Checoslováquia Capitalismo e Socialismo

Paul Sweezy

15 de setembro de 1968


Primeira Edição: Monthly Review, n.┬║ 5, Outubro de 1968.

Fonte: Portucalense Editora Porto, setembro 1971

Tradução: Alberto Saraiva

Transcrição: Graham Seaman

HTML: Fernando Araújo.


capa

Os russos justificam a invasão da Checoslováquia afirmando que estava a desenvolver-se neste país uma situação contra-revolucionária e que, se não tivessem intervido, a Checoslováquia teria regressado ao capitalismo e ter-se-ia juntado ao campo imperialista. Certos meios da esquerda internacional, e muito particularmente Fidel Castro, que falava em nome da revolução cubana, adoptaram uma posição idêntica, chegando mesmo a dar o seu apoio à invasão. Em contrapartida, a maior parte da esquerda dos países capitalistas avançados defendeu uma tese que se pode qualificar de oposta, segundo a qual a Checoslováquia se encaminhava para uma forma autêntica de socialismo democrático: a intervenção soviética nada tinha a ver nem com o capitalismo nem com o socialismo — visava, sim, travar o processo de democratização, considerado como uma ameaça ao reinado autoritário do Partido Comunista no conjunto do bloco europeu do Leste.

O aspecto mais fraco da argumentação russa encontra-se na afirmação de que estava em vias de desenvolvimento uma situação contra-revolucionária. Pelo contrário, o sistema existente tinha sido grandemente estabilizado e reforçado pelas populares reformas dos últimos oito meses. Estas reformas limitavam-se, no essencial à superstrutura política do sistema e não transformavam de forma alguma as suas características fundamentais. A verdadeira ameaça não se encontrava numa contra-revolução, provinha antes de um Congresso do Partido Comunista Checoslovaco que ratificasse as reformas e estabelecesse solidamente o poder da nova equipa dirigente que as tinha posto em prática. Tais circunstâncias parecem demonstrar com segurança o bom fundamento do ponto de vista de que eram, na realidade, estas reformas o alvo da invasão soviética» e nenhum acontecimento posterior a 21 de Agosto parece contradizer esta versão das coisas.

Contudo, o facto de aquilo que se previa na Checoslováquia não constituir uma transformação mas um reforço do sistema existente não significa que o país não estivesse a orientar-se em direcção ao capitalismo. Esta tendência para o capitalismo é parte integrante do sistema actual: os centros de controlo das empresas no interior das próprias empresas, a coordenação através do mercado e o apelo ao estímulo material constituem três factores que, considerados no seu conjunto, tornam inevitável uma forte tendência em direcção a uma ordem económica que, seja qual for o nome que se lhe possa dar, funciona cada vez mais como o capitalismo.

Evidentemente, certos marxistas pretendem que uma sociedade só pode ser capitalista a partir do momento em que a propriedade privada dos meios de produção é explicitamente considerada legal. Rejeitando a posição de Castro sobre a Checoslováquia, uma declaração recente da IV Internacional afirma categoricamente que «o perigo de uma restauração capitalista... só pode surgir de certas forças sociais com a capacidade de se organizarem suficientemente para impor pela força o restabelecimento da propriedade privada capitalista» (Intercontinental Press, 16 de Setembro de 1969, p. 766). Achamos que há aqui uma confusão entre as categorias jurídicas e as verdadeiras relações de produção. Se as empresas são geridas por pequenos grupos tendo por objectivo a maximização dos lucros pela produção de bens destinados a um mercado, estamos perante as relações de produção e as relações de classe essenciais do capitalismo. As formas jurídicas apropriadas não tardarão a desenvolver-se; mas, tendo em conta o quadro histórico, é indubitável que jamais compreenderão instituições com o nome de «propriedade privada». Aliás, não se tratará inteiramente de uma fraude de ordem ideológica. Lembremos o que Marx escrevia há mais de cem anos a propósito das sociedades anónimas:

«O capital, que assenta num modo socializado de produção e que pressupõe uma concentração social dos meios de produção e da força de trabalho, encontra-se aqui dotado da forma de capital-social (quer dizer, de capital pertencente a indivíduos directamente associados), forma que se opõe à de capital privado, e as suas empresas assumem a forma de empresas sociais, forma que se opõe à das empresas individuais. Trata-se aqui da abolição do capital enquanto propriedade privada no quadro da própria produção capitalista.»(1)

Se o antigo conceito de propriedade privada individual não admite qualquer ambiguidade, o problema tomou-se realmente complicado após o aparecimento da grande empresa; hoje, na época das empresas multinacionais e da propriedade estatal alargada, esta complicação aumentou ainda mais. Em países como a Itália ou a França, por exemplo, o Estado, directamente ou através das empresas estatais, possui largas fracções do conjunto dos bens de produção — que, certamente, não correspondem a uma propriedade privada mas constituem, sem dúvida alguma, uma forma de propriedade capitalista. E parece-nos razoável prever o aparecimento de outras formas novas de propriedade capitalista.

É verdade que na Checoslováquia as três características acima mencionadas estão longe do seu pleno desenvolvimento: o sistema constitui ainda um misto daquilo a que muitas vezes se chama «socialismo de mercado»(2) e desse tipo de planificação administrativa e centralizada, nascida na União Soviética durante o período estaliniano e exportada para os outros países do bloco soviético depois da Segunda Guerra Mundial. O que é importante não é a composição exacta do misto actual, mas a direcção cm que o sistema se orienta: sobre este ponto não há qualquer dúvida (a) de que a importância dos factores dependentes do mercado aumentou ao longo destes últimos cinco anos e (b) de que um dos objectivos das reformas liberalizantes dos últimos oito meses consistia na supressão dos obstáculos que se erguiam na via que conduzia a economia checa para uma economia de mercado.(3)

Não é por acaso que um dos personagens mais eminentes e de maior influência deste último período foi o professor Ota Sik, promovido ao lugar de primeiro-ministro adjunto no regime Dubcek. Depois do economista soviético Liberman Sik é sem dúvida o teórico e o defensor mais conhecido do socialismo de mercado; foi o principal autor do programa de reforma económica adoptado e pouco a pouco aplicado, com muitas hesitações, a partir de 1964.

Para determinar a orientação escolhida pela Checoslováquia é conveniente examinar a Jugoslávia, dado que este país é o que mais longe foi no sentido do socialismo de mercado. A viragem da Jugoslávia para a economia de mercado remonta à sua ruptura com o Cominform em 1948, de modo que a experiência de que dispomos a este respeito se estende por vinte anos e não apenas por cinco. É preciso reconhecer que, até hoje, são os observadores e os analistas capitalistas — mais do que os seus colegas socialistas — que se têm mostrado capazes de dar conta, com exactidão, do desenvolvimento jugoslavo e de tirar as necessárias conclusões. O New York Times de 19 de Agosto de 1968 publicou as seguintes linhas enviadas pelo seu correspondente de Belgrado:

«O capital ocidental assegurou-se de uma importante testa de ponte na Jugoslávia e contribui para transformar o que outrora não passava de um país principalmente agrícola num novo Estado industrial.

Investimentos efectuados por empresas tão diversas como a Fiat, o gigante italiano do automóvel, e a Printing Developments, Inc., de Nova Iorque, uma sucursal de Time Inc., são característicos, ao mesmo tempo, das imperiosas necessidades que o capital tem de novos mercados e dos objectivos conscientes de um país comunista que aceita a economia de mercado e a maior parte das suas consequências.

Conversas com os representantes oficiais de Belgrado que se especializam nas actividades económicas demonstram a sua firme convicção de que esta via será seguida pelos outros países da Europa Oriental.

Para eles, a Jugoslávia desempenha um papel pioneiro no Leste e constitui uma vitrina de exposição para o capital ocidental. As sociedades ocidentais que atuem na Jugoslávia disporão de enormes vantagens ao nível da concorrência a partir do momento em que se abrirem mercados noutros países da Europa Oriental.

