Que Fazer?

Vladimir Ilitch Lenine

Política Sindical e Política Social-democrata


Mais uma vez, começaremos elogiando o Rabótcheie Dielo. "Literatura de Denúncia e Luta Proletária", assim denominou Martynov seu artigo do Rabótcheie Dielo (n.º. 10), sobre as divergências com o Iskra "Não podemos nos limitar a denunciar o regime que entrava seu desenvolvimento (do partido operário). Devemos, igualmente, fazer de nós o eco dos interesses correntes e urgentes do proletariado" (p. 63). É assim que Martynov formula a essência dessas divergências. "...O Iskra.... é efetivamente o órgão da oposição revolucionária que denuncia nosso regime e principalmente nosso regime político... Trabalhamos e trabalharemos, no que nos diz respeito, pela causa operária, em estreita ligação orgânica com a luta proletária". (Ibid.). Não é possível deixar de agradecer a Martynov por essa formulação. Ela adquire um grande interesse geral, pelo fato de abranger, no fundo, não somente nossas divergências de pontos de vista com o Rabótcheie Dielo, mas todas as divergências que existem, de maneira geral, entre nós e os "economistas" sobre a questão da luta política. Já mostramos que os "economistas" não negam absolutamente a "política", mas que se desviam constantemente da concepção social-democrata em direção à concepção sindical da política. É exatamente assim que o faz Martynov; e por isso queremos tomá-lo como espécime dos erros "economistas" na questão de que nos ocupamos. Tentaremos demonstrar que nem os autores do "Suplemento especial da Rabótchaia Mysl", nem os da declaração do "Grupo da Autoliberação", nem tampouco os da carta econômica do n.º. 12 do Iskra têm o direito de nos reprovar tal escolha. 

a) A Agitação Politica e o Seu Estreitamento pelos "Economistas"

Ninguém ignora que a extensão e a consolidação da luta econômica(1) dos operários russos marcharam de par com a eclosão da "literatura" de denúncia econômica (referente às fábricas e à vida profissional). As "folhas volantes" denunciavam principalmente o regime das fábricas, e logo isto deu origem a uma verdadeira paixão pelas denúncias entre os operários. Quando estes últimos viram que os círculos sociais-democratas queriam e podiam fornecer-lhes; "folhas volantes" de um novo gênero, dizendo toda a verdade sobre sua vida miserável, seu trabalho fatigante e sua servidão, fizeram de certo modo chover cartas das fábricas e das oficinas. Esta "literatura de denúncia" fez sensação não somente na fábrica, cuja "folha volante" fustigava o regime, mas em todas as empresas onde havia rumores dos fatos denunciados. Ora, como as necessidades e a miséria dos operários de diferentes empresas e profissões têm muitos pontos comuns, a "verdade sobre a vida operária" maravilhou todo o mundo. Uma verdadeira paixão de "aparecer em letra de forma" tomou conta dos operários mais atrasados, nobre paixão por essa forma embrionária de guerra contra toda a ordem de coisas existente, baseada na pilhagem e na opressão. E as "folhas volantes" constituíram, efetivamente, na imensa maioria dos casos, uma declaração de guerra, porque o que divulgavam entusiasmava vivamente os operários, impelia-os a reclamar a supressão dos abusos mais gritantes e apoiar suas reivindicações através de greves. Os próprios donos das fábricas foram, afinal, obrigados a reconhecer nesses panfletos uma declaração de guerra a ponto de muitas vezes não desejarem sequer aguardar a própria guerra. Como sempre, simplesmente através de sua publicação, tais revelações adquiriram vigor e exerceram forte pressão moral. Não era raro o fato de a simples aparição de um panfleto obter a satisfação total ou parcial das reivindicações dos operários. Em uma palavra, as denúncias econômicas (das fábricas) eram e continuam a ser unia poderosa alavanca da luta econômica. E assim o será, enquanto existir o capitalismo, que impele necessariamente os operários à autodefesa. Nos países europeus mais avançados, pode-se ainda agora observar que a denúncia de condições escandalosas de trabalho em algum "oficio" em desuso, ou em um ramo de trabalho a domicílio esquecido de todos, leva ao despertar da consciência de classe, à luta sindical, e à difusão do socialismo(2). A grande maioria dos sociais-democratas russos, nesses últimos tempos, foi quase inteiramente absorvida pela organização dessas denúncias de fábricas. É bastante lembrar a Rabótchaia Mysl para se ver a que ponto chegou tal absorção; esquecia-se que, no fundo, essa atividade não era ainda em si mesma social-democrata, mas apenas sindical. As denúncias referiam-se, no fundo, somente às relações dos operários de uma determinada profissão com seus patrões, e não tiveram, outro resultado senão o de ensinar àqueles que vendiam sua força de trabalho, a vender esta "mercadoria" de forma mais vantajosa, e a lutar contra o comprador no terreno de uma transação puramente comercial. Essas denúncias (na condição de serem convenientemente utilizadas pela organização dos revolucionários) podiam servir de ponto de partida e de elemento constitutivo da ação social-democrata; mas também podiam (e até deviam, quando se inclinava diante da espontaneidade) conduzir à luta "exclusivamente profissional" e a um movimento operário, não social-democrata. A social-democracia dirige a luta da classe operária, não apenas para obter condições vantajosas na venda da força de trabalho, mas, também, pela abolição da ordem social, que obriga os não possuidores a se venderem aos ricos. A social-democracia representa a classe operária em suas relações não apenas com um determinado grupo de empregadores, mas com todas as classes da sociedade contemporânea, com o Estado como força política organizada. Consequentemente, portanto, os sociais-democratas não podem limitar-se à luta econômica, mas, também não podem admitir que a organização das denúncias econômicas constitua sua atividade mais definida. Devemos empreender ativamente a educação política da classe operária, trabalhar para desenvolver sua consciência política. Quanto a esse ponto,. após a primeira ofensiva da Zaria e do Iskra contra o "economismo", "todos estão de acordo", agora (acordo por vezes apenas verbal, como o veremos em seguida). A questão que se coloca é: em que, portanto, deve consistir a educação política? Podemos nos limitar a difundir a idéia de que a classe operária é hostil à autocracia? Naturalmente, não. Não é suficiente esclarecer os operários sobre sua opressão política (como não o seria esclarecê-los sobre a oposição de seus interesses em relação aos de seus patrões). É necessário fazer a agitação a propósito de cada manifestação concreta desta opressão (como fizemos em relação às manifestações concretas da opressão econômica). Ora, como esta opressão se exerce sobre as mais diversas classes da sociedade, manifesta-se nos mais diversos aspectos da vida e da atividade profissional, civil, privada, familiar, religiosa, científica etc. etc., não se torna evidente que não realizaremos nossa tarefa que é desenvolver a consciência política dos operários, se não nos encarregarmos de organizar uma ampla campanha política de denúncia da autocracia? De fato, para fazer a agitação sobre as manifestações concretas da opressão, é preciso denunciar essas manifestações (da mesma forma que para conduzir a agitação econômica, era preciso denunciar os abusos cometidos nas fábricas). Acho que isto está claro. Mas verifica-se justamente que a necessidade de desenvolver amplamente a consciência política não é reconhecida "por todos", senão em palavras. Verifica-se, por exemplo, que o Rabótcheie Dielo longe de se encarregar de organizar, ele próprio, uma ampla campanha de denúncias políticas (ou de tomar a iniciativa com vistas a essa organização) põe-se a puxar para trás o Iskra, que já tinha iniciado essa tarefa. Escutem: "A luta política da classe operária é apenas" (justamente ela não é "apenas") "a forma mais desenvolvida, a forma maior e mais efetiva da luta econômica" (programa do Rabótcheie Dielo, R D., n.º. 1, p. 3). "Agora, para os sociais-democratas trata-se de saber como conferir à própria luta econômica, sempre que possível, um caráter político" (Martynov, no número 10, p. 42). "A luta econômica é o meio mais amplamente aplicável para levar as massas à luta política ativa" (resolução do Congresso da União e "emendas": Dois Congressos, p.11 e 17). O Rabótcheie Dielo, como se vê, desde o seu nascimento até as últimas "instruções à redação", esteve sempre impregnado dessas teses, que evidentemente exprimem, todas, um único ponto de vista sobre a agitação e a luta políticas. Considerem este ponto de vista sob o ângulo da opinião que prevalece entre todos os "economistas", opinião segundo a qual à agitação política deve seguir a agitação econômica. Será verdade que a luta econômica é, em geral(3), "o meio mais amplamente aplicável" para levar as massas à luta política? Isto é absolutamente falso. Todas as manifestações, quaisquer que sejam elas, da opressão policial e do arbitrarismo absolutista, e não apenas as ligadas à luta econômica, constituem um meio não menos "amplamente aplicável" para tal "integração". Por que os zemskie natchaIniki e os castigos corporais infligidos aos camponeses, a corrupção dos funcionários e a maneira como a polícia trata a "plebe" das cidades, a luta contra os famintos, a campanha repelindo a aspiração do povo à instrução e à ciência, a extorsão dos impostos, a perseguição às seitas, o adestramento dos soldados e o regime de caserna imposto aos estudantes e aos intelectuais liberais - por que todas essas manifestações de opressão, e milhares de outras mais, não diretamente ligadas à luta "econômica", constituem em geral os meios e as ocasiões menos "amplamente aplicáveis" de agitação política, de integração da massa à luta política? Muito pelo contrário; na soma total dos casos quotidianos em que o operário sofre (ele próprio, ou os ligados a ele) a servidão, a arbitrariedade e a violência, os casos de opressão policial que se aplicam precisamente à luta profissional não constituem, certamente, senão uma pequena minoria. Por que, então, restringir de antemão a amplitude da propaganda política, proclamando como "o mais amplamente aplicável" apenas um único meio, ao lado do qual, para o social-democrata, deveria haver outros que, de forma geral, não são menos "amplamente aplicáveis?" Em época já muito remota (há um ano! ... ), o Rabótcheie Dielo escrevia: "As reivindicações políticas imediatas tornam-se acessíveis à massa após uma, ou na pior das hipóteses, após várias greves", "desde que o governo utilize a polícia e o corpo policial" (n.