Caravelas de Abril

Francisco Martins Rodrigues

Março/Abril de 1990


Primeira Edição: Política Operária nº 24, Mar-Abr 1990

Fonte: Francisco Martins Rodrigues — Escritos de uma vida

Transcrição: Ana Barradas

HTML: Fernando Araújo.

Direitos de Reprodução: Licença Creative Commons licenciado sob uma Licença Creative Commons.


capa

O fascista Soares Carneiro, reconduzido em chefe do Estado Maior das Forças Armadas por especial favor do democrata Mário Soares, nem sequer se deu ao trabalho de ler a mensagem da praxe às tropas; tratou o 25 de Abril abaixo de cão. Quanto ao dito Soares, achou a data bem escolhida para ir exaltar na Assembleia da República o “regresso a África”. E o ambiente de fecunda concórdia nacional aqueceu tanto nas bancadas que se pôde evocar Sá Carneiro como um dos deputados falecidos que “dedicaram as suas vidas à conquista da liberdade” sem que ninguém tivesse coragem para protestar.

A social-democracia está eufórica porque, com a apagada tristeza dos trabalhadores e a entrada em eclipse do PCP, pode agora verdadeiramente tomar posse do 25 de Abril como data sua. E explica-nos que as coisas, afinal, não se passaram como pensávamos. Em colóquios, artigos e palestras, recordaram-se esses meses épicos em que os “democratas” caminhavam à beira do abismo, com os “radicais ululantes” à solta nas ruas. O inimigo da liberdade, ficamos agora a sabê-lo, era o povo. “Andávamos descalços sobre o fogo”, resumiu eloquentemente um desses intrépidos lutadores da Democracia. E Soares, triunfante (até nem faltou um jornalista soviético a pedir-lhe desculpa por há 15 anos o ter descrito como reaccionário...), não resistiu a vangloriar-se: “Em Portugal foram os mencheviques que venceram os leninistas”.

Nào é bem verdade porque no nosso Verão quente não houve leninistas (se os houvesse, outro galo cantaria...), mas quer ele dizer na sua que a social-democracia conseguiu laçar o povo que fugira ao controlo e trazê-lo de novo conformado para debaixo da canga. E aí tem razão.

Mas, com a euforia, veio ao de cima a cómica mania lusitana das grandezas. E o Presidente cobriu-se dc ridículo ao exaltar as repercussões universais desse 25 de Abril menchevique, feito contra os trabalhadores e contra a revolução, e que teria inspirado movimentos liberais pelo mundo fora, da Espanha, às Filipinas, da Namíbia ao Chile e à Europa de Leste. Segundo parece, Portugal libertou o planeta.

Assim, cinco séculos depois dos Gamas terem “dado novos mundos ao mundo”, a epopeia da burguesia portuguesa que desafiou o mar encapelado da fúria popular e ensinou ao mundo a “transição democrática sem risco” volta a ecoar nos cinco continentes!

Com macacadas destas, ainda há quem se admire dos jovens não quererem saber do 25 de Abril?!


Observação: Tiro ao Alvo - Coluna de FMR no jornal Em Marcha e no jornal Política Operária.

Inclusão 06/02/2018