A Cência da Logica

Georg Wilhelm Friedrich Hegel


Livro um: A doutrina do ser
Primeira seção: determinação (qualidade)
Capítulo 2 - Existência


A existência [Dasein] é ser determinado; sua determinação é uma determinação existente, uma determinada qualidade. Através de sua qualidade, algo se opõe a outro; é alterável e finito, negativamente determinado não apenas em relação a outro, mas absolutamente dentro dele. Esta negação nele, em contraste no início com o algo finito é o infinito; a oposição abstrata em que essas determinações aparecem se resolvem no infinito carente de oposição, vale dizer, no ser-para-si. O exame da existência tem, portanto, três divisões:

  1. a existência como tal;
  2. Alguma coisa e outra, a finitude;
  3. O infinito qualitativo.

A O SER DETERMINADO COMO TAL

No ser determinado

  1. Na existência como tal, é preciso distinguir a sua determinação;
  2. Como qualidade. Mas esta, no entanto, devem ser tomadas em ambas as determinações de existência como realidade e negação. Nessas determinações, entretanto, a existência é igualmente refletido em si mesmo, e, como assim refletido, é colocado como algo, um existente.
(a) Existência em geral.

A existência procede do devir. É a simples unicidade do ser e do nada. Por conta dessa simplicidade, tem a forma de um imediato. Sua mediação, o devir, está por trás disso; ela não se superou e portanto a existência, aparece como um primeiro a partir do qual o movimento para frente é feito. Isto é a princípio, na determinação unilateral do ser; a outra determinação que ele contém, o nada, da mesma forma, surgirá nele, em contraste com aquela.

Não é puro ser, mas determinação, ou Dasein [estar ali em alemão]; de acordo com sua etimologia [alemã], é estar em um determinado lugar (Sein). Mas a representação do espaço não é pertinente aqui. Como se segue ao se tornar, o ser determinado de acordo com seu devir, é em geral um ser como um não-ser, de modo que este não-ser é tomado em unidade simples com o ser. O não-ser assim admitido com o ser, o resultado de que o todo concreto está na forma de ser, de imediatismo, constitui determinação como tal.

O todo é da mesma forma na forma ou determinação do ser, uma vez que o devir também se mostrou ser apenas um momento - algo superado, negativamente determinado. É tal, porém, para nós, em nossa reflexão; ainda não como posto em si. O que é postulado, no entanto, é a determinação como tal da existência, como também é expresso pelo Dasein [estar ali]. - Os dois sempre devem ser claramente distinguidos. Apenas aquilo que é colocado em um conceito pertence no curso da elaboração do segundo ao seu conteúdo. Qualquer determinação ainda não postulada no conceito em si na nossa reflexão, se esta reflexão é direcionada para a natureza do conceito ou é uma questão de comparação externa. É necessário observar sobre uma determinação deste último tipo só pode ser para o esclarecimento ou antecipação do todo que acontecerá no curso do próprio desenvolvimento. Que o todo, a unidade do ser e do nada está na determinação unilateral do ser é uma reflexão externa; mas na negação, em algo e outro, e assim adiante, será postulado. - Foi necessário aqui chamar a atenção para a distinção acabou de ser dada; mas para comentar sobre tudo o que a reflexão pode permitir em si, para dar conta disso, levaria a uma longa antecipação do que deve acontecer no próprio fato. Embora tais reflexões possam servir para facilitar uma visão geral e, assim, facilitar a compreensão, eles também traz a desvantagem de serem vistos como afirmações injustificadas, fundamentos injustificados, do que se segue. Eles deviam ser tomados por não mais do que eles deveriam ser e deveriam ser distinguido do que constitui um momento no avanço do fato em si.

Existência corresponde a estar na esfera precedente. Mas ser é o indeterminado; não há determinações que, portanto, transpirem nela. Mas a existência é um ser determinado, algo concreto; consequentemente, determinações gerais, várias relações distintas de seus momentos, imediatamente emergem nele.

b) Qualidade

Por conta da imediação com a qual o ser e o nada são um só na existência, não se ultrapassam um ao outro; na medida em que o determinado é existente, nessa medida, é um não-ser; é determinado. O ser não é o universal, e a determinação não é o particular. A determinação ainda não se destacou do ser jamais se separará dele, já que a verdade o agora subjacente é a unidade do não-ser com o ser; todas as outras determinações transpirar nesta base. Mas a relação que a determinação agora tem com o ser é uma das unidades imediatas dos dois, de modo que ainda a diferenciação entre os dois não é colocada.

A determinação assim isolada por si, como determinação existente, é a qualidade - algo totalmente simples, imediato. A determinação em geral é a mais universal que, mais determinado, pode ser algo quantitativa também. Por conta dessa simplicidade, não há mais nada a dizer sobre a qualidade como tal.

Porém o ser determinado, no entanto, no qual estão igualmente contidos, tanto o nada como o ser, é em si a medida da unilateralidade da qualidade como uma única determinação imediata ou existente. A qualidade também deve ser colocada na determinação do nada, com o que, pois, a determinação imediata ou existente é colocada como distinta, como algo refletido, isto é, uma negação. A qualidade, no valor distinto do existente, é a realidade; quando afetada por uma negação, é negação em geral, ainda uma qualidade, mas uma que conta como falta e é ainda determinado como limite, ou fim.

Ambos são uma determinação, mas na realidade, como qualidade com a ênfase na qualidade existente, que é determinante e, portanto, também a negação é ocultada; a realidade só tem, portanto, o valor de algo positivo do qual fica excluída a negação, a falta, a limitação. A negação, por sua vez, tomada como pura falta, seria o que nada é; mas é uma existência, uma qualidade, só determinada com um não-ser.

Observação

A realidade pode parecer uma palavra ambígua, porque já que é usada em diferentes e até mesmo determinações opostas. No uso filosófico, por exemplo, se fala da pura realidade empírica como de um ser sem valor. Mas quando é dito de pensamentos, conceitos, teorias, que eles não têm nenhuma realidade, isso significa que não têm eficácia; Da ideia de uma república platônica, por exemplo, diz-se que pode ser verdade em si ou em seu conceito. Aqui a ideia não é negada em seu valor e é até permitido espaço ao lado da realidade.

No entanto, contra as chamadas puras ideias, os puros conceitos, “o real” conta como só verdadeiro. - O sentido em que a existência externa é atribuída o juízo da verdade de um conteúdo é, por sua vez, tão unilateral quanto [o que se adota] quando se representa a ideia, ou a essência ou o sentimento interior como indiferentes em relação à existência exterior, e inclusive são considerados como mais excelentes quanto se distanciam da realidade. Isso acontecerá na Lógica Subjetiva, quando o objeto lógico assume a forma de “conceito”.

Em conexão com o termo “realidade”, deve-se mencionar o antigo conceito metafísico de Deus, que era posto de maneira preferível como fundamento da chamada prova ontológica da existência de Deus. Deus era determinado como o conjunto de todas as realidades, e desta soma total foi dito que não continha nenhuma contradição interna, que nenhuma das realidades cancelou qualquer outra. Por isso as realidades não poderiam ser tomada apenas como uma perfeição, como algo afirmativo que não contém negação. Consequentemente, como foi dito, as realidades não estão oposição e não se contradizem. Neste conceito de realidade, a suposição é que ela ainda permanece depois de toda a negação se imagina como inexistente; no entanto, fazer isso é superar toda determinação da realidade. Realidade é qualidade, ser determinado; portanto contém o momento do negativo e é o ser determinado que é só pelo momento negativo, é determinado. Tomado no chamado sentido eminente, ou enquanto infinito – no significado comum da palavra - como nos é dito que devemos – tomar a realidade se acha ampliada na carência de determinações e perde seu significado. A bondade de Deus não deveria ser suposta no sentido comum, mas eminentemente; não ser diferente da justiça, mas é moderado por dela (uma expressão de mediação de origem leibniziana) assim como a justiça é contrariada pela bondade; e assim, nem a bondade é boa nem a justiça. O poder deveria ser temperado pela sabedoria - mas não é mais poder como tal, pois está sujeito à sabedoria. - A sabedoria deve ser expandida em poder, mas então desaparece como fim e medida de sabedoria. O verdadeiro conceito do infinito e de sua absoluta unidade que mais tarde emergirá não é para ser entendido como um temperamento, uma restrição mútua ou mistura - uma conexão superficial e nebulosa que só pode satisfazer a representação sem sentido. – Quando a realidade, tomada no sentido de uma qualidade determinada como na referida definição de Deus, é feito para transgredir sua determinação, deixa de ser realidade; torna-se ser abstrato; Deus como a pura realidade em todas as realidades, ou como o conjunto de todas as realidades, é o mesmo absoluto vazio, vazio de determinação e conteúdo, em que tudo é uno.

Se, ao contrário, a realidade é tomada em sua determinação, então, desde que ela contém essencialmente o momento do negativo, o conjunto de todas as realidades torna-se tanto uma soma total de todas as negações, no conjunto de todas as contradições, e sobretudo, de certo modo, no poder absoluto em que tudo determinado é absorvido. No entanto, uma vez que a realidade só existe na medida em que ainda tem contra ela algo que não foi superado, por ser pensada ampliado desta forma em um poder realizado sem restrições, torna-se o abstrato nada. A dita realidade em tudo real, o ser em toda existência que deveria expressar o conceito de Deus, é nada mais que o ser abstrato, o mesmo que nada.

Essa determinação é negação posta como afirmativa é de Spinoza a proposição: omnis determinatio est negatio [toda determinação é uma negação]. Esta proposição é de infinita importância. Somente a negação, como tal, é uma abstração sem forma. No entanto, a filosofia especulativa não deve ser acusada de culpa de que a negação ou o nada seja para ela como um último: a negação é tão pequena como um final para ela, pois a realidade, tampouco, é para ela a verdade.

A unidade da substância de Espinosa, ou que há apenas uma substância, é a consequência necessária dessa proposição, que a determinação é negação. Spinoza teve necessidade de postular pensamento e ser ou extensão, as duas determinações, a saber, que ele tinha antes dele, como uma nesta unidade, para como realidades determinadas as duas são negações cujo infinito é a sua unidade; de acordo com a definição de Spinoza, sobre a qual mais tarde a infinidade de algo é sua afirmação. Ele então concebeu como atributos, isto é, como não têm uma subsistência particular, um ser-em-e-para-si, mas são tão sublimes quanto momentos; ou melhor, já que a substância é o vazio total da determinação interna, eles não são até momentos; os atributos, como os modos, são distinções feitas por um entendimento externo. - Também a substancialidade dos indivíduos não pode subsistir antes daquela substância. O indivíduo se refere a si mesmo estabelecendo limites para todos os outros; mas esses limites são, portanto, também os limites deste modo; são referências ao outro; a existência do indivíduo não está no Individual. É verdade que o indivíduo é mais do que apenas restrições de todos os lados; mas isso pertence mais a outra esfera, a do conceito; na metafísica do ser, o indivíduo é algo absolutamente determinado; e contra isso algo, contra esse finito que estaria em e para como tal, a determinidade se afirma essencialmente como negação, dá-se no mesmo movimento negativo do intelecto que faz tudo desaparecer na unidade abstrata da substância.

Negação fica imediatamente contra a realidade; mais adiante, no esfera adequada às determinações refletidas, ela se oporá ao positivo, que é a realidade refletindo sobre a negação - a realidade em que o negativo, ainda se escondendo na realidade como tal, brilha adiante.

A qualidade especificamente é uma propriedade somente quando, em uma conexão externa, manifesta-se como uma determinação imanente. Pelo nome de propriedades, das ervas, por exemplo, entendemos determinações que não são apenas apropriadas para algo, mas são tais que, em virtude deles, o algo mantém determinações que são próprios, e referindo-se a outros e não cederá às influências alienígenas postulado nisso por eles; pelo contrário, impõe suas próprias determinações no outro - embora não o afaste de si. Por outro lado, as determinações mais tranquilas, como figura ou forma, não são chamadas de propriedades, nem mesmo qualidades, pois são consideradas alteráveis ​​e, portanto, não idêntico ao ser.

“Qualierung” ou “Inqualierung”, uma expressão encontrada em Jacob Boehme, mas também filosofia profundamente turva, significa o movimento dentro de uma qualidade (acidez, amargura, ferocidade, etc.), na medida em que natureza negativa (em seu Qual ou tormento) a qualidade se posiciona, assegurando se de outro; significa, em geral, a agitação interna de qualidade por que produz e se preserva apenas em conflito.

c) Algo

Na existência, sua determinação tem sido distinguida como qualidade; nessa qualidade como algo existente, a diferença existe - a distinção entre realidade e negação. Agora, embora essas diferenças estejam presentes na existência, eles são também nulas e superadas. A realidade em si contém negação; é existência, não ser indeterminado ou abstrato. Negação é por sua vez igualmente existência, não esse abstrato nada, mas a posição aqui como, é em si, como existente, como pertencente à existência. Assim, a qualidade é em geral não separado da existência, e este último é apenas determinante, ser qualitativo.

