Pensamento e Linguagem

Lev Semenovich Vygotsky


2. A teoria de Piaget sobre a Linguagem e o Pensamento das crianças


I

A psicologia deve muito a Jean Piaget. Não é exagero dizer-se que ele revolucionou o estudo da linguagem e do pensamento infantis, pois desenvolveu o método clínico de investigação das idéias das crianças que posteriormente tem sido generalizadamente utilizado. Foi o primeiro a estudar sistematicamente a percepção e a lógica infantis; além disso, trouxe ao seu objeto de estudo uma nova abordagem de amplitude e arrojo invulgares. Em lugar de enumerar as deficiências do raciocínio infantil quando comparado com o dos adultos, Piaget centrou a atenção nas características distintivas do pensamento das crianças, quer dizer, centrou o estudo mais sobre o que as crianças têm do que sobre o que lhes falta. Por esta abordagem positiva demonstrou que a diferença entre o pensamento das crianças e dos adultos era mais qualitativa do que quantitativa.

Como muitas outras grandes descobertas, a idéia de Piaget é tão simples que parece evidente. Já tinha sido expressa nas palavras de Rousseau, citadas pelo próprio Piaget, segundo as quais uma criança não é um adulto em miniatura e o seu cérebro não é um cérebro de adulto em ponto reduzido. Por detrás desta verdade, que Piaget escorou com provas experimentais, esta outra idéia simples – a idéia de evolução, que ilumina todos os estudos de Piaget com uma luz brilhante.

No entanto, apesar de toda a sua grandeza, a obra de Piaget sofre da dualidade comum a todas as obras pioneiras da psicologia contemporânea. Esta clivagem é correlativa da crise que a psicologia está atravessando à medida que se transforma numa ciência no verdadeiro sentido da palavra. A crise decorre da aguda contradição entre a matéria prima factual da ciência e as suas premissas metodológicas e teóricas, que há muito são alvo de disputa entre as concepções materialista e idealista do mundo. Na psicologia, a luta é talvez mais aguda do que em qualquer outra disciplina.

Enquanto nos faltou um sistema generalizadamente aceite que incorpore todo o conhecimento psicológico disponível, qualquer descoberta factual importante conduzirá à criação de uma nova teoria conforme aos fatos novos observados. Freud, Levy-Bruhl, Blondel, todos eles criaram os seus próprios sistemas de psicologia. A dualidade predominante reflete-se na incongruência entre estas estruturas teóricas, com os seus tons carregados de metafísica e idealismo, e as bases empíricas sobre que foram construídas. Na moderna psicologia fazem-se diariamente grandes descobertas, descobertas essas que, no entanto, logo são envolvidas em teorias ad hoc pré-científicas e semi-metafísicas.

Piaget tenta escapar a esta dualidade fatal atendo-se aos fatos. Evita deliberadamente fazer generalizações mesmo no seu próprio campo de estudo, pondo especial cuidado em não invadir os domínios correlatos da lógica, da teoria do conhecimento da História da filosofia. Para ele, o empirismo puro parece-lhe o único terreno seguro. O seu livro, escreve ele, é, antes do mais, e acima de tudo, uma coleção de fatos e documentos. Os elos que unem entre si os diversos capítulos são os elos fornecidos por um método único a várias descobertas e de maneira nenhuma os de uma exposição sistemática(29) (29, p. 1).

Na verdade, o seu forte consiste em desenterrar novos fatos, analisá-los e classificá-los penosamente, quer dizer, na capacidade de escutar a sua mensagem, como dizia Claparède. Das páginas de Piaget cai uma avalanche de grandes e pequenos fatos sobre a psicologia infantil.

O seu método clínico revela-se como uma ferramenta verdadeiramente inestimável para o estudo dos todos estruturais complexos do pensamento infantil nas suas transformações genéticas.

É um método que unifica as suas diversas investigações e nos proporciona um quadro coerente, pormenorizado e vivo do pensamento das crianças.

Os novos fatos e o novo método conduzem-nos a muitos problemas; alguns são inteiramente novos para a psicologia científica, outros aparecem-nos a uma luz diferente. Os problemas dão origem a teorias, apesar de Piaget estar determinado a evita-las atendo-se estreitamente aos fatos experimentais – e passando, de momento, por cima do fato de que a própria escolha das experiências é determinada por certas hipóteses. Mas os fatos são sempre examinados à luz de uma qualquer teoria, não podendo por conseguinte ser totalmente destrinçados da filosofia. Tal é particularmente verdade para os fatos relativos ao pensamento.

