Pensamento e Linguagem

Lev Semenovich Vygotsky


4. As raízes genéticas do pensamento e da linguagem


I

O fato mais importante posto a nu pelo estudo genético do pensamento e a linguagem é o fato de a relação entre ambas passar por muitas alterações; os progressos no pensamento e na linguagem não seguem trajetórias paralelas: as suas curvas de desenvolvimento cruzam-se repetidas vezes, podem aproximar-se e correr lado a lado, podem até fundir-se por momentos, mas acabam por se afastar de novo. Isto aplica-se tanto ao desenvolvimento filogenético como ao ontogenético.

Nos animais, o pensamento e a linguagem têm varias raízes e desenvolvem-se segundo diferentes trajetórias de desenvolvimento. Este fato é confirmado pelos estudos recentes de Koehler, Yerkes e outros sobre os macacos. Koehler provou que o surgimento de um intelecto embrionário nos animais – isto é, o aparecimento de pensamento no sentido próprio do termo – não se encontra de maneira nenhuma relacionado com a linguagem. As “invenções” dos macacos na execução e utilização de instrumentos, ou no capítulo da descoberta de caminhos indiretos para a solução de determinados problemas, embora sejam sem sombra de dúvida pensamento embrionário, pertencem a uma fase pré-linguística do desenvolvimento do pensamento.

Na opinião de Koehler, as suas investigações mostram que o chimpanzé evidencia um esboço de comportamento intelectual do mesmo gênero e do mesmo tipo que o do homem. São a ausência de linguagem. “esse instrumento técnico auxiliar infinitamente valioso”, e a pobreza das imagens, “esse material intelectual extremamente importante”, que explicam a tremenda diferença existente entre os antropóides e os homens mais primitivos “e vedam ao chimpanzé o mais pequeno desenvolvimento cultural”(18)(18, pp 191-192).

Vigora considerável desacordo entre os psicólogos das diferentes escolas acerca da interpretação teórica das descobertas de Koehler. A massa de literatura crítica a que estes estudos deram origem representa uma grande variedade de pontos de vista o que torna tanto mais significativo o ninguém contestar os fatos ou a dedução que mais particularmente nos interessa: a independência entre as ações do chimpanzé e a linguagem. Isto é admitido de boa mente, mesmo pelos psicólogos que, como Thorndyke e Borovski. nada vêem nas ações do chimpanzé para lá dos mecanismos instintuais e da aprendizagem por “tentativas e erros”, “nada mais, salvo o já conhecido processo de formação de hábitos”(4)(4, p. 179). e pelos introspeccionistas que fogem a rebaixar o intelecto ao nível do comportamento dos macacos, mesmo dos mais avançados. Buehler diz com muito acerto que as ações dos chimpanzés não têm qualquer relação com a linguagem; e que, no homem, o pensamento mobilizado pela utilização dos utensílios (Werkzeugdenken) também tem uma relação muito mais tênue com a linguagem e com os conceitos do que qualquer outra forma de pensamento.

A questão seria bem simples se os macacos não tivessem nenhum rudimento de linguagem, não tivessem nada que se assemelhasse à linguagem. Ora, acontece que encontramos no chimpanzé uma linguagem relativamente bem desenvolvida, que, sob certos aspectos – sobretudo foneticamente – não deixa de ser semelhante à humana. Esta linguagem tem uma característica notável: a de funcionar independentemente do intelecto. Koehler, que estudou os chimpanzés durante muitos anos na Estação de Antropóides das Ilhas Canárias, ensina-nos que as suas expressões fonéticas denotam apenas desejos e estados subjetivos; são expressões de afetos e nunca um sinal de algo objetivo”(19)(19, p. 27). Mas a fonética dos chimpanzés e a humana têm tantas coisas em comum que podemos confiantemente presumir que a ausência de um discurso do gênero humano não se deve a nenhuma causa periférica.

O chimpanzé é um animal extremamente gregário e responde de forma muito intensa à presença doutros exemplares da sua espécie. Koehler descreve formas altamente diversificadas de “comunicação lingüística” entre chimpanzés. Em primeiro lugar vem o seu vasto repertório de expressões afetivas: jogo facial, gestos, vocalização; a seguir encontram-se os movimentos que exprimem as emoções sociais; gestos de saudação, etc. Os macacos são capazes tanto de “compreender mutuamente os seus gestos” como também de “exprimir”, por meio de gestos, desejos que envolvem outros animais. Habitualmente, um chimpanzé executará o início de uma ação que pretende que outro animal execute – por exemplo, empurrá-lo-á e executará os movimentos iniciais de marcha para “convidar” o outro a segui-lo, ou agarrará o ar quando pretende que o outro lhe dê uma banana. Todos estes gestos são gestos relacionados diretamente com a própria ação. Koehler menciona que o experimentador é levado a utilizar meios de comunicação elementares essencialmente semelhantes para transmitir aos macacos aquilo que espera deles.

Estas observações confirmam sobejamente a opinião de Wundt segundo a qual os gestos de apontar que constituem o primeiro estádio do desenvolvimento da linguagem humana não aparecem ainda nos animais, mas alguns gestos dos macacos são uma forma de transição entre o movimento de preensão e o de apontar.(56)(56, p. 219). Consideramos que este gesto de transição é um passo muito importante da expressão afetiva não adulterada para a linguagem objetiva.