Essa superação da diferença é mais do que a simples retratação e um externo deixá-la de novo, ou bem mais que um simples retorno ao simples começo, para a existência como tal. A distinção não pode ser deixada de fora, pois existe. Assim sendo, o que de fato é eficaz é isto: a existência em geral, a distinção nele, e a superação desta distinção; a existência, não desprovida de distinções como na começo, mas como novamente igual a si mesmo através da superação da diferença; a simplicidade da existência mediada por essa superação. Este estado da superação da diferença é a própria determinação da existência; a existência é assim sendo em si; é algo existente, um algo.

O algo é a primeira negação da negação, como simples relação consigo mesma, existente. Existência, vida, pensamento e assim por diante, essencialmente, determinação de um ser existente, uma coisa viva, uma mente pensante (“eu”), etc. Esta determinação é da maior importância para não permanecer detidos na existência, vida, pensamento e assim por diante, como generalidades - também não em divindade (em vez de Deus). Em representação comum, algo corretamente carrega a conotação de uma coisa real. No entanto, ainda é muito superficial determinação, assim como realidade e negação, existência e sua determinação, embora já não seja o ser vazio e nada, ainda são bastante abstratas determinações. Por esta razão, eles também são as expressões mais comuns, e uma reflexão que ainda é não educada filosoficamente os usa mais; lança suas distinções neles, imaginando que neles tem algo muito bem e firmemente determinado. - Como algo, o negativo do negativo é apenas o começo do assunto - a sua própria essência ainda é bastante indeterminado. Determina-se mais adiante, a princípio como existente por si e assim por diante, até que finalmente consiga no conceito a intensidade do objeto. Na base de todas estas determinações, reside a unidade negativa consigo mesmo. Em tudo isto, no entanto, deve-se ter o cuidado de distinguir o primeiro negação, negação como negação em geral, a partir da segunda negação, a negação da negação que é concreta, absoluta negatividade, assim como a primeira é, ao contrário, apenas negatividade abstrata.

Algo é um existente quando é a negação da negação, pois esta constitui o restabelecer-se da simples referência a si mesma - mas o algo é assim, igualmente, a mediação de si mesmo consigo mesmo. Presente na simplicidade de algo, e depois com maior determinação no ser-para-si, em o assunto, e assim por diante, essa mediação de si mesmo também já é presente no devir, mas apenas como mediação totalmente abstrata; mediação com si mesmo está posicionado no algo na medida em que este último é determinado como uma identidade simples. – A atenção pode ser dada à presença de mediação em geral, em contraste com o princípio do alegado imediatismo de um conhecimento do qual a mediação deve ser excluída. Mas não há necessidade adicional de chamar a atenção particular para o momento da mediação, já que é encontrado em todos os lugares e em todos os lados, em todos os conceitos.

Esta mediação consigo que algo é em si, quando tomada apenas como a negação da negação, não tem determinações concretas para seus lados; assim, colapsa na simples unidade que está sendo. Algo é e é logo, portanto, também um ente determinado. Além disso, é em si mesmo também um devir, mas um devir que não mais tem apenas ser e nada para seus momentos.

Um desses momentos, sendo, é agora existência e mais um existente. O outro momento é igualmente existente, mas determinado como negativo de algo - um outro. Como se tornar, algo é uma transição, os momentos dos quais são eles próprios algo, e por isso é uma alteração - um devir que já se tornou concreto. - No começo, no entanto, algo altera apenas em seu conceito; ainda não se coloca desta forma, como mediada e mediadora, mas a princípio apenas como se manter simplesmente em sua referência em si; e seu negativo é colocado como igualmente qualitativo, como apenas um outro em geral.

B. A finitude

(a) Algo e outro: a princípio eles são indiferentes um face ao outro; um outro é também um ente imediato, um algo; a negação cai assim fora de ambos. Algo é em si em contraste com o ser-por-outro, mas a determinação pertence também ao seu em-si e, é

(b) sua destinação, que do mesmo modo passa para a ser constituição. Esta, por ser idêntica àquela, forma o imanente e ao mesmo tempo negado ser-por-outro, o limite do algo, o qual

(c) é a determinação imanente da própria coisa, e a coisa é assim o finito.

Na primeira divisão, onde a existência em geral foi considerada, esta tinha, como inicialmente assumido, a determinação de um ente. Os momentos de seu desenvolvimento, a qualidade e o algo são, portanto, de determinação igualmente afirmativa. A divisão atual, pelo contrário, desenvolve a determinação negativa que está presente na existência e foi lá desde o início apenas como negação em geral. Foi então a primeira negação mas agora foi determinado a ponto de o ser-em-si do algo, isto é, até o ponto da negação da negação.

a) Algo e um outro.

1. Algo e outro são ambos, em primeiro lugar, entes ou algo. Em segundo lugar, cada um é igualmente um outro. É indiferente qual dos dois é nomeado primeiro, e só por isso é chamado de algo (em latim, quando ocorrem em uma proposição, ambos são aliud, ou então “um, o outro”, alius alium; no caso de uma relação de oposição, a expressão análoga é alter alterum). Se chamamos dois seres um de A e outro de B, o B é o que é determinado primeiro como outro. Mas o A é tanto quanto o outro do B. Ambos são outros da mesma maneira. Para fixar a distinção e o algo que deve ser tomado no sentido afirmativo, serve o isto. Mas Isto também expressa o fato de que a distinção e o privilégio de um algo, é uma designação subjetiva que fica fora da própria coisa. Toda a determinação cai do lado desse apontar externo; além disso a expressão isto não contém distinções; cada coisa é também isto como qualquer outro. Por isto queremos dizer algo completamente determinado, ignorando o fato de que a linguagem, como um trabalho do intelecto, apenas expressa o universal, embora o nomeie como um objeto. Mas um nome individual é algo que carece de significado de que não expressa um universal e aparece como um puro ser posto, arbitrário pela mesma razão que nomes próprios também podem ser arbitrariamente escolhidos, dados arbitrariamente e arbitrariamente alterados. O ser outro, aparece assim como uma determinação alheia à existência, assim determinada, ou seja o outro aparece como fora de um ser determinado, em parte porque a existência de um é determinada como outra só sendo comparada por um terceiro, e em parte porque é tão determinado apenas por conta do outro que está fora dele, mas não é outro para si. Ao mesmo tempo, tal como foi observado, cada existência se determina igualmente para a representação, como uma outra existência, de modo que não há existência que permaneça determinada simplesmente como uma existência, e que não exista fora de uma existência e, portanto, não é em si um outro.

Ambos são determinados como algo e também como outro: assim eles são o mesmo e ainda não há diferença entre eles. Mas essa monotonia de determinações também cai somente dentro da reflexão externa, na comparação dos dois; mas o outro, se acha posto inicialmente, assim ele mesmo está por si, sem dúvida, em referência com algo, é outro também para si separado do algo.

Em terceiro lugar, o outro deve, portanto, ser tomado isoladamente, com relação a si, isto é, deve ser tomada abstratamente como o outro, o tert de Platão que opõe-se a ele como um momento de totalidade, e desta maneira atribui para o outro uma natureza própria. Assim, o outro, tomado apenas como tal, não é o outro de alguma coisa, mas é o outro dentro, isto é, o outro de alguma coisa de si. - Tal outro, que é o outro por sua própria determinação, é a natureza física; a natureza é o outro do espírito; esta, sua determinação, é a princípio uma mera relatividade que não expressa uma qualidade da própria natureza, mas apenas uma relação externa a ele. Mas desde que o espírito é o verdadeiro algo e, portanto, a natureza é o que é dentro apenas em contraste com o espírito, tomado por si mesmo a qualidade da natureza é justamente isso, ser o outro dentro, aquilo que existe fora de si mesmo (nas determinações de espaço, tempo, matéria).

O outro que é tal para si é o outro dentro dele, daí o outro de si e assim o outro do outro - portanto, o absolutamente desigual em si, aquilo que se nega, se transforma. Mas igualmente permanece idêntico consigo mesmo, pois aquele em que se altera é o outro, e este outro não tem determinação adicional; mas aquilo que se altera não é determinado em qualquer outra maneira que não seja a de ser outra; em passar para este outro, só une-se a si mesmo. É assim postulado como refletido em si mesmo com a superação da transformação, uma coisa auto idêntica da qual a transformação, que é ao mesmo tempo, um momento dele, é, portanto, distinto, não sendo ele próprio para isso como algo.

2. O algo se conserva em seu não-ser; é essencialmente um com este [não-ser], e essencialmente não uno com ele. Portanto, está em relação com seu ser outro, sem ser apenas esse ser outro. O ser outro está ao mesmo tempo contido nele e ainda separado dele; é um ser-para-outro.

A existência como tal é um indeterminado, carente de relações; ou seja está na determinação de ser. No entanto, como inclui em si o não-ser, é um ser determinado, sendo negado dentro de si mesmo, e então na primeira instância um outro - mas, como sendo negado, ele se preserva ao mesmo tempo, é apenas um ser-para-outro.

Conserva-se no seu não-ser e é um ser; não ser em geral, no entanto, mas sendo com referência a si mesmo em contraste com a sua referência a outro, como auto igualdade em contraste com sua desigualdade. Tal ser é ser-em-si.

Ser-para-outro e ser-em-si constituem os dois momentos do algo. São dois pares de determinações:

(1)Algo e outro; (2) ser-para-outro e ser-em-si. Os primeiros contêm a falta de relação de sua determinação; algo e outro caem um fora do outro. Mas sua verdade deles é a relação; o ser-para-outro e o ser-em-si são portanto, as mesmas determinações colocadas como momentos de um e do mesmo [ser], como determinações que são relações e que, em sua unidade, permanecem na unidade da existência. Cada um assim contém em si, no mesmo tempo, também o momento diferente dele. Ser e nada em sua unidade, que é a existência, não são mais ser e nada (estes são apenas fora de sua unidade); então na sua unidade inquieta, no devir, eles estão vindo a ser e cessando-a-ser. - Em o algo, ser é ser em si mesmo. Agora, como auto referência, auto igualdade, ser não é mais imediatamente, mas é auto referência apenas como o não-ser do ser outro (como a existência refletida em si mesma). - O mesmo vale para não sendo: como o momento de algo nesta unidade de ser e não ser: não é não-existência em geral, mas é o outro, e mais determinado - de acordo como sendo ao mesmo tempo distinto dele - é referência ao seu não ser, o ser-para-outro.

Portanto, ser em si é, em primeiro lugar, uma referência negativa à não-existência; tem a ser fora dela e se opõe a ela; na medida em que algo é em si, é retirado do ser-outro e ser-para-outro. Mas, em segundo lugar, ele não é o não-ser como puro nada, é um não-existir que aponta para seu ser refletido em si; pois é em si o não-ser do ser-para-outro.

Mas ser-para-outro é, primeiro, a negação da simples referência de ser para si mesmo que, em primeiro lugar, é suposto existência e algo; na medida em que algo está em outro ou por outro, falta um ser de próprio. Mas, segundo, não é a não-ser como puro nada; não é existência que aponta para o ser em si como sendo refletido em si mesmo, apenas como inversamente o ser-em-si aponta para o ser-para-outro.

3. Ambos os momentos são determinações de um e do mesmo [ser], ou seja, do algo. Algo é em si mesmo na medida em que retornou do ser-para-outro de volta para si mesmo. Mas algo também tem uma determinação ou circunstância, seja em si mesmo (aqui o acento está no em) ou nele; na medida em que esta circunstância está nele externamente, é um ser-para-outro.

Isso nos leva a uma determinação adicional. O ser-em-si e o ser-para-outro são diferentes no começo, mas esse algo também tem em si o que é em si e inversamente é em si também o que é como ser-para-outro - esta é a identidade do ser-em-si e do ser-para-outro, de acordo com a determinação que o algo é em si mesmo a mesma coisa em ambos os momentos, e estes estão nele, portanto, indivisíveis. - Essa identidade já ocorre formalmente na esfera da existência, mas mais explicitamente no tratamento de essência e, posteriormente, das relações de interioridade e externalidade, e na forma mais determinada no tratamento da ideia, como a unidade de conceito e atualidade. - A opinião diz que com o algo em si algo grandioso é sendo dito, como no interior; mas o que é algo só em si, também está apenas nele; em si é uma determinação meramente abstrata e, portanto, ela mesma externa.

As expressões: não há nada nele, ou há algo nele, implica, embora um pouco obscuramente, que o que está em uma coisa também pertence ao seu em si, para o seu valor interior e verdadeiro.