Para encontrarmos a chave do manancial de fatos coligidos por Piaget teremos que começar por explorar a filosofia que está por detrás da sua investigação dos fatos – e por detrás da sua interpretação, que só é exposta no fim do seu segundo livro(30), num resumo do conteúdo.

Piaget aborda esta tarefa levantando a questão do inter-relacionamento objetivo de todos os traços característicos do pensamento infantil por ele observados, Serão tais traços fortuitos e independentes, ou formarão um conjunto organizado, com uma lógica própria, em torno de um fato central unificador? Piaget crê que assim é. Ao responder à pergunta, passa dos fatos á teoria e incidentalmente mostra o quanto a sua análise dos fatos se encontrava influenciada pela teoria, muito embora, na sua exposição, a teoria venha a seguir aos fatos.

Segundo Piaget, o elo que liga todas as características específicas da lógica infantil é o egocentrismo do pensamento das crianças. Ele reporta todas as outras características que descobriu, quais sejam, o realismo intelectual, o sincretismo e a dificuldade de compreender as relações, a este traço nuclear e descreve o egocentrismo como ocupando uma posição intermédia, genética, estrutural e funcionalmente, entre o pensamento autístico e o pensamento orientado.

A idéia de polaridade do pensamento orientado e não orientado tomada de empréstimo à psicanálise. Diz Piaget:

O pensamento orientado é consciente, isto é, prossegue objetivos presentes no espírito de quem pensa, É inteligente, isto é, encontra-se adaptado a realidade e esforça-se por influenciá-la. É suscetível de verdade e erro ... e pode ser comunicado através da linguagem. O pensamento autístico é subconsciente, isto é, os objetivos que prossegue e os problemas que põe a si próprio não se encontram presentes na consciência. Não se encontra adaptado à realidade externa, antes cria para si próprio uma realidade de imaginação ou sonhos. Tende, não a estabelecer verdades, mas a recompensar desejos e permanece estritamente individual e incomunicável enquanto tal, por meio da linguagem, visto que opera primordialmente por meio de imagens e, para ser comunicado, tem que recorrer a métodos indiretos, evocando, por meio de símbolos e mitos, os sentimentos que o guiam(29)(29, pp. 59-60).

O pensamento orientado é social. À medida que se desenvolve vai sendo progressivamente influenciado pelas leis da experiência e da lógica propriamente dita. O pensamento autístico, pelo contrário, é individualista e obedece a um conjunto de leis especiais que lhe são próprias.

Entre estes dois modos de pensamento contrastantes:

há muitas variedades no que respeita ao seu grau de comunicabilidade. Estas variedades intermédias obedecerão necessariamente a uma lógica especial, que também é uma lógica intermédia entre a lógica do autismo e a lógica da inteligência. Propomos dar o nome de pensamento egocêntrico à principal forma intermédia (29)(29, p. 62).

Embora a sua função principal continue a ser a satisfação das necessidades pessoais, já engloba em si algumas adaptações mentais, um pouco da orientação para a realidade característica do pensamento dos adultos. O pensamento egocêntrico das crianças

“situa-se a meio caminho entre o autismo no sentido estrito da palavra e o pensamento socializado”(30)(30, p. 276)

É esta a hipótese de base de Piaget.

É importante notar que através de toda a sua obra Piaget sublinha com mais intensidade os traços que são comuns ao pensamento egocêntrico e ao autismo do que os traços comuns que os distinguem. No sumário do fim do seu livro, afirma com ênfase:

“no fim de contas, o jogo é a lei suprema do pensamento egocêntrico”(30)(30, p. 323).

A mesma tendência é especialmente pronunciada no tratamento do sincretismo, muito embora ele assinale que o mecanismo do pensamento sincrético representa uma transição entre a lógica dos sonhos e a lógica do pensamento.

Piaget defende que o egocentrismo se encontra a meio caminho entre o autismo extremo e a lógica da razão, tanto cronológica, como estrutural e funcionalmente. A concepção genética do pensamento baseia-se na premissa extraída de psicanálise, segundo a qual o pensamento das crianças é original e naturalmente autístico e só se transforma em pensamento realista por efeito de uma longa e persistente pressão social. Piaget assinala que isto não desvaloriza a inteligência da criança.

“A atividade lógica não esgota a inteligência”(30)(30, p. 267).