Não há no entanto provas factuais de que os animais tenham atingido o estádio da representação objetiva de nenhuma das suas atividades. Os chimpanzés de Koehler brincavam com barro colorido, começando por “pintar", com os lábios e a língua e passando mais tarde para pincéis a sério; mas estes animais – que normalmente transferem para as suas brincadeiras o uso dos utensílios e outros comportamentos aprendidos em atividades “sérias” (isto é, em experiências) e, vice-versa – nunca evidenciaram a mínima intenção de representar o quer que fosse nos seus desenhos nem o mais leve indício de atribuírem o mais pequeno significado aos seus produtos. Afirma Buehler:

Certos fatos põe-nos de sobreaviso no sentido de não sobrestimarmos as ações dos chimpanzés. Sabemos que nunca nenhum viajante confundiu um gorila ou um chimpanzé com um homem, e que nunca ninguém observou entre eles nenhum dos utensílios ou métodos tradicionais que, nos homens, embora variando com as tribos, indicam a transmissão de geração em geração das descobertas já feitas, nenhuma das arranhadelas que executam na areia ou no barro poderia ser confundida com desenhos que representassem alguma coisa ou com decorações traçadas durante a atividade lúdica; não há linguagem representacional, isto é, não há sons equivalentes a nomes. Todo este conjunto de circunstâncias deve ter alguma causa intrínseca(7)(7, p. 20).

De entre os observadores modernos dos macacos, Yerkes deve ser o único que explica a sua carência de linguagem por outras razões que não sejam as “causas intrínsecas”. A sua investigação sobre o cérebro do orangotango produziram dados muito semelhantes aos de Koehler; mas levou as suas conclusões mais longe, pois admite uma “inteleção mais elevada” nos orangotangos – ao nível é certo de uma criança de três anos, pelo menos(57)(57, p. 132).

Yerkes deduz esta intelecção com base em semelhanças superficiais entre o comportamento dos homens e o dos antropóides: não apresenta nenhuma prova objetiva de que os orangotangos resolvam os problemas socorrendo-se da intelecção, isto é, de “imagens”, ou de que sigam e discirnam os estímulos. No estudo dos animais superiores, pode-se usar a analogia com bons resultados, dentro dos limites da objetividade, mas basear uma hipótese em analogias não será com certeza um procedimento científico correto.

Koehler, por outro lado, foi mais além: não se limitou a utilizar a simples analogia na sua investigação da natureza dos processos intelectuais dos chimpanzés. Mostrou também, por meio de uma análise experimental rigorosa, que o êxito das ações dos animais dependia do fato de eles poderem ver todos os elementos da situação simultaneamente – este fator era decisivo para o seu comportamento. Se o pau que utilizavam para chegar a um fruto colocado para lá das barras fosse ligeiramente deslocado de forma que o utensílio (o pau) e o objetivo (o fruto) deixassem de ser visíveis num só relance, a resolução do problema tornar-se-ia muito difícil, freqüentemente impossível até (especialmente durante as primeiras experiências). Os macacos tinham aprendido a alongar os seus utensílios, inserindo um pau no orifício praticado noutro pau. Se por acaso os dois paus se cruzassem nas suas mãos formando um X, tornavam-se incapazes de realizar a operação familiar muito praticada de alongar o utensílio. Poderiam citar-se dúzias de exemplos destes extraídos das experiências de Koehler.

Koehler considera que a presença real de uma situação bastante simples é condição indispensável em qualquer investigação do intelecto dos chimpanzés, condição sem a qual o seu intelecto não funcionará: conclui daqui que as limitações intrínsecas da “imagética” (ou “ideação”) são uma característica fundamental do comportamento intelectual do chimpanzé. Se aceitarmos as teses de Koehler, então a hipótese de Yerkes parece mais do que duvidosa.

Em conexão com estes recentes estudos experimentais e observações do intelecto e da linguagem dos chimpanzés, Yerkes apresenta novo material sobre o seu desenvolvimento lingüístico e uma nova e engenhosa teoria que pretende explicar a sua carência de verdadeira linguagem. “As reações orais”, afirma ele, “são muito freqüentes e variadas nos chimpanzés jovens, mas a linguagem no sentido humano não existe”(58)(58, p. 53). 0 seu aparelho vocal é tão desenvolvido e funciona tão bem como o do homem. O que lhe falta é a tendência para imitar sons. A sua mímica está quase totalmente dependente dos estímulos óticos; eles copiam ações, mas não sons. São incapazes de fazer o que o papagaio faz com tanto êxito.

Se as tendências imitativas do papagaio se combinassem com o calibre intelectual das do chimpanzé, este último possuiria sem dúvida linguagem, já que tem um mecanismo vocal semelhante ao do homem, assim como um intelecto de tipo e nível que lhe permitem utilizar os sons tendo em vista o discurso oral(58)(58, p. 53).

Nas suas experiências, Yerkes aplicou quatro métodos para ensinar os chimpanzés a falar. Nenhum deles obteve êxito. Tais fracassos, em princípio, nunca resolvem um problema, como é claro. Neste caso, estamos ainda para saber se é ou não possível ensinar os chimpanzés a falar. Não é raro que a culpa caiba ao experimentador. Koehler diz que se os anteriores estudos não conseguiram mostrar que os chimpanzés não têm intelecto, tal não se deve ao fato de os chimpanzés não o possuírem, mas devido à inadequação dos métodos, à ignorância dos graus de complexidade no interior dos quais o intelecto do chimpanzé pode manifestar-se, à ignorância da sua dependência, à ignorância do fato que tal manifestação depende da existência de uma situação visual global. “As investigações sobre a capacidade intelectual – troçava Koehler – “testam tanto o investigador como o investigado”(18)(18, p. 191).

Sem terem resolvido a questão em princípio, as experiências de Yerkes mostraram mais uma vez que os antropóides não têm nada que se pareça com a linguagem humana, nem sequer em embrião. Se relacionarmos isto com o que já sabemos de outras fontes, podemos presumir que os macacos são provavelmente incapazes de acederem a uma verdadeira linguagem.

Possuindo eles o aparelho vocal indispensável e a gama de sons necessários porque razão são incapazes de falar? Yerkes atribui isso à ausência da capacidade de imitação, ou à sua debilidade. Pode ter sido esta a causa dos resultados negativos das suas experiências, mas provavelmente ele não terá razão ao ver nessa carência a causa fundamental da ausência de linguagem nos macacos. Embora ele a dê como ponto assente, esta última tese é negada por tudo o que conhecemos do intelecto do chimpanzé.

