A Pátria Socialista Está em Perigo![N253]

V. I. Lénine

22 de Fevereiro de 1918

Link Avante

Primeira edição: Pravda, n.° 32, 22 (9) de Fevereiro de 1918, e Izvéstia TsIK, n.º 31, 22 (9) de Fevereiro de 1918.
Fonte: Obras Escolhidas em Três Tomos, 1977, tomo 2, pág: 479-480. Edições Avante! - Lisboa, Edições Progresso - Moscovo

Tradução: Edições "Avante!" com base nas Obras Completas de V. I. Lénine, 5.ª ed. em russo, t. 35, pp. 357-358

Transcrição e HTML: Fernando A. S. Araújo

Direitos de Reprodução: © Direitos de tradução em língua portuguesa reservados por Editorial "Avante!" - Edições Progresso Lisboa - Moscovo, 1977.


capa

Para salvar o país, exausto e martirizado, de novas provações militares, fizemos um enorme sacrifício e declarámos aos alemães o nosso acordo em assinar as suas condições de paz. Os nossos parlamentares saíram de Réjitsa para Dvinsk na noite de 20 (7) de Fevereiro, e até agora não há resposta. O governo alemão, evidentemente, protela a resposta. É claro que não quer a paz. O militarismo alemão, cumprindo a incumbência dos capitalistas de todos os países, quer estrangular os operários e camponeses russos e ucranianos, devolver a terra aos latifundiários, as fábricas aos banqueiros, o poder à monarquia. Os generais alemães querem instaurar a sua «ordem» em Petrogrado e em Kíev. A república socialista dos Sovietes encontra-se no maior perigo. Até ao momento em que o proletariado da Alemanha se levante e vença, o dever sagrado dos operários e camponeses da Rússia é a defesa abnegada da república dos Sovietes contra as hordas da Alemanha burguesa-imperialista.

O Conselho de Comissários do Povo decreta:

  1. Todas as forças e meios do país são inteiramente postos à disposição da defesa revolucionária.
  2. É dever de todos os Sovietes e organizações revolucionárias defender cada posição até à última gota de sangue.
  3. As organizações ferroviárias e os Sovietes a elas ligados são obrigados a impedir com todas as forças que o inimigo utilize o aparelho das vias de comunicação; a destruir as vias em caso de retirada, a fazer explodir e incendiar os edifícios dos caminhos-de-ferro; a dirigir imediatamente todo o material rolante — vagões e locomotivas — para o Leste, para o interior do país.
  4. Todas as reservas de cereais e de víveres em geral, assim como todos os bens de valor em perigo de caírem nas mãos do inimigo, devem ser obrigatoriamente destruídos; os Sovietes locais, sob a responsabilidade pessoal dos seus presidentes, são encarregados de velar por isto.
  5. Os operários e camponeses de Petrogrado, Kíev e de todas as cidades, lugares, povoações e aldeias ao longo da linha da nova frente devem mobilizar batalhões para cavar trincheiras sob a direcção de especialistas militares.
  6. Nestes batalhões devem ser incluídos todos os membros da classe burguesa aptos para o trabalho, homens e mulheres, sob a vigilância dos guardas vermelhos; fuzilar os que resistam.
  7. São encerradas todas as publicações contrárias à causa da defesa revolucionária e partidárias da burguesia alemã, bem como as que pretendam utilizar a invasão das hordas imperialistas com o fim de derrubar o Poder Soviético; os redactores e empregados destas publicações aptos para o trabalho são mobilizados para cavar trincheiras e para outros trabalhos de defesa.
  8. Os agentes inimigos, os especuladores, os saqueadores, os arruaceiros, os agitadores contra-revolucionários, os espiões alemães serão fuzilados no local do crime.

A pátria socialista está em perigo!

Viva a pátria socialista!

Viva a revolução socialista internacional!

O Conselho de Comissários do Povo
21 de Fevereiro de 1918.
Petrogrado.

Compartilhe este texto:
Início da página
 
Visite o MIA no Facebook
 

Notas de fim de Tomo:

[N253] O decreto «A Pátria socialista está em perigo» foi aprovado pelo Conselho de Comissários do Povo em 21 de Fevereiro de 1918 e publicado em 22 de Fevereiro nos jornais Pravda e Izvéstia TslK e, além disso, foi editado em panfletos. O decreto foi redigido por Lenine e motivado pelo rompimento das negociações de paz em Brest-Litovsk e pelo começo da ofensiva empreendida pelos imperialistas alemães. O apelo do Partido e do governo levantou as massas do povo revolucionário para a luta contra os imperialistas alemães. Os jovens destacamentos do Exército Vermelho, rapidamente formados, repeliram heroicamente os invasores alemães que, junto das cidades de Narva, Pskov e Rével, encontraram uma resistência decidida. A ofensiva das tropas alemãs contra Petrogrado foi detida. (retornar ao texto)

Inclusão 18/01/2011