A Cência da Logica

Georg Wilhelm Friedrich Hegel


Livro um: A doutrina do ser
Primeira seção: determinação (qualidade)


O SER é o imediato indeterminado; está livre da determinação em relação à essência, assim como é livre daquilo que pode alcançar o interior de si. Este ser carente de reflexão é o ser como existe imediatamente só em si. Por ser indeterminado, é um ser destituído de qualidade; mas o caráter da indeterminação pertence a ele em si apenas em oposição ao determinado ou qualitativo. Mas sendo em geral, opõe-se a ser determinado como tal; mas desta forma a sua própria indeterminação constitui a sua qualidade. Devemos mostrar, portanto, que o primeiro ser é determinado em si mesmo; e com isso, em segundo lugar, que transcende o ser determinado [ou a existência: Dasein], é ser determinado; mas este, enquanto ser finito, é superado e é a relação infinita do ser para si mesmo; que em terceiro lugar, vá além de ser-por-si.

Capítulo 1: Ser

A. SER

Ser, ser puro - sem qualquer outra determinação. Em seu imediatismo indeterminado é igual apenas a si mesmo, e não é desigual para outro; Não tem diferença nem dentro nem fora. Por meio de qualquer determinação ou conteúdo, que difere no mesmo, ou através do qual é colocado como diferente do outro, não seria preservado em sua pureza. É pura indeterminação e puro vazio. Não há nada nele que se possa intuir, se ele puder falar aqui de intuição; ou então ele é apenas esse intuir puro e vazio em si mesmo. Também não há nada nele que se possa pensar, ou então isso é apenas um pensamento vazio.

O ser, o indeterminado imediato, é na realidade o nada, nem mais nem menos que nada.

B. O NADA

Nada, o puro nada; é a simples igualdade consigo mesma, o perfeito vazio, a ausência de determinação e conteúdo; o indistinto em si. - Assim que tu podes falar sobre intuir ou pensar aqui, vale a pena como uma diferença que pode ser intuída ou pensada como algo ou nada. Intuir ou pensar que nada tem, então, um significado; ambos são diferentes e, portanto, nada está (existe) em nossa intuição ou pensamento; ou melhor, é o intuir e pensar vazios, e o mesmo vazio intuir ou pensar que é o puro ser. - O Nada é, portanto, o mesma determinação ou melhor ausência de determinação, e com isto é em geral a mesma coisa que é o puro ser.

C. O DEVIR

1. UNIDADE DE SER E NADA

Ser puro e nada puro são, portanto, a mesma coisa. O que constitui a verdade não é nem o ser nem o ser nada, mas aquilo que não supera, mas superou, isto é, o ser [superado] no nada e o nada [superado] em ser. Mas ao mesmo tempo a verdade não é a sua indistinção, mas sim que eles não são o que mesmo, mas são absolutamente diferentes, mas são inseparados ​​e inseparáveis ​​e imediatamente cada um desaparece no seu oposto. Sua verdade, então, consiste neste movimento do imediato desaparecer de um para o outro: o devir; um movimento onde os dois são diferentes, mas por meio de uma diferença que ao mesmo tempo foi resolvida imediatamente.

NOTA 1(1)

O Nada é geralmente oposto a alguma coisa; mas a coisa já é uma entidade determinada, que difere de outra alguma coisa; e assim também o nada oposto ao algo é o nada de certa coisa, um nada determinado. Mas aqui o nada deve ser tomado em sua simplicidade indeterminada. -Se tu quiseres considerar mais preciso do que no lugar do nada se opõe ao ser o não-ser, não haveria nada a dizer contra o resultado, porque no não-ser está contida a referência ao ser; o não-ser é tanto o ser como a sua negação, expressa em um, o ser nada, como está em seu devir. Mas acima de tudo não é sobre a forma da oposição, isto é, ao mesmo tempo, da relação, mas da negação abstrata, imediata, nada puro por si só, negação desprovida de relação, que poderia, se tu quiseres, expressar-se através do puro não.