Pode ser observado que aqui temos o significado da coisa-em-si. É uma abstração muito simples, embora tenha sido por um tempo [considerada] muito importante determinação, algo proeminente, por assim dizer, assim como a proposição que não sabemos nada do que as coisas são em-si enquanto se abstrai de todo ser-outro, enquanto se pensa sem qualquer determinação como nada. - As coisas são chamadas "em si" na medida em que abstração é feito de todos os ser-para-outro, o que realmente significa, na medida em que são sem determinação, como nada. Nesse sentido, é claro, é impossível saber o que é a coisa em si. Para a pergunta "o que?" solicita que sejam elaboradas determinações; mas desde as coisas de que as determinações são, ao mesmo tempo, presumidas como coisas neles mesmos, o que significa precisamente sem determinação, a impossibilidade de uma resposta é impensadamente implantado na pergunta, ou então uma resposta sem sentido é dada. - A coisa em si é o mesmo que aquele absoluto do qual nada é conhecido, exceto que tudo é uno. O que há nessas coisas-em-si é, portanto, muito melhor conhecida; eles são como tal nada, mas abstrações vazias sem verdade. O que, no entanto, a coisa-em-si é a verdade, o que há basicamente nela, a lógica é a exposição.

Mas nesta lógica algo melhor é entendido pelo em si do que uma abstração, ou seja, o que algo está em seu conceito; mas esse conceito é em si concreto: como conceito, em princípio conceitualmente apreensível; e como determinado e como o todo conectado de suas determinações, inerentemente conhecido.

O ser-em-si tem a princípio o ser-para-outro como um momento de pé contra isso. Mas a positividade também vem a ser posicionada contra e, embora nesta expressão ser-para-outro também esteja incluída, a expressão ainda contém a determinação do encurvamento de volta, que já ocorreu, daquilo que não é em si mesmo naquilo em que é positivo, e este é o seu ser em si mesmo. Ser em si é normalmente tomado como um modo abstrato de expressar o conceito; postulando, estritamente falando, primeiro ocorre na esfera da essência, da reflexão objetiva; o chão postula aquilo que é fundamentado através dele; mais fortemente, a causa produz um efeito, uma existência cuja subsistência é imediatamente negada e que carrega o significado de que tem sua substância, seu ser, em outro. Na esfera do ser, a existência só emerge do devir. Ou novamente, com o algo que um outro é colocado; com o finito, um infinito; mas o finito não produz o infinito, não o coloca. Na esfera do ser, a autodeterminação do conceito é, a princípio, apenas em si mesma ou implícita, e por essa razão, é chamado de transitório ou de passagem. E o reflexo determinações do ser, como algo e outro, ou finito e infinito, embora eles essencialmente apontem um para o outro, ou seja como sendo para outro, também estão por conta própria qualitativamente; o outro existe; o finito, como o infinito, é igualmente considerado como um existente imediato que permanece firme sozinho; o significado de cada um parece completo, mesmo sem o outro.

O positivo e o negativo, pelo contrário, causa e efeito, porém muito eles são levados em isolamento, tem ao mesmo tempo nenhum significado cada sem o outro; seu reflexo brilhando um no outro, o brilho em cada um dos seu outro, está presente neles. - Nos diferentes ciclos de determinação e especialmente no progresso da exposição, ou, mais precisamente, no progresso do conceito na exposição de si mesmo, é de interesse capital sempre para distinguir claramente o que ainda é em si ou implicitamente e o que é postulados, como as determinações estão no conceito e como elas são ou como existente para outro. Esta é uma distinção que pertence apenas ao desenvolvimento dialético e um desconhecido para filosofar metafísico (ao qual o crítico também pertence); as definições de metafísica, como suas pressuposições, distinções e conclusões pretendem afirmar e produzir apenas o existente e que, também, como existente em si mesmo. Na unidade do algo consigo mesmo, o ser-para-outro é idêntico ao é em si mesmo; o ser-para-outro é assim no algo. O determinado- Assim, a reflexão refletida em si mesma é, portanto, novamente um simples novamente uma determinação de qualidade.

b. Determinação, constituição e limite

O em-si, no qual o algo é refletido em si mesmo a partir do seu ser-para-o-outro, já não é um resumo em si abstrato, como a negação de ser-para-outro, é mediado por este último, que é assim o seu momento. Não é apenas a identidade imediata do algo consigo mesmo, mas a identidade em virtude da qual o algo também apresentou nele o que é em si mesmo; o ser-para-outro está presente nele porque o em-si é a sua superação, é em si mesmo dele; mas, porque ainda é abstrato, portanto essencialmente afetado com negação, é similarmente afetado com um ser-para-outro. Temos aqui não só qualidade e realidade, há determinismo, mas determinação existente em-si; e o desenvolvimento consiste em posicioná-la como tal determinação, bem como imanentemente refletida dentro de si.

1. A qualidade que no simples algo é um em-si forma unidade com o momento do outro, seu ser-em-si, pode ser chamado de determinação (Bestimmung), desde que esta palavra seja distinguida, de forma mais precisa significação, da determinidade (Bestimmheit) em geral. A destinação é a determinação afirmativa enquanto ser-em-si, o qual permanece em sua existência, enquanto envolvido com um outro que iria determiná-lo, pelo qual preserva-se em sua auto igualdade, mantendo-se em seu ser-para-outro. O algo cumpre sua determinação na medida em que a determinidade, que, por sua vez, se acumula na medida de seu em si, no que se refere a um outro, torna-se o seu preenchimento. A destinação implica que o que é algo em-si também está presente nele.

A determinação do ser humano, sua vocação, é pensamento racional: pensar em geral é sua simples determinação; por ele o ser humano distingue-se do animal; ele está pensando em si mesmo, na medida em que este pensamento distingue-se também do seu ser-para-outro, do seu próprio ser natural e sensível que o coloca em associação imediata com o outro. Mas o pensamento também está nele; o ser humano é ele mesmo pensando, ele existe como pensamento, o pensamento é sua existência concreta e atualidade; e além disso, uma vez que o pensamento está em sua existência e sua existência está em seu pensamento, pensar é concreto, deve ser tomado como conteúdo e preenchimento; é o pensamento racional e como a destinação do ser humano. Mas mesmo esta destinação é novamente só em si, como dever, isto é, junto com o preenchimento incorporado em si mesmo, na forma de um em-si em geral contra a existência que não está incorporada, mas ainda está fora confrontando-a, sensibilidade imediata e natureza.

2. O preenchimento do ser-em-si [realizado] com determinismo também é diferente da determinação que é apenas ser-para-outro e permanece fora da destinação. Pois, na esfera do qualitativo, os termos são deixados, em seu ser superado, também com um imediato, qualitativamente um oposto ao outro. Aquilo que o algo tem nele separa-se assim e é deste lado a existência externa da coisa e também a sua existência, mas não como pertencente ao seu ser-em-si. - A determinação desta maneira é uma constituição.

Constituído desta ou daquela forma, o algo é apanhado em influências e nas relações externas. Esta conexão externa na qual a constituição depende, e o ser determinado através de um outro, aparecem como algo acidental Mas é a qualidade do algo para que seja entregue a essa externalidade e tenha uma constituição.

Na medida em que algo altera, a alteração cai do lado de sua constituição; esta é que no algo que se torna um outro. O algo se preserva na alteração; a qual afeta apenas esta superfície instável do seu ser-outro, não sua destinação.

Destinação e constituição são assim distintas uma da outra; o algo, de acordo com a sua destinação, é indiferente à sua constituição. Mas o que o algo tem nele é o termo médio deste silogismo conectando os dois [termos extremos], destinação e constituição. Ou melhor, o estar-em-algo se mostrou desmoronar nesses dois extremos. O termo médio simples é a determinação como tal; sua identidade pertence a determinação tão bem quanto à constituição. Mas a determinação passa por cima da constituição por conta própria e constituição em determinação. Isso está implícito no que foi dito. A conexão, ao considerar mais de perto é a seguinte: na medida em que aquilo que é em si mesmo também está nele, o algo é afetado com ser-para-outro; determinação é, portanto, aberto, como tal, à relação com o outro. Determinação é ao mesmo momento, mas contém ao mesmo tempo a distinção qualitativa de ser diferente de ser em si, de ser o negativo do indivíduo da coisa, outra existência. Esta determinação que, portanto, detém o outro em si, unido ao ser-em-si, introduz o ser-outro no segundo em determinação, e determinação é reduzida a constituição.- Por outro lado, o ser-para-outro, isolado como constituição e posicionado em sua próprio, é nele o mesmo que o outro é tal, o outro nele, isto é, o outro de si mesmo; Mas é consequentemente a existência auto-referente, sendo assim em si mesmo com uma determinação, portanto determinação. - consequentemente, na medida em que os dois também devem ser separados, constituição, que aparece ser fundamentado em algo externo, em outro geral, também depende na determinação, e a determinação do exterior é ao mesmo tempo determinado pela destinação imanente da própria coisa. E ali, a constituição pertence ao que é em si: algo diferente juntamente com a sua constituição. Essa alteração de algo não é mais a primeira alteração de algo meramente de acordo com seu ser-para-outro. A primeira foi uma alteração apenas implicitamente presente, um que pertencia ao conceito interno; agora a alteração também é colocada no algo. - O algo em si é ainda mais determinado, e a negação é postulada como imanente a ela, como seu ser-em-si. A transição de determinação e constituição para o outro está em primeiro a superação de sua distinção e existência ou algo em geral é assim postulado; Além disso, uma vez que este algo em geral resulta de uma distinção que também inclui a alteração qualitativa dentro dela, existem dois algumas coisas. Mas estes são, no que diz respeito uns aos outros, não apenas outros em geral, de modo que essa negação ainda seria abstrata e só ocorreria na comparação dos dois; antes, a negação agora é imanente a algumas coisas. Como existentes, eles são indiferentes uns aos outros, mas isso, a sua afirmação, não é mais imediato: cada um se refere através do intermediário da superação da alteração que na determinação é refletido na inserção. Algo se comporta dessa maneira em relação ao outro por si mesmo; já que a alteridade é colocada nela como seu próprio momento, a sua própria negação em si, e agora tem a sua existência afirmativa através da sua intermediária sozinha. Mas o outro também é qualitativamente distinto. Esta existência afirmativa é assim colocada fora do algo. A negação de seu outro é apenas a qualidade do algo, pois é nessa superação do outro é algo. O outro, por sua vez, verdadeiramente confronta uma existência apenas com essa superação; confronta o primeiro algo apenas externamente, ou, uma vez que os dois são de fato juntos, isto é, de acordo com o conceito deles, sua conectividade consiste nisso, essa existência passou para a alteração, alguma coisa para outra; que algo é tanto quanto o outro é o outro. Agora, na medida em que o em si é o não-ser da alteração contida nele, mas é ao mesmo tempo também distinto como existente, algo é em si mesmo negação, o cessar de ser de outro nele; postula-se como se comportando negativamente em relação ao outro e ao fazê-lo preservando-se. Este outro, o egoicidade do algo como negação da negação, é o ser-em-si, e esta superação é tão simples negação ao mesmo tempo nisto é, como sua negação do outro algo externo a ele. É um determinabilidade dos dois tipos de coisas que, por um lado, negação da negação, é idêntica à intransigência das subjetividades, e também, do outro lado, já que essas negações são uma para a outra, outras coisas, junta-se a eles por vontade própria e, uma vez que cada negação nega o outro, igualmente os separa. Esta determinação é limite.

3. O ser-para-outro é indeterminado, associação afirmativa de algo com o seu outro; no limite, enfatiza-se o não-ser-para-outro, a qualidade negativa do outro, o que é mantido fora do algo isso se reflete em si. Temos que ver o desenvolvimento desse conceito - um desenvolvimento que parecerá uma confusão e uma contradição. Contradição imediatamente se apresenta no seguinte em que o limite, enquanto negação refletida de algo, contem idealmente os momentos do algo e do outro, e estes, como momentos distintos, são postos ao mesmo tempo na esfera da existência como realmente, qualitativamente, distintos. a. O algo é, portanto, existência imediata, auto-referente e, a princípio, tem um limite em relação a outro; limite é o não-ser do outro, não da própria coisa; no limite, algo marca o termino é o não-ser de seu ser-outro - Mas o outro é algo em geral. O limite que algo tem que respeitar a outra é, portanto, também o limite do outro quanto ao alguma coisa; é o limite deste algo em virtude do qual o algo mantém a primeira coisa como sua outra longe de si mesma, ou é um não-ser de essa coisa. O limite é, portanto, não apenas o não-ser do outro, mas do algo apenas do outro e, consequentemente, do algo em geral. Mas o limite é similar, essencialmente, o não-ser do outro; assim, através do seu limite, algo ao mesmo tempo é. Na limitação, algo é claro que é reduzido a ser limitado; mas, como o cessar do outro nele, seu limite é ao mesmo tempo em si só o ser do algo; este é o que é em virtude disto, tem sua qualidade nele. - Essa relação é a aparência externa do fato de que o limite é simples negação ou a primeira negação, enquanto a outra é, ao mesmo tempo, a negação da negação, a própria essência do algo. O algo, como uma existência imediata, é portanto o limite com respeito para outro algo; mas tem esse limite e é algo que passa a mediação desse limite, que é tanto o seu não-ser. O limite é a mediação em virtude da qual algo e outro é e não é. b. Enquanto que agora, na medida em que algo em seu limite é tanto e não é, e estes momentos são uma distinção qualitativa imediata, a inexistência e a existência do algo cai fora do outro. Algo tem sua existência fora do seu limite (ou, como representação também o teria, dentro dela); da mesma forma, o outro também, já que é algo, está fora dele. O limite é o ponto médio entre os dois em que eles saem. Eles têm existência além de cada um, além de seu limite; este, como o não-ser de cada um, é o outro de ambos.