º. 7, p. 15, agosto de 1900). Essa teoria oportunista dos estádios foi rejeitada pela União, que nos faz uma concessão declarando: "não há nenhuma necessidade, desde o início, de se fazer a agitação política exclusivamente no terreno econômico" (Dois Congressos, p. 11). Esta única negação pela União de uma parte de seus antigos erros mostrará ao futuro historiador da, social-democracia russa, melhor do que toda a espécie de longas dissertações, a que ponto nossos "economistas" rebaixaram o socialismo! Mas, que ingenuidade da União imaginar que, a troco do abandono de uma forma de estreitamento da política, poderia fazer-nos aceitar outra forma de estreitamento! Não teria sido mais lógico dizer, também, que é preciso sustentar uma luta econômica, da forma mais ampla possível; que é preciso sempre utilizá-la para os fins de agitação política, mas que "não há nenhuma necessidade' de se considerar a luta econômica como o meio mais amplamente aplicável para integrar a massa à luta política ativa? A União considera importante o fato de ter substituído a expressão "o meio mais amplamente aplicável", pela expressão "o melhor meio", que figura na resolução correspondente ao Quarto Congresso da União Operária Judaica (Bud). Na verdade, seria embaraçoso para nós dizer qual dessas duas resoluções é a melhor: em nossa opinião são as duas piores. Tanto a União como o Bund perdem-se no que diz respeito a uma interpretação economista, sindical da política (em parte, talvez inconscientemente, sob a influência da tradição). No fundo, a questão em nada se altera, quer se empregue as palavras "o melhor", ou "o mais amplamente aplicável". Se a União tivesse dito que "a agitação política no terreno econômico" constitui o meio mais amplamente aplicado (e não "aplicável") teria razão quanto a certo período de desenvolvimento de nosso movimento social-democrata. Teria razão precisamente no que concerne aos "economistas", no que diz respeito a muitos (senão a maior parte) dos militantes práticos de 1898-1901; de fato, esses "economistas" práticos aplicaram a agitação política (se é que a aplicaram de algum modo), quase exclusivamente no terreno econômico. Como vimos, a Rabótchaia Mysl e o "Grupo da Autoliberação" admitiam, também eles, e até recomendavam uma agitação política desse gênero! O "Rabótcheie Dielo" devia condenar resolutamente o fato de a agitação econômica, útil em si mesma, ter sido acompanhada de uma restrição prejudicial da luta política; ora, ao invés disso, declara o meio mais aplicado (pelos "economistas") como o mais aplicável! Não é de se surpreender que, quando damos a esses homens o nome de "economistas", não lhes resta senão insultar-nos, chamando-nos de "mistificadores" e "desorganiza dores", e de, "núncios do papa" e "caluniadores"(4) , de se lamentar em diante de todos que lhes fizemos uma afronta atroz, e declarar em quase jurando a seus grandes deuses: "decididamente, hoje, nenhuma organização social-democrata está contaminada pelo economismo"(5). Ali! esses caluniadores, esses políticos malévolos! Não terão eles inventado todo esse "economismo" para infringir às pessoas, por simples ódio à humanidade, afrontas atrozes? Qual é o sentido concreto, real da tarefa que Martynov atribui à social-democracia: "Conferir à própria luta econômica um caráter político"? A luta econômica é a luta coletiva dos operários contra os patrões, para vender vantajosamente sua força de trabalho, para melhorar suas condições de trabalho e de existência. Essa luta é necessariamente uma luta profissional, porque as condições de trabalho são extremamente variadas, de acordo com as profissões e, portanto, a luta pela melhoria de suas condições deve ser forçosamente conduzida pela profissão (pelos sindicatos no Ocidente, pelas uniões profissionais provisórias, por intermédio das "folhas volantes" na Rússia etc.). Conferir "à própria luta econômica um caráter político significa, portanto, procurar conseguir as mesmas reivindicações profissionais, melhorar as condições de trabalho em cada profissão através de "medidas legislativas e administrativas" (como se exprime Martynov, à página seguinte - 43 -de seu artigo). É exatamente o que fazem e sempre fizeram os sindicatos operários. Leiam a obra de seus profundos conhecedores (e de "profundos" oportunistas), como o casal Webb, e verão que há muito os sindicatos operários da Inglaterra compreenderam e realizam a tarefa de "conferir à própria luta econômica um caráter político": que há muito e muito tempo lutam pela liberdade das greves, pela supressão dos obstáculos jurídicos. de todo gênero e de toda ordem, ao movimento cooperativista e sindical, pela promulgação de leis para a proteção da mulher e da criança. pela melhoria das condições do trabalho através de uma legislação sanitária, industrial etc. Assim, pois, sob um aspecto "terrivelmente" profundo e revolucionário, a frase pomposa - "Conferir à própria luta econômica um caráter político" - dissimula na realidade a tendência tradicional de rebaixar a política social-democrata ao nível da política sindical! Sob o pretexto de corrigir a estreiteza do Iskra, que prefere - vejam vocês; "revolucionar o dogma do que revolucionar a vida"(6), servem-nos como novidade a lula pelas reformas econômicas. Na realidade, a frase - "Conferir à própria luta econômica um caráter político" - implica apenas a luta pelas reformas econômicas. E o próprio Martynov poderia ter chegado a essa conclusão pouco sutil, se tivesse meditado profundamente em suas próprias palavras. "Nosso partido", diz ele apontando sua arma mais terrível contra o Iskra, "poderia e deveria exigir do governo medidas legislativas e administrativas concretas contra a exploração econômica, o desemprego, a fome etc. "(Rabótcheie Dielo. N.º. 10, p. 42-43). Reivindicar medidas concretas não significa reivindicar reformas sociais? E mais uma vez tomamos o testemunho do leitor imparcial: caluniamos nós os rabotchediélentsi - perdoem-me esta infeliz palavra em voga! - qualificando-os de bernsteinianos disfarçados, quando pretendem que seu desacordo com o Iskra repousa na necessidade de lutar por reformas econômicas? A social-democracia revolucionária sempre compreendeu e compreende em sua atividade a luta pelas reformas. Usa, porém, a agitação "econômica" não somente para exigir do governo medidas de toda espécie, mas, também (e sobretudo), para dele exigir que deixe de ser um governo autocrático. Além disso, acredita dever apresentar ao governo essa reivindicação não somente no terreno da luta econômica, mas também no terreno de todas as manifestações, quaisquer que sejam, da vida política e social. Em uma palavra, subordina a luta pelas reformas, como a parte ao todo, à luta revolucionária pela liberdade e o socialismo. Martynov ressuscita sob uma forma diferente a teoria dos estádios e tenta prescrever à luta política que torne resolutamente um caminho por assim dizer econômico. Preconizando, desde o impulso revolucionário, a luta pelas reformas como uma "tarefa" pretensamente especial, arrasta o partido para trás, e faz o jogo do oportunismo "economista" e liberal. Prossigamos. Após ter dissimulado pudicamente a luta pelas reformas sob a frase pomposa,- "Conferir à própria luta econômica um caráter político" -, Martynov apresentou como algo de particular as reformas econômicas, simplesmente (e mesmo as simples reformas no interior da fábrica). Por que teria feito isso? Ignoramos. Talvez por negligência? Mas se não tivesse considerado unicamente as reformas "fabris", toda a sua tese, que acabamos de mencionar acima, perderia seu sentido. Talvez porque, da parte do governo, julgue possíveis e prováveis apenas as "concessões" no aspecto econômico?(7) Se a resposta for sim, isto constitui um erro estranho: as concessões são possíveis e também se fazem no aspecto legislativo, quando se trata de aplicar a chibata, quando se trata de passaportes, de resgates, de seitas, da censura etc, etc. As concessões (ou pseudoconcessões) "econômicas" são evidentemente as menos dispendiosas e as mais vantajosas para o governo, pois, dessa forma, espera ganhar a confiança das massas operárias. Mas é precisamente por isso que nós, os sociais-democratas, não devemos de forma alguma e por motivo algum ceder a essa opinião (ou a um mal-entendido) de que as reformas econômicas pretensamente nos agradam, e que as consideramos as mais importantes etc. "Tais reivindicações" - diz Martynov falando das medidas legislativas e administrativas concretas que mencionou anteriormente - "não seriam uma frase oca, porque, prometendo resultados tangíveis, poderiam ser apoiadas ativamente pela massa operária"... Não somos "economistas", oh, não! Simplesmente prostramo-nos diante da "tangibilidade" dos resultados concretos, tão servilmente como o fazem os senhores Bernstein, Prokopovitch, Struve, R. M., e tutti quanti. Simplesmente damos a entender (com Narciso Tuporilov) que tudo o que "não promete resultados tangíveis" não é mais do que uma "frase oca"! Simplesmente expressamo-nos como se a massa operaria fosse incapaz (e não provou até agora sua capacidade, a despeito daqueles que atiram sobre ela seu próprio filistinismo) de apoiar ativamente todo protesto contra a autocracia, mesmo aquele que não lhe promete absolutamente qualquer resultado tangível! Tomemos os mesmos exemplos lembrados pelo próprio Martynov, relativos às "medidas" contra o desemprego e a fome. Enquanto o Rabótcheie Dielo trabalhava, segundo fazia crer, para elaborar e desenvolver "reivindicações concretas (sob a forma de projetos de lei?) referentes a medidas legislativas e administrativas", "prometendo resultados tangíveis", o Iskra, que "prefere invariavelmente revolucionar o dogma do que revolucionar a vida", dedicava-se a explicar a ligação estreita entre o desemprego e o regime capitalista, advertindo que a "fome se aproxima", denunciando a "luta contra as famintos" desencadeada pela polícia e os escandalosos "regulamentos provisórios draconianos", e a Zaria lançava em tiragem especial, como folheto de propaganda, uma parte da Revista da Situação Interior, dedicada à fome. Mas, meu Deus, como foram "unilaterais", nesse caso, os ortodoxos incorrigivelmente estreitos, os dogmáticos surdos às injunções da - "própria vida"! Nenhum de seus artigos contém - que horror! - nem uma única, vejam bem, "reivindicação concreta", "prometendo resultados tangíveis"! Os infelizes dogmáticos! É preciso enviá-los à escola de Kritchévski e Martynov para convencê-los; de que a tática é um processo de crescimento, do que cresce etc., e que é preciso conferir à própria luta econômica um caráter político! "Além de sua importância revolucionária direta, a luta econômica dos operários contra os patrões e o governo ("a luta econômica contra o governo"!!) apresenta ainda a utilidade de incitar os operários a pensar constantemente que estão frustrados em seus direitos políticos" (Martynov, p. 44). Citamos essa frase não a fim de repetir pela centésima ou milésima vez o que dissemos acima, mas a fim de agradecer muito particularmente a Martynov por essa nova e excelente frase: "A luta econômica dos operários contra os patrões e o governo". Que maravilha! Com que talento inimitável, com que magistral eliminação de todas as diferenças parciais, de todas as variedades de matizes entre "economistas", encontra-se expressa aqui, em uma proposição breve e límpida, toda a essência do "economismo", desde o apelo instigando os operários à "luta política que conduzem no interesse geral, a fim de melhorar a sorte de todos os operários"(8), passando pela teoria dos estádios, para finalizar com a resolução do congresso sobre o "meio mais amplamente aplicável" etc. "A luta econômica contra o governo" constitui exatamente a política sindical, que ainda se encontra muito e muito longe da política social-democrata. 

