questão colocava-se assim: ou cumprimos esta tarefa no mais curto prazo e consolidamos o socialismo no nosso país, ou não a cumprimos e, então, o nosso país, tecnicamente frágil e culturalmente atrasado, perderá a sua independência e tornar-se-á um joguete das potências imperialistas.

O nosso país atravessava então um período de severa penúria da técnica. Faltavam-nos máquinas para a indústria. Não havia máquinas para a agricultura. Não havia máquinas para os transportes. Não havia aquela base técnica elementar sem a qual era inconcebível a transformação industrial do país. Existiam apenas algumas condições prévias para a criação dessa base. Era preciso criar uma indústria de primeira classe. Era preciso orientar esta indústria para que pudesse reorganizar tecnicamente não apenas a indústria, mas também a agricultura, bem como o nosso transporte ferroviário. Para isso era necessário fazer sacrifícios e realizar poupanças em tudo, era preciso poupar na alimentação, nas escolas, no vestuário, para aforrar os fundos necessários para a criação da indústria. Não havia outro caminho para superar a penúria no domínio da técnica. Foi isto que Lenine nos ensinou, e nós seguimos as orientações de Lenine nesta matéria.

É claro que num tão grande e difícil empreendimento não se poderia esperar êxitos absolutos e rápidos. Num trabalho destes, os êxitos só podem aparecer ao fim de vários anos. Por isso, era preciso munirmo-nos de nervos fortes, de firmeza bolchevique e de uma persistência tenaz para superar os primeiros percalços e prosseguirmos em frente sem desvios em direção ao grande objetivo, não admitindo hesitações e vacilações nas nossas fileiras.

Sabeis que conduzimos esta tarefa precisamente deste modo. Mas nem todos os camaradas tiveram os nervos, a persistência e firmeza suficientes.

Entre os nossos camaradas, alguns houve que logo às primeiras dificuldades começaram a apelar à retirada. Costuma dizer-se que: «aquele que recorda o passado, perde um olho». Isto está certo, claro. Mas as pessoas são dotadas de memória e, involuntariamente, recordam o passado ao fazerem o balanço do nosso trabalho. Pois bem, houve camaradas que se assustaram com as dificuldades e apelaram ao Partido a bater em retirada. Diziam eles:

«De que nos serve a vossa industrialização e a vossa coletivização, as máquinas, a siderurgia, os tratores, as ceifeiras-debulhadoras, os automóveis? Fariam melhor se abrissem mais fábricas de têxteis, comprassem mais matérias-primas para fabricar artigos de grande consumo e dessem em maior quantidade à população todas essas pequenas coisas que embelezam o quotidiano das pessoas. No nosso estado de atraso, criar uma indústria, e ainda por cima de primeira classe é um sonho perigoso.»

Naturalmente que os três mil milhões de rublos em divisas estrangeiras obtidos através de poupanças severas e gastos na criação da nossa indústria, poderíamos destiná-los à importação de matérias-primas e ao aumento da produção de artigos de grande consumo. Isto também seria uma espécie de “plano”. Mas, com um tal “plano”, não teríamos nem metalurgia, nem construção de máquinas, nem tratores e automóveis, nem aviões e tanques. Ficaríamos desarmados face ao inimigo externo. Teríamos minado os fundamentos do socialismo no nosso país. Ficaríamos prisioneiros da burguesia interna e externa.

Evidentemente, era preciso escolher entre os dois planos: entre o plano da retirada que não poderia deixar de levar à derrota do socialismo, e o plano da ofensiva que levava e como sabem já levou, à vitória do socialismo no nosso país. Escolhemos o plano da ofensiva e fomos avante na via leninista vitoriosa, afastando esses camaradas que não viam mais longe do que o seu nariz e que fechavam os olhos ao futuro próximo do nosso país, ao futuro do socialismo no nosso país.

Escolhemos o plano da ofensiva e seguimos em frente na via leninista, arredando esses camaradas que não viam mais longe do que o seu nariz e que fechavam os olhos ao futuro próximo do nosso país, ao futuro do socialismo na nossa pátria.