Yerkes dispunha de um excelente meio para comprovar a sua tese, meio esse que por qualquer razão não utilizou e que muito gostaríamos de poder aplicar se disso tivéssemos possibilidade material: excluiríamos o fator auditivo ao adestrarmos as qualidades lingüísticas dos animais. A linguagem não depende necessariamente do som. Há por exemplo a linguagem de sinais dos surdos-mudos e a leitura dos lábios, que é também interpretação de movimentos. Nas linguagens dos povos primitivos, os gestos são utilizados em paralelo com o som e desempenham um papel de certa importância. Em princípio, a linguagem não depende da natureza do material que emprega. Se é verdade que os chimpanzés têm o intelecto necessário para adquirirem algo análogo à linguagem humana, e o único problema reside no fato de não serem capazes de imitação vocal, então deveriam ser capazes de dominar nas experiências um qualquer tipo de gestos convencionais, cuja função psicológica seria precisamente a mesma dos sons convencionais. Como o próprio Yerkes conjectura, poder-se-ia treinar os chimpanzés a utilizarem gestos de mão, por exemplo, em substituição dos sons. O meio de expressão não está em causa; o que importa é o uso funcional dos signos, de quaisquer signos que possam desempenhar um papel correspondente ao da linguagem humana.

Este método ainda não foi posto à prova e não podemos ter a certeza dos resultados que daria, mas tudo o que conhecemos do comportamento dos chimpanzés, incluindo os dados de Yerkes. nos obriga a arredar a esperança de que pudessem aprender a linguagem funcional. Nunca ouvimos falar de que houvesse qualquer indício de utilização sua dos signos. A única coisa que sabemos com certeza objetiva e, não que possuem “ideação”, mas que, em determinadas circunstâncias são capazes de executar utensílios muito simples e recorrer a “desvios” e que estas circunstâncias exigem uma situação global perfeitamente visível e clara. Em todos os problemas em que não se verificava a existência de estruturas visuais imediatamente perceptíveis, e que se centravam num outro tipo de estrutura diferente, – um tipo de estrutura mecânica, por exemplo – os chimpanzés abandonavam o comportamento de tipo intuitivo para adotarem muito pura e simplesmente o método de tentativas e erros.

As condições necessárias para o funcionamento intelectual dos macacos serão as mesmas condições exigidas para a descoberta da linguagem, ou o uso funcional dos signos? De maneira nenhuma. A descoberta da linguagem não pode depender em caso nenhum de uma configuração ótica. Exige uma operação intelectual de tipo diferente e não temos quaisquer indicações que nos digam que tal operação se encontra ao alcance dos chimpanzés e a maior parte dos investigadores admitem a hipótese de que eles carecem de tal capacidade: esta carência pode ser a principal diferença entre o intelecto dos chimpanzés e o dos homens Koehler introduziu o termo Einsicht (intuição) para designar as operações intelectuais acessíveis aos chimpanzés. A escolha do termo não é acidental. Kafka assinalou que Koehler parece significar com ele a ação de ver no sentido literal do termo e só por extensão a “visão” genérica de relações, ou a compreensão por oposição à ação cega(17)(17, p 130).

Deve dizer-se que Koehler nunca define Einsicht, nem explicita a sua teoria. Na ausência de interpretações teóricas, o termo é algo ambíguo na sua aplicação: por vezes, designa as características específicas da própria operação, a estrutura das ações dos chimpanzés e por vezes o processo psicológico que precede e prepara tais ações; como que um plano interno de operações. Koehler não avança qualquer hipótese acerca do mecanismo de reação intelectual, mas é claro que, funcione o intelecto como funcionar, e seja qual for a localização que lhe atribuirmos, – nas próprias ações dos chimpanzés ou em qualquer processo preparatório interno (cerebral ou neuro-muscular) – a tese mantém-se válida, a tese de que esta reação não é determinada por traços de memória, mas pela situação tal como se apresenta visualmente. O chimpanzé desperdiçará até o melhor dos instrumentos para determinado problema se não o vir ao mesmo tempo ou quase ao mesmo tempo que o objetivo(1*). Assim, a tomada em consideração da Einsicht não altera em nada a nossa conclusão de que o chimpanzé, mesmo que possuísse as qualidades do papagaio, seria com certeza sobremaneira incapaz de dominar a linguagem.

No entanto, como dissemos, o chimpanzé possui uma linguagem própria bastante rica. O colaborador de Yerkes, Learned, compilou um dicionário de trinta e dois elementos de discurso, ou “palavras”, que não só se assemelham foneticamente ao discurso humano, como possuem também certo significado, no sentido em que são suscitadas por certas situações ou objetos relacionados com o prazer ou o desprazer, ou que inspiram desejo, malícia ou medo(58)(58, p. 54). Estas “palavras” foram compiladas enquanto os chimpanzés aguardavam que os alimentassem, ou durante as refeições na presença de humanos, ou enquanto os chimpanzés estavam sós. São reações vocais afetivas, mais ou menos diferenciadas e, em certa medida, relacionadas, à maneira dos reflexos condicionados, com estímulos referentes à alimentação ou a outras situações vitais quer dizer, era uma linguagem estritamente emocional.

Relativamente a esta descrição da linguagem dos macacos gostaríamos de realçar três pontos: em primeiro lugar, a coincidência da produção dos sons com gestos afetivos, particularmente perceptíveis quando os chimpanzés se encontram muito excitados, não se limita aos antropóides – pelo contrário, é muito vulgar nos animais dotados de voz. A linguagem humana teve certamente origem no mesmo tipo de reações vocais.

Em segundo lugar, os estados afetivos que suscitam abundantes reações vocais nos chimpanzés são desfavoráveis ao funcionamento do intelecto. Koehler menciona repetidamente que, nos chimpanzés, as reações emocionais, sobretudo as de grande intensidade, obliteram qualquer operação intelectual simultânea.

