A Rada Burguesa de Kíev

J. V. Stálin

13 de Janeiro de 1918


Primeira Edição: "Pravda" ("A Verdade"), n.° 9, 13 de janeiro de 1918.
Fonte: J.V. Stálin – Obras – 4º vol., Editorial Vitória, 1954 – traduzida da edição italiana da Obras Completas de Stálin publicada pela Edizioni Rinascita, Roma, 1949.
Tradução: Editorial Vitória
Transcrição: Partido Comunista Revolucionário
HTML:
Fernando A. S. Araújo, setembro 2006.
Direitos de Reprodução: A cópia ou distribuição deste documento é livre e indefinidamente garantida nos termos da GNU Free Documentation License.

capa

Os jornais burgueses insistem em difundir rumores sobre um pretenso "início de negociações entre a Rada e o Conselho dos Comissários do Povo." Os círculos ligados aos contra-revolucionários ampliam por todos os modos esses rumores, acentuando o seu "particular" significado. Chegou-se a tal ponto que muitos camaradas não estão longe de crer na fábula das negociações com a Rada de Kiev e muitos já se dirigiram a mim por escrito, pedindo dizer-lhes até que ponto merece fé essa fábula.

Declaro publicamente que:

  1. — O Conselho dos Comissários do Povo não efetua nem se prepara para efetuar negociações de espécie alguma com a Rada de Kíev.
  2. — Com a Rada de Kíev, que se ligou completamente a Kalédin e que traiçoeiramente trata com os imperialistas austro-alemães pelas costas dos povos da Rússia, com uma Rada de tal espécie o Conselho dos Comissários do Povo julga que só será possível conduzir uma luta implacável até à vitória completa dos soviets da Ucrânia.
  3. — Só a completa liquidação da Rada burguesa de Kíev e sua substituição por uma nova Rada socialista, soviética, cujo núcleo já se formou em Khárkov, poderão trazer a paz e a tranqüilidade à Ucrânia.

O Comissário do Povo
J. Stálin.

Compartilhe este texto:
Início da página
 
Visite o MIA no Facebook
 

pcr
Inclusão 09/01/2008