A imaginação é importante para resolver problemas, mas não se preocupa com verificações e provas, coisas que são condições necessárias da busca da verdade. A necessidade de verificarmos e comprovarmos o nosso pensamento – quer dizer a necessidade da atividade lógica – surge mais tarde. Esta defasagem será de esperar, diz Piaget, visto que o pensamento começa a servir a satisfação imediata muito antes de procurar a verdade, forma mais espontânea do pensamento é o jogo ou as imaginações plenas de desejo que fazem o desejável parecer inatingível. Até à idade de sete ou oito anos o jogo domina a tal ponto o pensamento da criança, que é muito difícil distinguir a invenção deliberada, da fantasia que a criança julga ser verdade.

Resumindo, o autismo é encarado como a forma original, mais primitiva, do pensamento; a lógica aparece relativamente tarde; e o pensamento egocêntrico é o elo genético entre ambos.

Embora Piaget nunca tenha apresentado esta concepção de uma forma coerente e sistemática, é ela a pedra de toque de todo o seu edifício teórico. É certo que por mais de uma vez ele afirma que o pressuposto da natureza intermédia do pensamento infantil e uma hipótese, mas também diz que tal hipótese está tão próxima do senso comum que lhe parece pouco mais discutível do que o próprio fato do egocentrismo infantil. Segue os traços do egocentrismo na sua evolução e até a natureza da atividade prática da criança e até ao posterior desenvolvimento das atitudes sociais.

É claro que, do ponto de vista genético, temos que partir da atividade da criança para podermos compreender o seu pensamento; e essa atividade é incontestavelmente egocêntrica e egotista. O instinto social sob a sua forma bem definida só se desenvolve mais tarde. O primeiro período crítico a este respeito só ocorre por volta dos sete ou oito anos de idade(30)(30, p. 276).

Antes desta idade, Piaget tende a ver o egocentrismo como algo que impregna tudo. Considera direta ou indiretamente egocêntricos todos os fenômenos da lógica infantil na sua rica variedade. Do sincretismo, importante expressão do egocentrismo, diz inequivocamente que impregna todo o pensamento da criança, tanto na sua esfera verbal, como na sua esfera sensorial Após os sete ou oito anos, quando o pensamento socializado começa a ganhar forma, os traços egocêntricos não desaparecem instantaneamente. Desaparecem das operações sensoriais da criança, mas continuam cristalizados na área mais abstrata do pensamento puramente verbal.

A sua concepção da predominância do egocentrismo na infância leva Piaget a concluir que o egocentrismo do pensamento se encontra tão intimamente relacionado com a natureza psíquica da criança que é impermeável à experiência. As influências a que os adultos submetem as crianças não se encontram nestas como se se tratasse de uma placa fotográfica: são assimiladas, quer dizer, são deformadas pelo ser vivo que as sofre e implantam-se na sua própria substância. É esta substância psicológica da criança, ou, por outras palavras, a estrutura e o funcionamento característicos do pensamento da criança que procuramos descrever e em certa medida explicar(30)(30, p. 338).

Esta passagem resume a natureza dos pressupostos básicos de Piaget e conduz-nos ao problema geral das uniformidades sociais e biológicas do desenvolvimento físico, a que voltaremos na seção III. Em primeiro lugar, examinemos a solidez da concepção de Piaget do egocentrismo da criança à luz dos fatos em que se baseia.

II

Como a concepção que Piaget tem do egocentrismo da criança é de primeira importância na sua teoria, temos que indagar que fatos levaram não só a admitir esta hipótese, como também a depositar tanta fé nela. Por conseguinte, poremos estes fatos à prova comparando-os com os resultados das nossas próprias experiências(46)(46, 47).

A base factual da convicção de Piaget é-lhe dada pelas investigações a que submeteu o uso que as crianças dão à linguagem. As suas observações sistemáticas levaram-no a concluir que todas as conversações das crianças se podem classificar em um de dois grupos: o egocêntrico e o socializado. A diferença entre ambos reside sobretudo nas suas funções. No discurso egocêntrico a criança fala apenas dela própria, não se preocupa com o interlocutor, não tenta comunicar, não espera qualquer resposta e freqüentemente nem sequer se preocupa com saber se alguém a escuta. O discurso egocêntrico é semelhante a um monólogo numa peça de teatro: a criança como que pensa em voz alta, alimentando um comentário simultâneo com aquilo que está a fazer. No discurso socializado, ela não procura estabelecer um intercâmbio com os outros – pede, manda, ameaça, transmite informações, faz perguntas.