b) Como Martynov Aprofundou Plekhanov

Que quantidade de Lomonossovs sociais-democratas surgiram entre nós, nos últimos tempos!" observou um dia um camarada, referindo-se à inclinação surpreendente de muitos daqueles que se voltam para o "economismo", para chegar apenas "pela sua própria inteligência" às grandes verdades (como, por exemplo, aquela de que a luta econômica instiga os operários a pensar que estão frustrados em seus direitos), desconhecendo, com soberano desprezo próprio ao talento nato, tudo o que já foi dado pelo desenvolvimento anterior do pensamento e do movimento revolucionários. Esse talento nato é justamente LomonossovMartínov. Olhem seu artigo, "As Questões Imediatas", e verão como chega "pela sua própria inteligência" àquilo que há muito foi dito por Axelrod (a propósito de quem nosso Lomonossov, bem entendido, guarda um silêncio absoluto); como começa, por exemplo, a compreender que não podemos desconhecer o espírito de oposição dessas ou daquelas camadas da burguesia (R. D. nº.9, p. 61, 62, 71 - comparem à "Resposta" da redação do R D. a Axelrod, p. 22, 23-24) etc. Mas, ai! só chega e só começa; pois, compreendeu tão pouco do pensamento de Axelrod, que fala da "luta econômica contra os patrões e o governo". Durante três anos (1898-1901) o Rabótcheie Dielo esforçou-se para compreender Axelrod, e ainda não o compreendeu! Será que isto ocorre talvez porque para a social-democracia, da mesma forma que para a humanidade", sempre são colocados tarefas realizáveis? Mas, os Lomonossovs não somente ignoram de maneira particular as coisas (isto seria apenas meio mal!), como também não se dão conta de sua ignorância. Isto constitui uma verdadeira desgraça, que os leva a empreender repentinamente a tarefa de "aprofundar"Plekhanov. "Depois que Plekhanov escreveu o opúsculo em questão (As Tarefas dos Socialistas na Luta Contra a Fome na Rússia) muita água correu", diz LomonossovMartínov. "Os sociais-democratas que dirigiram durante dez anos a luta econômica da classe operária... ainda não tiveram tempo de dar amplo fundamento teórico à tática do Partido. Agora essa questão chegou à maturidade, e se quisermos conferir tal fundamento teórico, devemos aprofundar de forma segura os princípios táticos que, em seu tempo, Plckhânov desenvolveu... Devemos agora diferenciar entre a propaganda e a agitação, de maneira distinta do que o fez Plekhánov. (Martynov acaba de citar as palavras de Plekhanov: 'O propagandista inculca muitas idéias em uma única pessoa, ou em um pequeno número de pessoas: o agitador inculca apenas uma única idéia. ou um pequeno número de idéias: em troca, inculca-as em toda uma massa de pessoas'). 'Por propaganda entendemos a explicação revolucionária de todo o regime atual, ou de suas manifestações parciais, quer feita de forma acessível a apenas algumas pessoas, ou às grandes massas. pouco importa. Por agitação, no sentido estrito da palavra (sic), entendemos o apelo dirigido às massas para certos atos concretos, a contribuição para a intervenção revolucionária direta do proletariado na vida social'." Nossas felicitações à social-democracia russa - e internacional - que recebe assim, graças a Martynov, uma nova terminologia mais estrita e mais profunda. Até agora, pensávamos (com Pekhânov e todos os dirigentes do movimento operário internacional) que um propagandista, ao tratar por exemplo do problema do desemprego, deve explicar a natureza capitalista das crises, mostrar o que as torna inevitáveis na sociedade moderna, mostrar a necessidade da transformação dessa sociedade em sociedade socialista etc. Em uma palavra, deve fornecer "muitas idéias", um número tão grande de idéias que, de momento, todas essas idéias tomadas em conjunto apenas poderão ser assimiladas por um número (relativamente) restrito de pessoas. Tratando da mesma questão, o agitador tomará o fato mais conhecido de seus ouvintes, e o mais palpitante, por exemplo uma família de desempregados morta de fome, a indigência crescente etc., e apoiando se sobre esse fato conhecido de todos, fará todo o esforço para dar à "massa" uma única idéia": a da contradição absurda entre o aumento da riqueza e o aumento da miséria; esforçar-se-á para suscitar o descontentamento, a indignação da massa contra essa injustiça gritante, deixando ao propagandista o cuidado de dar uma explicação completa dessa contradição. Por isso, o propagandista age principalmente por escrito, e o, agitador de viva voz. Não se exige de um propagandista as mesmas qualidades de um agitador. Diremos que Kautsky e Lafargue, por exemplo, são propagandistas, enquanto Bebel e Guesde são agitadores. Distinguir um terceiro domínio, ou uma terceira função da atividade prática, função que consistiria em "atrair as massas para certos atos concretos", é o maior dos absurdos, pois o "apelo" sob forma de ato isolado, ou é o complemento natural e inevitável do tratado teórico, do folheto e propaganda,, do discurso de agitação, ou é uma função pura e simples de execução. De fato, tomemos, por exemplo, a luta atual dos sociais-democratas alemães contra os direitos alfandegários sobre os cereais. Os teóricos redigem estudos especiais sobre a política alfandegária, onde "apelam", digamos assim, para se lutar por tratados comerciais e pela liberdade do comércio; o propagandista faz o mesmo em uma revista, e o agitador nos discursos públicos. Os "atos concretos" da massa são, nesse caso, a assinatura de uma petição endereçada ao "Reichstag" contra a majoração dos direitos alfandegários sobre os cereais. O apelo a essa ação emana indiretamente dos teóricos, dos propagandistas e dos agitadores, e diretamente dos operários que passam as listas de petição nas fábricas e domicílios particulares. Segundo a "terminologia de Martynov", Kautsky e Bebel seriam ambos propagandistas e portadores das listas dos agitadores. Não é isso? Esse exemplo dos alemães me faz pensar na palavra alemão Verbalhornung, literalmente: "balhornização". Jean Balhorn foi um editor, que viveu no século XVI, em Leipzig; publicou um abecedário onde, segundo o hábito, figurava entre outros desenhos um galo; mas, o galo era representado sem esporões e com dois ovos ao lado. No frontispício fora acrescentado: "Edição corrigida de Jean Balhorn." Desde essa época, os alemães qualificam de Verbalhornung uma "correção" que, na verdade, é o contrário de uma melhoria. A história de Balhorn me vem à mente de maneira involuntária, quando vejo como os Martynov "aprofundam" Plekhànov... Por que nosso Lomonossov "imaginou" essa terminologia confusa? Para mostrar que o Iskra, "da mesma maneira que Plekhanov há quinze anos, não considera senão um lado das coisas" (39). "No Iskra, ao menos agora, as tarefas da propaganda relegam a segundo plano as da agitação" (52). Se traduzirmos essa última tese da língua de Martynov para linguagem humana (pois a humanidade ainda não teve tempo de adotar a terminologia que acaba de ser descoberta), chegamos ao seguinte: no Iskra, as tarefas de propaganda e da agitação política relegam para segundo plano a que consiste "em apresentar ao governo reivindicações concretas de medidas legislativas e administrativas", "prometendo resultados tangíveis" (dito de outra forma, reivindicações de reformas sociais, se nos é permitido, ainda uma vez mais, empregar a antiga terminologia da antiga humanidade, que ainda não chegou à altura de Matynov.) Que o leitor compare a essa tese a seguinte passagem "0 que nos espanta nesses programas" (os programas dos sociais-democratas revolucionários), "é que colocam constantemente em primeiro plano as vantagens da ação dos operários para o Parlamento (inexistente entre nós) e desconhecem totalmente (em decorrência de seu niilismo revolucionário) a importância que teria a participação dos operários nas assembléias legislativas patronais - existentes entre nós - nos assuntos da fábrica... ou mesmo simplesmente sua participação na administração municipal"... 0 autor dessa passagem exprime, de maneira um pouco mais aberta, um pouco mais clara e franca, a mesma idéia a qual chegou LomonossovMartínov pela sua própria inteligência. O autor é R. M. do "Suplemento especial da Rabótchaia Mysl" (p. 15). 

C) As Revelações Políticas e "A Educação para a Actividade Revolucionária" 

Dirigindo contra o Iskra sua "teoria" da "elevação da atividade da massa operária", Martynov revelou, na realidade, sua tendência de rebaixar essa atividade declarando que o meio melhor, de especial importância, "o mais amplamente aplicável- para suscitá-la, e o próprio campo dessa atividade era essa mesma luta econômica diante da qual prostram-se todos os "economistas". Erro característico, pois está longe de ser unicamente próprio à Martynov. Na realidade, a "elevação da atividade da massa operária" será possível unicamente se não nos limitarmos à "agitação política no terreno econômico". Ora, uma das condições essenciais para a extensão necessária da agitação política é organizar as revelações políticas em todos os aspectos. Somente essas revelações podem formar a consciência política e suscitar a atividade revolucionária das massas. Por isso essa atividade é uma das funções mais importantes de toda a social-democracia internacional, pois mesmo a liberdade política não elimina absolutamente as revelações; apenas modifica um pouco sua direção. Assim, o partido alemão, graças à constante energia com que prossegue sua campanha de revelações políticas, fortifica de modo particular suas posições e estende sua influência. A consciência da classe operária não pode ser uma consciência política verdadeira, se os operários não estiverem habituados a reagir contra todo abuso, toda manifestação de arbitrariedade, de opressão e de violência, quaisquer que sejam as classes atingidas; a reagir justamente do ponto de vista social-democrata, e não de qualquer outro ponto de vista. A consciência das massas operárias não pode ser uma consciência de classe verdadeira, se os operários não aprenderem a aproveitar os fatos e os acontecimentos políticos concretos e de grande atualidade, para observar cada uma das outras classes sociais em todas as manifestações de sua vida intelectual, moral e política; se não aprenderem a aplicar praticamente a análise e o critério materialista a todas as formas da atividade e da vida de todas as classes, categorias e grupos de população. Todo aquele que orienta a atenção, o espírito de observação e a consciência da classe operária exclusiva ou preponderantemente para ela própria, não é um social-democrata; pois para conhecer a si própria, de fato, a classe operária deve ter um conhecimento preciso das relações recíprocas de todas as classes da sociedade contemporânea, conhecimento não apenas teórico... ou melhor: não só teórico, como fundamentado na experiência da vida política. Eis porque nossos "economistas", que pregam a luta econômica como o meio mais amplamente aplicável para integrar as massas no movimento político, realizam um trabalho profundamente prejudicial e reacionário em seus resultados práticos. Para tornar-se um social-democrata, o operário deve ter uma idéia clara da natureza econômica, da fisionomia política e social do grande proprietário de terras e do pope, do dignatário, e do camponês, do estudante e do vagabundo, conhecer seus pontos fortes e seus pontos fracos, saber enxergar nas fórmulas correntes e sofismas de toda espécie com que cada classe e cada camada social encobre seus apetites egoístas e sua "natureza" verdadeira; saber distinguir esses ou aqueles interesses que refletem as instituições e as leis, e como as refletem. Ora, não é nos livros que o operário poderá obter essa "idéia clara": ele a encontrará apenas nas amostras vivas, nas revelações ainda recentes do que se passa em um determinado momento à nossa volta, do que todos ou cada um falam ou cochicham entre si, do que se manifesta nesses ou naqueles fatos, números, vereditos, e assim até o infinito. Essas revelações políticas abrangendo todos os aspectos são a condição necessária e fundamental para educar as massas em função de sua atividade revolucionária. Por que o operário russo ainda manifesta tão pouco sua atividade revolucionária face às violências selvagens exercidas pela polícia contra o povo, face à perseguição das seitas, às "vias de fato- quanto aos camponeses, aos abusos escandalosos da censura, às torturas infligidas aos soldados, à guerra feita às iniciativas mais inofensivas em matéria de cultura, e assim por diante? Será porque a "luta econômica" não o "incita" a isso, porque lhe "promete" poucos "resultados tangíveis", oferece-lhe poucos resultados "positivos"? Não, repetimos, pretender isso é querer atribuir a outrem suas próprias faltas, é atribuir à massa operária o seu próprio filistinismo (ou bernisteinismo). Até agora, não soubemos organizar campanhas de denúncias suficientemente amplas, ruidosas e rápidas contra todas essas infâmias; a culpa é nossa, de nosso atraso em relação ao movimento de massas. E se o fizermos (devemos e podemos faze-lo), o operário mais atrasado compreenderá ou sentirá que o estudante e o membro de uma seita, o mujique e o escritor estão expostos às injúrias e à arbitrariedade da mesma força tenebrosa que o oprime e pesa sobre ele a cada passo, durante toda sua vida; e, tendo sentido isso, desejará, desejará irresistivelmente e saberá ele próprio reagir; hoje, ele fará "arruaças" contra os censores, amanhã fará manifestações diante da casa do governador, que terá reprimido uma revolta camponesa, depois de amanhã castigará os policiais de sotaina que fazem o trabalho da santa inquisição etc. Até agora fizemos muito pouco, quase nada, para lançar entre as massas operárias revelações sobre todos os aspectos da atualidade. Muitos dentre, nós não têm nem mesmo consciência dessa obrigação que lhes cumpre, e arrastam se cegamente em conseqüência da "obscura luta cotidiana" no estreito quadro da vida da fábrica. Daí dizer - "o Iskra tem tendência a subestimar a importância da marcha progressiva da obscura luta cotidiana, comparada à propaganda das brilhantes idéias acabadas (Martynov, p. 61)" - é arrastar o Partido para trás, é defender e glorificar nossa falta de preparo, nosso atraso. Quanto ao apelo às massas para a ação, isto será feito por si, desde que haja uma agitação política enérgica, revelações vivas e precisas. Apanhar alguém em flagrante delito e acusá-lo perante todos e em toda parte é mais eficaz do que qualquer apelo, e constitui uma forma de agitação, onde muitas vezes, e impossível estabelecer quem precisamente "atraiu" a multidão e colocou em andamento esse ou aquele plano de manifestação etc. Fazer o apelo, não de forma geral, mas no sentido próprio da palavra, não é possível senão em lugar da ação: não se pode impelir os outros a agir, se não se dá imediatamente o próprio exemplo. Para nós, publicistas (escritores políticos) sociais-democratas, cabe aprofundar, ampliar e intensificar as revelações políticas e a agitação política. A propósito dos "apelos". O único órgão que, antes dos acontecimentos da primavera, chamou os operários a intervir ativamente em urna questão que não lhes prometia de modo algum qualquer resultado tangível, como o recrutamento forçado dos estudantes no exército, foi o "Iskra " Imediatamente após a publicação da ordem de 11 de janeiro sobre "o recrutamento forçado de 183 estudantes ao exército", o Iskra, antes de toda manifestação, publicou um artigo a esse respeito (n.º 2, fevereiro) e apelou abertamente "para operário para vir em auxílio do estudante", apelou ao "povo" para contestar o insolente desafio do governo. Perguntamos a todos: como e através do que explicar o fato marcante de Martynov, que fala tanto dos "apelos" como uma forma especial de atividade, nada ter dito sobre esse apelo? Depois disso, não será filistinismo da parte de Martynov, declarar que o Iskra é unilateral pela razão exclusiva de não "apelar" suficientemente à luta pelas reivindicações "que prometem resultados tangíveis?" Nossos "economistas", aí incluído o Rabótcheie Dielo, tiveram êxito porque dobraram-se à mentalidade dos operários atrasados. Mas o operário social-democrata, o operário revolucionário (o número desses operários aumenta dia a dia) repudiará com indignação todos esses raciocínios sobre a luta pelas reivindicações "que prometem resultados tangíveis" etc., pois compreenderá que não são mais do que variações sobre o velho tema do aumento de um copeque por rublo. Este operário dirá a seus conselheiros da Rabótchaia Mysl e do Rabótcheie Dielo: "Não é justo que os senhores se dêem a tanto ,trabalho e intervenham com tanto zelo em assuntos dos quais nós mesmo nos ocupamos, e deixem de cumprir seus próprios deveres. Não é muito inteligente dizer, como os senhores fazem, que a tarefa dos sociais-democratas é conferir um caráter político à própria luta econômica; isso é apenas o princípio, e não constitui a tarefa essencial dos sociais-democratas, pois no mundo inteiro, e aí também está incluída a Rússia, é a própria polícia que começa a conferir à luta econômica um caráter político; os próprios operários aprendem a compreender para quem é o governo(9). De fato,"a luta econômica dos operários contra os patrões e o governo", que os senhores louvam como se tivessem descoberto uma nova América, é conduzida em todos os recantos da Rússia pelos próprios operários, que ouviram falar de greves, mas, provavelmente, ignoram tudo sobre o socialismo. Nossa "atividade" de operários, atividade que os senhores obstinam-se a querer apoiar lançando reivindicações concretas, que prometem resultados tangíveis, já existe entre nós; e em nossa ação profissional ordinária, de todos os dias, apresentamos nós próprios essas reivindicações concretas, a maior parte das vezes sem qualquer ajuda dos intelectuais. Mas essa atividade não nos satisfaz; não somos crianças que podem ser alimentadas apenas com a "sopinha" da política "econômica"; queremos saber tudo o que os outros sabem, queremos conhecer em detalhe todos os aspectos da vida política e participar ativamente de cada acontecimento político. Para isso, é necessário que os intelectuais nos repitam um pouco menos do que já sabemos(10), e que nos dêem um pouco mais do que ainda ignoramos, daquilo que nossa experiência "econômica", na fábrica, jamais nos ensinará: os conhecimentos políticos. Esses conhecimentos apenas os senhores, intelectuais, podem adquirir, é seu dever fornecer-nos tais conhecimentos em quantidades cem, mil vezes maior do que o fizeram até agora, e não apenas sob a forma de raciocínios, folhetos e artigos (os quais freqüentemente costumam ser - perdoem a franqueza! - maçantes), mas - e isto é imperioso - sob a forma de revelações vivas sobre o que fazem nosso governo e nossas classes dominantes exatamente no momento atual, em todos os aspectos da vida. Portanto, ocupem-se um pouco mais ciosamente da tarefa que lhes; pertence, e fazem menos "de elevar a atividade da massa operária". Da atividade, sabemos muito mais do que os senhores pensam, e sabemos mantê-la através de uma luta aberta, dos combates de rua, e até através das reivindicações que não deixam entrever nenhum "resultado tangível"! E não lhes compete "elevar- nossa atividade, pois, é exatamente atividade que lhes falta. Não se inclinem tanto diante da espontaneidade, e pensem um pouco mais em elevar sua própria atividade, Senhores!" 