Está de acordo com essa diferença do algo do seu limite que a linha aparece como linha fora do seu limite, o ponto; o corpo como corpo fora da linha; O sólido é sólido apenas fora do seu plano de limitação. - Isso é o aspecto do limite que ocorre primeiro na representação figurativa (a auto- ser-externo do conceito) e também é mais comumente assumido no contexto de objetos espaciais.

c. Mas além disso, algo como está fora do limite, como o ilimitado algo, é apenas existência em geral. Como tal, não é distinguido do outro; é só existência e, portanto, ela e a outra têm a mesma determinação; cada um é apenas algo em geral ou cada um é outro; e então ambos são iguais. Mas isso, sua primeira existência imediata, é agora posicionado neles como limite: em ambos são o que são, distintos de cada outro Mas também é igual ao seu distintivo comum, a unidade e o distintivo de ambos, assim como a existência. Esta dupla identidade dos dois, existência e limite, contém isto: que algo tem existência apenas no limite, e que, uma vez que este e a existência imediata são cada um no mesmo tempo o negativo do outro, o algo, que é agora apenas o seu limite, separa-se igualmente de si mesmo, aponta para além de si não-ser e declara ser o seu ser, e passa para ele. Para aplicar isso ao exemplo anterior, a única determinação é a seguinte: algo é o que é apenas no seu limite. Portanto, o ponto é o limite de linha, não por causa do último, apenas deixa no ponto e tem existência fora disso; a linha é o limite do plano, não porque o plano simplesmente cessa; e o mesmo vale para o avião como limite de sólido. Em vez disso, no ponto, a linha também começa; O ponto é seu começo absoluto, e se a linha é representada como ilimitada em ambos os lados, ou, como é dito, estendida ao infinito, o elemento de ponto é seu elemento, assim como a linha é o elemento do plano, e o plano que do sólido. Esses limites são o princípio daquilo que eles delimitam; assim como um, por exemplo, é o centésimo limite, mas também o elemento, de toda a centena.

A outra determinação é a inquietação do algo em seu limite em que é imanente, a contradição que o impele para além de si mesmo. Assim o ponto é essa dialética de se tornar linha; a linha, a dialética do tornando-se plano; o plano, de se tornar espaço total. Uma segunda definição é dado de linha, corpo e espaço inteiro que tem a linha vem a ser através do movimento do ponto; o corpo através do movimento da linha e assim por diante. Esse movimento do ponto, da linha e assim por diante, é no entanto visto como algo acidental, ou como movimento apenas em figurativo representação De fato, no entanto, essa visão é retomada supondo que as determinações de que a linha, e assim por diante, originam são suas elementos e princípios, e estes são, ao mesmo tempo, nada mais que seus limites; o chegar a ser não é considerado acidental ou apenas como representado que o ponto, a linha, o plano, são por si mesmo contraditórios começos que por si próprios se repelem de si mesmos, e consequentemente, que o ponto passa de si para a linha através de seu conceito, se move e faz a linha vir a ser, e assim por diante - tudo isso está no conceito do limite que é imanente no algo.

O aplicativo em si, no entanto, pertence ao tratamento do espaço; como um indicação disso aqui, podemos dizer que o ponto é o limite totalmente abstrato, mas em uma existência determinada; esta existência ainda é tomada em abstração total, é o chamado absoluto, isto é, o espaço abstrato, o absolutamente contínuo estar-fora-um-outro Na medida em que o limite não é negação abstrata, mas é antes nesta existência, na medida em que é a determinação espacial, a ponto é espacial, é a contradição da negação e continuidade abstratas e é, por essa razão, a transição como ocorre e aconteceu na linha e assim por diante. E assim não há nenhum ponto, assim como não há linha ou corpo o algo, posicionado com seu limite imanente como a contradição do em si, em virtude da qual é dirigida e expulsa e além dela mesma, é o finito.

c. Finitude

A existência é determinada; o algo tem uma qualidade, e nesta é não apenas determinada, mas delimitada; sua qualidade é seu limite e, ao ser afetado por este, permanece em primeiro lugar como uma existência afirmativa, tranquila. Mas, esta negação desenvolvida – de modo que a oposição de sua existência e da negação como o limite imanente a ela seja por si o ser-dentro-de-si do algo, e que portanto este seja somente um devir em si – constitui a finitude do algo.

Quando dizemos que são finitos, entendemos por isso que as coisas têm uma determinação, que a sua qualidade não é apenas realidade e determinação existente, que elas não são simplesmente limitados e, como tal, ainda têm existência fora do seu limite, mas sim que o não-ser constitui sua natureza, seu ser. Coisas finitas são, mas em sua referência a elas se referem a si negativamente - nesta mesma auto referência elas se impulsionam além de si mesmos, além de seu ser. Elas são, o finito não apenas altera, como o faz em geral, mas perece, e seu término não é apenas uma simples possibilidade, como se fosse sem perecer. Pelo contrário, o ser como tal de coisas finitas é ter o germe deste transgressão em sua própria natureza: a hora de seu nascimento é a hora de sua morte.

a. A imediação da finitude

O pensamento da finitude das coisas traz esta nota triste com isso porque a finitude é uma negação qualitativa conduzida ao extremo, e na simplicidade de tal determinação não há mais deixado para as coisas um afirmativa sendo distinta de sua determinação como destinada a perecer. A finitude, devido a essa simplicidade qualitativa de negação que é retornada à oposição abstrata do nada e perecendo contra o ser, é a mais obstinado das categorias do intelecto. A negação em geral, a constituição, limite, são compatíveis com os outros, com a existência; mesmo o abstrato nada, por si só, é abandonado como uma abstração; mas a finitude é a negação fixada em si mesma e, como tal, está em forte contraste com afirmativa. O finito, assim, de fato, está submetido ao fluxo; isso é precisamente o que é, que deve chegar ao fim, e esse fim é o único determinação Sua recusa é, antes, deixar-se levar afirmativamente ao seu afirmativo, o infinito, para ser associado a ele; é, portanto, inseparável posicionado com o seu nada, e depois cortar de qualquer reconciliação com seu outro, o afirmativo. A determinação de coisas finitas não vai passado o seu fim. O intelecto persiste nessa tristeza de finitude, por tornar o não-ser a determinação das coisas e, ao mesmo tempo, esse não-ser imperecível e absoluto. Sua transitoriedade só perece em seu outro, no afirmativo; sua finitude seria então separado deles; mas essa finitude é sua qualidade inalterável, isto é, sua qualidade que não passa para o outro, isto é, não para a afirmativa; e assim a finitude é eterna.

Esta é uma consideração muito importante. Mas o que o finito seja absoluto é certamente não é um ponto de vista que qualquer filosofia ou perspectiva, ou o intelecto, gostaria de endossar. O oposto está expressamente presente na afirmação da finitude: o finito é o restrito, o perecível, o finito é apenas o finito, não o imperecível; tudo isso é imediatamente parte e parcela de sua determinação e expressão. Mas tudo depende se na visão da finitude, ela é insistida e a transitoriedade persiste, ou perece a transitoriedade e o perecimento. O fato é que esta perecer do perecer não aconteça precisamente na visão isso tornaria o perecimento o fim final do finito. A reivindicação oficial é que o finito é incompatível com o infinito e não pode ser unido com isso; que o finito é absolutamente oposto ao infinito. Sendo absoluto ser, é atribuído ao infinito. O finito permanece preso rapidamente contra ele como seu negativo; incapaz de união com o infinito, permanece absoluto seu próprio lado; da afirmativa, do infinito, receberia afirmação e assim pereceria; mas uma união com o infinito é precisamente o que é declarado impossível Se o finito não persistisse o infinito, mas pereceria, como acabamos de dizer, seria então o último dele - não é afirmativa, o que seria apenas um perecimento do perecendo No entanto, se não é para perecer no afirmativo, mas o seu fim é um pouco para ser entendido como um nada, então estamos de volta àquele primeiro, abstrato nada que já tenha passado há muito tempo.

Com este nada, no entanto, que é suposto ser apenas nada mas para o qual uma existência reflexiva é, no entanto, concedida em pensamento, em representação ou no discurso, a mesma contradição ocorre como temos apenas indicado em conexão com o finito, exceto que no nada Acontece apenas, mas no final é expresso. No primeiro caso, a contradição aparece como subjetiva; no outro, o finito é dito estar em perpétua oposição ao infinito, em si , para ser nulo e para ser tão nulo em si. Isso agora deve ser levado à consciência. O desenvolvimento do finito mostrará que, expressamente como essa contradição, ela colapsa internamente, mas que, nesse colapso, ele realmente resolve a contradição; isso mostrará que o finito não é apenas perecível, e que perece, mas que o perecer, o nada, não é o último; que o perecer em vez disso perece.

b. O limite e o dever ser

Essa contradição é, de fato, apresentada de maneira abstrata pelo próprio fato de que algo é finito, ou que o finito é. Mas algo ou ser não é mais posicionado abstratamente, mas refletido sobre si mesmo, e desenvolvido como sendo em si mesmo, que tem determinação e constituição nele, ou, mais determinadamente ainda, de tal forma que tenha um limite dentro dele; e este limite, como constituindo o que é imanente ao algo e a qualidade do seu ser em si mesmo, é finitude. É para ser visto que momentos estão contidos neste conceito do algo finito determinação e constituição surgiram como lados da reflexão externa, mas a determinação já continha a alteração como pertencente ao em si de alguma coisa. Por um lado, a externalidade da alteração está dentro da própria essência do algo; do outro lado, permanece como alteração distingue-se dele. Ainda é a externalidade como tal, mas no algo.

Mas além disso, uma vez que a alteração é determinada como limite, ela mesma como negação da negação, a alteração imanente ao algo é colocada como a conexão dos dois lados, e a unidade do algo consigo mesmo (para que tanto a determinação quanto a constituição pertençam) é sua referência de volta para si mesma, a referência à sua determinação implicitamente existente isso nega seu limite imanente. Os meios auto idênticos em si mesmo para si mesmo quanto ao seu próprio não-ser, mas como negação da negação, como negando aquilo que ao mesmo tempo retém a existência, pois é a qualidade de sua própria essência. O limite da própria pessoa, assim posto por ela como um negativo que é ao mesmo tempo essencial, não é apenas limitado como tal, mas restrição. Mas a restrição não está sozinha em ser postulada como negativa; o negação corta duas maneiras, para o que é postulado como negado é o limite, e limite é, em geral, o que é comum a algo e outro, e é também a determinação do em si da determinação como tal. Isso em si, consequentemente, como referência negativa ao seu limite (que também é a partir dele), como referência negativa a si mesmo como restrição, é o dever ser.

Para que o limite que está em cada coisa seja uma restrição, o algo deve, ao mesmo tempo, transcendê-lo em si - deve referir-se a ele de dentro como para um inexistente. A existência de algo está em silêncio indiferente, como era, ao lado de seu limite. Mas o algo transcende o seu limite apenas na medida em que é a superação em si contra isso. E na medida em que o limite é como restrição na determinação em si, algo que se transcende. Portanto, deve conter a dupla determinação: como uma determinação que tem uma intimidação contra a negação; e outra vez, como não-ser que, como restrição, se distingue da determinação mas é, ao mesmo tempo, uma determinação existente em si mesma. O finito se determinou como determinação de conexão e limite; neste contexto, a determinação é o dever ser e o limite é o restrição. Assim, os dois são momentos do finito e, portanto, ambos são finitos, tanto quanto a restrição. Mas apenas a restrição é posta como o finito; o dever ser é restrito apenas em si e, portanto, apenas para nós É restringido em virtude de sua referência ao limite já imanente dentro dela, embora esta restrição esteja envolta em si mesma, por de acordo com seu ser determinado, isto é, de acordo com sua determinação em contraste com a restrição, é posto como ser-em-si.

O que deveria ser é, e ao mesmo tempo não é. Se fosse, seria não é o que simplesmente deveria ser. O deveria ser tem, portanto, uma restrição basicamente. Essa restrição não é nada estranha; aquilo que só deveria é a determinação agora colocada como é de fato, ou seja, ao mesmo tempo apenas uma determinação.

O ser-em-si do algo é assim rebaixado em sua determinação para o dever ser porque a própria coisa que constitui a coisa da monotonia é, num mesmo aspecto, como não-ser; ou novamente, porque no em-si, na negação da negação, o dito ser em si é como uma negação (o que nega) à unidade com o outro, e este outro, como qualitativamente outro, é o limite em virtude do qual essa unidade é como referência para ele.