As experiências de Piaget mostram que a parte de longe mais importante das conversas das crianças em idade pré-escolar é constituída por falas egocêntricas. Chegou à conclusão de que 44 a 47 por cento do número total de conversas registadas em crianças com sete anos de idade era de natureza egocêntrica. Este número, diz ele, deve ser consideravelmente mais elevado no caso das crianças mais novas. Investigações posteriores com crianças de seis e sete anos de idade demonstraram que, nesta idade, nem o discurso social se encontra totalmente liberto de pensamentos egocêntricos. Ao demais, para além dos seus pensamentos expressos, as crianças têm muitos pensamentos não expressos. Alguns destes pensamentos, afirma Piaget, ficam por exprimir precisamente porque são egocêntricos, isto é, incomunicáveis. Para os transmitir aos outros, a criança teria que ser capaz de adotar os seus pontos de vista. “Poder-se-ia dizer que o adulto pensa socialmente. mesmo quando se encontra só, ao passo que as crianças com menos de sete anos pensam e falam egocêntricamente, mesmo em sociedade com os outros”(29)(29, p. 56). Assim, o coeficiente de pensamento egocêntrico será necessariamente muito mais elevado do que o coeficiente de fala egocêntrica. Mas só os dados orais são mensuráveis, só eles nos fornecem a prova documental sobre que Piaget baseia a sua concepção do egocentrismo infantil. As suas explicações sobre o discurso egocêntrico e o egocentrismo das crianças em geral são idênticas.

Em primeiro lugar, não há vida social persistente em crianças com menos de sete ou oito anos; em segundo lugar, a verdadeira linguagem social das crianças, quer dizer, a linguagem utilizada na atividade fundamental das crianças – o jogo – é uma linguagem de gestos, movimentos e mímica, tanto quanto uma linguagem de palavras.(29)(29, p. 56).

Quando, com sete ou oito anos de idade, o desejo de trabalhar com os outros começa a manifestar-se, a fala egocêntrica continua a subsistir.

Na sua descrição do discurso egocêntrico e do seu desenvolvimento genético, Piaget sublinha que esse discurso não cumpre nenhuma função no comportamento da criança e que se limita a atrofiar-se à medida que a criança atinge a idade escolar. As experiências que nós próprios levamos a cabo, apontam para conclusões diferentes. Estamos em crer que o discurso egocêntrico assume desde muito cedo um papel muito definido e importante na atividade da criança.

Para determinarmos qual a causa da fala egocêntrica e que circunstâncias a provocam, organizamos as atividades das crianças duma forma muito semelhante à de Piaget, acrescentando-lhes porém uma série de frustrações e de dificuldades. Por exemplo, quando uma criança se preparava para pintar, descobria subitamente que não havia papel, ou lápis da cor que necessitava. Por outras palavras, obrigavamo-la a defrontar-se com determinados problemas, obstruindo a sua atividade livre. (ver capítulo 7 sobre outros aspectos destes problemas)

Descobrimos que nestas situações difíceis, o coeficiente de discurso egocêntrico quase duplicava, em comparação com o número normal de Piaget para a mesma idade e também em comparação com o nosso próprio número para crianças que não se defrontavam com estes problemas. A criança tentaria dominar e remediar a situação falando para si própria: “Onde está o lápis? Preciso de lápis azul. Deixa lá, vou desenhar com o lápis vermelho e molho-o com água; ficará mais escuro e parecerá azul”.

Nas mesmas atividades sem impedimentos, o nosso coeficiente de fala egocêntrica era até um pouco inferior ao de Piaget. Portanto, é legítimo presumir que as interrupções do livre desenrolar da atividade são estímulos importantes para o discurso egocêntrico. Esta descoberta adequa-se com duas premissas que o próprio Piaget refere repetidas vezes ao longo do seu livro. Uma delas é a chamada lei da consciência, segundo a qual os obstáculos ou as perturbações duma atividade automática fazem com que o autor dessa atividade se aperceba dela. A outra premissa é a que afirma que o discurso é uma expressão desse processo de tomada de consciência.