Em terceiro lugar, dever-se-á sublinhar de novo que nos macacos. a linguagem não tem por função exclusiva aliviar as tensões emocionais. Tal como noutros animais e também no homem, é também um meio de contato psicológico com os seus semelhantes Tanto nos chimpanzés de Yerkes e Learned, como nos macacos observados por Koehler, esta função é inconfundível. Mas não se encontra relacionada com as reações intelectuais, isto é, com o pensamento. Tem origem na emoção e faz claramente parte do síndroma emocional total, parte essa, porém, que desempenha uma função específica, tanto biológica como psicologicamente. Está muito longe de constituir uma série de tentativas conscientes e intencionais para informar e influenciar os outros. Essencialmente é uma reação instintiva ou algo extremamente semelhante.

Dificilmente se porá em dúvida que, do ponto de vista biológico, esta função da linguagem é uma das mais primitivas e que geneticamente tem algo a ver com os sinais visuais e orais dados pelos chefes dos grupos animais. Num estudo recentemente publicado sobre a linguagem das abelhas, K. V. Frisch descreve certas formas de comportamento muito interessantes e teoricamente importantes, que servem para o intercâmbio ou o contato(10) e que, sem sombra de dúvida, têm origem no instinto. Apesar das diferenças fenotípicas, estas manifestações comportamentais são no seu fundamental semelhantes ao intercâmbio lingüístico dos chimpanzés. Esta similitude aponta mais uma vez para independência entre a “comunicação” dos chimpanzés e toda e qualquer atividade intelectual.

Empreendemos esta análise de diversos estudos da linguagem e do intelecto dos macacos para elucidarmos a relação entre o pensamento e a linguagem no desenvolvimento filogenético destas funções. Podemos agora resumir as nossas conclusões, que nos serão úteis para o prosseguimento da análise do problema:

  1. O pensamento e a linguagem têm raízes genéticas diferentes.
  2. As duas funções desenvolvem-se segundo trajetórias diferentes e independentes.
  3. Não há nenhuma relação nítida e constante entre elas.
  4. Os antropóides revelam um intelecto que, sob certos aspectos (a utilização embrionária dos instrumentos) é semelhante ao dos homens e uma linguagem também algo semelhante à humana, mas em aspectos totalmente diferentes (o aspecto fonético da sua fala, a sua função de alívio emocional, os embriões de uma função social).
  5. A estreita correspondência entre o pensamento e a linguagem, existente no homem, encontra-se praticamente ausente nos antropóides.
  6. Na filogenia do pensamento e da linguagem distingue-se com muita clareza uma fase pré-intelectual no desenvolvimento da linguagem e uma fase pré-linguística no desenvolvimento do pensamento.

II

Ontogeneticamente, a relação entre a gênese do pensamento e a da linguagem é muito mais intrincada e obscura; mas também aqui poderemos distinguir duas linhas de evolução distintas, resultantes de duas raízes genéticas diferentes.

A existência de uma fase pré-linguística do desenvolvimento do pensamento na infância só recentemente foi corroborada por provas objetivas. Aplicaram-se a crianças que ainda não tinham aprendido a falar as mesmas experiências que Koehler levou a cabo com chimpanzés. O próprio Koehler havia já realizado ocasionalmente essas experiências com crianças com o objetivo de estabelecer comparações e Buehler empreendeu um estudo sistemático das crianças com a mesma orientação. Os resultados foram semelhantes para as crianças e os chimpanzés.

Sobre as ações das crianças, diz-nos Buehler:

eram exatamente como as dos chimpanzés, de tal forma esta fase da vida das crianças poderia ser corretamente designada por idade chimpanzóide; na criança que estudamos correspondia aos décimo primeiro e décimo segundo meses. É na idade chimpanzóide que ocorrem as primeiras invenções da criança – invenções muito primitivas, é certo, mas extremamente importantes para o seu desenvolvimento(7)(7, p. 46).

O que sobremaneira importa do ponto de vista teórico, tanto nestas experiências, como nas dos chimpanzés, é a descoberta da independência entre as reações intelectuais rudimentares e a linguagem. Notando isto, Buehler comenta:

Costumava-se dizer que a linguagem era o início da hominização (Menschwerden); talvez sim, mas antes da linguagem, há o pensamento implicado na utilização de utensílios, isto é, a compreensão das conexões mecânicas e a idealização de meios mecânicos com fins mecânicos, ou, para ser ainda mais breve, antes de surgir a linguagem, a ação torna-se subjetivamente significativa – por outras palavras, torna-se conscientemente finalista (7)(7, p. 48).

As raízes pré-intelectuais da linguagem no desenvolvimento da criança há muito que são conhecidas. O papaguear das crianças, o seu choro e inclusivamente as suas primeiras palavras são muito claramente estádios do desenvolvimento da linguagem que nada têm a ver com o desenvolvimento do pensamento. Tem-se encarado duma forma generalizada estas manifestações como formas de comportamento predominantemente emocionais. Contudo, nem todas servem apenas a função de alívio de uma tensão. Investigações recentes das primeiras formas de comportamento das crianças e das primeiras reações das crianças à voz humana (efetuadas por Charlotte Buehler e o seu círculo) mostraram que a função social da linguagem já é claramente evidente durante o primeiro ano de vida, quer dizer, no estádio pré-intelectual do desenvolvimento da linguagem de criança. Observaram-se reações bem definidas à voz humana logo no terceiro mês de vida e a primeira reação especificamente social à voz durante o segundo mês(5)(5, p. 124). Estas investigações também estabeleceram que as gargalhadas, os sons inarticulados, os movimentos etc., são meios de contato social logo durante os primeiros meses da vida das crianças.

Assim, as duas funções da linguagem que observamos no desenvolvimento filogenético já existem e são evidentes nas crianças com menos de um ano de idade.