Mas estes camaradas nem sempre se limitavam à crítica e à resistência passiva. Ameaçaram-nos com uma sublevação no seio do Partido contra o Comité Central. Mais ainda: ameaçaram abater a tiro alguns de nós. Aparentemente, pensavam que nos intimidavam e nos obrigavam a abandonar a via leninista. Decerto que esta gente se esqueceu que nós, bolcheviques, temos uma têmpera especial. Esqueceram-se de que os bolcheviques não se deixam intimidar nem pelas dificuldades, nem pelas ameaças. Esqueceram-se de que fomos forjados pelo grande Lenine, nosso chefe, nosso mestre, nosso pai, que não conhecia nem admitia o medo na luta. Esqueceram- se de que quanto mais o inimigo se encarniça e mais os adversários no interior do Partido caem na histeria, os bolcheviques se entusiasmam para nova luta e mais impetuosa é a sua marcha em frente.

É claro que nunca pensámos desviar-nos da via leninista. Pelo contrário, reforçando-nos nesta via, avançámos ainda com maior ímpeto, varrendo do caminho os obstáculos de toda a espécie. É verdade que neste caminho foi preciso virar as costas a alguns destes camaradas. Mas quanto a isto já não há nada. Devo reconhecer que também tomei parte nesta questão.

Sim, camaradas, caminhámos convicta e impetuosamente na via da industrialização e da coletivização do nosso país. E agora pode-se considerar que esse caminho já foi percorrido. Hoje, toda a gente reconhece que tivemos enormes sucessos neste caminho. Toda a gente reconhece hoje que já temos uma indústria de primeira qualidade, uma agricultura poderosa e mecanizada, transportes que se desenvolvem numa linha ascendente, um Exército vermelho organizado e perfeitamente equipado.

Isto quer dizer que ultrapassámos, nas suas grandes linhas, o período de penúria no domínio da técnica.

Mas, tendo ultrapassado o período de penúria no domínio da técnica, entrámos num novo período, diria, o período de penúria no domínio das pessoas, no domínio dos quadros, no domínio dos trabalhadores capazes de dominar a técnica e fazê-la progredir. A questão é que temos fábricas, empresas, kolkozes, sovkozes, um exército, temos uma técnica para tudo isto, mas faltam-nos pessoas com a experiência necessária para tirar da técnica o máximo partido. Antes, dizíamos que «a técnica decide tudo». Esta palavra de ordem ajudou-nos na medida em que eliminámos a penúria no domínio da técnica e criámos em todos os ramos de actividade uma vastíssima base técnica para munir a nossa gente com uma técnica de primeira classe. Isto é muito bom. Mas está longe, muito longe de ser suficiente. Para pôr a técnica em funcionamento e aproveitá-la a fundo, é da técnica, é preciso pessoas que a dominem, é preciso quadros capazes de assimilar e utilizar esta técnica em conformidade com as regras da arte. A técnica sem pessoas que a dominem é coisa morta. A técnica com pessoas que a dominem pode e deve fazer milagres. Se nas nossas empresas de primeira classe, nos nossos sovkozes e kolkozes, nos nossos transportes, no nosso Exército Vermelho houvesse, em número suficiente, quadros capazes de dominar a técnica, o nosso país obteria um rendimento três ou quatros vezes maior do que obtém hoje em dia. Eis por que o acento tónico se deve colocar agora nas pessoas, nos responsáveis que dominam a técnica. Eis por que a velha palavra de ordem: «a técnica decide tudo», que era o reflexo de um período já ultrapassado, quando havia penúria de técnica, deve agora ser substituída por uma nova palavra de ordem: «os quadros decidem tudo». Isto agora é o principal.