d) O Que Há de Comum Entre o Economismo e o Terrorismo 

Confrontamos anteriormente, em uma nota, um "economista" e um não social-democrata terrorista que, por acaso, fossem solidários. Mas, de forma geral, existe entre eles uma ligação interna, não acidental, mas necessária, a respeito da qual voltaremos exatamente a propósito da educação da atividade revolucionária. Os "economistas" e terroristas de hoje possuem uma raiz comum, a saber, esse culto da espontaneidade de que falamos no capítulo anterior, como de um fenômeno geral, e que iremos agora examinar em relação à sua influência sobre a ação e a luta políticas. À primeira vista, nossa afirmação pode parecer paradoxal, tão grande parece a diferença entre os que colocam em primeiro plano "a obscura luta cotidiana", e os que induzem o indivíduo isolado a lutar com a maior abnegação. Mas tal ponto não constitui um paradoxo. "Economistas" e terroristas inclinam-se perante os dois pólos opostos e da tendência espontânea: os "economistas", diante da espontaneidade do "movimento operário puro"; os terroristas, diante da espontaneidade da mais ardente indignação dos intelectuais que não sabem ou não podem conjugar o trabalho revolucionário e o movimento operário. De fato, é difícil para os que perderam a fé nessa possibilidade, ou que nela jamais acreditaram, encontrar outra saída para sua indignação e energia revolucionária, que não o terrorismo. Assim, pois, nessas duas tendências o culto da espontaneidade é apenas o começo da realização do famoso programa do Credo: os operários conduzem sua "luta econômica contra os patrões e o governo" (que o autor do Credo nos, perdoe exprimir seu pensamento na língua de Martynov! Julgamo-nos no direito de fazê-lo, uma vez que no Credo também se fala que na luta econômica os operários "entram em choque com o regime político"), e os intelectuais conduzem a luta política através de suas próprias forças, naturalmente por intermédio do terror! Dedução absolutamente lógica e inevitável sobre a qual não será demais insistir, mesmo quando aqueles que começam a realizar esse programa não compreendem o caráter inevitável dessa conclusão. A atividade política tem sua lógica, independente da consciência daqueles que, com as melhores intenções do mundo, ou apelam ao terror, ou pedem que se confira à própria luta econômica um caráter político. O inferno está cheio de gente de boas intenções e, nesse caso, as boas intenções não impedem que as pessoas se deixem seduzir pela linha do mínimo esforço", pela linha do programa puramente burguês do Credo. De fato, não é por acaso que muitos liberais russos - liberais declarados, ou liberais que trazem a máscara do marxismo - simpatizam de todo o coração com o terrorismo e esforçam-se, no momento atual, para apoiar o crescimento da mentalidade terrorista. O aparecimento do "Grupo Revolucionário-Socialista Svoboda", que se atribui a tarefa de ajudar, através de todos os meios, o movimento operário, mas que inscreveu em seu programa o terrorismo e, por assim dizer, emancipou-se da social-democracia, confirmou uma vez mais a notável clarividência de P. Axelro que, já no final de 1897, previra com toda a exatidão esse resultado das flutuações da social-democracia ("A propósito dos objetivos atuais e da tática"), e esboçou suas célebres "Duas Perspectivas". Todas as discussões e divergências ulteriores entre os sociais-democratas russos estão contidas, como a planta na semente, nessas duas perspectivas(11). A partir daí concebe-se que o Rabótcheie Dielo não tenha resistido à espontaneidade do "economismo", nem tenha podido resistir à espontaneidade do terrorismo. É interessante notar a argumentação original com que a Svoboda apóia o terrorismo. Nega completamente o papel de intimidação do terror (Renascimento do Revolucionismo, p. 64); mas por outro lado valoriza seu "caráter excitativo". Isto é característico, em primeiro lugar, como uma das fases da desagregação e da decadência desse círculo tradicional de idéias (pré-social-democrata) que fazia com que se mantivesse a ligação com o terrorismo. Admitir que agora é impossível "intimidar" e, por conseguinte, desorganizar o governo através do terrorismo, significa, no fundo, condenar completamente o terrorismo como método de luta, como esfera de atividade consagrada por um programa. Em segundo lugar, o que ainda é mais característico, como exemplo de incompreensão de nossas tarefas prementes no que diz respeito a "educação da atividade revolucionária das massas". A Svoboda prega o terrorismo como meio de "excitar" o movimento operário, de imprimir-lhe impulso vigoroso. Seria difícil imaginar uma argumentação que se refutasse a si própria com mais evidência! Pergunta-se: haveria, portanto, tão poucos fatos escandalosos na vida russa para ser preciso inventar meios especiais de "excitação"? Por outro lado, é evidente que aqueles que não se excitam, nem são excitáveis mesmo pela arbitrariedade russa, observarão da mesma forma, "cruzando os braços", o duelo do governo com um punhado de terroristas. Ora, exatamente as massas operárias estão bastante excitadas pelas infâmias da vida russa, mas não sabemos recolher, se é possível falar assim, e concentrar todas as gotas e os pequenos córregos da efervescência popular, que a vida russa verte em quantidade infinitamente maior do que imaginamos ou acreditamos, e que é preciso reunir em uma única torrente gigantesca. Que isso é realizável, prova-o incontestavelmente o impulso prodigioso do movimento operário e a sede, já assinalada anteriormente, que os operários manifestam pela literatura política. Por isso, os apelos ao terrorismo, bem como, os apelos para conferir à própria luta econômica um caráter político, são apenas pretextos diferentes para se fugir ao dever mais imperioso dos revolucionários russos: organizar a agitação política sob todas as suas formas. A Svoboda quer substituir a agitação pelo terrorismo, reconhecendo abertamente que "desde que uma agitação enérgica e intensa atraia as massas, o papel excitativo do terror terá fim" (p. 68 do Renascimento do Revolucionismo). Isto mostra precisamente que terroristas e "economistas" subestimam a atividade revolucionária das massas, a despeito do testemunho evidente dos acontecimentos da primavera(12). Uns lançam-se à procura de "excitantes" artificiais, outros falam de "reivindicações concretas". Tanto uns como outros não prestam atenção suficiente ao desenvolvimento de sua própria atividade em matéria de agitação política e de organização de revelações políticas. E não há nada que possa substituir isso, nem agora, nem em qualquer outro momento. 