Mas a mais importante descoberta é o fato de em determinado momento por alturas dos dois anos de idade, as curvas de desenvolvimento do pensamento e da linguagem, até então separadas, se tocarem e fundirem, dando início a uma nova forma de comportamento. Foi Stern quem pela primeira vez e da melhor forma nos deu uma descrição deste momentoso acontecimento. Ele mostrou como a vontade de dominar a linguagem se segue à primeira compreensão difusa dos propósitos desta, quando a criança “faz a maior descoberta da sua vida”, a de que “todas as coisas têm um nome”(40)(40, p. 108).

Este momento crucial, quando a linguagem começa a servir o intelecto e os pensamentos começam a oralizar-se, é indicado por dois sintomas objetivos que não deixam lugar a dúvidas:(1)(1), a súbita e ativa curiosidade da criança pelas palavras, as suas perguntas acerca de todas as coisas novas (“o que é isto?”) e,(2*) o conseqüente enriquecimento do vocabulário que progride por saltos e muito rapidamente.

Antes do ponto de viragem, a criança reconhece (como alguns animais) um pequeno número de palavras que, tal como no condicionamento, substituem objetos, pessoas, ações, estados, desejos. Nessa idade, a criança só conhece as palavras que lhe foram transmitidas por outras pessoas. Agora a situação altera-se: a criança sente a necessidade das palavras e, por meio das suas perguntas, tenta ativamente aprender os signos relacionados com os objetos Parece ter descoberto a função simbólica das palavras. A linguagem, que no estádio anterior era afetiva-conotativa entra agora no estádio intelectual. As trajetórias do desenvolvimento da linguagem e do pensamento encontraram-se.

Neste momento, os problemas do pensamento e da linguagem entrelaçam-se. Detenhamo-nos um pouco, examinemos o que acontece exatamente quando a criança faz a sua “grande descoberta” e vejamos se a interpretação de Stern é correta.

Buehler e Koffka comparam ambos esta descoberta com as invenções dos chimpanzés Segundo Koffka, uma vez descoberto pela criança, o nome entra na estrutura do objeto, tal como o pau passa a fazer parte da situação de querer agarrar o fruto(20)(20, p. 243).

Examinaremos a solidez desta analogia mais tarde, quando analisarmos as relações estruturais e funcionais entre o pensamento e a linguagem. De momento, limitar-nos-emos a notar que “a grande descoberta das crianças” só se torna possível depois de se ter atingido um nível de desenvolvimento do pensamento e linguagem relativamente elevado. Por outras palavras, a linguagem não pode ser “descoberta” sem o pensamento.

Em resumo, devemos concluir que:

  1. No seu desenvolvimento ontogenético, o pensamento e a linguagem têm raízes diferentes.
  2. No desenvolvimento lingüístico da criança, podemos estabelecer com toda a certeza uma fase pré-intelectual no desenvolvimento lingüístico da criança – e no seu desenvolvimento intelectual podemos estabelecer uma fase pré-lingüística.
  3. A determinada altura estas duas trajetórias encontram-se e, em conseqüência disso, o pensamento torna-se verbal e a linguagem racional.

III

Seja qual for a forma como abordemos o controverso problema da relação entre o pensamento e a linguagem, teremos sempre que tratar com certa exaustão do discurso interior. Este é tão importante para a nossa atividade pensante que muitos psicólogos, entre os quais Watson, chegam a identificá-lo com o pensamento – que consideram ser uma fala inibida e silenciosa. Mas a psicologia ainda não sabe como se dá a transição do discurso aberto para o discurso interior, nem com que idade ocorre, por que processo e por que razão se realiza.

Watson diz que não sabemos em que ponto do desenvolvimento da sua organização lingüística, as crianças passam do discurso aberto para o murmúrio e depois para o discurso interior, porque esse problema só foi estudado de forma acidental. As nossas investigações levam-nos a crer que Watson põe o problema de uma forma incorreta. Não há razões válidas para crer que o discurso interior se desenvolve duma forma mecânica qualquer, por meio de uma gradual diminuição da audibilidade da fala (murmúrio).

É verdade que Watson menciona outra possibilidade: “talvez as três formas se desenvolvam simultaneamente” – afirma ele(54)(54, p. 322). Esta hipótese parece-nos tão infundada do ponto de vista genético como a seqüência: fala em voz alta, murmúrio, discurso interior. Este “talvez” não é escorado por nenhum dado objetivo. Contra ele testemunham as profundas dessemelhanças entre o discurso externo e o discurso interior, reconhecidas por todos os psicólogos, inclusive Watson. Não há qualquer fundamento para presumir que os dois processos, tão diferentes funcionalmente (adaptação social, num caso, e adaptação pessoal, no outro) e estruturalmente (com efeito, a economia extrema, elíptica, do discurso interior transforma a configuração do discurso até quase o tornar irreconhecível), possam ser geneticamente paralelos e convergentes. Também não nos parece plausível (para voltarmos à tese principal de Watson) que se encontrem relacionadas mutuamente pela fala murmurada, a qual, nem pela sua estrutura nem pela sua função, pode ser considerada um estádio intermédio entre o discurso exterior e o discurso interior. Encontra-se a meio caminho apenas fenotipicamente e não genotipicamente.

Os nossos estudos do murmúrio nos bebês comprovam isto completamente. Descobrimos que, estruturalmente, quase não há diferença nenhuma entre o murmurar e a fala em voz alta; funcionalmente, o murmúrio difere profundamente do discurso interior e não manifesta qualquer tendência a assumir as características deste último. Ao demais, não se desenvolve espontaneamente até à idade escolar, embora possa ser induzido muito precocemente: com efeito, sob o efeito da pressão social, uma criança de três anos pode baixar a voz ou murmurar, durante curtos períodos de tempo e com grande esforço. Este é o único ponto que parece escorar a concepção de Watson.

Embora discordemos da tese de Watson, acreditamos que este encontrou a abordagem metodológica correta: para resolver o problema, teremos que procurar o elo intermédio entre o discurso aberto e o discurso interior.