A restrição do finito não é algo externo, mas o do finito a própria determinação é também a sua restrição; e esta restrição é tanto si mesmo e o deveria; é o que é comum a ambos, ou melhor, que em quais os dois são idênticos. Mas além disso, como "deveria", o finito transcende sua restrição; o mesmo determinação que é a sua negação também é superada, e é assim em si; seu limite também não é seu limite.

Como algo deve ser elevado acima de sua restrição, mas inversamente tem sua restrição apenas como deveria. Os dois são indivisíveis. Algo tem uma restrição, na medida em que tem negação na sua determinação, e determinação é também a superação da restrição.

Observação

O dever ser desempenhou ultimamente ao papel principal na filosofia, especialmente em relação com a moralidade, e na metafísica em geral, como o fim e conceito absoluto da identidade do em-si ou da relação para si, e da determinação ou o limite. "Tu podes porque tu deves." Esta expressão, que deveria dizer mais, está implícita no conceito do dever ser. Pois o dever ser está além do limite, o término se acha superado nele, o ser-em-si do dever ser é assim relação de identidade consigo , e portanto a abstração do poder. - Mas, vice-versa, "tu não podes, precisamente porque tu deves" é igualmente correto. Pois no dever ser está do mesmo modo o limite àquele formalismo da possibilidade tem este [limite]; uma realidade, um ser-outro qualitativo, que se opõe a ela, e a relação mútua dos dois é uma contradição, e, portanto, o "não pode" ou melhor, uma impossibilidade.

No dever ser começa a superação relativa a transcendência da finitude, isto é, a infinitude. O dever ser é o que em um desenvolvimento posterior, se apresenta segundo aquela impossibilidade, se exibirá aquela impossibilidade como um processo para o infinito.

Quanto à forma de restrição e do dever ser, dois preconceitos merecem crítica mais detalhada. Primeiro, muito comumente insiste-se muito nas restrições de pensamento, da razão, etc., e a alegação é feita de que é impossível transcender tais restrições. O que falta nesta afirmação é que o algo já é transcendido pelo próprio fato de ser determinado como um restrição. Pois uma determinação, um limite é determinado apenas como restrição em oposição ao seu outro em geral, isto é, em oposição ao que está sem sua restrição; o outro de uma restrição é precisamente o além deste. A pedra, o metal, não transcende sua restrição, pois este não é uma restrição para eles. No entanto, se com respeito a tais proposições universais que são típicas da forma como pensa o intelecto, ou seja é impossível transcender a restrição, se o pensamento não se aplicará para ver o que está implícito no conceito, ele pode então, referir-se à realidade, onde as proposições provam ser completamente irrealistas. Só porque o pensamento deveria ser algo maior do que a realidade, só porque deve habitar em regiões mais altas remotas que a realidade e, portanto, ser ele mesmo determinado como um dever ser, ele falha, por um lado, para avançar para o conceito, e por outro lado, consegue ser igualmente Não é verdade tanto em sua relação com a realidade quanto com o conceito. - Porque uma pedra não pensa, nem sente, a sua determinidade não é uma restrição para isto, quer dizer, não é uma negação para a sensação, a representação, o pensamento e assim por diante, o que não tem. Mas a pedra também é tão algo distinto em sua determinação ou em sua própria existência, e, nessa medida, transcende também sua restrição; o conceito que a pedra é em si mesma contém a identidade com a outra. Se é uma base receptiva aos ácidos, é oxidável, neutralizável e assim por diante. No processo de oxidação, neutralização e assim por diante, sua restrição a ser apenas uma base superada; a base transcende isso; similarmente, o ácido transcende sua restrição para ser um ácido, e no ácido, assim como na base cáustica, o imperativo transcender sua restrição, é tão forte que é somente com violência que eles podem ser mantidos como base ácida e cáustica (como sem água, isto é, puramente não-neutro).

Porém se, no entanto, uma existência concreta contém o conceito não apenas como a própria essência abstrata, mas como uma totalidade existente por si mesma, como instinto, vida, sensação, representação, e assim por diante, em si, então, por si só, isso cumpre essa condição de estar mais além do limite e superá-lo. A planta supera a restrição de ser uma semente, similarmente, de ser flor, fruta, folha; a semente se torna a planta desenvolvida, a flor murcha e assim por diante. Nas garras da fome, sede, etc., é o impulso (instinto) para transcender essa restrição, e realiza a superação. Sente fome e dor é o privilégio de natureza sensível. A dor é uma negação no eu do consciente, e essa negação é determinada como uma restrição no sentimento do sensível somente porque o o ser sensível tem o sentimento de si mesmo, e que a totalidade que transcende a determinação da negação. Se o ser sensível não o transcendesse, não se sentiria como sua negação e não sentiria dor. - Mas razão, pensamento, etc., não é suposto ser capaz de transcender essa restrição: razão, que é o universal, que é para si o além da particularidade como tal, isto é, de toda particularidade, somente é a transcendência da restrição. - Certamente, nem todas as transcendências, e o estar mais além das restrições é uma verdadeira libertação, uma afirmação verdadeira; mesmo o "dever" em si é esse tipo de transcendência imperfeita e, portanto, abstração em geral. Mas a menção de um universal totalmente abstrato é suficiente para contrariar declaração igualmente abstrata de que a restrição não pode ser transcendida, ou, novamente, a menção do infinito em geral é suficiente para contrariar o pronunciamento de que o finito não pode ser transcendido.

Podemos recordar, neste contexto, a noção aparentemente engenhosa de Leibniz: que se um ímã tivesse uma consciência, seria considerado que apontava para o norte como uma determinação da sua vontade, uma lei da sua liberdade. Pelo contrário, se o ímã tivesse consciência, e junto com isso, uma vontade e liberdade, seria um ser pensante: e então o espaço existiria para ele como [espaço] universal que contém todas as direções, e sua direção para o norte, portanto, uma restrição em vez da sua liberdade - assim como ficar preso a um lugar é uma restrição para um ser humano, mas não para uma planta.

O deve ser, por sua vez, é a transcendência da restrição, mas uma transcendência que é em si só finito. Tem, portanto, o seu lugar e legitimidade no campo da finitude, onde se mantém fixado contra o que é restrito, declarando que é a norma e o essencial em relação ao que é nulo. O dever moral é um dever ser dirigido contra a vontade particular, contra o desejo egoísta e interesse arbitrário; é o que deve ser feito antes de uma vontade capaz de se chocar com a verdade por causa de sua instabilidade. Aqueles que seguram o deve ser tão elevado quanto a acreditar que, ao não reconhecê-lo como a verdade última, a própria moralidade seria destruída; os corretores da razão cuja compreensão tem satisfação incessante em ser capaz de confrontar tudo o que existe com um deve e, consequentemente, um pretenso conhecimento superior - que, portanto, são mais resistentes a serem roubados do dever - estes não veem que, no que diz respeito à finitude de sua esfera, o deveria receber reconhecimento total. - Mas na ordem atual das coisas, razão e lei não estão em um estado tão triste de coisas que eles só deveriam ser (somente a abstração do em-si permanece nisso); igualmente, o dever não se perpetua nem, o que é o mesmo, é a finitude absoluta. O filosofia de Kant e Fichte mantém o dever como a resolução das contradições da razão - embora seja apenas um ponto de vista que permanece fixo na finitude e, portanto, em contradição.

c. Passagem do finito no infinito

O dever ser por si contem a restrição explicitamente, por si só, e a restrição contém o dever ser. Sua relação mútua é o próprio finito, que os contém a ambos em seu ser-dentro-de-si. Esses momentos de sua determinação são qualitativamente opostos; a restrição está determinada como o negativo do deve ser, e o dever ser igualmente como o negativo da restrição. O finito é assim em si a contradição de si mesmo; supera-se, perece e deixa de ser. Mas, seu resultado, o negativo como tal, é (a) sua própria determinação; porque é o negativo do negativo. Então, o finito em seu perecer e deixando de ser, não cessou; só se tornou momentaneamente outro finito que igualmente é, no entanto, ir atravessar para passar para outro finito, e assim por diante para o infinito. Mas, (b) se considerarmos esse resultado mais de perto, sua partida e cessação de ser, nesta negação de si mesma, o finito tem alcançou seu ser-em-si; nele, ele se coincidiu novamente consigo. Cada um dos seus momentos contém precisamente este resultado; o dever ser que supera a restrição, isto é, a si mesmo; mas o seu além, ou o seu outro, é apenas a própria restrição. A restrição, por sua vez, aponta imediatamente para além de si mesma para a outra, e este é o dever ser; mas este deve ser a mesma separação do ser-em-si e do existir como restrição; é a mesma coisa [que ele]; indo além de si mesmo, igualmente coincide consigo. Esta identidade consigo mesma, a negação da negação, é ser afirmativo, é que o outro do finito, enquanto é o que deveria ter a primeira negação por sua determinação; este outro é o infinito.

C. A INFINITUDE

O infinito em seu conceito simples pode ser considerado, em primeiro lugar, como uma nova definição do absoluto; enquanto relação indeterminada, é posta como Ser e devir. As formas do ser determinado faltam o nome das determinações que podem ser consideradas como definições do absoluto, pois as formas desta esfera são imediatamente postas por si apenas como determinantes, como finitas em geral. Mas o infinito é aceito incondicionalmente como absoluto, uma vez que é explicitamente determinado como a negação do finito; a restrição - para que ser e devir de alguma forma, são suscetíveis, mesmo se eles não tenham ou nem se exibam - está lá ambos explicitamente referidos e negados nele.

Mas, de fato, apenas por essa negação, o infinito já não está livre de restrição e finitude. É essencial distinguir o conceito verdadeiro do infinito com relação a má infinitude, isto é, o infinito da razão do infinito do intelecto. Este último é, de fato, o infinito convertido em limitado, e, será necessário mostrar que, em querer manter o infinito puro e distante do finito, o infinito é por esse mesmo fato apenas finito.

O infinito é:

(a) na determinação simples, é a afirmativa como negação do finito;

(b) mas existe na determinação recíproca com o finito, e é abstrato, unilateral infinito;

(c) é o auto superar-se deste infinito e do finito em um processo único, isto é o verdadeiro infinito.

a. O infinito em geral

O infinito é a negação da negação, o afirmativo, o ser, que se voltou a estabelecer novamente a partir da restrição. O infinito existe, e existe em um sentido de uma forma mais intensa do que o primeiro ser imediato; é o verdadeiro ser; a elevação acima da restrição. À menção do infinito, alma e espírito se iluminam, pois no infinito o espírito está em casa, e não apenas abstratamente; em vez disso, se eleva a si mesmo, à luz de seu pensamento, sua universalidade, sua liberdade.

Em primeiro lugar mostrou-se, para o conceito do infinito, que o existir determina-se em seu ser-em-si como finito e, supera a restrição. O superar-se a si, negar sua própria negação e tornar-se infinito constitui a natureza do finito. Consequentemente, o infinito não está como algo já concluído por si, acima do finito, de modo que tenha e mantenha seu permanecer fora ou abaixo dele. Nem somos nós apenas, como razão subjetiva, que superamos o infinito até o infinito - como se, ao dizer que o infinito é um conceito de razão e que através da razão nos elevamos acima das coisas temporárias, fizemos isso sem prejuízo do finito, sem essa elevação (que permanece externo ao finito) afetando-o. Na medida em que o finito em si esta sendo elevado ao infinito, não é de todo uma força estranha que faz isso por ela; é, antes, sua natureza referir-se a si mesma como restrição (tanto como tal e como deveria) e superar esta restrição, ou melhor, neste referir-se a si, para ter negado a restrição e foi acima e além dela. Não é na superação do finito em geral que o infinito em geral vem a ser, mas o finito é apenas isso, que através de sua natureza vem a ser o infinito. A infinitude é sua determinação afirmativa, sua vocação, o que realmente é em si.

O finito assim desapareceu no infinito e o que existe, é apenas o infinito.

b. Determinação recíproca do finito e infinito.

O infinito existe; nesta imediação é ao mesmo tempo a negação de um outro, o finito. E assim, como existente e ao mesmo tempo como o não-ser de um outro, ele recaiu na categoria do algo, como determinado em geral. Mais precisamente: o infinito é a existência refletida para si mesma que resulta da superação mediadora da determinação em geral e consequentemente se acha posto como existência diferente da sua determinação; portanto, caiu de volta na categoria de algo com um limite De acordo com essa determinação, o finito permanece em oposição ao infinito como existência real; eles permanecem fora um do outro, permanecendo em relação mútua qualitativa. O ser imediato do infinito desperta o ser da sua negação, do finito novamente, que parecia a princípio ter desaparecido no infinito.