Após as reformas que deslocaram a direcção das empresas, do Estado para as próprias empresas, e que introduziram a disciplina do mercado livre e o estímulo do lucro, a Jugoslávia promulgou uma lei igualmente revolucionária, no decurso do último ano, a fim de atrair o capital estrangeiro.

Esta lei não deixou de encontrar uma forte oposição nos que temiam que o capital ocidental viesse dominar os sectores-chave da economia.

Para precaver uma tal eventualidade, estipulou-se que o capital estrangeiro não tem o direito de adquirir uma participação superior a 4% numa empresa jugoslava.

As companhias jugoslavas são dirigidas pelos seus trabalhadores através dos conselhos operários, que, por sua vez, designam um conselho de especialistas, tais como contabilistas ou engenheiros da produção, para gerir a sua empresa. De início, as sociedades estrangeiras hesitaram em comprometer-se, temendo que a regra que lhes impunha posições minoritárias as impedisse de controlar directamente os seus investimentos.

Durante um seminário realizado neste país para homens de negócios ocidentais, os jugoslavos esforçaram-se por demonstrar que existem numerosas maneiras de contornar esta regulamentação, por exemplo, confiando ao investidor estrangeiro o controlo dos custos de produção.

Os estrangeiros têm o direito de transferir lucros para fora do país na condição de manterem 20 % desses lucros sob forma de depósito num banco jugoslavo. Podem vender a sua participação a outras companhias estrangeiras na condição de começarem por oferecer essa participação à companhia jugoslava, que pode então resgatá-la.

Esta lei produziu já resultados surpreendentes.

A Fiat, que fornece as técnicas e a maior parte dos equipamentos produtivos de uma grande fábrica soviética de automóveis, investiu dez milhões de dólares numa companhia jugoslava, a Crvena Zastava (Bandeira Vermelha), que fabrica automóveis Fiat sob licença.

A sociedade americana, segundo informações publicadas na Jugoslávia, lançou-se numa empresa comum com a Beogradski Graficki Zavod (Sociedade Gráfica de Impressão de Belgrado) para efectuar impressão a cor utilizando novos equipamentos excepcionalmente rápidos provenientes dos Estados Unidos.»

Evidentemente, pode-se afirmar que tudo isto diz respeito apenas à Jugoslávia e que nada prova que a Checoslováquia se oriente numa direcção análoga. De facto, seria impossível apresentar uma única prova a quem quer que tenha já um outro ponto de vista. O problema da análise de uma realidade social complica-se sempre pelo facto de as novas evoluções, que estão em vias de se tornar predominantes, nasceram sempre de forma modesta e ser sempre fácil ignorá-las ou desprezá-las quando, a priori, se escolheu fazê-lo. Tudo o que se pode dizer é que a Checoslováquia deu já passos importantes na via aberta pelos jugoslavos e que, ao longo dos meses que precederam a invasão, tudo parecia indicar uma aceleração desta tendência. Já tinham sido negociados certos contratos com empresas estrangeiras estipulando a construção de fábricas na Checoslováquia (por exemplo, segundo a Business Week de 31 de Agosto, a E.N.I., o grande trust petroleiro italiano, prepara-se para construir uma fábrica química na Checoslováquia); os homens de negócios estrangeiros eram tão numerosos em Praga que havia pelo menos um hotel praticamente reservado para o efeito; e, simultaneamente em Praga e nos meios financeiros ocidentais, circulavam rumores persistentes, e aparentemente bem fundados, de que ia ser concedido à Checoslováquia um empréstimo de 500 milhões de dólares, a fim de lhe permitir importar as técnicas e o equipamento mais recentes do Ocidente. Talvez nada disto tenha qualquer significado; ou talvez as consequências de uma dependência crescente em relação ao mercado e de um desenvolvimento acelerado de relações íntimas com os países capitalistas tivessem na Checoslováquia um efeito diferente do que o que se observara na Jugoslávia. É sempre possível dizer talvez, mas não conhecemos um único argumento sério que permita sustentar tais conclusões.