e) A Classe Operária como Combatente de Vanguarda pela Democracia

Vimos que a agitação política mais ampla e, por conseguinte, a organização de grandes campanhas de denúncias políticas constituem uma tarefa absolutamente necessária, a tarefa mais imperiosamente necessária à atividade, se esta atividade for verdadeiramente social-democrata. Mas, chegamos a . essa conclusão partindo unicamente da necessidade mais premente da classe operária, necessidade de conhecimentos políticos e de educação política. Ora, essa forma de colocar a questão, em si mesma, seria demasiado restrita, pois desconheceria as tarefas democráticas de toda a social-democracia em geral, e da social-democracia russa atual, em particular. Para esclarecer essa tese, da maneira mais concreta possível, tentaremos abordar a questão do ponto de vista mais "familiar" aos "economistas", do ponto de vista prático. "Todo o mundo está de acordo" que é preciso desenvolver a consciência política da classe operária. A questão é saber como faze-lo e o que é preciso para isso. A luta econômica "incita" os operários "a pensar" unicamente na atitude do governo em relação à classe operária, por isso, quaisquer que sejam os esforços que façamos para "conferir à própria luta econômica um caráter político", jamais poderemos, dentro desse objetivo, desenvolver a consciência política dos operários (até o nível da consciência política social-democrata), pois, os próprios limites desse objetivo são demasiado estreitos. A fórmula de Martynov nos é preciosa, não como ilustração do talento confuso de seu autor, mas porque traduz de forma relevante o erro capital de todos os "economistas", a saber a convicção de que se pode desenvolver a consciência política de classe dos operários, por assim dizer, a partir do interior de sua luta econômica, isto é, partindo unicamente (ou, ao menos, principalmente) dessa luta, baseando-se unicamente (ou, ao menos, principalmente) nessa luta. Essa perspectiva é radicalmente falsa, justamente porque os "economistas", extenuados por nossa polêmica contra eles, não querem refletir seriamente sobre a origem de nossas divergências, e sobre o que resultou disso: literalmente não nos compreendemos, e falamos línguas diferentes. A consciência política de classe não pode ser levada ao operário senão do exterior, isto é, do exterior da luta econômica, do exterior da esfera das relações entre operários e patrões. 0 único domínio onde se poderá extrair esses conhecimentos é o das relações de todas as classes e categorias da população com o Estado e o governo, o domínio das relações de todas as classes entre si. Por isso, à questão: que fazer para levar aos operários os conhecimentos políticos? - não se poderia simplesmente dar a resposta com a qual se contentam, na maioria dos casos, os práticos, sem falar daqueles dentre eles que se inclinam para o "economismo", a saber: "ir até os operários". Para levar aos operários os conhecimentos políticos, os sociais-democratas devem ir a todas as classes da população, devem enviar em todas as direções os destacamentos de seu exército. Se escolhemos essa fórmula rude, se nossa linguagem é cortante, deliberadamente simplificada, não é absolutamente pelo prazer de enunciar paradoxos, mas para "incitar" os "economistas" a pensar nas tarefas que desdenham de maneira tão imperdoável, na diferença existente na política sindical e na política social-democrata, que não querem compreender. Por isso, pedimos ao leitor não se impacientar e seguir-nos atentamente até o fim. Consideremos o tipo de círculo social-democrata mais difundido nesses últimos anos e vejamos sua atividade. Tem "contatos com os operários" e se atém a isso, editando "folhas volantes" onde condena os abusos nas fábricas, o partido que o governo toma em favor dos capitalistas e violências da polícia. Nas reuniões com, os operários, é sobre tais assuntos que se desenrola ordinariamente a conversa, sem quase sair disso; as conferências e debates sobre a história do movimento revolucionário, sobre a política interna e externa de nosso governo, sobre a evolução econômica da Rússia e da Europa, sobre a situação dessas ou daquelas classes na sociedade contemporânea etc., constituem exceções extremas, e ninguém pensa em estabelecer e desenvolver sistematicamente relações no seio das outras classes da sociedade. Para dizer a verdade, o ideal do militante, para os membros de tal círculo, aproxima-se na maioria dos casos muito mais ao do secretário de sindicato do que do dirigente político socialista. De fato, o secretário de um sindicato inglês, por exemplo, ajuda constantemente os operários a conduzir a luta econômica, organiza revelações sobre a vida de fábrica, explica a injustiça das leis e disposições que entravam a liberdade de greve, a liberdade dos piquetes (para prevenir a todos que há greve em uma determinada fábrica); mostra o partido tomado pelos árbitros que pertencem às classes burguesas etc. etc. Em uma palavra, todo secretário de sindicato conduz e ajuda a conduzir a "luta econômica contra os patrões e o governo". E não seria demais insistir que isto ainda não é "social-democratismo"; que o social-democrata não deve ter por ideal o secretário do sindicato, mas o tribuno popular, que sabe reagir contra toda manifestação de arbitrariedade e de opressão, onde quer que se produza, qualquer que seja a classe ou camada social atingida, que sabe generalizar todos os fatos para compor um quadro completo da violência policial e da exploração capitalista, que sabe aproveitar a menor ocasião para expor diante de todos suas convicções socialistas e suas reivindicações democratas, para explicar a todos e a cada um o alcance histórico da luta emancipadora do proletariado. Comparemos, por exemplo, os militantes como Robert Knight (o secretário e líder bem conhecido da "União dos Caldereiros", um dos sindicatos mais poderosos da Inglaterra) e Wilhelm Liebknecht, e tentemos aplicar-lhes as teses opostas às quais Martynov reduz suas divergências com o Iskra. Veremos - começo a folhear o artigo de Martynov - que R. Knight "conclamou" muito mais "as massas a determinadas ações concretas, e que W. Liebknecht ocupou-se principalmente" em apresentar como revolucionário todo regime atual ou suas manifestações parciais" (38-39); que R. Knight "formulou as reivindicações imediatas do proletariado e indicou os meios de atingi-las" (41), e que W. Liebknecht, ocupando-se igualmente dessa tarefa, não se recusou a "dirigir ao mesmo tempo a ação das diferentes camadas e a oposição", a "ditar-lhes um programa de ação positiva(13)" (41), que R. Knight dedicou-se precisamente a "conferir, tanto quanto possível, à própria luta econômica um caráter político", (42) e soube perfeitamente "colocar ao governo reivindicações concretas fazendo entrever resultados tangíveis" (43), enquanto W. Liebknecht se ocupou muito mais de revelações" "em um sentido único- (40); que R. Knight deu muito mais importância "à marcha progressiva da obscura luta cotidiana" (61), e W. Liebknecht à "propaganda de idéias brilhantes e acabadas" (61); que W. Liebknecht fez do jornal que dirigia exatamente "o órgão da oposição revolucionária que denuncia nosso regime, e principalmente o regime político. aquele que vai de encontro aos interesses das diversas camadas da população" (63), enquanto R. Knight "trabalhou pela causa operária em estreita ligação orgânica com a luta proletária" (63) - se entendermos a "estreita ligação orgânica" no sentido do culto da espontaneidade que estudamos anteriormente a propósito de Kritchévski e de Martynov, - e "restringiu a esfera de sua influência" naturalmente persuadido, como Martynov, que "acentuava essa influência através disso mesmo(63). Em uma palavra, veremos que, de fato, Martynov rebaixa a social-democracia ao nível do sindicalismo. certamente não por deixar de querer o bem da social-democracia. mas, simplesmente, porque se apressou um pouco demais em aprofundar Plekhanov. em lugar de se dar ao trabalho de compreendê-lo. Mas voltemos a nossa exposição. Como dissemos, se o social-democrata é adepto do desenvolvimento integral da consciência política do proletário, não só em palavras, deve "ir a todas as classes da população". A questão que se coloca é: como fazer? temos forças suficientes para isso? existe um campo para tal trabalho em todas as outras classes? isto não será ou não levará a um retrocesso do ponto de vista de classe? Vamos nos deter nessas questões. Devemos "ir a todas as classes da população" como teóricos, como propagandistas, como agitadores e como organizadores. Ninguém duvida que o trabalho teórico dos sociais-democratas deva orientar-se para o estudo de todas as particularidades da situação social e política das diferentes classes. Mas, a esse respeito muito pouco fazemos, muito pouco em comparação ao estudo das particularidades da vida na fábrica. Nos comitês e nos círculos, encontramos pessoas que se especializam até no estudo de um ramo da produção siderúrgica, mas não encontramos quase exemplos de membros de organizações que (obrigados, como ocorre freqüentemente, a deixara ação prática por alguma razão) se ocuparam especialmente em coletar documentos sobre uma questão de atualidade em nossa vida social e política, podendo fornecer à social-democracia a ocasião de trabalhar nas outras categorias da população. Quando se fala da precária preparação da maioria dos dirigentes atuais do movimento operário, não é possível deixar de lembrar, igualmente, a preparação nesse sentido, pois também ela é devida à compreensão "economista" da "estreita ligação orgânica com a luta proletária". Mas o principal, evidentemente, é a propaganda e a agitação em todas as camadas do povo. Para o social-democrata do Ocidente, essa tarefa é facilitada pelas reuniões e assembléias populares assistidas por todos aqueles que o desejam, pela existência do Parlamento, onde fala diante dos deputados de todas as classes. Não temos Parlamento, nem liberdade de reunião, mas, contudo, sabemos organizar reuniões com os operários que desejam ouvir um social-democrata. Pois não é social-democrata aquele que, na prática, esquece que os "comunistas apoiam todo movimento revolucionário", que, por conseguinte, temos o dever de expor e de assinalar as tarefas democráticas gerais diante de todo o povo, sem dissimular um instante sequer nossas convicções socialistas. Não é social-democrata aquele que, na prática, esquece que seu dever é ser o primeiro a colocar, despertar e resolver toda questão democrática de ordem geral. "Mas todos, sem exceção, estão de acordo com isso!", interromperá o leitor impaciente - e a nova instrução à redação do Rabótcheie Dielo, adotada no último congresso da União, declara claramente: "Devem ser utilizados para a propaganda e a agitação política todos os fenômenos e acontecimentos da vida social e política que afetam o proletariado, seja diretamente como classe à parte, seja como vanguarda de todas as forças revolucionárias em luta pela liberdade " (Dois Congressos, p. 17, grifado por nós). De fato, estas são palavras notáveis e precisas, e dar-nos-íamos por inteiramente satisfeitos se o "Rabótcheie Dielo" as compreendesse, e não colocasse, ao mesmo tempo, outras que as contradizem. Pois, não basta dizer-se "vanguarda", destacamento avançado, - é preciso proceder de forma que todos os outros destacamentos se dêem conta e sejam obrigados a reconhecer que marchamos à frente. Portanto, perguntamos ao leitor: os representantes dos outros "destacamentos- seriam, pois, imbecis a ponto de acreditar que somos "vanguarda- só porque o dizemos? Imaginem apenas este quadro concreto: um social-democrata apresenta-se no "destacamento" dos radicais russos ou dos constitucionalistas liberais, e diz: Somos a vanguarda; "agora uma tarefa nos é colocada: como conferir, tanto quanto possível, à própria luta econômica um caráter político". Um radical ou um constitucionalista, por pouco inteligente que seja (e há muitos homens inteligentes entre os radicais e os constitucionalistas russos), apenas sorrirá ao ouvir isso, e dirá (para si, bem entendido, pois na maioria dos casos é um diplomata experimentado): "essa vanguarda é muito ingênua"! Não compreende sequer que isso é tarefa nossa - a tarefa dos representantes avançados da democracia burguesa - conferir à própria luta econômica um caráter político. Porque também nós, como todos os burgueses do Ocidente, desejamos integrar os operários à política, mas apenas à política sindical, e não social-democrata. A política sindical da classe operária é precisamente a política burguesa da classe operária. E essa "vanguarda", formulando sua tarefa, formula precisamente uma política sindical! Também, que se digam sociais-democratas tantas vezes quantas quiserem. Não sou uma criança para me importar com rótulos! Mas, que não se deixem levar por esse dogmáticos ortodoxos nocivos; que deixem "a liberdade de crítica- para aqueles que arrastam inconscientemente a social-democracia na esteira do sindicalismo! O ligeiro sorriso de ironia de nosso constitucionalista muda-se em gargalhada homérica, quando percebe que os sociais-dernocratas que falam de vanguarda da social-democracia, nesse período de dominação quase completa da espontaneidade em nosso movimento, temem acima de tudo ver "minimizar o elemento espontâneo", ver "diminuir o papel da marcha progressiva dessa obscura luta cotidiana em relação à propaganda das brilhantes idéias acabadas" etc. etc.! O destacamento "avançado": que teme ver a consciência ganhar da espontaneidade, que teme formular um "plano" ousado que force o reconhecimento geral, mesmo entre os que pensam diferentemente! Será que confundem, por acaso, a palavra vanguarda com a palavra retaguarda? Examinem com atenção o seguinte raciocínio de Martynov. Declara ele (40) que a tática acusadora do Iskra é unilateral; que "qualquer que seja a espécie de desconfiança e de ódio que semearmos contra o governo, não alcançaremos nosso objetivo enquanto não desenvolvermos uma energia social, suficientemente ativa para sua derrubada". Eis, diga-se entre parênteses, a preocupação - que já conhecemos - de intensificar a atividade das massas e de querer restringir a sua própria. Mas, agora não é esta a questão. Martynov fala aqui de energia revolucionária ("para a derrubada"). Porém, a que conclusão chega? Como em tempos normais, as diferentes camadas sociais atuam inevitavelmente cada uma em seu lado, "é claro, por conseguinte, que nós, sociais-democratas, não podemos simultaneamente dirigir a atividade intensa das diversas camadas da oposição, não podemos ditar-lhes um programa de ação positiva, não podemos indicar-lhes os meios de lutar, dia após dia, por seus interesses... As camadas liberais ocupar-se-ão, elas próprias, dessa luta ativa por seus interesses imediatos, o que as colocará face a face com nosso regime político" (41). Assim, portanto, após ter falado de energia revolucionária, de luta ativa para a derrubada da autocracia, Martynov desvia-se logo para a energia profissional, para a luta ativa pelos interesses imediatos! Disso se conclui que não podemos dirigir a luta dos estudantes, dos liberais etc., pelos seus "interesses imediatos"; mas não era disso que se tratava, respeitável "economista"! Tratava-se da participação possível e necessária das diferentes camadas sociais na derrubada da autocracia; ora, não apenas podemos, mas devemos dirigir, de qualquer forma, essa "atividade intensa das diferentes camadas da oposição" se quisermos ser a "vanguarda". Quanto a colocar nossos estudantes, nossos liberais etc., "face a face com nosso regime político", não serão os únicos a se preocuparem com isso, pois disso encarregar-se-ão sobretudo a polícia e os funcionários da autocracia. Mas, "nós", se quisermos ser democratas avançados, devemos ter a preocupação de incitar a pensar exatamente aqueles que só estão descontentes com o regime universitário, ou apenas com o regime dos zemstvos etc., a pensar que todo o regime político nada vale. Nós devemos assumir a organização de uma ampla luta política sob a direção de nosso partido, a fim de que todas as camadas da oposição, quaisquer que sejam, possam prestar e prestem efetivamente a essa luta, assim como a nosso partido, a ajuda de que são capazes. Dos práticos sociais-democratas, nós devemos formar os dirigentes políticos que saibam dirigir todas as manifestações dessa luta nos mais variados aspectos, que saibam no momento necessário "ditar um programa de ação positiva- aos estudantes em agitação, aos zemstvos descontentes, aos membros de seitas indignados, aos professores lesados etc. etc. Por isso, Martynov está completamente errado quando afirma que "em relação a eles, não podemos desempenhar senão um papel negativo de denunciadores do regime... Não podemos senão dissipar suas esperanças nas diferentes comissões governamentais". (o grifo é nosso). Dizendo isso, Martynov mostra que não compreende nada sobre o verdadeiro papel da "vanguarda" revolucionária. E se o leitor tornar isso em consideração, compreenderá o verdadeiro sentido da seguinte conclusão de Martynov: "O Iskra é o órgão da oposição revolucionária, que denuncia nosso regime, e principalmente nosso regime político, quando vai de encontro aos interesses das diferentes camadas da população. Quanto a nós, trabalhamos e trabalharemos pela causa operária em estreita ligação orgânica corri a luta , proletária. Restringindo a esfera de nossa influência, acentuamos esta influência em si mesma" (63). 