Mas o infinito e o finito não estão apenas nessas categorias da relação. Os dois lados têm outra determinação além de ser como os outros face ao outro. Isto é, a finitude é precisamente a restrição colocada como limite; é a existência posta com a determinação de que ele passa para o que é o seu ser-em-si e se torna infinita. A infinitude é o nada do finito, o seu ser-em-si e seu dever ser, mas ao mesmo tempo como refletido em si, como o dever ser, levado ao fim, como um ser que se refere somente a si, um complemento afirmativo. Na infinitude temos a satisfação de que toda determinação, ou alteração, toda restrição e com ela também o dever ser desaparecem, são superados, e é posto o nada do finito. Como essa negação do finito o ser-em-si está determinado que, como negação da negação, é em si afirmativa. No entanto, esta afirmação enquanto relação qualitativamente imediata para si, é ser; e por causa disso, a afirmação é levada de volta à categoria de ser que o finito opondo-se com um outro frente a si; sua natureza negativa é posta como negação existente e, portanto, como primeira e imediata. O infinito está neste caminho afetado pela oposição ao finito, que como um outro, permanece ao mesmo tempo a existência real e determinada, embora em seu ser-em-si, isto é, no infinito, é ao mesmo tempo posto como superado. Este é o não-finito – um estar na determinação da negação. Contra o finito, como o âmbito das determinações existentes, das realidades, o infinito é o vazio indeterminado, o mais além do finito, que não tem seu ser-em-si em uma existência (que é algo determinado).

Assim posicionado em relação ao finito, os dois em uma relação qualitativa de outros, o infinito deve ser chamado de mau infinito, o infinito do intelecto, para o qual ele vale como o mais alto e absoluta verdade. Para levar o intelecto até a consciência de que, enquanto acredita que alcançou satisfação na reconciliação da verdade, enquanto se acha em contradição não conciliada, contradições absolutas não resolvidas. E são essas contradições, em que caiu em todos os lados sempre que embarca na aplicação e explicação dessas categorias que pertence a ele, que deve torná-lo consciente do fato.

Esta contradição está presente no próprio fato de que o infinito permanece diante do finito, com o resultado de que existem duas determinações. Existem dois mundos, um infinito e um finito, e em sua relação o infinito é apenas o limite do finito e, portanto, apenas um determinado infinito finito.

Essa contradição desenvolve seu conteúdo em formas mais explícitas. - O finito é a existência real, que permanece como tal mesmo quando se foi em seu não-ser, isto é, no infinito. Como vimos, esse infinito tem para a sua determinação, oposta o finito, apenas a primeira, imediata negação, assim como o finito, como negado, tem oposto a esta negação apenas o significado de um outro e é, portanto, ainda algo. Quando, portanto, o intelecto, elevando-se acima deste mundo finito, sobe para o que é o mais alto para ele, para o infinito, o mundo finito permanece para ele como algo deste lado aqui, e, assim, posto apenas acima do finito, o infinito é separado do finito e, pelo mesmo motivo, o finito do infinito: cada um é colocado em um local diferente, o finito como existe aqui, e o infinito, embora o ser-em-si do finito, lá como um além, a uma distância nebulosa e inacessível do lado de fora que permanece, duradoura, o finito.

Como eles estão separados, são relacionados de um mesmo modo essencial, um com o outro, pela própria negação que os divide. Esta relação de negação neles - essas coisas refletidas em si mesmas - é o comum limite de cada um contra o outro; e isso também, de tal maneira que cada um não tem apenas este limite em relação ao outro, mas a negação é antes a essência de cada um; cada um assim tem por si, em sua separação do outro, o limite nele. Mas o limite é a primeira negação; ambos são assim limitados, finitos, em si mesmos. No entanto, como cada afirmativa se refere a si mesmo em si, cada um é também a negação de seu limite; cada um assim repele imediatamente a negação de si mesma é o seu não-ser e, qualitativamente separada dela, põe como um outro ser fora dele: o finito posiciona seu não-ser como este infinito, e infinito da mesma forma o finito. É prontamente admitido que o finito passa para o infinito necessariamente (isto é, através do seu ser-em-si) e lá é elevado para o que é ser-em-si, pois enquanto o finito está determinado sem dúvida como existência que permanece, está ao mesmo tempo também um nulo em si e, portanto, destinado à autodissolução; enquanto o infinito, embora sobrecarregado com negação e limite, é igualmente também determinado o existente em si, de modo que essa abstração de afirmação refere-se é o que constitui sua determinação e, portanto, a existência finita não está presente nisso. Mas tem sido demonstrado que o próprio infinito atinge o ser afirmativo somente pela mediação da negação, como negação da negação, e que quando sua afirmação assim alcançada é tomada apenas como simples, qualitativa, negação contida nele é rebaixada à simples negação imediata e, portanto, a determinação e limite. E estes, então, são excluídos do infinito como o contradizendo; eles são postos como não pertencendo a ele, mas sim em oposição ao seu em si, como o finito. Como cada um está nele e através de sua determinação a posição de seu outro, os dois são inseparáveis. Mas essa unidade está escondida em sua ser-outro qualitativo; é a sua unidade interior, uma que reside apenas na sua base.

A maneira da aparência dessa unidade foi assim definida. A unidade é colocada em existência como uma reviravolta ou passagem do finito no infinito e vice-versa; de modo que o infinito só emerge no finito e o finito no infinito, um no outro; isso é para dizer, cada um surge no outro independentemente e imediatamente, e sua relação é apenas externa.

O processo de sua transição tem a seguinte forma detalhada. Nós temos o finito passando para o infinito. Esta ultrapassagem aparece como um fazer externo. Nesse vazio além do finito, o que surge? O que é Há positivo nisso? Por causa da inseparabilidade do infinito e o finito (ou porque esse infinito, que se destaca, é restrito), o limite surge. O infinito desapareceu e o outro, o finito, entrou em cena. Mas esta entrada do finito aparece como um evento externo para o infinito, e o novo limite como algo que não surge do infinito em si, mas também é encontrado dado. E com isso estamos de volta na determinação anterior, que foi superada em vão. Este novo limite, no entanto, é em si apenas algo a ser superado ou transcendido. E então surge de novo o vazio, o nada, no qual encontramos novamente a dita determinação - e assim por diante ao infinito.

Temos diante de nós a determinação alternada do finito e do infinito; o finito é finito apenas com referência ao dever ser ou ao infinito , e o infinito é apenas infinito com referência ao finito. Os dois são inseparáveis e ao mesmo tempo absolutamente outro em relação a cada um; cada um tem o outro de si mesmo; cada um é, portanto, a unidade de si mesmo e seu outro, e, na sua determinação - não ser o que em si e o que é outro é - é existência.

Esta determinação recíproca de autonegação e negação do negar é o que passa como o progresso para o infinito, que é aceito em tantas formas e aplicações como um ultimo insuperável em que pensamento, tendo chegado a este "e assim por diante ao infinito", tem geralmente alcançado seu fim. - Este progresso irrompe onde quer que as determinações relativas sejam pressionado ao ponto de oposição, de modo que, embora em unidade inseparável, cada um é, no entanto, atribuída uma existência independente contra este progresso é, portanto, a contradição que não é resolvida, mas é sempre pronunciado simplesmente como presente.

O que temos diante de nós é uma transcendência abstrata que permanece incompleta porque a transcendência em si não foi superada. Antes nós temos o infinito; claro, esse infinito é transcendido, por outro limite é colocado, mas apenas por causa disso, apenas um retorno é feito de volta para o finito. Este mau infinito é em si o mesmo que o perpétuo; é de fato a negação do finito, mas na verdade é incapaz de libertar a partir dele; o finito constantemente ressurge nele como seu outro, já que infinito só é com referência ao finito, que é o outro. O progresso para o infinito é, portanto, apenas monotonia repetitiva, a única e a mesma alternação tediosa deste finito e infinito.

A infinidade do progresso infinito permanece sobrecarregada pelo finito como assim, é assim restrito e é em si finito. De fato, no entanto, é assim posto como a unidade do finito e do infinito. Só que essa unidade não é refletido em cima. No entanto, só ele desperta o finito no infinito, e o infinito no finito; é, por assim dizer, o impulso que conduz o progresso infinito. Este é o exterior dessa unidade em que a representação permanece fixada - naquela repetição perene de uma e a mesma alternação; na agitação vazia de uma progressão através do limite para o infinito que, em este infinito, encontra um novo limite, mas é tão incapaz de parar como é no infinito. Este infinito tem a determinação rígida de um além que não pode ser alcançado, pela simples razão de que ele não deveria ser alcançado, uma vez que a determinação do além, de uma negação existente, não foi deixada ir.

Nesta determinação, o infinito tem o finito como um lado oposto a ele - um finito que é igualmente incapaz de se elevar até o infinito só porque tem essa determinação de um outro, isto é, de uma existência que se regenera eternamente naquele além precisamente por ser diferente dele.

c. Infinito Afirmativo

Nesta determinação recíproca do finito e o infinito alternada para trás e para frente como acabamos de indicar, a verdade desses dois já é implicitamente presente em si, e tudo o que é necessário é pegar o que está lá. Isso de volta e adiante o movimento constitui a realização externa do conceito no qual o conteúdo deste último é posto, mas externamente, como os dois; tudo o que é necessário é a comparação desses dois momentos diferentes em que é dada a unidade que o próprio conceito dá. “Unidade do finito e infinito ”- como muitas vezes já foi notado, mas deve especialmente deve ser mantido em mente neste momento - é a expressão desigual para a unidade como é na verdade; mas também a remoção dessa determinação desigual deve ser encontrado na exteriorização do conceito que está à nossa frente.

Tomado em sua primeira determinação, apenas imediata, o infinito é a superação do finito; de acordo com sua determinação, é a negação do finito; este, por sua vez, é apenas aquilo que deve ser transcendido, a negação em si mesma, e isso é o infinito. Em cada um, portanto, há determinação do outro, enquanto que, do ponto de vista da progressão infinita, os dois devem ser mutuamente excluídos e teriam de seguir um ao outro apenas alternadamente; nem pode ser posto e agarrado sem o outro, o infinito sem o finito, o finito sem o infinito. Ao dizer o que é o infinito, ou seja, a negação do finito, o próprio finito é dito também; não pode ser evitado na determinação do infinito. Basta saber o que está sendo dito para encontrar a determinação do finito no infinito. Em relação ao finito, é prontamente concedido que seja o nulo; este mesmo nada é no entanto o infinito do qual é inseparável. - Entendido dessa maneira, eles podem parecer ser tomados de acordo com o modo como cada um se refere ao outro. Ocupado sem esta referência de relação, e assim unida somente através de um "e", eles subsistem independentemente, cada um apenas um existente em oposição ao outro.

Temos que examinar como eles seriam constituídos dessa maneira. O infinito, assim posto, é um dos dois; mas, como apenas um deles, é em si finito, não é o todo, mas apenas um lado; tem seu limite naquilo que está oposto a ele; e assim é o infinito finito. Nós temos diante de nós apenas dois finitos. A finitude do infinito e, portanto, sua unidade com o finito, reside no fato de que ele é separado do finito e colocado, consequentemente, de um lado. - O finito, por sua vez, removido do infinito e posto por si mesmo, é esse referir-se em que a relatividade, sua dependência e transitoriedade , são removidos; é o mesmo autossubsistência e autoafirmação que o infinito é presumido ser.

Os dois caminhos de consideração, mesmo que pareçam a princípio cada um tem uma determinação diferente para o seu ponto de partida - na medida em que assume ser apenas a referência de infinito e finitos um para o outro, de um para o outro; e o último a sua completa separação um do outro - produz um e o mesmo resultado. O infinito e o finito, tomados em conjunto como referindo-se um ao outro em uma conexão que é presumido externo, mas é de fato essencial para eles (pois sem ele , nem é o que é), cada um contém o seu outro em sua própria determinação, apenas como, quando cada um é tomado por si mesmo, quando visto em seus termos, cada um tem a outro presente nele como seu próprio momento.

Isto produz, então, a unidade escandalosa do finito e do infinito - a unidade que é em si o infinito que abrange tanto a si mesmo quanto ao finito - o infinito, portanto, entendido em um sentido diferente de quando o finito é separado dele e colocado do outro lado. Desde que ele deve agora também ser distinguido, cada um está dentro dele, como acabamos de mostrar, a unidade de ambos; Há, portanto, duas dessas unidades. O elemento comum a unidade de ambas as determinações, como tal, coloca-as inicialmente como negado, pois cada um é o que é ser distinguido; em sua unidade, portanto, perdem sua natureza qualitativa - uma reflexão importante para contrariando o hábito incorrigível de representar o infinito e o finito, em sua unidade, como ainda mantendo a qualidade que eles teriam quando separados um do outro; de ver nessa unidade, portanto, nada exceto contradição, e não também a resolução da contradição por a negação da determinação qualitativa de cada um. E assim é a unidade do infinito e do finito, a princípio simples e universal, falsificado.