Inclinamo-nos para ver esse elo no discurso egocêntrico da criança descrito por Piaget, o qual, para lá do seu papel de acompanhamento da atividade da criança e as suas funções repressiva e de alívio das tensões, facilmente assume uma função planeadora, isto é, se transforma em pensamento propriamente dito muito natural e facilmente.

Se a nossa hipótese se verificar correta, teremos que concluir que a fala é interiorizada psicologicamente antes de ser interiorizada fisicamente. O discurso egocêntrico é discurso interior pelas suas funções; é discurso em vias de se interiorizar, intimamente associado com o ordenamento do comportamento da criança, já parcialmente incompreensível para os outros, mas que mantém ainda uma forma bem explícita, patente, na sua forma e que não mostra quaisquer tendências para se transformar em murmúrio ou qualquer outra forma de discurso semi-silencioso.

Devíamos também ter então resposta para o problema da razão por que o discurso se interioriza. Interioriza-se porque a sua função se altera. O seu desenvolvimento deveria ter também três estádios: não os que Watson julgava, mas os seguintes: discurso externo, discurso egocêntrico e discurso interior. Passaríamos também a dispor de um método excelente para estudar o discurso interior “ao vivo”, por assim dizer, enquanto as suas peculiaridades funcionais e estruturais estão ainda a formar-se; seria um método objetivo, pois que estas peculiaridades surgem quando o discurso é ainda audível, isto é, acessível à observação e à mediação.

As nossas investigações demonstram que o desenvolvimento da linguagem segue o mesmo curso e obedece às mesmas leis que o desenvolvimento de todas as outras operações mentais que envolvem a utilização de signos, como sejam, a atividade de contagem e a memorização mnemônica. Verificamos que estas operações se desenvolvem geralmente em quatro estádios. O primeiro é o estádio primitivo ou natural, que corresponde ao discurso pré-intelectual e ao pensamento pré-verbal, altura em que estas operações aparecem na sua forma original, tal como se desenvolveram no estádio primitivo do comportamento.

Vem a seguir o estádio que poderíamos chamar “da psicologia ingênua”, por analogia com aquilo que se designa por “física ingênua” – a experiência que a criança tem das propriedades físicas do seu próprio corpo e dos objetos que a cercam e a aplicação desta experiência ao uso dos instrumentos: o primeiro exercício da inteligência prática infantil que desabrocha.

Esta fase é muito claramente definida no desenvolvimento lingüístico da criança. Manifesta-se pela utilização correta das formas e estruturas gramaticais antes de a criança ter compreendido as operações lógicas que representam. A criança pode operar com proposições subordinadas, com palavras como, porque, se, quando e mas, muito antes de dominar realmente as relações causais, condicionais ou temporais. Domina a sintaxe da linguagem antes de dominar a sintaxe do pensamento. Os estudos de Piaget provaram que a gramática se desenvolve antes da lógica e que a criança aprende relativamente tarde as operações mentais que correspondem à forma verbal que já utiliza há muito.

Com a gradual acumulação da experiência psicológica ingênua, a criança entra numa terceira fase, que se distingue por sinais externos por operações externas que são utilizadas como auxiliares para a solução dos problemas internos. É a fase em que a criança conta pelos dedos, recorre a auxiliares mnemônicos, etc. No desenvolvimento lingüístico caracteriza-se pelo discurso egocêntrico.

Chamamos ao quarto estádio, estádio de “crescimento interno”. As operações externas interiorizam-se e sofrem uma profunda transformação durante esse processo. A criança começa a contar de cabeça, a utilizar a “memória lógica”, quer dizer, a operar com as relações intrínsecas e a utilizar signos. No desenvolvimento lingüístico é o último estádio do discurso interior, silencioso. Continua a haver uma interação constante entre as operações externas e internas e cada uma das formas converte-se incansável e incessantemente na outra e vice-versa. Pela sua forma, o discurso interior pode aproximar-se muito do discurso externo ou tornar-se até exatamente igual a este último, quando serve de preparação para o discurso externo – por exemplo, quando se está a pensar uma conferência que se vai proferir. Não existe qualquer divisão nítida entre o comportamento interno e o comportamento externo e cada um deles influencia o outro.

Ao considerarmos a função do discurso interior nos adultos após se ter completado o desenvolvimento, temos de perguntar a nós próprios se, no seu caso, os processos lingüísticos e intelectivos têm uma relação necessária, se podemos passar um traço de igual entre ambos. Também aqui, como no caso dos animais, a resposta é negativa.

Esquematicamente, podemos imaginar o pensamento e a linguagem como dois círculos que se intersectam Nas regiões sobrepostas, o pensamento e a linguagem coincidem, produzindo assim o que se chama pensamento verbal. O pensamento verbal, porém, não engloba de maneira nenhuma todas as formas de pensamento ou todas as formas de linguagem. Há uma vasta área de pensamento que não apresenta nenhuma relação direta com a linguagem. O pensamento manifestado na utilização de utensílios encontra-se incluído nesta área, tal como acontece com o pensamento prático em geral. Além disso, as investigações levadas a cabo pelos psicólogos da escola de Wuerzburg demonstraram que o pensamento pode funcionar sem quaisquer imagens verbais ou movimentos lingüísticos detectáveis por auto-observação. As experiências mais recentes mostram também que não há correspondência direta entre o discurso interior e a língua ou os movimentos da laringe do indivíduo sujeito à observação.

Não há também quaisquer razões psicológicas para fazer decorrer todas as formas de atividade lingüística do pensamento. Nenhum processo de pensamento estará com certeza a ser mobilizado quando um indivíduo recita em silêncio um poema aprendido de cor ou quando repete mentalmente uma, frase que lhe foi fornecida com propósitos experimentais – apesar do que possa pensar Watson. Por último, há a linguagem lírica suscitada pela emoção. Embora tenha todas as marcas auditivas da fala, dificilmente poderá ser classificada como atividade intelectual no sentido próprio do termo.