0 verdadeiro sentido dessa conclusão é: o Iskra deseja elevar a política sindical da classe operária (política à qual, entre nós, por mal-entendido, despreparo ou convicção, freqüentemente se limitam nossos práticos) ao nível da política social-democrata. Ora, o Rabótcheie Dielo deseja abaixar a política social-democrata ao nível da política sindical. E ainda garante que são "posições perfeitamente compatíveis com a obra comum" (63), O sancta símplicitas! Prossigamos. Ternos forças suficientes para levar nossa propaganda e nossa agitação a todas as classes da população? Certamente que sim. Nossos "economistas", que freqüentemente se inclinam a negá-lo, esquecem-se do gigantesco progresso realizado pelo nosso movimento de 1804 (mais ou menos) a 1901. Verdadeiros "seguidistas", vivem freqüentemente com idéias do período do começo de nosso movimento, há muito já terminado. De fato, éramos espantosamente fracos, nossa resolução de nos dedicarmos inteiramente ao trabalho entre os operários e de condenar severamente todo o desvio dessa linha era natural e legítima, pois tratava-se então unicamente de nos consolidarmos na classe operária. Agora, urna prodigiosa massa de forças está incorporada ao movimento; vemos chegar até nós os melhores representantes da jovem geração das classes instruídas; por toda a parte, são obrigadas a residir nas províncias pessoas que já participam ou querem participar do movimento, e que tendem para a social-democracia (enquanto que, em 1894, podia-se contar nos dedos os sociais-democratas russos). Um dos mais graves defeitos de nosso movimento - em política e em matéria de organização - é que não sabemos empregar todas essas forças, atribuir-lhes o trabalho que lhes convém (voltaremos a isto no capítulo seguinte). A imensa maioria dessas forças encontra-se na impossibilidade absoluta "de ir até os operários", por isso não se coloca a questão do perigo de desviar as forças de nosso movimento essencial. E para fornecer aos operários uma verdadeira iniciação política, múltipla e prática, é preciso que tenhamos "nossos homens de nosso lado", sociais-democratas, sempre e em toda a parte, em todas as camadas sociais. em todas as posições que permitam conhecer as forças internas do mecanismo de nosso Estado. E precisamos desses homens, não apenas para a propaganda e a agitação. mas, ainda e sobretudo, para a organização. Existe um campo para a ação em todas as classes da população? Os que não vêem isso, mostram que sua consciência está em atraso quanto ao impulso espontâneo das massas. Entre uns, o movimento operário suscitou e continua a suscitar o descontentamento; entre outros, desperta a esperança quanto ao apoio da oposição; para outros, enfim, dá a consciência da impossibilidade do regime autocrático, de sua falência evidente. Não seríamos "políticos" e sociais-democratas senão em palavras (como, na realidade, acontece freqüentemente), se não compreendêssemos que nossa tarefa é utilizar todas as manifestações de descontentamento, quaisquer que sejam, de reunir e elaborar até os menores elementos de um protesto, por embrionários que seja. Sem contar que milhões e milhões de camponeses, trabalhadores, pequenos artesãos etc., escutaram sempre avidamente a propaganda de um social-democrata, ainda que pouco hábil. Mas, existirá uma só classe da população onde não haja homens, círculos e grupos descontentes com o jugo e a arbitrariedade, e portanto acessíveis à propaganda do social-democrata, intérprete das mais prementes aspirações democráticas? Para quem quiser ter uma idéia concreta dessa agitação política do social-democrata em todas as classes e categorias da população, indicaremos as revelações políticas, no sentido amplo da palavra, como principal meio dessa agitação (porém não o único, bem entendido). "Devemos" - escrevia em meu artigo 'Por Onde Começar?' (Iskra, nº4, maio de 1901) de que falaremos mais adiante em detalhe - "despertar em todos os elementos um pouco conscientes da população, a paixão pelas revelações políticas. Não nos inquietemos se, na política, as vozes acusadoras são ainda tão débeis. tão raras, tão tímidas. A causa não consiste, de modo algum, em uma resignação geral à arbitrariedade policial. A causa é que os homens capazes de acusar e dispostos a faze-lo não têm uma tribuna do alto da qual possam falar. não têm um auditório que escute avidamente, encorajando os oradores, e não vêem em parte alguma do povo uma força para a qual valha a pena dirigir suas queixas contra o governo "todo-poderoso" ... Temos hoje os meios e o dever de oferecer a todo o povo uma tribuna para denunciar o governo tzarista: essa tribuna deve ser um jornal social-democrata". Esse auditório ideal para as revelações políticas é precisamente a classe operária, que tem necessidade, antes e sobretudo, de conhecimentos políticos amplos e vivos, e que é a mais capaz de aproveitar esses conhecimentos para empreender uma luta ativa, mesmo que não prometa qualquer "resultado tangível". Ora, a tribuna para essas revelações diante de todo o povo, só, pode ser um jornal para toda a Rússia. "Sem um órgão político, não seria possível conceber na Europa atual um movimento merecendo o nome de movimento político". E a Rússia, inegavelmente, também está incluída na Europa atual, em relação a esse fato. Desde há muito a imprensa tornou-se uma força entre nós; se não o governo não dispenderia dezenas de milhares de rublos para comprar e subvencionar todas as espécies de Katkov e de Mechtcherski. E não é novo o fato de, na Rússia autocrática, a imprensa ilegal romper as barreiras da censura e obrigar os órgãos legais e conservadores a falar dela abertamente. Assim aconteceu entre 1870 e 1880, e mesmo entre 1850 e 1880. Ora, hoje são mais amplas e profundas as camadas populares que poderiam ler, voluntariamente, a imprensa ilegal para aí aprender "a viver e a morrer", para empregar a expressão de um operário, autor de uma carta endereçada ao Iskra (nº7). As revelações políticas constituem uma declaração de guerra ao governo, da mesma forma que as revelações econômicas constituem uma declaração de guerra aos fabricantes. E essa declaração de guerra tem um significado moral tanto maior quanto mais vasta e vigorosa for a campanha de denúncias, quanto mais decidida e numerosa for a classe social que declara a guerra para começar a guerra. Por isso, as revelações políticas constituem, por si próprias, um meio poderoso para desagregar o regime contrário, separar o inimigo de seus aliados fortuitos ou temporários, semear a hostilidade e a desconfiança entre os participantes permanentes do poder autocrático. Apenas o partido que organize verdadeiramente as revelações visando o povo inteiro poderá tornar-se, em nosso dias, a vanguarda das forças revolucionárias. Ora, tais palavras - "visando o povo inteiro" - têm um conteúdo muito amplo. A imensa maioria dos reveladores, que não pertencem à classe operária (pois para ser vanguarda é preciso justamente integrar outras classes), são políticos lúcidos e homens de sangue-frio e senso prático. Sabem perfeitamente como é perigoso "queixar-se" mesmo de um pequeno funcionário, quanto mais do "onipotente" governo russo. E não nos dirigirão suas queixas, a não ser quando virem que realmente estas podem ter efeito, e que nós somos uma força política. Para que nos tornemos aos olhos do público uma força política não basta colar o rótulo "vanguarda" sobre uma teoria e uma prática de "retaguarda" :é preciso trabalhar muito e com firmeza para elevar nossa consciência, nosso espírito de iniciativa e nossa energia. Porém, o partidário cioso da "estreita ligação orgânica com a luta proletária" nos perguntará, e já nos pergunta: se nos devemos encarregar de organizar contra o governo as revelações que verdadeiramente visam o povo inteiro, em que, pois, manifestar-se-á o caráter de classe de nosso movimento? - Ora, justamente no fato de que a organização dessas revelações constituirá nossa obra, de sociais-democratas; de que todos os problemas levantados pelo trabalho de agitação serão esclarecidos dentro de um espírito social-democrata constante e sem a menor tolerância para com as deformações, voluntárias ou não, do marxismo, de que essa ampla agitação política será conduzida por um partido unindo em um todo coerente a ofensiva contra o governo, em nome de todo o povo, da educação revolucionária do proletariado, salvaguardando, ao mesmo tempo, sua independência política, a direção da luta econômica da classe operária, a utilização de seus conflitos espontâneos com seus exploradores, conflitos que levantam e conduzem sem cessar, para o nosso campo, novas camadas do Proletariado ! Mas, um dos traços mais característicos do "economismo" é exatamente não compreender essa ligação, melhor ainda, essa coincidência da necessidade mais urgente do proletariado (educação política sob todas as suas formas, por meio das revelações e da agitação política) com as necessidades do movimento democrático corro um todo. Essa incompreensão aparece não apenas nas frases "à Martynov", mas também nas diferentes passagens de significação absolutamente idêntica, onde os "economistas" referem-se a um pretenso ponto de vista de classe. Eis, por exemplo, como se exprimem os autores da carta "economista" publicada no nº12 do Iskra(14): "Este mesmo defeito essencial do Iskra (sobrestimação da ideologia) é a causa de sua inconseqüência na questão da social-democracia com as diversas classes e tendências sociais. Tendo decidido, por meio de cálculos teóricos"... (e não em decorrência do "crescimento das tarefas do Partido que aumentam ao mesmo tempo que ele" ... ) "o problema da deflagração imediata da luta contra o absolutismo é sentindo, provavelmente, toda a dificuldade dessa tarefa para os operários, no estado atual das coisas"... (não somente sentindo, mas sabendo muito bem que esta tarefa parece menos difícil aos operários do que aos intelectuais "economistas" - que os tratam como crianças pequenas - pois os operários estão prontos a se baterem de fato pelas reivindicações que não prometem, para falar a língua do inolvidáveis Martynov, nenhum "resultado tangível")... "mas não tendo a paciência de esperar a acumulação de forças necessárias para essa luta, o Iskra começa a procurar os aliados nas fileiras dos liberais e dos intelectuais"... Sim, sim, de fato perdemos toda "paciência" para "esperar" os dias felizes que nos prometem de há muito os "conciliadores"' de toda espécie, onde nossos "economistas" deixarão de lançar a culpa de seu próprio atraso sobre os operários, de justificar sua própria falta de energia pela pretensa insuficiência de forças entre os operários. Em que deve consistir a "acumulação de forças pelos operários em vista dessa luta"? perguntaremos a nossos "economistas". Não é evidente que consiste na educação política dos operários, na denúncia, diante deles, de todos os aspectos de nossa odiosa autocracia? E não está claro que, justamente para esse trabalho, precisamos de "aliados nas fileiras dos liberais e dos intelectuais", "aliados" prontos a nos trazer suas revelações sobre a campanha política conduzida contra os elementos ativos do zemstvos, os professores, os estatísticos, os estudantes etc.? É assim tão difícil compreender essa "mecânica erudita"? P. Axelrod não lhes, repete, desde 1897, que "a conquista pelos sociais-democratas russos de partidários e aliados diretos ou indiretos entre as classes não proletárias é determinada, antes de tudo e principalmente, pelo caráter que a propaganda assume entre o próprio proletariado?" Ora, Martynov e os outros "economistas" ainda acham, agora, que primeiro os operários devem acumular forças "através da luta econômica contra os patrões e o governo" (para a política sindical) e, em seguida, apenas "passar" - sem dúvida da "educação" sindical da "atividade", à atividade social-democrata! " ... Em suas pesquisas, continuam os "economistas", o Iskra abandona com demasiada freqüência o ponto de vista de classe, encobre os antagonismos de classe e coloca em primeiro plano o descontentamento comum contra o governo, apesar das causas e do grau deste descontentamento serem muito diferentes entre os "aliados". Essas são, por exemplo, as relações do Iskra com os zemstvos"... O Iskra pretensamente "promete aos nobres descontentes com as esmolas governamentais, o apoio da classe operária, sem dizer uma palavra sobre o antagonismo de classe que separa essas duas categorias da população". Que o leitor se reporte aos artigos "A Autocracia e os Zemtvos" (nºs 2 e 4 do Iskra) aos quais, parece, os autores dessa carta fazem alusão, e verá que esses artigos(15) são dedicados à atitude do governo em relação "à agitação inofensiva do zemstvo burocrático censitário", em relação "à iniciativa das próprias classes proprietárias". Nesse artigo diz-se que o operário não poderia permanecer indiferente à - luta - do governo contra o zemstvo, e os elementos ativos do zemstvo são convidados a deixar de lado seus discursos inofensivos e a pronunciar palavras firmes e categóricas, quando a social-democracia revolucionária levantar-se com toda sua força diante do governo. Com o que não estão de acordo os autores da carta? Não seria possível dize-lo. Pensam que o operário "não compreenderá" as palavras "classes possuidoras" e "zemstvo burocrático censitário-? que o fato de pressionar os elementos ativos dos zemstvos a abandonar os discursos inofensivos pelas palavras firmes seja uma "sobrestimação da ideologia"? Imaginam que os operários podem "acumular forças" para a luta contra o absolutismo, se não conhecem a atitude do absolutismo também em relação ao zemstvo? Mais uma vez, não seria possível dize-lo. Uma coisa está clara: os autores têm apenas uma idéia muito vaga das tarefas políticas da social-democracia. Isso sobressai ainda com maior clareza na frase seguinte: "Essa é igualmente (isto é, "encobrindo também os antagonismos de classe") a atitude do Iskra em relação ao movimento dos estudantes". Em lugar de exortar os operários a afirmar através de uma manifestação pública que o verdadeiro foco de violências, de arbitrariedade e de delírio não é a juventude universitária, mas o governo russo (Iskra, nº2), deveríamos, ao que parece, publicar as análises inspiradas da Rabótchaia Mysl! E são essas as opiniões expressas pelos sociais-democratas no outono de 1901, após os acontecimentos de fevereiro e de março, às vésperas de um novo impulso do movimento estudantil, impulso que mostra bem que, também nesse aspecto, o protesto "espontâneo" contra a autocracia ultrapassa a direção consciente do movimento pela social-democracia. O impulso instintivo, que leva os operários a interceder em favor dos estudantes espancados pela polícia e pelos cossacos, ultrapassa a atividade consciente da organização social-democrata! "Entretanto, em outros artigos", continuam os autores da carta, "o Iskra condena severamente todo compromisso e toma a defesa, por exemplo, do comportamento intolerável dos guesdistas-. Aconselhamos àqueles que sustentam comumente, com tanta presunção e ligeireza, que as divergências de ponto de vista entre os sociais-democratas de hoje, não são, parece, essenciais e não justificam uma cisão, que meditem seriamente nessas palavras. As pessoas que afirmam que o esforço que empreendemos ainda é ridiculamente insuficiente para mostrar a hostilidade da autocracia em relação às mais diferentes classes, para revelar aos operários a oposição das mais diferentes categorias da população à autocracia, podem trabalhar eficazmente, em uma mesma organização, com pessoas que vêem nessa tarefa "um compromisso", evidentemente um compromisso com a teoria da "luta econômica contra os patrões e o governo"? No quadragésimo aniversário da emancipação dos camponeses, falamos da necessidade de introduzir a luta de classes nos campos (nº3) e, a propósito do relatório secreto de Witte, da incompatibilidade que existe entre a autonomia administrativa e a autocracia (nº4); combatemos, a propósito da nova lei, o feudalismo dos proprietários de terras e do governo que os serve (nº8), e saudamos o congresso ilegal dos zemstvos, encorajando os elementos dos zemstvos a abandonar os procedimentos. humilhantes para passar à luta (nº8); encorajamos os estudantes que começavam a compreender a necessidade da luta política e a empreenderam (n9 3) e, ao mesmo tempo, fustigamos a "inteligência extremada" dos partidários do movimento "exclusivamente estudantil", que exortavam os estudantes a não participar das manifestações de rua (nº3, a propósito da mensagem do Comitê executivo dos estudantes de Moscou, de 25 de fevereiro); denunciamos os "sonhos insensatos", a "mentira e a hipocrisia" dos velhacos liberais do jornal Rossia (nº5), e ao mesmo tempo assinalamos a fúria do governo de carcereiros que "ajustavam conta com pacíficos literatos, velhos professores e cientistas, conhecidos liberais dos zemstvos" (nº5: "Um Ataque da Polícia Contra a Literatura"); revelamos o verdadeiro sentido do programa "de assistência do Estado para a melhoria das condições de vida dos operários", e saudamos o "consentimento precioso": "mais vale prevenir com reformas do alto as reivindicações de baixo, do que esperar por essas" (nº6); - encorajamos os estatísticos em seu protesto (nº7) e condenamos os estatísticos "furadores" de greve (nº7). Ver nessa tática um obscurecimento da consciência de classe do proletariado e um compromisso com o liberalismo é mostrar que não se compreende absolutamente nada do verdadeiro programa do Credo, e é aplicar, de faio, precisamente esse programa, por mais que seja repudiado! Realmente, por isso mesmo, arrasta-se a democracia à "luta econômica entre os patrões e o governo", e inclina-se a bandeira diante do liberalismo, renunciando-se a intervir ativamente e a definir a própria atitude, a atitude social-democrata, em cada questão "liberal".