Mas além disso, uma vez que os dois agora devem ser tomados também como distintos, a unidade do infinito, que é em si mesma, esses dois momentos é determinada diferentemente em cada um. O infinito, determinado como tal, tem nela a finitude que é diferente disso; nesta unidade, o infinito é o em-si enquanto o finito é apenas determinismo, o limite no infinito. Mas esse limite é o outro absoluto do infinito, o seu oposto. A determinação do infinito , que é o em si como tal, é corrompido por ser sobrecarregado com uma qualidade desse tipo; o infinito é, assim, um infinito finito. Da mesma forma, desde o finito é, como tal, apenas o não-em-si, mas igualmente tem o seu oposto na virtude da referida unidade, é elevada acima do seu valor e, por assim dizer, infinitamente elevado; é colocado como o infinito finito.

Da mesma forma, assim como a simples unidade de infinito e finito foi falsificada antes pelo intelecto, também é a dupla unidade. Aqui também isso acontece porque o infinito é tomado em uma das duas unidades não como negado , mas antes, como o em-si em que, portanto, determinação e restrição não deveria ser posto, pois eles iriam rebaixar e corrompê-lo. Por outro lado, o finito é igualmente fixado como não negado, embora nulo em si mesmo; assim que, em combinação com o infinito, é elevado ao que não é e é assim infinito, não obstante a sua determinação que não desapareceu mas é perpetuado.

A falsificação que o intelecto perpetua em relação ao finito e infinito, de manter sua referência recíproca fixada como qualitativa a diferenciação, manutenção do que a sua determinação é separada, de fato, absolutamente separado, vem do esquecimento do que para o em pé em si é o conceito desses momentos. De acordo com esse conceito, a unidade do finito e do infinito não é uma junção externa deles, nem uma combinação incongruente que vai contra a sua natureza, em que termos inerentemente separados e opostos que existem independentemente e são consequentemente incompatíveis, seriam amarrados juntos. Pelo contrário, cada um é em si essa unidade, e isso apenas como um superar de si mesmo em que nem teria uma vantagem sobre o outro em intensidade e afirmativa existência. Como foi mostrado anteriormente, a finitude é apenas de si mesmo; é, portanto, dentro dela que o infinito, o outro de si mesmo, é contido. Da mesma forma, o infinito é apenas como a transcendência do finito; contém, portanto, essencialmente o outro, e é assim dentro dele que é o outro de si mesmo. O finito não é superado pelo infinito como por um poder presente fora dele; seu infinito consiste antes em se superar.

Essa superação não é, consequentemente, alteração ou ser outro em geral, não a superação de alguma coisa. Aquilo em que o finito é superado é o infinito como o negar da finitude. Mas este último há muito tempo única existência, determinada como um não-ser. É apenas a negação, portanto, que na negação se supera. Assim, o infinito é determinado ao seu lado como o negativo do finito e, portanto, da determinação em geral, como um vazio além; a sua superação de si mesmo no finito é um retorno de um voo vazio, a negação do além, que é inerentemente negativa. Presente em ambos, portanto, é a mesma negação da negação. Mas esta negação da negação é em si mesma refere-se a afirmação, mas como de volta para si, isto é, através da mediação que a negação da negação é. Essas são as determinações que é essencial levar em consideração; o segundo ponto, no entanto, é que na progressão infinita eles também são postos, e como eles são postos, ou seja, não em sua verdade final.

Primeiro, ambos são negados nessa progressão, tanto o infinito quanto o finito; ambos são igualmente transcendidos. Em segundo lugar, eles também são posicionados como distintos, um depois do outro, cada positivo para si. Nós resolvemos essas duas determinações ao compará-los, assim como na comparação (em uma comparação externa ) separamos os dois modos de considerá-los: o finito e o infinito como se referindo um ao outro, e cada um tomado por si mesmo. A progressão infinita, no entanto, diz mais do que isso. Também posicionado nele, embora a primeira ainda apenas como transição e alternância, é a relação dos termos sendo distinguido. Agora só precisamos ver, em uma simples reflexão , o que está de fato presente nele.

Em primeiro lugar, a negação do finito e do infinito que é posto na progressão infinita pode ser tomado como simples e, portanto, como exterioridade mútua , apenas um seguimento de um sobre o outro. Começando do finito, o limite é assim superado, o finito negado. Agora temos seu além, o infinito, mas neste o limite se eleva novamente; então nós temos a superação do infinito. Esta dupla superação é, no entanto, parcialmente apenas um evento externo e uma alternância de momentos em geral e parcialmente ainda não posicionado como uma unidade; cada um desses movimentos além é um independente ponto de partida, um novo ato, para que os dois desmoronem. - Mas, além disso, a sua relação também está presente na progressão infinita. O finito vem primeiro; então há a superação disto, e este negativo, ou este além do finito, é o infinito; terceiro, esta negação é, por sua vez, superada, um novo limite surge, o finito. - Esse é o movimento completo de fechamento automático chegou àquele que fez o começo; o que surge é o mesmo que aquele do qual a partida foi feita, isto é, o finito é restaurado; este último, portanto, voltou a si mesmo, em seu além só se encontrou novamente.

O mesmo é o caso do infinito. No infinito, no além do limite, surge apenas um novo limite que tem o mesmo destino, ou seja, que como finito, deve ser negado. Assim, o que está de novo à mão é o mesmo infinito que agora desapareceu no novo limite; sendo superado , atravessando o novo limite, o infinito não avançou mais ainda: ele não se distanciou nem do finito (pois o finito é exatamente isso, para passar para o infinito), nem de si mesmo, pois chegou a si mesmo.

Assim, o finito e o infinito são ambos este movimento de cada retorno para si mesmo através de sua negação; eles são apenas como mediação implícita, e afirmativa de cada um contém o negativo de cada um, e é a negação da negação. - Eles são, portanto, um resultado e, como tal, não na determinação que eles tinham no começo: nem o finito é uma existência ao seu lado nem o infinito uma existência ou um ser-em-si além daquela existência, que é, além da existência na determinação da finitude. O entendimento resiste fortemente à unidade do finito e do infinito apenas porque ele supõe restrição e finitude para permanecer, como ser-em-si, constantes.

Assim, negligencia a negação de ambos, que de fato está presente na progressão infinita, assim como ignora igualmente que os dois ocorrem nesta progressão apenas como momentos de um todo - que cada um emerge apenas mediação do seu oposto mas, essencialmente, igualmente por meio da superação do seu oposto.

Se esta virada imanente tiver sido considerada, no momento, como ser tanto o retorno do finito a si mesmo e do infinito para si mesmo, perceptível neste mesmo resultado é um erro relacionado com a parcialidade apenas criticada: o finito e depois o infinito é tomado como o ponto de partida, e só assim surgem dois resultados. Mas é uma questão de total indiferença que é tomada como ponto de partida e, com isso, a distinção causada pela dualidade dos resultados se dissolve. Isto é da mesma forma posto na linha da progressão infinita, em aberto em ambos lados, onde cada um dos momentos se repete em igual alternância, e é totalmente estranho em que posição a progressão é preso e levado como começo. - Os momentos são distintos na progressão, mas cada um é igualmente apenas um momento do outro. Como ambos, o finito e o infinito , são eles mesmos momentos do progresso, são em conjunto os finitos e, uma vez que são igualmente negados em conjunto e no resultado, este resultado como a negação de sua finitude conjunta é chamada com verdade o infinito. Sua distinção é, portanto, o duplo significado que ambos têm. O finito tem o duplo sentido, primeiro, de ser o finito contra o infinito que fica de pé contra ele e, segundo, de ser ao mesmo tempo o finito e o infinito contra o infinito. Também o infinito tem o duplo significado de ser um dos dois momentos (é então o mau infinito ) e de ser o infinito em que os dois momentos, ele próprio e o outro,
são apenas momentos.

Portanto, como de fato temos agora, a natureza do infinito é que é o processo em que se reduz a ser apenas uma das suas determinações contra o finito e, portanto, em si só uma das finitos, e eleva esta distinção de si mesmo e de ser autoafirmação e, através dessa mediação, o verdadeiro infinito.

Esta determinação do verdadeiro infinito não pode ser capturada no já na forma criticada de uma unidade do finito e do infinito; a unidade é uma auto semelhança abstrata e imóvel, e os momentos também são seres imóveis.

Mas, como ambos os seus momentos, o infinito é essencialmente apenas como se tornar, embora um se tornando agora mais determinado em seus momentos. Tornar-se tem por suas determinações, primeiro, ser abstrato e nada; como alteração, tem existência, algo e outro; agora como infinito, tem finito e infinito, estes dois como em se tornarem.

Este infinito, como ser voltado para si, como referência de si mesmo para si mesmo, é ser - mas não indeterminado, ser abstrato, pois é posto como negando a negação; consequentemente, é também existência ou “Unidade”, pois contém negação em geral e consequentemente determinação. Está e está presente diante de nós. Apenas o mau infinito é o além, já que é apenas a negação do finito posto como real e, como tal, é a primeira negação abstrata; assim determinado apenas como negativo, não tem a afirmação da existência nele; segurou rápido apenas como algo negativo, não deveria estar lá, deveria ser inatingível. No entanto, para ser assim inatingível não é a sua grandeza, mas sim o seu defeito, que é a abaixo, o resultado de se manter firme no finito como tal, como existente. É o falso que é o inatingível, e o que deve ser reconhecido é que tal um infinito é o falso. - A imagem da progressão no infinito é a linha reta; o infinito é apenas nos dois limites desta linha, e sempre somente é onde o último (que é a existência) não é senão transcende a si mesmo, sua inexistência, isto é, no indeterminado. Como verdadeiro infinito, inclinado para trás sobre si mesma, sua imagem se torna o círculo, a linha que se alcançou , fechado e totalmente presente, sem começo e fim.

Verdadeiro infinito, assim considerado em geral como existência posta como afirmativa em contraste com a negação abstrata, é a realidade em um sentido mais elevado do que era antes como simplesmente determinado; agora obteve um conteúdo concreto. Não é o finito que é o real, mas sim o infinito. Assim, a realidade é mais determinada como essência, conceito, ideia e assim por diante. Em relação com a mais concreta, é no entanto supérfluo repetir tais categorias abstratas como realidade, e usá-las para determinações mais concretas do que eles são por si mesmas. Tal repetição, como quando é dito essa essência, ou que o conceito, é real, tem sua origem no fato de que pensamento não educado as categorias mais abstratas, como ser, existência, realidade, finitude, são as mais familiares.

A ocasião mais imediata , no entanto, para recordar aqui as categorias da realidade é que a negação, contra a qual a realidade é afirmativa, é aqui a negação da negação e, consequentemente, ela mesma posta em oposição àquela realidade que a existência finita é. - A negação é assim determinada como idealidade; o idealizado é o finito como é no verdadeiro infinito - como uma determinação, um conteúdo, um existente distinto mas não subsistente, um momento sim. A idealidade tem essa significação mais concreta que não é plenamente expressa através do negação da existência finita. - No que diz respeito à realidade e idealidade, a oposição ao ideal [das Ideale ] tem um significado mais amplo (como o belo e suas associações) do que o idealizado [das Ideelle ]. O primeiro não pertence aqui ainda e, por essa razão, a expressão idealizada está sendo usada. Não existe tal distinção feita no uso da linguagem para “realidade”; em alemão reelle e reale são usados ​​como quase sinônimos e nenhum interesse é servido em nuances dos dois em algum tipo de oposição, de finito e infinito é, no entanto, tão compreendido que o finito assume o valor do "real", enquanto o infinito do "idealizado"; da mesma maneira, mais adiante, também o conceito é considerado como uma idealização, isto é, como uma simples idealização, em contraste com a existência em geral, que é considerada “a real.” Quando contrastado desta forma, é claro que não adianta ter reservado para a referida determinação concreta de negação a expressão distintiva de “idealização”; nessa oposição de finito e infinito, estamos de volta a a unilateralidade da característica negativa abstrata do mau infinito e ainda fixado na existência afirmativa do finito.

Transição

A idealidade pode ser chamada de qualidade do infinito; mas é essencialmente o processo de devir, e, portanto, uma passagem - como a transição de se tornar em existência. Precisamos agora explicar essa transição. Este imanente voltando atrás, como a superação da finitude - isto é, da finitude como tal e igualmente da finitude negativa que só se opõe a ela, é apenas finitude negativa – refere-se ao ser. Desde que há negação neste ser, o último é a existência; mas, além disso, uma vez que a negação é essencialmente negação da negação, negação refere-se, é a existência que leva o nome de ser-para-si.

