Prestes - A Luta Continua


Entrevista de Prestes à Revista Trilha Socialista


capa

Entrevista concedida pelo camarada Luiz Carlos Prestes, em 22 de janeiro de 1990, sobre a Perestroika e as transformações atuais no mundo socialista, com exclusividade para a Revista Trilha Socialista.

Esta entrevista adquiriu enorme significação por ter tratado de questões de grande atualidade e importância, registrando as posições do grande líder há menos de dois meses de sua morte. Nela, Prestes testemunha sua convicção inabalável no avanço do socialismo e na sua vitoria final.

TRILHA: Camarada Luiz Carlos Prestes, com seu vasto conhecimento e experiencia sobre o socialismo, como você está vendo as atuais transformações na União Soviética?

PRESTES: Eu acredito que as atuais transformações na União Soviética buscam corrigir erros que vinham sendo cometidos há muito tempo naquele pais. Estão voltadas principalmente contra o stalinismo. De fato, Stalin reinou na União Soviética.

O que ocorria era uma deturpação completa dos princípios do socialismo. A Perestroika é uma correção desses erros. É uma solução nova para antigos problemas do socialismo. Havia realmente a necessidade de mudanças, de uma efetiva reestruturação.

TRILHA: Em essência, quais foram os principais desses erros do período stalinista?

PRESTES: Na minha opinião, foram muitos os erros de Stalin, principalmente pelo fato dele considerar que o socialismo é a negação total do capitalismo. Mas isso não é correto. O socialismo é, na verdade, a superação do capitalismo. Uma sociedade nova e superior não é tirada do nada. Marx, inclusive, já havia mostrado que e no desenvolvimento do capitalismo que se criam os germes do socialismo. Muitos aspectos do capitalismo devem continuar existindo na nova sociedade. A dialética permite resgatar o que é bom e desprezar aquilo que é ruim.

TRILHA: Camarada, como é que os verdadeiros comunistas devem se colocar diante do que vem ocorrendo na União Soviética?

PRESTES: Penso que nos devemos apoiar Gorbachev. Suas propostas de mudança são serias e necessárias. Mas há ainda muita resistência, mesmo no próprio CC do PCUS. Efetivamente, há ainda muito oportunismo, pois pertencer ao Partido dá muitos privilégios e ser do CC, então, da privilégios ao quadrado.

Em consequência disso, Gorbachev quer mudar o CC e mudar esse estado de espírito. Por isso, esta propondo um novo Congresso do Partido para breve. Com esses encaminhamentos, Gorbachev tem ganho as massas. Os movimentos de greve, inclusive, o apoiam, li, há poucos dias, uma extensa intervenção política de Gorbachev no Pravda que é muito boa e muito interessante. Eu recomendo aos companheiros a sua leitura e discussão.

TRILHA: Prestes, as atuais propostas que emanam da Perestroika não levam água ao moinho do PCB?

PRESTES: Absolutamente, a Perestroika não leva água ao moinho do PCB. No fundo, é contra ele. Esse partido, até as vésperas das eleições, apoiava abertamente o governo Sarney. Nas eleições, oportunisticamente, mudou o discurso, sem ter mudado, no entanto, sua análise da realidade. O que ele quer é conquistar um governo democrático e burguês que resolva os problemas do povo. Tem a ilusão de que estamos vivendo numa democracia política plena, o que não é verdade. O PCB quer conquistar um capitalismo democrático. Mas, Marx já dizia, em plena fase da livre concorrência, que quanto maior for o desenvolvimento do capitalismo mais se acumula a riqueza nas mãos de uns poucos e mais se amplia, por outro lado, a miséria para as grandes massas. Imagimem a consequência dessa colocação nos dias de hoje, em que vivemos na fase dos monopólios, do capital financeiro e do imperialismo. No PCB, não se tem a menor noção do que é capitalismo. O PC do B incorre nos mesmos erros. Tudo isso é fruto da ignorância mais completa do marxismo.

TRILHA: Voltemos à União Soviética. Na sua opinião o que se pode esperar da cooperação tecnológica que vem sendo implementada com os países do bloco capitalista ?

PRESTES: Na União Soviética, Gorbachev assinou mais de 400 contratos com empresas multinacionais para obter novas tecnologias. Teve que fazer concessões a respeito do envio de lucros para fora do país. O Sr. Roberto Campos ficou exultante com essas transformações, dizendo que estão buscando para a União Soviética o mesmo que ele sempre propôs para o Brasil.

Mas, o senador se esquece que lá o poder está nas mãos da classe operária e essas iniciativas visão o seu interesse. O que é muito diferente do que ocorre em nosso país, onde é a burguesia que controla o poder a seu favor. Com essas mudanças, serão solucionados muitos dos problemas materiais da URSS e ela se transformará em um dos países mais modernos e produtivos do mundo.

TRILHA: Prestes, para finalizar, você acredita que, em termos políticos, a reestruturação está consolidada internamente?

PRESTES: Logicamente, essa transformação, como qualquer processo de mudança, encontra obstáculos e dificuldades de todos os tamanhos. Por isso, Gorbachev age com prudência, apesar de ter muito prestígio e as massas a seu favor. Antes, o operário só fazia algo recebendo ordens. Atualmente, é diferente.

Há uma revolução moral e ética. Agora, a classe operaria e as massas tem que tomar iniciativas. Isso é socialismo. E isso é sobretudo leninismo. Todavia, a classe operaria ainda não sabe muito bem como fazê-lo. Ela tem um certo medo, o que é natural. É claro que não se aprende da noite para o dia. Trata-se apenas de uma questão de tempo. Tendo envolvido as grandes massas, a Perestroika tornou-se uma força revolucionária brutal, sem paralelo. Tudo o que vem ocorrendo e extremamente novo e positivo. Nós temos muito a aprender. Por isso, devemos estar atentos e abertos às mudanças.

TRILHA: Camarada Prestes, muito obrigado.

Compartilhe este texto:
Início da página
 
Visite o MIA no Facebook
 

Inclusão 06/05/2014