As nossas descobertas indicam que o discurso egocêntrico já não se limita a ser um simples acompanhamento da atividade da criança Para além de ser um meio de expressão e de libertação de tensão em breve se torna um instrumento de pensamento no sentido próprio do termo – um instrumento para buscar e planear a solução de um problema. Um acidente ocorrido durante uma das nossas experiências proporciona-nos um bom exemplo da forma como o discurso egocêntrico pode alterar o curso de uma atividade: uma criança de cinco anos estava a desenhar um automóvel quando a ponta do lápis se quebrou. Apesar do acidente, a criança tentou acabar o círculo que representava uma roda, pressionando o lápis sobre o papel com muita força, mas nada surgiu, a não ser uma linha vincada e sem cor. A criança sussurrou de si para si: “Está partido.” pôs o lápis de lado, substitui-o por aquarela e começou a desenhar um carro partido em resultado de um acidente, continuando a falar de si para si acerca da alteração da sua pintura. A expressão egocêntrica da criança acidentalmente provocada afetou tão manifestamente a sua atividade, que é difícil tomá-la erradamente por um simples subproduto, por um acompanhamento que não interferisse com a melodia. As nossas experiências evidenciaram alterações muito complexas na inter-relação entre a atividade e a fala egocêntrica. Observamos como o discurso egocêntrico começava por marcar o resultado final de um ponto de viragem de uma atividade, deslocando-se depois gradualmente para o meio e finalmente para o início da atividade, passando a assumir uma função diretora, de planeamento, e elevando a atividade da criança ao nível de um comportamento com objetivos conscientes. O que acontece neste caso é semelhante à bem conhecida seqüência genética da designação dos desenhos. Um bebê começa por desenhar, decidindo depois o que é aquilo que desenhou; numa idade ligeiramente superior, nomeia o seu desenho quando este se encontra meio feito; e, por fim, decide antecipadamente aquilo que vai desenhar.

A concepção revista da função do discurso egocêntrico influenciará também necessariamente a nossa concepção da sua trajetória posterior e terá que ser recordada a propósito da questão do seu desaparecimento por altura da idade escolar. As experiências podem fornecer-nos provas indiretas, mas nenhuma resposta terminante acerca das causas do seu desaparecimento. Não obstante, os dados obtidos sugerem-nos fortemente a hipótese de que o discurso egocêntrico é um estádio na evolução do discurso vocal para o discurso interior. Nas nossas experiências, as crianças mais velhas comportavam-se de forma diferente das mais novas quando se encontravam face a face perante certos obstáculos. Freqüentemente, as crianças examinavam a situação em silêncio encontrando posteriormente uma solução. Quando inquiridos sobre o que estavam a pensar davam respostas que se assemelhavam bastante ao pensamento em voz alta das crianças em idade pré-escolar Isto indicaria que, na criança em idade escolar, se encontram relegadas para o discurso interior sem som, as mesmas operações mentais que a criança em idade pré-escolar leva a cabo em voz alta, por meio do discurso egocêntrico. É claro que em Piaget não há nada nesse sentido, pois este autor pensa que o discurso egocêntrico desaparece, muito pura e simplesmente. O desenvolvimento do discurso interno nas crianças pouca dilucidação específica merece. Mas como o discurso interior e o egocentrismo oralizado preenchem as mesmas funções, a conclusão a tirar daqui seria que se, como Piaget defende, o discurso egocêntrico precede o discurso socializado, então o discurso interior também precede o discurso socializado – pressuposto que, do ponto de vista genético, é insustentável.

O discurso interior do adulto representa o “pensar de si para si” mais do que a adaptação social; isto é, desempenha a mesma função que o discurso egocêntrico das crianças. Tem também as mesmas características estruturais: fora do contexto seria incompreensível para os outros, porque omite “mencionar” o que é obvio para o “locutor”. Estas semelhanças levam-nos a presumir que, quando desaparece da vista, o discurso egocêntrico não se atrofia pura e simplesmente, antes continua o seu curso e “mergulha nas profundidades”, isto é, se transforma em discurso interior. A nossa observação segundo a qual, na idade em que esta modificação ocorre, as crianças que experimentam dificuldades passam a recorrer, quer ao discurso egocêntrico, quer ao discurso silencioso, a reflexão silenciosa, indica que esses dois discursos podem ser funcionalmente equivalentes. Partimos da hipótese de que os processos do discurso interior se desenvolvem e se vão estabilizando aproximadamente no início da idade escolar e que isto é causa da rápida diminuição do discurso egocêntrico que nessa idade se observa.