Comentário 1

O infinito - no sentido usual do mau infinito - e a progressão para infinito, como o deveria, são a expressão de uma contradição que finge ser em si uma solução e um supremo. Este infinito é uma primeira elevação de representação sensível acima do finito para o pensamento, mas para um pensamento que, por conteúdo, tem apenas um nada, isto é, um inexistente explicitamente colocado como tal: é um voo além das restrições que não consegue se reunir dentro de e é incapaz de trazer o negativo de volta ao positivo. Isso não foi cumprido reflexão tem antes de tanto as determinações do verdadeiro infinito (ou seja, a oposição do finito e do infinito, e a unidade do finito e o infinito), mas não consegue unir os dois pensamentos; o pensamento de um inevitavelmente traz o outro ao longo, mas esta reflexão permite-lhes apenas alternativa. O espetáculo dessa alternação, essa infinita progressão ocorre sempre que alguém permanece fixado na contradição da unidade de duas determinações e de sua oposição. O finito é a superação de em si; ela mantém sua negação, o infinito, em si mesmo: unidade dos dois. É o movimento além do finito no infinito como o além do finito: separação dos dois. Mas além do infinito existe outro finito; o além, o infinito, mantém a finitude: unidade dos dois. Mas isso o finito também é um negativo do infinito: a separação dos dois e assim por diante. - Assim, na relação de causalidade, causa e efeito são inseparáveis; uma causa que não teria efeito não é uma causa, apenas como um efeito que não tinha porque não seria mais efeito. Essa relação produz, portanto, a progressão infinita de causas e efeitos; algo é determinado como causa, mas, como algo finito (e é finito apenas por causa de sua separação do efeito), ela própria tem uma causa, isto é, também é efeito; consequentemente, o mesmo coisa que foi determinada como causa também é determinada como efeito (unidade de causa e efeito); o que é agora determinado como efeito, por sua vez, causa, isto é, a causa deve ser separada de seu efeito e ser colocada como um algo diferente; esta nova causa é, no entanto apenas um efeito (unidade de causa e efeito); tem outro por sua causa; separação dos dois determinações, e assim por diante, no infinito. Podemos, portanto, reafirmar a progressão dessa forma mais apropriada. o É feita a afirmação de que o finito e o infinito são uma unidade. Isto é um falso afirmam que precisa de correção pelo seu oposto: os dois são absolutamente diferentes e contra. Esta alegação é por sua vez corrigida no sentido de que o dois são inseparáveis; que na determinação de um reside o outro por virtude da pretensão de unidade; e assim por diante para o infinito. - É bastante fácil para ver a natureza do infinito: é preciso reconhecer que a progressão infinita, o infinito desenvolvido do intelecto, é constituído pela alternância das duas determinações, da unidade e da separação dos dois momentos; e depois reconhecer que essa unidade e essa separação são inseparáveis. A resolução dessa contradição não é o reconhecimento do igual correção, e da igual incorreção, de ambas as reivindicações - isso ser apenas outra forma da contradição ainda permanente - mas a idealidade de ambos, no sentido de que, em sua distinção, como negações recíprocas, são apenas momentos. Essa alternância monótona da progressão infinita é, de fato, a negação de sua unidade e de sua separação. O que era demonstrado acima é tão presente nele de facto: ou seja, que o finito, acima e além de si mesmo, cai no infinito, mas que, sobre e além deste infinito, encontra-se igualmente nascido de novo; daí, que ele se junta ali mesmo, como é também o caso do infinito - de modo que essa mesma negação de negação resulta em afirmação, um resultado que, desse modo, se mostra sua verdade e ponto de origem. Neste ser que é assim a idealidade dos distintos momentos, a contradição não desapareceu abstratamente, mas é resolvido e reconciliado, e os pensamentos, enquanto permanecem intactos, são também reunidos. Aqui temos, em um exemplo gráfico, a natureza de pensamento especulativo exibido em sua característica determinante: consiste unicamente em agarrar os momentos opostos em sua unidade. Na medida em que cada momento mostra, na verdade, que tem o seu oposto, e que neste oposto a ele se junta, a verdade afirmativa é esse movimento interno unidade, o agarramento de ambos os pensamentos, o seu infinito - a referência para si mesmo que não é imediato, mas infinito. A essência da filosofia tem sido frequentemente localizada por aqueles que já são adeptos nas coisas do pensamento na tarefa de responder à pergunta: como é que o infinito sair de si mesmo e chegar a finitude? - Isso, como opinião tem, escapa compreensão conceitual. No decorrer desta exposição, o infinito a cujo conceito chegou se determinará ainda mais, e o desiderato - como o infinito (se é que se pode expressar assim) vem para a finitude - será manifestado nela na plena variedade de formas. Aqui nós estão considerando esta questão apenas em sua imediação e em vista da justa sentido mencionado que o infinito geralmente carrega. É, sobretudo sobre a resposta a esta questão que se existe uma filosofia é levada a depender, e as pessoas acreditam, enquanto ainda professa disposição deixar a questão repousar sobre isso, que eles também possuem na própria questão uma espécie de quebra-cabeça, um talismã invencível, que os protege firmemente contra a resposta, e consequentemente contra a filosofia e a obtenção dela. A fim de entender questões, certa educação é necessária também em outro assunto questões, e isso é tanto mais o caso para as coisas filosóficas se mais de uma resposta é a de que a pergunta é ociosa. - É justo esperar nestas questões, como é normalmente feito, que o ponto em questão não depende de palavras, mas preferiria ser inteligível através de alguns forma ou outro de expressão. Expressões figurativas de representação de sentido que são usados ​​na questão sobre o infinito, como "sair" e tal, despertam a suspeita de que a questão se originou no terreno de representação vulgar, e que a resposta também deve estar em ressentimentos atuais na vida cotidiana e na forma de um símile sensual. Tomemos em geral, em vez do infinito. A determinação disso, sua ter uma negação ou finitude, parece mais fácil de compreender. Ser é na verdade, o indeterminado, mas não é imediatamente dito nele que é o oposto de qualquer coisa determinada. O infinito, pelo contrário, contém esta nota expressamente; é o não-finito. A unidade do finito e do infinito parece assim excluída do começo; reflexão incompleta é mais teimosamente oposto a esta unidade precisamente por este motivo. Mas isso foi mostrado, e é imediatamente evidente sem expansão mais adiante na determinação do finito e do infinito, que o infinito, no sentido em que é tomada por essa reflexão incompleta, ou seja, como de pé em frente ao finito, tem o outro precisamente porque está opõe-se a ele e, portanto, já é limitado e ele próprio finito. É o mau infinito. A resposta para a pergunta: "como o infinito se torna finito ?, ”é portanto esta: Não existe um infinito que é infinito de antemão, e só depois disso é necessário tornar-se finito, sair em finitude; o infinito é para si mesmo tanto finito quanto infinito. Na medida em que a questão assume que o infinito é, por si só, aquele que lado, e que o finito que saiu dele (ou de onde quer que seja) pode ter vindo) para a divisão é verdadeiramente real, assim, separado do infinito, deve-se dizer sim que é essa divisão que é conceitualmente incompreensível. Nem tal finito nem tão infinito tem verdade; naquela o que não tem verdade, no entanto, não pode ser conceitualmente apreendido. No entanto, deve ser concedido que eles sejam conceitualmente compreensíveis. Para considerá-los mesmo quando eles estão em representação com a determinação de cada implícita no outro; ter uma visão simples dessa inseparabilidade que é deles, significa que os compreendemos conceitualmente. Essa inseparabilidade é a sua conceito. - Na autossubsistência desse infinito e finito, a questão configura um conteúdo falso em vez disso; pressupõe uma conexão falsa entre eles. Por esta razão, a questão não é para ser respondida, mas o falso pressuposições contidas nele, com efeito a questão em si é para ser negado. Assim, questionando a verdade de tal finito e infinito, o ponto de vista é alterado, e essa mudança vai virar o constrangimento que a pergunta deveria causar de volta a questão em si. Para a reflexão a partir da qual a questão se originou, nossa própria pergunta é algo novo, para esse reflexo falta o interesse especulativo que levaria para verificar por si próprio, e antes que ele desenhe relações entre determinações, se tais determinações são algo verdadeiro como pressuposto. Na medida, no entanto, que a inverdade desse resumo infinito é reconhecida, e do finito que é igualmente suposto indiferente ao seu lado, há isto para ser dito da procissão do finito fora do infinito: o infinito sai de si mesmo para o finito porque, em o modo como é compreendido como unidade abstrata, não tem verdade nisto, não existe; e, inversamente, o finito vai para o infinito pela mesma razão. Ou melhor, é preciso dizer que o infinito procedeu à finitude de todos os eternidade; que, assim como o ser puro, absolutamente não é por si só, sem ter o outro nele.

A questão de como o infinito procede ao finito pode abrigar mais pressupostos ainda, a saber, que o infinito inclui o finito dentro do em si e, consequentemente, que é a unidade de si mesma e de outra, de modo que a dificuldade tem a ver essencialmente com a separação, pois isso está em oposição à unidade pressuposta. Sobre este pressuposto, a oposição insistiu após apenas assume uma forma diferente; a unidade e os distinguir são separados uns dos outros e mantidos isolados. Se, no entanto, a unidade não for tomada de forma abstrata e indeterminada, mas sim, como no pressuposto, como a unidade determinada do finito e do infinito, a distinção entre destes dois também está presente nele. E este distintivo não é aquele que também os deixaria soltos, cada um subsistindo separadamente, mas eles na unidade como idealizada. Esta unidade do infinito e do finito, e a distinção deles, são inseparáveis, da mesma forma que o finito e o infinito.

Comentário 2

A afirmação de que o finito é uma idealização define idealismo. O idealismo de filosofia consiste em nada mais do que no reconhecimento de que o finito é não verdadeiramente um existente. Toda filosofia é essencialmente idealista ou pelo menos tem idealismo para o seu princípio, e a questão, então, é somente até onde esse princípio é realizado. Isso se aplica tanto à filosofia quanto à religião, a religião também, não menos que a filosofia, não admitirá a finitude como um verdadeiro ser, um supremo, um absoluto, ou como algo não postulado, incriado, eterno. A oposição entre filosofia idealista e realista é, portanto, sem significado. Uma filosofia que atribui à existência finita, como tal, verdadeiro, supremo, ser absoluto, não merece o nome de filosofia. Os princípios das filosofias antigas e mais recentes - sejam “Água”, “matéria” ou “átomos” - são universais, idealizações, não coisas como dada imediatamente, isto é, na singularidade sensível. Nem mesmo a "água” de Thales é que, apesar de também ser água empírica, é além disso em si mesmo ou a essência de todas as outras coisas, e estas coisas não se sustentam sozinhas, mas são postas à base de outra, de "água", isto é, eles são idealizados. Ao chamar assim o princípio ou o universal, idealização como acabamos de fazer (e o conceito, a ideia, espírito, merecem o nome ainda mais), e ao dizer então que as coisas singulares do sentidos são idealizações em princípio, ou em seu conceito, e mais ainda quando submersos no espírito, devemos notar, de passagem, o mesmo parcialidade que transpirou no infinito, ou seja, que uma idealização está em de um lado algo concreto, um verdadeiro existente, mas, por outro lado, que seus momentos não são menos idealizações, subjugadas; na verdade, no entanto, existe apenas um todo concreto do qual os momentos são inseparáveis. Por idealização, normalmente se entende a forma de representação. O que sempre está em qualquer das minhas representações, seja no conceito, na ideia, a imaginação, e assim por diante, atende pelo nome de idealização, de modo que o “idealizado” em geral também é para construções imaginárias - para representar sentenças que não são apenas distintas de qualquer coisa real, mas devem essencialmente não ser tomado como real. Na verdade, o espírito é acima de tudo o verdadeiro idealista; em espírito, assim como o espírito sente e representa, mas ainda mais como pensa e conceitua, o conteúdo não é existência real, como é chamado; em a simplicidade do eu, qualquer ser externo é apenas superada, é para eu, é em mim idealizado. Este idealismo subjetivo, seja o inconsciente idealismo da consciência em geral ou é conscientemente declarado e instalado como princípio, estende-se apenas à forma de representação de acordo para o qual um conteúdo é meu. No idealismo sistematizado da subjetividade, esta forma é declarada como a única forma verdadeira, uma que exclui a forma da objetividade ou realidade desse conteúdo, de sua existência externa. Tal idealismo é formal, pois não leva em consideração o conteúdo de representação ou pensamento e, portanto, não ultrapassa sua finitude. Nada é perdido por este idealismo, tanto porque a realidade deste finito conteúdo (a existência preenchida com finitude) é retida, e porque, se um resumos a partir dele, em si nada de muita importância deve ser feita de isto. Nem nada é ganho por isso, pela mesma razão que nada está perdido, já que o "eu" continua sendo representação, espírito ainda preenchido com o mesmo conteúdo de finitude. A oposição das formas de subjetividade e objetividade é claro que é uma das finitudes; mas o conteúdo, tomado em sentido intuição, ou também no elemento mais abstrato de representação e pensamento, contém tais finitudes na íntegra, e estas, pela exclusão desses apenas um modo de finitude (da forma de subjetivo e objetivo), são ainda não acabou, e menos ainda eles caíram por conta própria.


Inclusão 09/12/2018