Discurso Pronunciado na Assembléia do Comitê de Moscou do PC (b) da Rússia Para Celebrar o Cinqüentenário de V. I. Lênin

J. V. Stálin

23 de Abril de 1920


Primeira Edição: na coletânea: "O Cinqüentenário de Vladimir Ilitch Uliánov Lênin”, Moscou, 1920.
Fonte: J.V. Stálin – Obras – 4º vol., Editorial Vitória, 1954 – traduzida da edição italiana da Obras Completas de Stálin publicada pela Edizioni Rinascita, Roma, 1949.
Tradução: Editorial Vitória
Transcrição: Partido Comunista Revolucionário
HTML:
Fernando A. S. Araújo, setembro 2006.
Direitos de Reprodução: A cópia ou distribuição deste documento é livre e indefinidamente garantida nos termos da GNU Free Documentation License.

capa

Após os discursos pronunciados e as recordações evocadas, bem pouco me resta dizer. Desejaria somente salientar um traço característico do camarada Lênin ao qual ninguém até agora aludiu, a sua modéstia e a sua coragem em reconhecer os próprios erros.

Recordo-me como Lênin, esse gigante do pensamento, reconheceu por duas vezes haver-se enganado.

O primeiro episódio refere-se à decisão de boicotar a Duma de Witte, tomada em Tammerfors na Finlândia, em dezembro de 1905, na conferência bolchevique de toda a Rússia[N103]. Apresentava-se então a questão do boicote da Duma de Witte. Sete homens próximos ao camarada Lênin, sete pessoas que nós, delegados das províncias, mimoseávamos com epítetos de toda a espécie, asseguravam que Ilitch era contrário ao boicote e favorável às eleições para a Duma. Isso, como se revelou depois, era exato. Abriu-se o debate; os boicotistas da província, os petrogradenses, os moscovitas, os siberianos, os caucasianos, partiram para o ataque e qual não foi a nossa surpresa quando no fim dos nossos discursos Lênin fez uma intervenção e declarou que fora fautor da participação nas eleições, porém que agora via que se tinha enganado e se unia aos delegados das províncias. Ficamos impressionados com isso. Seu discurso teve o efeito de uma descarga elétrica. Tributamos-lhe uma ovação.

Mais um episódio semelhante. Em 1917, no mês de setembro, sob o governo de Kerenski, no momento em que foi convocada a Conferência Democrática e quando os mencheviques e os social-revolucionários constituíram um novo organismo, o Anteparlamento, que devia preparar a passagem dos Soviets para a Assembléia Constituinte, naquele momento o C. C. de Petrogrado decidiu não dissolver a Conferência Democrática e prosseguir no caminho do fortalecimento dos soviets, de convocar o Congresso dos Soviets, de iniciar a insurreição e de declarar o Congresso dos Soviets órgão do poder estatal. Ilitch, que se encontrava então fora de Petrogrado, na clandestinidade, não concordou com o C.C. e escreveu que era preciso dissolver e prender imediatamente aquela súcia de canalhas (a Conferência Democrática).

Parecia-nos que a coisa não seria tão simples assim, porque sabíamos que a Conferência Democrática era composta, na metade, ou pelo menos num terço, de delegados da frente, que com a prisão e a dissolução não poderíamos fazer mais que estragar as coisas e piorar as relações com a frente. Parecia-nos que todos os precipícios, todos os fossos e todos os buracos em nosso caminho seriam mais visíveis a nós, práticos. Mas Ilitch é grande, ele não teme nem fossos nem buracos nem precipícios no seu caminho, não teme os perigos e diz: "Levanta-te, e vai direito ao objetivo". Nós, práticos, achávamos que não seria então conveniente agir assim, que seria preciso contornar esses obstáculos, para podermos depois pegar o touro pelos chifres. E, não obstante todos os pedidos de Ilitch, não lhe demos ouvidos, prosseguimos no caminho do fortalecimento dos soviets e arrastamos a coisa até o Congresso dos Soviets de 25 de outubro, até a insurreição vitoriosa. Então Ilitch já estava em Petrogrado. Sorrindo e olhando-nos com ar finório nos disse: "Bem, vocês tinham razão".

Isso de novo nos impressionou.

O camarada Lênin não temia reconhecer seus erros Essa modéstia e essa coragem ligavam-nos a ele de maneira particular (Aplausos).


Notas de fim de tomo:

[N103] A Conferência de Tammerfors, primeira conferência dos bolcheviques, realizou-se de 12 a 17 de dezembro de 1905. Na conferência encontraram-se pela primeira vez Lênin e Stálin, que até aquele momento haviam estado em contato através da correspondência ou de outros camaradas. Da ordem do dia da Conferência constavam os seguintes pontos: 1.°) — informes de organizações locais; 2.°) — informe sobre a situação política; 3.°) — relatório organizativo do C.C.; 4.°) — unificação das duas partes do P.O.S.D.R.; 5.") — reorganização do Partido; 6.°) — questão agrária; 7.°) — Duma de Estado. Lênin apresentou os informes sobre a situação política e sobre a questão agrária e pronunciou um discurso sobre a posição do Partido para com a Duma de Witte. Stálin apresentou um co-informe sobre o trabalho levado a efeito pela organização bolchevique da Transcaucásia e pronunciou-se a favor do boicote. A Conferência resolveu restabelecer a unidade do Partido, que de fato se havia cindido em dois partidos, e aprovou a resolução sobre a questão agrária, apresentada por Lênin. Stálin e Lênin tomaram parte nos trabalhos da comissão encarregada de elaborar a resolução, na qual se conclamava o Partido e a classe operária a boicotar a Duma e foram convidadas todas as organizações partidárias a servir-se das reuniões eleitorais para reforçarem a organização revolucionária do proletariado e para promoverem entre e o povo agitação em prol da insurreição armada. (retornar ao texto)

 

pcr