Embora as nossas descobertas sejam de âmbito limitado, julgamos que nos permitirão ver a direção geral do pensamento e da linguagem numa perspectiva nova e mais vasta. No ponto de vista de Piaget, as duas funções seguem uma trajetória comum, do discurso autístico ao discurso socializado, da fantasia subjetiva à lógica das relações. No decurso desta transformação, a influência dos adultos é deformada pelo processo psíquico das crianças mas acaba por vencer. Para Piaget, o desenvolvimento do pensamento processa-se por uma gradual socialização dos estados mentais mais profundamente íntimos, pessoais, autísticos. Até o discurso social é apresentado como um discurso que sucede e não que precede o discurso egocêntrico.

A hipótese que propomos inverte esta trajetória. Olhemos para a direção do desenvolvimento do pensamento durante um curto intervalo de tempo, desde o aparecimento do discurso egocêntrico até ao seu desaparecimento, no quadro do desenvolvimento da linguagem como um todo.

Consideramos que o desenvolvimento total segue a seguinte evolução: a função primordial da linguagem, tanto nas crianças como nos adultos, é a comunicação, o contato social. Por conseguinte, a fala mais primitiva das crianças é uma fala essencialmente social. De inicio, é global e multifuncional; mais tarde as suas funções tornam-se diferenciadas. Numa certa idade o discurso social da criança subdivide-se bastante nitidamente em discurso egocêntrico e discurso comunicativo (Preferimos utilizar o termo comunicativo para a forma de discurso que Piaget designa por socializado – como se tivesse sido algo diferente antes de se tornar social. Do nosso ponto de vista, as duas formas, a comunicativa e a egocêntrica, são ambas sociais, apesar de as suas funções diferirem). O discurso egocêntrico emerge quando a criança transfere as formas sociais cooperativas de comportamento para a esfera das funções psíquicas pessoais internas. A tendência da criança para transferir para os seus processos internos os modelos anteriormente sociais é uma tendência bem conhecida que Piaget conhece muito bem. Noutro contexto, ele descreve como as discussões entre crianças dão origem às primeiras manifestações de reflexão lógica. Algo semelhante acontece, julgamos, quando a criança começa a conversar consigo, própria como se estivesse a falar com outrem. Quando as circunstâncias a obrigam a deter-se para pensar, o mais certo é começar a pensar em voz alta. O discurso egocêntrico, dissociado do discurso social geral, acaba com o tempo por conduzir ao discurso interior que serve simultaneamente o pensamento autístico e o pensamento lógico.

O discurso egocêntrico como forma lingüística separada, autônoma e o elo genético altamente importante na transição entre o discurso oral e o discurso interior, um estádio intermédio entre a diferenciação das funções do discurso oral e a transformação final de uma parte do discurso oral em discurso interior. É este papel de transição do discurso egocêntrico que lhe confere um interesse teórico tão grande. Toda a concepção do desenvolvimento do discurso se alterará profundamente, consoante a interpretação que se der ao papel do discurso egocêntrico. Assim, o nosso esquema de desenvolvimento – primeiro, o discurso social, depois o discurso egocêntrico, depois o discurso interior – diverge profundamente não só do esquema behaviourista tradicional, – discurso oral, murmúrio, discurso interior – mas também da seqüência de Piaget – que passa do pensamento autístico para o discurso socializado e o pensamento lógico através do discurso e do pensamento egocêntrico. Na nossa concepção a verdadeira trajetória de desenvolvimento do pensamento não vai no sentido do pensamento individual para o socializado, mas do pensamento socializado para o individual.

III

Dentro dos limites do presente estudo, não é possível avaliar todos os aspectos da teoria de Piaget sobre o desenvolvimento intelectual, as nossas preocupações centram-se sobre a sua concepção do papel do egocentrismo na relação evolutiva entre a linguagem e o pensamento. Vamos contudo indicar, de entre as suas hipóteses teóricas e metodológicas, quais as que consideramos erradas, assim como os fatos que ele não consegue enquadrar na sua caracterização do pensamento da criança.

A psicologia moderna em geral, e a psicologia infantil em particular, mostram tendência para combinarem as questões psicológicas com as filosóficas. Um paciente do psicólogo alemão Ach resumiu muito adequadamente esta inclinação, ao observar no fim de uma sessão: “Mas isso é filosofia experimental!” E, na verdade, muitas questões do complexo campo do pensamento infantil encontram-se na fronteira da teoria do conhecimento, da lógica teórica e de outros ramos da filosofia. Repetidas vezes Piaget toca inadvertidamente um ou outro destes domínios, mas, com notável coerência, refreia-se e abandona-o imediatamente. No entanto, apesar da sua expressa intenção de evitar teorizações, não consegue manter a sua obra dentro do quadro da ciência puramente factual. A escusa deliberada da filosofia é já de si uma filosofia – e uma filosofia que pode arrastar os seus proponentes para muitas incoerências. Exemplo disto é a concepção de Piaget sobre o papel da explicação causal em ciência.