f) Mais uma Vez Caluniadores, mais uma Vez "Mistificadores".

Como o leitor se lembra, essas amabilidades foram ditas pelo Rabótcheie Dielo, que assim responde à nossa acusação de "preparar indiretamente o terreno para fazer do movimento operário um instrumento da democracia burguesa". Na simplicidade de seu coração, o Rabótcheie Dielo decidiu que essa acusação constituía apenas um recurso de polêmica. Esses desagradáveis dogmáticos, parece ter pensado, resolveram nos dizer todas as espécies de coisas desagradáveis; ora, o que pode haver de mais desagradável do que ser o instrumento da democracia burguesa? E de imprimir, em grandes caracteres, um "desmentido": "calúnia não dissimulada" (Dois Congressos, p. 30), "mistificação" (3 1), "palhaçada" (33). Como Júpiter (embora se pareça pouco com ele), o Rabótcheie Dielo ofende-se precisamente porque não tem razão, e através de suas injúrias irrefletidas, prova que é incapaz de apreender o fio do pensamento de seus adversários. E, entretanto, não é necessário refletir muito para compreender a razão por que todo culto da espontaneidade do movimento de massa, todo rebaixamento da política social-democrata ao nível da política sindical resume-se exatamente em preparar o terreno para fazer do movimento operário um instrumento da democracia burguesa. O movimento operário espontâneo, por si mesmo, só pode engendrar (e infalivelmente o fará) o sindicalismo, ora, a política sindical da classe operária é precisamente a política burguesa da classe operária. A participação da classe operária na luta política, e mesmo na revolução política, não faz de maneira alguma de sua política uma política social-democrata. O Rabótcheie Dielo poderá negar isso? Poderá, finalmente, expor diante de todo o mundo, abertamente e sem dissimulações, sua concepção dos problemas angustiantes da social-democracia internacional e russa? - Não, nunca o fará, pois atém-se firmemente ao procedimento "de se fazer de desentendido". Não me toquem, não tenho nada com isso. Não somos "economistas", a Rabótchaia Mysl não é o "economismo", o "economismo" em geral não existe na Rússia. Este é um procedimento muito hábil e "político", que tem apenas um pequeno inconveniente, o de se ter o hábito de dar aos órgãos da imprensa que o praticam o apelido de "às suas ordens". Para o Rabótcheie Dielo, a democracia burguesa em geral constitui na Rússia apenas um "fantasma" (Dois Congressos, p. 32)(16). Que homens felizes! Como o avestruz, escondem a cabeça sob a asa e, imaginam que tudo o que os cerca desapareceu. Publicistas liberais que, todos os meses, anunciam triunfamente que o marxismo se desagregou, ou mesmo desapareceu; jornais liberais (Sankt-Petersburgskie Védomosti, Russkia Védomosti e muitos outros) que encorajam os liberais que levam aos operários a concepção brentaniana da luta de classes e a concepção sindical da política; a plêiade de críticos do marxismo, críticos cujas tendências verdadeiras foram tão bem reveladas no Credo, e cuja mercadoria literária é a única que circula pela Rússia, sem impostos nem taxas; a reanimação das tendências revolucionárias não sociais-democratas, sobretudo após os acontecimentos de fevereiro e de março, tudo isso será talvez um fantasma? Tudo isso não tem absolutamente qualquer ligação com a democracia burguesa! 0 Rabótcheie Dielo, tal como os autores da canta economista, no número 12 do Iskra, deveriam "perguntar-se por que os acontecimentos da primavera provocaram uma tal reanimação das tendências revolucionárias não sociais-democratas, em lugar de reforçar a autoridade e o prestígio da social-dernocracia". A razão é que não estávamos à altura de nossa tarefa, que a atividade das massas operárias ultrapassou a nossa, que não tínhamos dirigentes e organizadores suficientemente preparados, que conhecessem perfeitamente o estado de espírito de todas as camadas da oposição e soubessem colocar-se à cabeça do movimento, transformar uma manifestação espontânea em manifestação política, ampliar-lhe o caráter político etc. Dessa forma, os revolucionários não sociais-democratas, mais desembaraçados, mais enérgicos, explorarão necessariamente nosso atraso, e os operários, por maior que seja sua energia e abnegação nos combates contra a polícia e contra as tropas, por mais revolucionária que seja sua ação, serão apenas uma força de sustentação desses revolucionários, a retaguarda de democracia burguesa, e não a vanguarda social-democrata. Consideremos a social-democracia alemã, da qual nossos "economistas" emprestam apenas as falhas. Por que não existe um único acontecimento político na Alemanha que não contribua para reforçar cada vez mais a autoridade e o prestígio da social-democracia? Porque a social-democracia é sempre a primeira a fazer a apreciação mais revolucionária desse acontecimento, a sustentar todo protesto contra a arbitrariedade. Não alimenta ilusões de que a luta econômica incitará os operários a pensar em seu jugo, e de que as condições concretas conduzem fatalmente o movimento operário ao caminho revolucionário. Intervém em todos os aspectos e em todas as questões da vida social e política: quando Guilherme recusa-se a ratificar a nomeação de um progressista burguês para prefeito (nossos "economistas" ainda não tiveram tempo de aprender com os alemães que isto constitui, na verdade, um compromisso com o liberalismo!), e quando se faz uma lei contra imagens e obras "imorais", e quando o governo faz pressão para obter a nomeação de certos professores etc. etc. Em toda a parte os sociais-democratas estão na linha de frente, despertando o descontentamento político em todas as classes, sacudindo os adormecidos, estimulando os atrasados, fornecendo uma ampla documentação para desenvolver a consciência política e a atividade política do proletariado. O resultado é que esse defensor político de vanguarda força o próprio respeito dos inimigos conscientes do socialismo, e não é raro que um documento importante, não só das esferas burguesas, mas também das burocráticas e palacianas, venha parar, não se sabe como, na sala de redação do Vorwürts. Aí está o segredo da "contradição" aparente que ultrapassa o nível de compreensão do Rabótcheie Dielo a ponto de contentar-se em levantar os braços para o céu e exclamar: "Palhaçada"! De fato, imaginemos o seguinte: nós, o Rabótcheie Dielo, consideramos em primeiro plano o movimento operário de massa (e o imprimimos em letras garrafais!), pomos todos em guarda contra a tendência de diminuir o papel do elemento espontâneo, queremos conferir à própria, própria, própria luta econômica um caráter político; queremos permanecer em estreita ligação orgânica com a luta proletária! E nos dizem que preparamos o terreno para fazer do movimento operário um instrumento da democracia burguesa. E quem o diz? Os homens que têm "compromisso" com o liberalismo, intervindo em toda questão "liberal" (que incompreensão da 1igação orgânica com a luta proletária"!), concedendo tão grande atenção aos estudantes e até (que horror!) aos porta-vozes dos zemstvos! Homens que querem, em geral, consagrar uma porcentagem maior (em relação aos "economistas") de suas forças entre as classes não proletárias da população! Não é isto uma "palhaçada"? Pobre Rabótcheie Dielo! Chegará algum dia a penetrar no segredo deste complicado mecanismo?