É conveniente sublinhar aqui o facto de que nada indica que os reformadores checos — nem mesmo os jugoslavos, aliás — se orientem conscientemente para o capitalismo ou se tornem culpados de hipocrisia e de falta de sinceridade quando afirmam trabalhar para a realização de um socialismo democrático. O marxismo ensina-nos a não julgar as pessoas pela sua intenção mas pelas suas acções e pelas consequências prováveis dessas acções. A nossa posição consiste em afirmar que quem quer que actue no sentido de um reforço do mercado em vez de lutar contra ele, sejam quais forem as suas intenções, está a promover o capitalismo e não o socialismo.(4)

Deveremos então concluir que a razão da intervenção soviética se encontra no facto de a Checoslováquia estar a orientar-se para o capitalismo? De modo algum: na verdade, todo o bloco da Europa Oriental, incluindo a União Soviética, estava, e está ainda, a seguir a mesma via que a Jugoslávia e a Checoslováquia. Esta é a verdadeira explicação do movimento de reforma económica que, em graus e ritmos diversos, afecta todos os membros do bloco. Em toda a parte, o antigo sistema de centralismo burocrático encontrava dificuldades crescentes. Apatia das massas, produtividade estagnada, marasmo económico — são alguns sintomas, entre tantos outros, de uma crise que ameaçava o conjunto da região. Duas respostas se podiam conceber. Uma teria sido uma revolução cultural no sentido específico que os chineses deram a este termo: uma campanha integral visando sublevar as massas, elevar o nível de consciência política, revivificar os ideias socialistas, conferir uma maior responsabilidade aos próprios produtores em todos os níveis de decisão. A outra resposta era apoiar-se cada vez mais na disciplina do mercado e no incitamento do lucro. Por razões cuja origem se situa muito longe na história da União Soviética e do movimento comunista, não houve nenhum partido nem nenhum grupo capaz de escolher a primeira resposta. A segunda via foi portanto adaptada, não porque as burocracias alimentassem qualquer simpatia pelos métodos capitalistas, mas porque não viam nenhuma maneira de preservar o seu poder e os seus privilégios. O preço que devem pagar, estejam ou não conscientes dele, estejam ou não de acordo, é o facto de colocarem os seus países na via que conduz a sociedades essencialmente capitalistas.

No seu discurso de 23 de Agosto sobre a invasão da Checoslováquia, Fidel Castro, referindo-se a um artigo da Premia, declarava:

«O artigo afirma: «O Partido Comunista da União Soviética aperfeiçoa constantemente o estilo, as formas e os métodos da construção do Partido e do Estado. O mesmo trabalho é efectuado nos outros países socialistas no quadro de um processo tranquilo fundado nos princípios essenciais do sistema socialista.»

Mas esta declaração é muito interessante. Ela diz: «Infelizmente, as discussões sobre a reforma económica na Checoslováquia desenvolveram-se noutras bases. Estas discussões centravam-se, por um lado, em tomo de uma crítica global de todo o desenvolvimento procedente da economia socialista e, por outro lado, em torno da proposta que procurava substituir os princípios da planificação por relações mercantis espontâneas, concedendo um campo de acção alargado ao capital privado.»

Quererá isto dizer, por acaso, que a União Soviética vai travar certas correntes no domínio da economia, correntes que procuram atribuir um papel cada vez mais importante às relações de mercado e aos efeitos da espontaneidade nestas relações, e que vai chamar à ordem os que defenderam o carácter desejável do mercado e dos preços baseados neste mercado? Quererá isto dizer que a União Soviética está a tomar consciência da necessidade de travar estas correntes? Mais de um artigo da imprensa imperialista fez alegremente alusão a estas correntes, que existem igualmente no quadro da União Soviética.»

Ouso afirmar que Fidel está perfeitamente consciente de que o artigo da Pravda procurava mais marcar um ponto de ordem polémica do que assinalar uma transformação fundamental na política soviética. O facto é que as burocracias decadentes do bloco soviético tentaram o único tipo de planificação centralizada que eram capazes de conceber, e que demonstraram não poder responder às necessidades e às exigências dos seus povos. Não têm outra alternativa senão voltar-se uma vez mais para os métodos do capitalismo. E, fazendo-o, comprometeram-se numa via de sentido único que, por mais longa que seja a viagem, só pode ter um único destino.

