Os Civilizadores

Ho Chi Minh

1 de Julho de 1922


Primeira Edição: Le Paria, 1 de julho de 1922.
Fonte: Selected Works of Ho Chi Minh Vol. 1, Editora: Foreign Languages Publishing House.
Transcrição: Roland Ferguson e Christian Liebl
Tradução do inglês: Gabriel Zerbetto Vera
HTML de: Fernando A. S. Araújo, maio 2007.
Direitos de Reprodução: A cópia ou distribuição deste documento é livre e indefinidamente garantida nos termos da GNU Free Documentation License.


Sob o título de “Piratas coloniais”, nosso camarada Victor Meric nos contou sobre a incrível crueldade perpetrada por um administrador francês nas colônias que derramou borracha derretida na genitália de uma pobre mulher negra. Depois, a fez carregar uma enorme pedra sobre a cabeça debaixo do sol escaldante, até que ela morreu.

O sádico oficial continua com seus abusos, agora em outro distrito, mas ainda com a mesma patente.

Infelizmente, tais atos abomináveis não são raros na que a prezada imprensa chama de “França ultramarina”.

Em março de 1922, um oficial de alfândega em Baria (na Cochinchina) simplesmente decretou a morte de uma carregadora de sal anamita[N1] porque esta perturbou sua sesta por ter feito barulho do lado de fora da varanda de sua casa.

O pior disso é que a mulher foi ameaçada de demissão do pátio de construção onde trabalhava caso ela registrasse uma reclamação.

Em abril, outro oficial de alfândega que assumiu o lugar do oficial mencionado acima provou estar à altura de seu predecessor em matéria de brutalidade.

Uma velha anamita, também carregadora de sal, teve uma discussão com uma supervisora a respeito da suspensão de parte dos seus ganhos. Ao ouvir a reclamação da supervisora, o oficial, com frieza, assumiu a queixa e deu dois fortes tapas no rosto da carregadora. Enquanto a pobre mulher curvava-se para pegar seu chapéu, o civilizador, não satisfeito com os tapas que acabara de lhe dar, chutou furiosamente a parte inferior de seu abdome, provocando de imediato uma intensa hemorragia.

Quando a infeliz anamita caiu no chão, o colaborador do senhor Sarraut[N2], ao invés de socorrê-la, chamou o prefeito da vila para levá-la embora. Mas este nobre indivíduo se recusou. Então o oficial chamou o marido da vítima, que era cego, e ordenou-lhe que levasse a esposa dali. A pobre senhora está agora no hospital.

É estranho como, da mesma forma que seu colega administrador na África, nossos dois oficiais de alfândega não ficaram preocupados. Eles podem até mesmo receber uma promoção.

Compartilhe este texto:
Início da página
 
Visite o MIA no Facebook
 

Notas do Tradutor:

[1N] NT: Anamita é a pessoa natural da região de Anã, no centro do Vietnã. (retornar ao texto)

[N2] Sarraut foi Governador-geral da Indochina entre 1912 e 1919 e Ministro das Colônias entre 1920 e 1924. Posteriormente, foi Primeiro-ministro da França em duas ocasiões. (retornar ao texto)

Inclusão 31/05/2007