Poderá dizer-se que os nossos concidadãos compreenderam e que tomaram inteiramente consciência do grande alcance desta nova palavra de ordem? Eu diria que não. Caso contrário, não haveria esta atitude infame para com as pessoas, os quadros, os trabalhadores, que observamos com frequência na nossa prática. A palavra de ordem «os quadros decidem tudo» exige que os nossos dirigentes mostrem a maior solicitude para com os nossos funcionários, «pequenos» e «grandes», qualquer que seja o domínio em que trabalhem, que os eduquem cuidadosamente, que os ajudem quando precisam de apoio, que os estimulem quando alcançam os seus primeiros sucessos; que os promovam, etc. Ora, entretanto, na realidade, temos uma série de exemplos de indiferença e burocratismo e mesmo uma atitude vil para com os funcionários. É isto precisamente que explica que, em vez de primeiro se examinar as pessoas e só depois de as examinar lhes serem atribuídos postos, vemos com frequência pessoas serem lançadas como se fossem simples peões. Já aprendemos a valorizar as máquinas e a fazer relatórios sobre a técnica disponível nas nossas empresas industriais. Mas não conheço um único exemplo de que se tenha feito com tanto gosto qualquer relatório sobre o número de pessoas que formámos num dado período e como os ajudámos a desenvolverem-se, a fortalecerem-se no trabalho. Qual a explicação disto? A explicação está no facto de que ainda não aprendemos a valorizar as pessoas, os funcionários, os quadros.

Recordo-me de um caso de que fui testemunha na Sibéria, onde estive em tempos deportado. Estávamos na primavera, em plena época de inundações. Cerca de trinta homens tinham ido para o rio apanhar a madeira trazida pelo imenso rio enfurecido. À noite, regressaram à aldeia, mas faltava um dos camaradas. À minha pergunta «onde está o trigésimo?» responderam, com indiferença, que «ficou lá em baixo». À minha pergunta «mas como assim, ficou lá em baixo?» responderam com a mesma indiferença: «Que mais há a perguntar? Afogou-se, pois então!» E imediatamente um deles se mostrou com pressa de partir, dizendo que «tenho de ir dar de beber à égua». Ao meu reparo de que tinham mais pena dos animais do que das pessoas, um deles respondeu com o assentimento de todos os outros: «De que nos serve ter pena das pessoas. Pessoas, podemos fazê-las a qualquer momento. Mas uma égua... experimente lá fazer uma». Aqui está um episódio, talvez insignificante, mas muito elucidativo. Parece-me que a indiferença de alguns dos nossos dirigentes a respeito das pessoas, dos quadros, e a sua incapacidade de os valorizar são uma sobrevivência desta estranha atitude para com as pessoas que ressalta deste episódio que acabo de vos contar da longínqua Sibéria.

Pois bem, camaradas, se queremos superar com êxito a penúria no domínio das pessoas e conseguir que o nosso país disponha de uma quantidade suficiente de quadros, capazes de fazer progredir a técnica e pô-la em ação, devemos saber, antes de mais, dar valor aos quadros, a cada trabalhador capaz de ser útil à nossa causa comum. É preciso, por fim, compreender que, de todos os capitais preciosos que existem no mundo, o mais precioso e o mais decisivo, são as pessoas, os quadros. É preciso compreender que, nas nossas condições atuais, «os quadros decidem tudo». Se tivermos bons e numerosos quadros na indústria, na agricultura, nos transportes, no exército, o nosso país será invencível. Se não tivermos tais quadros, «coxearemos de ambos os pés».

Para terminar o discurso, permitam-me fazer um brinde à saúde e aos progressos dos novos finalistas da Academia do Exército Vermelho. Desejo-vos sucessos na organização e na direção da defesa do nosso país.

Camaradas, acabastes a escola superior e recebestes aí a primeira têmpera. Mas a escola não é mais do que um grau preparatório. A verdadeira têmpera recebemo-la no trabalho vivo, fora da escola, na luta contra as dificuldades, na sua superação. Lembrem-se, camaradas, que os bons quadros são aqueles que não temem as dificuldades, que não se esquivam a elas, mas que, pelo contrário, vão ao seu encontro para as ultrapassar e vencer. Só na luta contra as dificuldades é que se forjam os verdadeiros quadros. E o nosso Exército será invencível se possuir uma quantidade suficiente de quadros verdadeiramente temperados.

À vossa saúde, camaradas!

Compartilhe este texto:
Início da página
 
Visite o MIA no Facebook
 

Inclusão 12/01/2014