Compartilhe este texto:
Início da página
 
Visite o MIA no Facebook
 

Notas:

(1) A fim de evitar qualquer mal-entendido, fazemos notar que, na exposição que se segue, entendemos sempre por luta econômica (segundo o vocabulário em uso entre nós), a "luta econômica pratica" que Engels, na citação anteriormente mencionada, chamou a "resistência aos capitalistas", e que, nos países livres, é chamada luta profissional, sindical ou dos trade-unions.(retornar ao texto) 

(2) Nesse capítulo, falamos unicamente da luta política e do seu conceito mais amplo ou mais restrito. Por isso, não assinalaremos senão de passagem a título de curiosidade, a acusação que o Rabótcheie Dielo faz ao Iskra de "reserva excessiva" no que diz respeito à luta econômica (Dois Congressos p. 27, inutilmente repetida por Martynov em seu folheto, A Social-Democracia e a Classe Operária) Se os senhores acusadores medissem (como gostam de fazer) em quilos ou em folhas impressas a seção do Iskra sobre a vida econômica, durante um ano, e a comparassem à mesma seção do Rabótcheie Dielo e da Rabótchaia Mys1 reunidos, constatariam sem dificuldade que, mesmo quanto a esse assunto, estão atrasados em relação a nós. Evidentemente, a consciência dessa simples verdade faz com que recorram a argumentos que mostram nitidamente sua confusão. Escrevem eles que, queira ou não, "o Iskra é obrigado a levar em conta as necessidades imperiosas da existência e a incluir ao menos (!!) a matéria dos correspondentes sobre o movimento operário" (Dois Congressos, p. 27). De fato, este é um argumento massacrante: contra nós! (retornar ao texto)

(3) Dizemos, "em geral", porque o Rabótcheie Dielo, no caso, trata dos princípios gerais e das tarefas gerais do partido, em conjunto. Certamente, de forma pratica, ocorrem casos onde o político deve efetivamente vir após a econômico, irias só os "economistas" dizem isso em uma resolução destinada a toda a Rússia. Há também casos onde se pode, "desde o início", conduzir uma agitação política "somente no terreno econômico, contudo, o Rabótcheie Dielo foi induzido a concluir que isto "não era de modo algum necessário" (Dois Congressos, p. 11). No capítulo seguinte, mostraremos que a tática dos "político" e dos revolucionários, longe de desconhecer as tarefas sindicais da social-democracia, é capaz apenas de assegurar a realização metódica dessas tarefas.(retornar ao texto) 

(4) Expressões autênticas da brochura Dois Congressos, p. 31,32, 28 e30.(retornar ao texto) 

(5) Dois Congressos, p. 32.(retornar ao texto) 

(6) Rabótcheie Dielo, n.º. 10, P. 6. Esta é a variação de Martynov à aplicação da tese: "Todo passo adiante, todo progresso real, importa mais que uma dúzia de programas", aplicação feita ao estado caótico atual de nosso movimento. e que já caracterizamos acima. No fundo, não é mais do que a tradução russa da famosa frase de Bernstein: "0 movimento é tudo, o objetivo final não é nada."(retornar ao texto) 

(7) "Se recomendamos aos operários que apresentem certas reivindicações econômicas ao governo, é evidentemente porque, no aspecto econômico, o governo autocrático está disposto, por necessidade, a fazer certas concessões."(retornar ao texto) 

(8) Rabótchaia MysI, "Suplemento especial", p. 14.(retornar ao texto)

(9) Exigir que se "confira à própria luta econômica um caráter político é uma atitude que traduz da forma mais surpreendente o culto da espontaneidade no domínio da atividade política. Muito freqüentemente. a luta econômica reveste-se de um caráter político de forma espontânea, isto é, sem a intervenção desse "bacilo revolucionário que são os intelectuais". Sem a intervenção dos sociais-democratas conscientes. Assim, a luta econômica dos operários na Inglaterra revestiu-se, também, de um caráter político sem a menor participação dos socialistas. Mas, a tarefa dos sociais-democratas não se limita à agitação política no terreno econômico: sua tarefa é transformar essa política sindical em uma luta política social-democrata, aproveitar os vislumbres de consciência política que a luta econômica fez penetrar no espírito dos operários para elevar esses últimos à consciência política social-democrata. Ora, em lugar de elevar e de fazer progredir a consciência política que desperta espontaneamente, os Martynov prostram-se diante da espontaneidade e repetem, repetem freqüentemente até enjoarem, que a luta econômica "incita" os operários a pensar que estão frustrados em seus direitos políticos. É lamentável que esse despertar espontâneo da consciência política sindical "não incite" os Senhores a pensar em suas tarefas de sociais-democratas!(retornar ao texto) 

(10) Para mostrar que todo esse discurso dos operários aos "economistas" não é pura invenção de nossa parte, referimo-nos a duas testemunhas que conhecem plenamente o movimento operário, e são os menos inclinados a mostrar parcialidade por nós, "dogmáticos", uma vez que urna das testemunhas é um "economista" (que considera até o Rabótcheie Dielo como um órgão político!); o outro é um terrorista. O primeiro é o autor de um artigo notável, cheio de vida e de verdade: "O Movimento Operário de São Petersburgo e as Tarefas Práticas da Social-Democracia" (Rabótcheie Dielo, n.º 6). Divide os operários em: 1º) revolucionários conscientes: 2º) categoria intermediária, e 3º) o resto, a massa. Ora, a categoria intermediária "interessa-se freqüentemente mais por questões da vida política do que por seus interesses econômicos diretos, cuja ligação com as condições sociais gerais já foi compreendida há muito"... A Rabótchaia Mysl é "asperamente criticada": "sempre' a mesma coisa, há muito tempo que o sabemos, e há muito tempo que o lemos"; "na seção política, nunca há nada" (p. 30-31). A própria terceira categoria: "a classe operária mais sensível, mais jovem, menos pervertida pela taverna e pela igreja, que quase nunca tem a possibilidade de encontrar uma obra política, fala a torto e a direito das manifestações da vida política, medita sobre as informações fragmentadas que lhe chegam sobre os motins dos estudantes" etc. Por sua vez o terrorista escreve: "... lêem uma ou duas vezes alguns fatos miúdos da vida das fábricas em cidades que não conhecem, depois param aí... isto é tratar o operário como criança... O operário não é uma criança." (Svoboda órgão do grupo revolucionário- socialista, p. 69 e 70).(retornar ao texto)

(11) 1 Martynov "apresenta um outro dilema, mais real (?)" (A Social-Democracia e a Classe Operária, p. 19): "Ou a social-democracia assume a direção imediata da luta e econômica do proletariado e a transforma. assim, em luta revolucionária de classe..." "Assim" quer dizer, provavelmente, através da direção imediata da luta econômica. Martynov que mostre onde viu ser possível transformar o movimento sindical em movimento revolucionário de classe, unicamente através do fato de se dirigir a luta sindical. Será que não compreende que, para realizar essa "transformação", devemos colocar-nos ativamente na "direção imediata" da agitação política sob todas as suas formas?...."Ou então essa outra perspectiva - a social-democracia - abandona a direção da luta econômica dos operários e, por isso, apara as asas, "Segundo a opinião, acima citada, do Rabótcheie Dielo, é o Iskra quem "abandona essa direção". Mas, como vimos, o Iskra faz muito mais do que o "Rabótcheie Dielo" para dirigir a luta econômica, com a qual, aliás, não se contenta, e em cujo nome não restringe suas tarefas políticas. (retornar ao texto)

(12) A primavera de 1901 foi marcada por grandes manifestações de rua. (retornar ao texto)

(13) Assim durante a guerra franco-prussiana. Liebknecht ditou um programa de ação para toda a democracia, como fizeram, em escala ainda maior. Marx e Engels, em 1848. (retornar ao texto)

(14) A falta de espaço não nos permitiu dar ao Iskra uma resposta ampla a essa carta extremamente característica dos "economistas". Ficamos muito felizes com sua publicação, pois já havia muito que ouvíamos dizer de diferentes lados, que o Iskra desviava-se do ponto de vista de classe, e esperávamos a ocasião favorável ou a expressão precisa dessa acusação em voga para responder. Ora, não é pela defensiva, mas pelo contra-ataque que temos o costume de responder aos ataques.(retornar ao texto) 

(15) Entre esses artigos, o Iskra (n.º 3) publicou um artigo especial sobre os antagonismos de classe no campo.(retornar ao texto) 

(16) Aqui se invocam "as condições concretas russas, que levam fatalmente o movimento operário ao caminho revolucionário". As pessoas não querem compreender que o caminho revolucionário do movimento operário pode ainda não ser o caminho social-democrata! De fato, toda a burguesia ocidental sob o absolutismo "impelia", impelia com conhecimento de causa os operários ao caminho revolucionário. Nós, sociais-democratas, não podemos nos contentar com isso. E se rebaixamos de um modo ou de outro a política social-democrata ao nível de uma política espontânea, sindical, fazemos, através disso, exatamente o jogo da democracia burguesa.(retornar ao texto)

Inclusão 17/12/2002