Piaget tenta escusar-se a entrar em consideração com as causas na apresentação das suas descobertas. Ao proceder assim, aproxima-se perigosamente daquilo a que, na criança, designa por “pré-causalidade”, muito embora no seu caso particular possa ver a sua abstenção como um estádio “supracausa” sofisticado, em que o conceito de causalidade teria sido superado. Piaget propõe que se substitua a explicação dos fenômenos em termos de causa e efeito por uma análise genética em termos de seqüência temporal e pela aplicação de uma fórmula de concepção matemática da interpenetração funcional dos fenômenos. No caso de dois fenômenos interdependentes, os fenômenos A e B, pode-se considerar que A é função de B ou que B é função de A. O investigador reserva-se o direito de organizar a sua descrição dos dados da forma que melhor servir os seus objetivos em determinado momento, embora eventualmente confira uma posição preferencial ao fenômeno mais primitivo do ponto de vista do desenvolvimento, como fenômeno mais explicativo no sentido fonético.

Esta substituição da interpretação causal pela interpretação funcional subtrai ao conceito de desenvolvimento todo e qualquer conteúdo real. Muito embora, ao analisar os fatores sociais e biológicos, Piaget reconheça que o estudioso do desenvolvimento mental tem por obrigação explicar a relação entre ambos e a não descurar nenhum, a sua solução é a seguinte:

Mas, para começar, há que escolher um dos idiomas em desfavor do outro. Optamos pelo idioma sociológico, mas sublinhamos que não há nenhum exclusivo nisto – reservamo-nos o direito de voltarmos a adotar a explicação biológica da criança, e a traduzir nos termos que lhe são próprios a descrição que tentamos dar aqui (30)(30, p. 266).

Esta concepção reduz realmente toda a demarche de Piaget a uma escolha arbitrária.

O quadro de trabalho fundamental da teoria de Piaget apoia-se no pressuposto de que há uma seqüência genética de duas formas opostas de intelecção que a teoria psicanalítica descreve como duas formas que se encontram ao serviço do princípio do prazer e do princípio da realidade. Do nosso ponto de vista, a pulsão dinâmica de satisfação das necessidades e a pulsão de adaptação à realidade não podem ser consideradas como coisas separadas que se opõem mutuamente. Uma necessidade só pode ser verdadeiramente satisfeita através de uma certa adaptação à realidade. Além disso, não há adaptação pela adaptação: a adaptação é sempre orientada pelas necessidades, o que é um truismo inexplicavelmente descurado por Piaget.

Piaget compartilha com Freud não só a concepção indefensável da existência de um princípio de prazer que precederia o princípio da realidade. mas também a abordagem metafísica que eleva o princípio do prazer do seu verdadeiro estatuto de fator secundário, biologicamente importante, ao nível de uma força vital independente, de primo-motor do desenvolvimento psíquico. Como separou a necessidade e o prazer da adaptação à realidade, Piaget é logicamente forçado a apresentar o pensamento realístico como algo que existe dissociado das necessidades concretas, dos interesses e das aspirações concretas, como pensamento “puro” que tem por função exclusiva a busca da verdade pela verdade, exclusivamente.

O pensamento autístico – que originalmente era o oposto do pensamento realístico na seqüência de Piaget – é, em nossa opinião, uma evolução tardia, um resultado do pensamento realístico e do seu corolário, o pensamento conceptual, que nos conduz a um certo grau de autonomia relativamente á realidade, permitindo assim a satisfação na fantasia das necessidades frustradas pela vida real. Esta concepção do autismo é coerente com a de Bleuler(3). O autismo é um dos efeitos da diferenciação e da polarização das várias funções do pensamento.