Somos portanto forçados a concluir que a fusão entre o pensamento e a linguagem, tanto nos adultos como nas crianças é um fenômeno limitado a uma área circunscrita. O pensamento não verbal e a linguagem não intelectual não participam desta fusão e só indiretamente são afetados pelos processos do pensamento verbal

IV

Podemos agora resumir os resultados da nossa análise. Começamos por tentar seguir a genealogia do pensamento e da linguagem até às suas raízes, utilizando os dados da psicologia comparativa. Estes dados são insuficientes para detectarmos as trajetórias de desenvolvimento do pensamento e da linguagem pré-humanos com um grau mínimo de certeza. A questão fundamental, a de saber-se se os antropóides possuem ou não o mesmo tipo de intelecto do que o homem, é ainda controversa. Koehler responde afirmativamente, outros respondem pela negativa. Mas seja qual for a solução que as futuras investigações derem a este problema, uma coisa é já clara: no mundo animal, o percurso para um intelecto de tipo humano não é igual à trajetória para uma linguagem de tipo humano; o pensamento e a linguagem não brotam da mesma raiz.

Nem aqueles que negariam a existência de um intelecto nos chimpanzés podem negar que os macacos possuem algo que se aproxima do intelecto, que o tipo mais elevado de formação de hábitos neles patente é um intelecto embrionário. A utilização de utensílios prefigura o comportamento humano. Para os marxistas, as descobertas de Koehler não constituem surpresa Marx afirmou há muito(27) que a utilização e a criação de instrumentos de trabalho embora estejam presentes nos animais de forma embrionária, são características específicas do processo de trabalho humano A tese de que as raízes do intelecto humano se estendem ao reino animal e tem origem nele foi há muito admitida pelo marxismo vemo-la ser elaborada por Plekhanov(34)(34, p. 138). Engels escreveu que os homens e os animais compartilham todas as formas de atividade intelectual; só o seu nível de desenvolvimento difere(9): os animais são capazes de raciocinar a um nível elementar, de analisar (o partir de uma noz é um inicio de análise) e de fazer experiências, quando confrontados com determinados problemas, ou quando se lhes depara uma situação difícil. Alguns, como o papagaio, por exemplo, não só são capazes de aprender a falar, como podem até aplicar palavras com sentido, duma forma restrita: para pedir alguma coisa, usará palavras pelas quais receberá uma recompensa; quando é irritado deixará escapar as mais seletas invectivas do seu vocabulário.

Escusado será dizer que Engels não acredita os animais com a capacidade de pensarem ou de falarem ao nível do homem, mas, neste momento, não precisamos de aprofundar muito o significado exato da sua afirmação. Por agora, apenas desejamos confirmar que não há boas razões para negar a existência, nos animais, de uma inteligência e uma linguagem embrionárias do mesmo tipo da dos homens que, se desenvolvem, também como nos homens, segundo trajetórias separadas. A capacidade de expressão oral dos animais não nos dá nenhuma indicação sobre o seu desenvolvimento mental.

Vamos agora resumir os dados pertinentes fornecidos por estudos recentes sobre as crianças. Vemos que nas crianças também, as raízes e curso seguido pelo desenvolvimento do intelecto diferem dos da linguagem – e que, inicialmente, o pensamento é não-verbal e a linguagem é não-intelectual. Stern afirma que, em determinado ponto, as duas linhas de desenvolvimento se cruzam, tornando-se a linguagem racional e o pensamento verbal. A criança “descobre” que “cada coisa tem o seu nome e começa a perguntar como se chamam todos os objetos.

Alguns psicólogos(8) não estão de acordo com Stern, discordando que esta primeira fase de perguntas tenha ocorrência universal e que seja necessariamente sintoma de qualquer descoberta momentosa. Koffka adota uma posição intermédia entre Stern e os seus opositores. Como Buehler, ele realça a analogia entre a invenção de utensílios pelos chimpanzés e a descoberta pela criança da função nominativa da linguagem mas, segundo ele, esta descoberta não é de tão vasto alcance como Stern supunha. Segundo o ponto de vista de Koffka, a palavra passa a fazer parte da estrutura do objeto no mesmo pé que todas as outras partes suas constituintes. Durante um certo período de vida da criança, a palavra para esta não é um signo, mas apenas uma das propriedades do objeto que tem de ser fornecida para que a estrutura fique completa. Como Buehler apontou, cada novo objeto apresenta uma nova situação problemática para a criança e esta resolve o problema uniformemente nomeando o objeto. Quando lhe falta a palavra para o novo objeto pergunta-a aos adultos (7)(7, p. 54). Julgamos que esta concepção se encontra mais próxima da verdade Os dados existentes sobre a linguagem das crianças (escorados pelos dados antropológicos) sugerem-nos com grande força que durante um longo período de tempo a palavra é para a criança uma propriedade, mais do que o símbolo do objeto, que a criança apreende a estrutura-palavra-objeto mais cedo do que a estrutura simbólica interna. Escolhemos esta hipótese intermédia entre as várias que se nos oferecem porque, tendo em conta a lei das probabilidades, achamos difícil de acreditar que uma criança entre os dezoito meses e os dois anos de idade seja capaz de descobrir a função simbólica da linguagem. Tal descoberta surge mais tarde e não duma forma repentina, mas através de uma série de transformações “moleculares”. A hipótese que preferimos está em conformidade com a configuração geral da trajetória da dominação dos sons que nas anteriores seções descrevemos. Mesmo nas crianças em idade escolar o uso funcional de um novo signo é precedido por um período de aprendizagem durante o qual a criança vai dominando progressivamente a estrutura externa do signo. De forma correspondente, só ao operar com as palavras, que começou por conceber como uma propriedade dos objetos, a criança descobre e consolida a sua função como signo.

