Sobre o Momento Atual

J. V. Stálin

17 (30) de abril de 1906


Primeira Edição: Discurso pronunciado a 17 (30) de abril de 1906, na 15.ª sessão do IV Congresso do P.O.S.D.R.) - Atas do Congresso de Unificação do P.O.S.D.R., realizado em Estocolmo, em 1906. Moscou, 1907, pag. 187.
Fonte: J.V. Stálin – Obras – 1º vol., pg. 220 a 221. Editorial Vitória, 1954 – traduzida da edição italiana da Obras Completas de Stálin publicada pela Edizioni Rinascita, Roma, 1949.
Tradução: Editorial Vitória
Transcrição: Partido Comunista Revolucionário
HTML:
Fernando A. S. Araújo.
Direitos de Reprodução: A cópia ou distribuição deste documento é livre e indefinidamente garantida nos termos da GNU Free Documentation License.

capa

Não é segredo para ninguém que no desenvolvimento da vida político-social da Rússia traçaram-se dois caminhos: o caminho das pseudoreformas e o caminho da revolução. É também evidente que no primeiro caminho colocam-se os grandes industriais e a nobreza fundiária, com o governo tzarista à frente; no segundo, os camponeses revolucionários e a pequena burguesia, com o proletariado à frente. A crise que se desenvolve nas cidades e a fome nos campos tornam inevitável uma nova explosão; por isso as hesitações são agora inadmissíveis: ou a revolução tende a desenvolver-se e devemos levá-la a termo, ou então tende ao refluxo e não podemos nem devemos propor-nos essa tarefa. Sem razão Rudenko julga que esse modo de colocar a questão não seja dialético. Rudenko procura uma linha intermediária; quer dizer que a revolução está em ascenso e não está, que se deve e não se deve levá-la até ao fim; segundo ele, a dialética obriga a colocar precisamente assim a questão! A dialética de Marx, não é assim que a imaginamos.

Estamos portanto em vésperas de uma nova explosão; a revolução está em ascenso e devemos levá-la até ao fim. Nisto estamos todos de acordo. Mas em que situação podemos e devemos fazer isso: numa situação de hegemonia do proletariado ou numa situação de hegemonia da democracia burguesa? Eis onde nasce a divergência fundamental.

O companheiro Martínov, em Duas ditaduras, já havia dito que a hegemonia do proletariado na revolução burguesa atual é uma utopia nociva. No seu discurso de ontem transparece a mesma opinião. Os companheiros que aplaudiram estão evidentemente de acordo com ele. Se é assim, se segundo os companheiros mencheviques não nos é necessária a hegemonia do proletariado, mas a hegemonia da burguesia democrática, então é óbvio que não devemos tomar parte direta e ativa nem na organização da insurreição armada, nem na conquista do poder. Esse é o "esquema" dos mencheviques.

Invertendo os termos, se os interesses de classe do proletariado impõem a sua hegemonia, se o proletariado não deve marchar a reboque, mas à frente da revolução atual, é óbvio que não pode recusar-se a participar ativamente nem da organização da insurreição armada nem da conquista do poder. Esse é o "esquema" dos bolcheviques.

Ou hegemonia do proletariado, ou hegemonia da burguesia democrática, eis como se coloca a questão no Partido, eis em que consistem nossas divergências.

Compartilhe este texto:
Início da página
 
Visite o MIA no Facebook
 

pcr
Inclusão 29/12/2010