Não, a invasão soviética da Checoslováquia não procurava travar o curso para o capitalismo. Este curso prossegue em ambos os países e prosseguirá ainda enquanto não se produzir um fenómeno bem mais radical que um programa de reforma liberal do tipo do que tinha sido posto em prática na Checoslováquia durante os últimos oito meses. Os chefes da União Soviética temiam — com razão — duas ameaças: uma, em relação aos seus interesses pessoais, a outra, em relação aos interesses da camada dirigente nacional que eles representam.

A ameaça aos seus interesses pessoais era simples. As reformas liberais na Checoslováquia eram extremamente populares neste país, e isto por razoes evidentes. Para quem permaneceu muito tempo na prisão o primeiro objectivo é sair e não transformar o sistema. Tal era, essencialmente, a situação do povo checoslovaco. Acima de tudo, ele queria sair da prisão e isto significava desembaraçar-se do regime Novotny com todas as suas características repressivas e repugnantes. Conseguiu-o com uma facilidade notável: o Partido Comunista revelou-se espantosamente sensível ao sentimento popular; os dirigentes fiéis à antiga linha foram apanhados desprevenidos e expulsos do poder sem mesmo terem podido travar batalha. Aos olhos dos governantes da União Soviética e dos outros países do bloco oriental, países cujos povos estão também numa prisão (e no quadro da União Soviética estão-no desde há muito mais tempo), isto não podia deixar de constituir um exemplo terrífico. Se Novotny e os seus correligionários podiam ser corridos sem tambores nem trombetas, eles também eram vulneráveis. Do seu ponto de vista, portanto, era essencial não só reforçar a sua dominação sobre o seu próprio país mas igualmente demonstrar que, afinal de contas, a Checoslováquia não podia desenvencilhar-se tão facilmente. Do seu ponto de vista, esta consideração era suficiente para justificar a invasão.

Mas havia uma razão suplementar que afetava particularmente os dirigentes soviéticos, que ocupam a situação dominante em todo o bloco. Com o mercado dotado de uma importância crescente em toda a região, a força de atracção das economias de mercado do Ocidente, mais poderosas, também aumenta. A partir do momento em que o lucro e a eficiência ao nível da fábrica e da empresa foram promovidos ao estatuto de valor supremo, as direcções procuram inevitavelmente associar-se de modo mais estreito aos mais avançados e mais eficazes na concretização desses valores. A procura de um comércio crescente, de técnicas mais numerosas, de um financiamento mais amplo e, enfim, de um investimento mais importante proveniente dos países capitalistas avançados não pode deixar de aumentar. Este processo é perfeitamente claro no caso da Jugoslávia; igualmente claro é o mecanismo do fenómeno que conduz um país mais fraco a cair progressivamente sob o domínio de um país mais forte. Trata-se, ao nível do bloco, considerado no seu conjunto, de certas forças centrífugas extremamente potentes que, se não forem travadas, conduzirão a um processo de desintegração acelerado. É incontestável que isto representa um sério perigo para a camada dirigente da União Soviética. O bloco foi estruturado — economicamente, politicamente e militarmente — para servir os seus interesses de grupo e os seus interesses nacionais. A Checoslováquia e a Alemanha Oriental, por exemplo, sendo regiões relativamente avançadas no plano industrial, viram-se atribuir papéis económicos moldados às necessidades da economia soviética (o problema de saber em que medida tais relações constituem também relações de exploração é importante mas não é verdadeiramente fundamental para a nossa problemática presente). E é evidente que os dirigentes soviéticos consideram o reforço do Pacto de Varsóvia como um elemento essencial da sua própria segurança militar. Em tais condições, é fácil compreender por que é que os homens do Kremlin estão prontos a utilizar todos os meios que possam revelar-se necessários para manter a coesão do bloco. Dado que o seu poder económico e político está a sofrer uma constante erosão e já não basta para assegurar essa coesão, sentiram-se obrigados a recorrer abertamente à força das armas.