As nossas experiências trouxeram a primeiro plano outro ponto importante, que até aqui tem sido descurado: o pape! da atividade da criança na evolução dos seus processos intelectivos. Vimos que o discurso egocêntrico não se encontra suspenso no vácuo, mas está diretamente relacionado com a forma como a criança lida com o mundo exterior real. Vimos que isto é parte integrante dos processos de atividade racional que a inteligência como que assume nas ações infantis carregadas de incipiente intencionalidade e que esse discurso vai progressivamente servindo para resolver certos problemas e planear à medida que as atividades da criança se vão tornando mais complexas. Este processo é desencadeado pelas ações da criança; os objetos com que esta lida representam a realidade e modelam os seus processos de pensamento.

À luz destes fatos, as conclusões de Piaget exigem um certo número de clarificações relativamente a dois pontos importantes. Em primeiro lugar, as peculiaridades do pensamento das crianças por ele analisadas, tais como o sincretismo, não abarcam um domínio tão vasto como Piaget julga. Sentimo-nos inclinados a pensar (e as nossas experiências no-lo confirmam) que a criança pensa de uma forma sincrética em áreas de que não possui conhecimentos ou experiência suficientes, mas que não recorre ao sincretismo em relação a coisas que lhe são familiares ou que são de fácil comprovação prática – e o número destas coisas depende do método de educação. Da mesma forma, dentro do quadro do sincretismo propriamente dito, será de esperar encontrar algumas formas percursoras das futuras concepções causais que o próprio Piaget menciona de passagem. Os próprios esquemas sincréticos, apesar das suas flutuações, conduzem a criança a uma gradual adaptação; há que não subestimar a sua utilidade. Mais tarde ou mais cedo, através de uma estrita seleção, da redução e da adaptação mútua, irão sendo burilados, transformando-se em excelentes instrumentos de investigação nas áreas em que as hipóteses são aplicáveis.

O segundo ponto que há que ser reavaliado e sujeito a certas limitações é a aplicabilidade das descobertas de Piaget às crianças em geral. As suas experiências levam-no a acreditar que as crianças são impermeáveis à experiência. Piaget estabelece uma analogia que julgamos ser reveladora: diz ele que o homem primitivo só aprende com a experiência em casos muito especiais e limitados de atividade prática – e cita como exemplos disso casos raros de agricultura, caça e manufatura.

Mas este contato efêmero e parcial com a realidade não afeta minimamente a sua maneira de pensar. O mesmo se aplica às crianças por maioria de razões (30)(30, p. 268-269).

No caso do homem primitivo, não podemos chamar à agricultura e à caça contatos desprezáveis com a realidade, pois constituem praticamente toda a sua existência. A concepção de Piaget pode ser válida para o caso particular das crianças que estudou, nas não tem alcance universal. É ele próprio quem nos dá a causa da qualidade especial de pensamento que observou nas suas crianças:

A criança nunca entra em contato real e verdadeiro com as coisas, pois não trabalha: brinca com as coisas, ou aceita-as como ponto assente (30)(30, p. 269).

As uniformidades de desenvolvimento estabelecidas por Piaget aplicam-se ao meio dado, nas condições em que Piaget levou a cabo o seu estudo. Não são leis da natureza, são leis histórica e socialmente determinadas. Stern já havia criticado a Piaget o fato de não ter tomado na devida conta a importância da situação e do meio sociais. O caráter mais egocêntrico ou mais social da fala das crianças depende não só da sua idade, mas também das condições ambientes. Piaget observou crianças enquanto brincavam em determinado jardim infantil e os seus coeficientes só são válidos para este meio infantil particular. Quando a atividade das crianças é exclusivamente constituída por jogos, é acompanhada por um grande manancial de solilóquios. Stern assinala que nos infantários alemães, em que a atividade de grupo é maior, o coeficiente de egocentrismo era algo menor e que, em casa, o discurso das crianças tende a ser predominantemente social desde muito tenra idade. Se isto se passa com as crianças alemãs, a diferença entre as crianças soviéticas e as crianças que Piaget observou nos infantários de Genebra devem ser ainda maiores. No seu prefácio à edição russa do seu livro, Piaget admite que é necessário comparar o comportamento de crianças de ambientes sociais diferentes para podermos estabelecer a diferença entre o social e o individual no seu pensamento. Por esta razão saúda a colaboração com os psicólogos soviéticos. Também estamos convencidos de que o estudo do desenvolvimento das crianças provenientes de ambientes sociais diferentes e em especial de crianças que, ao contrário das crianças de Piaget, trabalham, levará necessariamente a resultados que nos permitirão formular leis com um âmbito de aplicação muito mais vasto.

Compartilhe este texto:
Início da página
 
Visite o MIA no Facebook
 

Inclusão 03/01/2011