Deste modo, a tese de Stern da “descoberta” sofre limitações e carece de uma reavaliação. Contudo, o seu princípio básico permanece válido: é evidente que, sob o ponto de vista ontogenético, o pensamento e o discurso se desenvolvem ao longo de linhas separadas e que num certo ponto essas linhas se encontram. Este importante fato está hoje definitivamente provado, sem detrimento de clarificação, através de estudos posteriores, dos detalhes em que os psicólogos ainda estão em desacordo: se esse encontro se dá num só ponto ou em vários pontos, como uma súbita descoberta ou após longa preparação através do uso prático e da lenta troca funcional, e se ocorre aos dois anos de idade ou na idade escolar.

Podemos agora sumariar a nossa investigação do discurso interior. Também aqui consideramos várias hipóteses e chegamos à conclusão que o discurso interior se desenvolve através de uma lenta acumulação de mudanças funcionais e estruturais, que se desliga do discurso externo da criança simultaneamente com a diferenciação das funções social e egocêntrica do discurso, e finalmente que as estruturas do discurso dominadas pela criança se transformam nas estruturas básicas do seu pensamento.

Isto conduz-nos a um outro incontestável fato de grande importância: o desenvolvimento do pensamento é determinado pela linguagem, ou seja, pelos instrumentos lingüísticos do pensamento e pela experiência sociocultural da criança. Fundamentalmente, o desenvolvimento da lógica na criança, como o demonstraram os estudos de Piaget, é função direta do seu discurso socializado. O crescimento intelectual da criança depende do seu domínio dos meios sociais de pensamento, ou seja, da linguagem.

Podemos agora formular as principais conclusões a retirar das nossas análises. Se compararmos o desenvolvimento primitivo do discurso e do intelecto – que, como vimos, se desenvolvem ao longo de linhas separadas quer nos animais quer nas crianças de tenra idade – com o desenvolvimento do discurso interior e do pensamento verbal, temos de concluir que o último estádio não é uma simples continuação do primeiro. A natureza do próprio desenvolvimento transforma-se, do biológico no sócio-histórico. O pensamento verbal não é uma forma natural de comportamento, inata, mas é determinado pelo processo histórico-cultural e tem propriedades e leis específicas que não podem ser encontradas nas formas naturais do pensamento e do discurso. Desde que, admitamos o caráter histórico do pensamento verbal, teremos que o considerar sujeito a todas as premissas do materialismo histórico, que são válidas para qualquer fenômeno histórico na sociedade humana. Só pode concluir-se que a este nível o desenvolvimento do comportamento será essencialmente governado pelas leis gerais do desenvolvimento histórico da sociedade humana.

O problema do pensamento e linguagem estende-se, portanto, para além dos limites da ciência natural e torna-se no problema focal da psicologia humana histórica, ou seja, da psicologia social. Consequentemente, ele deve ser colocado de um modo diferente. Este segundo problema exposto pelo estudo do pensamento do discurso será objeto de investigação separada.

Compartilhe este texto:
Início da página
 
Visite o MIA no Facebook
 

Notas:

(1*) Por “percepção quase ao mesmo tempo” Koehler entende situações em que instrumento e objetivo foram vistos juntos pouco tempo antes, ou quando foram usados conjuntamente tantas vezes numa situação idêntica que são, para todos os fins, psicologicamente apreendidos simultaneamente(18)(18, p. 39). (retornar ao texto)

(2*) Vygotsky não descreve o teste em pormenor. A seguinte descrição é extraída de Conceptual Thinking in Schizophrenia, de E. Hanfmann e J. Kasanin(16)(16, pp. 9-10): O material utilizado nos testes de formação dos conceitos consiste em 22 blocos de madeira de várias cores, formas, alturas e larguras. Existem 5 cores diferentes, 6 formas diferentes, 2 alturas (os blocos altos e os blocos baixos), e 2 larguras da superfície horizontal (larga e estreita). Na face inferior de cada figura, que não é vista pelo sujeito, está escrita uma das quatro palavras sem sentido: lag, bik, mur, cev. Desprezando a cor ou a forma, lag está escrita em todas as figuras largas e altas, bik em todas as figuras largas e baixas, mur em todas as altas e estreitas, e cev nas baixas e estreitas. No inicio da experiência todos os blocos, misturados quer nas cores, tamanhos e formas, são espalhados numa mesa defronte do sujeito ... O examinador vira um dos blocos (a “amostra”), mostra e lê o seu nome ao sujeito, e pede-lhe que retire todos os blocos que pensar puderem pertencer ao mesmo tipo. Após o sujeito o ter feito ... o examinador vira um doa blocos “erradamente” selecionado, mostra que é um bloco de um tipo diferente e encoraja o sujeito a prosseguir nas tentativas. Após cada nova tentativa, outro bloco erradamente retirado é virado. À medida que o número de blocos virados aumenta, o sujeito obtém gradualmente uma base para descobrir a que características dos blocos se referem as palavras sem sentido. Mal faça esta descoberta, as ... palavras ... começam a fixar-se em tipos definidos de objetos (ou seja, lag para blocos largos e altos, bik para largos e baixos), e novos conceitos, para os quais a linguagem não fornece nenhum nome, são então formados. O sujeito encontra-se então preparado para completar a tarefa de separação dos quatro tipos de blocos indicados pelas palavras sem sentido. Então, o uso dos conceitos tem um valor funcional definido para o fim requerido por este teste. Se o sujeito utilizar realmente o pensamento conceptual na tentativa de resolução do problema ... poder-se-á inferir da natureza dos grupos que constrói e do seu procedimento na sua construção que aproximadamente cada etapa do seu raciocínio é refletida na sua manipulação dos blocos. A primeira abordagem do problema, o manuseamento da amostra, a resposta à correção, a descoberta da solução, todos estes estádios da experimentação podem fornecer dados que podem servir como indicadores do nível de pensamento do sujeito. (retornar ao texto)

Inclusão 03/01/2011