Em última análise, a invasão da Checoslováquia surge pois como um sinal da fraqueza soviética face a uma crise crescente do conjunto do bloco. Pode uma invasão ter êxito? A curto prazo, é incontestável que sim. A liberalização na Checoslováquia foi retardada e poderá mesmo parar completamente durante algum tempo; as forças centrífugas tendentes a desintegrar o bloco foram travadas. Mas, a longo prazo, a força militar é totalmente incapaz de fazer face aos problemas económicos e políticos. Foram estes problemas que conduziram à crise e não há dúvida alguma de que, no futuro, provocarão novas e maiores crises.

Entretanto, o comunismo ortodoxo alinhado por Moscovo sofreu um desastre irreparável. No que diz respeito à Europa, uma carta recebida há alguns dias, enviada por um velho amigo austríaco, resume perfeitamente a situação:

«Pertenci, como sem dúvida sabe, a esta pequena minoria de socialistas de esquerda que não conseguiam romper os últimos laços (tanto ideológicos como políticos) com o «glorioso» partido russo. Esperávamos ainda que, num certo momento, de uma certa maneira, se produzisse um abalo radical e ressuscitassem as velhas tradições leninistas.

Hoje, seria insensato conservar tais esperanças. Ernst Fischer [intelectual eminente do P. C. austríaco] fez ontem um apelo à Esquerda para se dissociar dos homens do Kremlin e procurar a sua própria via. Pergunto-me se os Partidos Comunistas ocidentais serão capazes de seguir os conselhos de Fischer. Se não o conseguirem, só podem, a meu ver, encarar uma extinção lenta mas segura».

Se esta opinião tem um fundamento, a crise checoslovaca marca o início do fim da influência política e ideológica de Moscovo nos países capitalistas avançados. Ou os partidos comunistas reconhecem esta realidade e procuram adaptar-se a ela ou então desaparecerão. Tendo em conta a sua história, é duvidoso que possam realizar com sucesso uma tal adaptação. De qualquer forma, a era caracterizada pela dominação de Moscovo está próxima do seu termo.

Fora do mundo capitalista avançado, o impacto do fenómeno será menos intenso — e isto Cinicamente porque, nos países não industrializados, os partidos comunistas ortodoxos estão em vias de desaparecimento desde há muito e porque surgiram na cena política novas forças revolucionárias procurando a sua inspiração na China ou (para a América latina) em Cuba.

Quanto a Cuba, os discursos de Fidel aprovando a invasão da Checoslováquia são pouco susceptíveis de levantar o prestígio da Revolução Cubana. Contudo, é preciso sublinhar que não seria de forma alguma justo avaliar esse discurso limitando-nos à passagem em questão. A maior parte das três páginas e meia que o discurso ocupa no número de 25 de Agosto da Granma é consagrada a uma crítica cerrada e mordaz do tipo de socialismo praticado na Europa Oriental e a uma fustigação da política internacional soviética. De resto, Cuba será julgada pelo movimento revolucionário internacional menos pelas declarações dos seus dirigentes do que pela política que eles praticam no interior e no exterior de Cuba. Neste plano, o balanço da sua acção foi, e continua a ser, muito impressionante para um pequeno país relativamente isolado e submetido à pressão máxima de um implacável bloqueio imperialista.

Por fim, pode muito bem acontecer que o principal beneficiário da crise checoslovaca seja a China, que denunciou a invasão como ela o merecia sem no entanto cair nas ingenuidades da teoria que considerava que a Checoslováquia se encaminhava para um tipo de utopia socialista democrática. Na análise que a China faz da actual situação internacional há muitas coisas que a Monthly Review nunca pôde aceitar — por exemplo, a forma de encarar a acção da União Soviética nos assuntos mundiais como se tal acção fosse da exclusiva responsabilidade de uma «clique de renegados revisionistas» e não constituísse antes o produto de 50 anos de história soviética, bem como o facto de qualificar todos os países do bloco soviético de já plenamente capitalistas, quando se trata de sociedades em transição para o capitalismo: são erros chineses típicos, que muitas vezes levam a estimativas e a conclusões falsas. Não obstante, no caso da Checoslováquia, a análise chinesa, tal como nos é dada, por exemplo, por Observador (pensa-se que se trata geralmente de uma alta personalidade do Partido Comunista Chinês) no Diário do Povo de 23 de Agosto, é clara e precisa:

«O facto de a clique dos renegados revisionistas soviéticos ter abertamente recorrido às forças armadas constitui o desfecho das extremas e agudas contradições que existem no seio de todo o bloco revisionista moderno. Trata-se do resultado das contradições extremamente agudas entre o imperialismo americano e o revisionismo moderno soviético na sua luta para assegurar o controlo da Europa Oriental. Trata-se do desfecho da colaboração entre os Estados Unidos e a União Soviética nas suas vãs tentativas para redividir o mundo. Desde há muito que existem contradições profundas e uma luta duríssima entre a clique dos renegados revisionistas soviéticos e as cliques revisionistas dos países da Europa Oriental. A clique dos renegados revisionistas krutchevianos, desde que se apoderou do poder, concluiu desavergonhadamente numerosos acordos com o imperialismo americano. Seguindo o exemplo dos revisionistas soviéticos, a clique dos renegados revisionistas checoslovacos deseja seguir a mesma via lançando-se na orla do imperialismo americano. Contudo, os revisionistas soviéticos consideram a Europa Oriental como a sua própria esfera de influência e impedem os revisionistas checoslovacos de se entregarem a uma colaboração directa com o imperialismo dos Estados Unidos» (Agência Nova China, 23 de Agosto).

É provável que o movimento revolucionário mundial, especialmente nos países subdesenvolvidos, seja muito mais impressionado pelas verdades contidas nesta declaração do que pelos seus exageros. Apesar de tudo, .para transmitir a verdade pode por vezes ser necessário exagerar.

(15 de Setembro de 1968)
Monthly Review, Outubro de 1968.


Notas de rodapé:

(1) O Capital, edição Kerr, livro III, p. 616. Um erro de tradução foi objecto de correcção. (retornar ao texto)

(2) O próprio termo «socialismo de mercado» constitui uma contradição, já que o mercado é a Instituição central da sociedade capitalista e o socialismo é uma sociedade que substitui o automatismo cego por um controlo consciente Todavia, isto não quer dizer que o termo seja inadequado: o fenómeno que designa constitui ele próprio uma contradição. E é precisamente esta contradição interna que impele as sociedades socialistas de mercado para o capitalismo. Infelizmente, é preciso admitir que o nível de análise marxista destes fenómenos extremamente importantes é desesperadamente baixo, não só nos Estados Unidos mas em toda a esquerda internacional. Os que compreenderam que, para alcançar o desenvolvimento do capitalismo, era necessário cavar muito abaixo da superfície das coisas a fim de descobrir as relações e os processos subjacentes, contentam-se, quando se debruçam sobre as sociedades socialistas, em examinar apenas as aparências. Evidentemente, os principais responsáveis deste estado de coisas são as próprias sociedades socialistas, que, sem excepção, não procederam ao estudo científico sério da sua própria realidade. (retornar ao texto)

(3) A Business Week resumia recentemente a situação declarando que o regime de Dubcek «procurava libertar a imprensa, conceder mais liberdades individuais e aplicar técnicas capitalistas para estimular a estagnada economia checa» (24 de Agosto). (retornar ao texto)

(4) A obra marxista mais importante (e a mais esquecida) respeitante a este domínio teórico é a de Preobrajensky, A nova economia, E.D.I. publicada na União Soviética em meados dos anos 20 e recentemente reeditada numa tradução inglesa (Oxford University Press, 1965). Preobrajensky era membro da Oposição de Esquerda. Foi morto durante as purgas estalinistas. Ver também a análise do sistema jugoslavo em «Peaceful Transition from Socialism to Capitalism?» [Transição pacifica do socialismo para o capitalismo?] Monthly Review, Março de 1964. (retornar ao texto)

Inclusão: 24/06/2020