A simples ideia de ser puro foi expressa primeiro pelas Eleatas e especialmente por Parmênides como o absoluto e a única verdade; e nos fragmentos que permanecem dele, [é expresso] com o puro entusiasmo de pensamento que pela primeira vez é concebido em sua abstração absoluta: só ser existe, e o nada não existe em absoluto. Nos sistemas orientais e essencialmente no budismo, o nada, o vazio é notoriamente o princípio absoluto. — O profundo Heráclito enfatizou contra essa abstração simples e unilateral o conceito mais elevado e total de devir, e disse: o ser existe tão pouco como nada, ou bem: tudo flui, isto é, tudo está em devir. — As frases populares, especialmente as orientais, que eles afirmam que tudo o que existe tem em seu nascimento o germe de seu perecimento, e que, inversamente, a morte é a entrada em uma nova vida, expressam em substância a mesma unidade de ser e nada. Mas estas expressões têm um substrato, onde a transferência é realizada; ser e nada são mantidos separados no tempo, representados como alternados nele, mas não pensados em sua abstração, e, portanto, nem são pensados ​​de tal maneira que sejam em si a mesma coisa.

Ex nihilo nihil fit [nada nasce do nada] - é uma das proposições para as quais um grande importância foi atribuída na metafísica. Mas nela ou deve ser vista apenas a tautologia vazia: o nada é o nada; ou bem, se o devir deve ter nela um verdadeiro significado, na realidade, já que do nada nasce apenas Nada, não há futuro nele, porque o nada permanece como nada. O futuro implica que o nada não permanece como nada, mas transcende ao seu ser outro, ao ser. Quando metafísica posterior, especialmente cristã, repudiou a proposição de que nada vem do nada, disse uma transferência do nada ao ser; e apesar de ter tomado essa proposição em forma sintética e puramente representativa, contudo, mesmo na união mais imperfeita, um ponto está contido, onde o ser e o nada coincidem e diferença desaparece. -A proposição: nada vem do nada, nada é nada, tem o seu própria importância para a sua oposição contra o devir em geral e, consequentemente, também contra a criação do mundo a partir do nada. Aqueles que afirmam a proposição: o nada é precisamente nada, até que o ponto de se apaixonar por ela, não têm consciência de que com isso aderem ao panteísmo abstrato de eleatas e, em substância, até mesmo ao de Espinoza. O ponto de vista filosófico segundo o qual vale como princípio que: "ser é apenas ser, nada é nada", merece o nome de sistema de identidade; essa identidade abstrata é a essência do panteísmo.

Se parece surpreendente ou paradoxal o resultado de que o ser e o nada são os mesmos, não deve receber muita atenção; em vez disso, seria necessário ficar espantado com esse espanto, que é tão novo em filosofia e esquecer que nesta ciência diferentes determinações são apresentadas oferecidas na consciência comum e no chamado senso comum dos homens que não é precisamente o entendimento saudável [ou bom senso], mas o conformado também para as abstrações e para a fé ou melhor, para a crença supersticiosa nas abstrações. Não seria difícil mostrar esta unidade ser e nada em todo exemplo, em toda realidade ou pensamento. Deve ser dito, sobre ser e nada, a mesma coisa que foi dito acima sobre imediatismo e mediação (dos quais o último contém uma referência mútua e, portanto, uma negação), isto é, que em nenhum lugar, nem no céu nem Terra, há algo que não contém tanto o ser como o nada. Sem dúvida, já que aqui falamos de certo algo e certo real, essas determinações não são mais apresentadas neste com a falta completa na verdade, eles são como ser e nada, mas em uma determinação maior, e eles se entendem, exemplo, como positivo e negativo, sendo aquele a posição e o ser refletido, este o colocar e não refletir nada; mas positivo e negativo contêm esse ser, esse nada como sua fundação abstrata. -Então em Deus a qualidade em si, isto é, atividade, criação, poder, etc., contém essencialmente a determinação do negativo - são todas um produzir outro. Mas uma explicação empírica dessa afirmação por meio de exemplos aqui seriam totalmente e absolutamente supérfluos. Já que esta unidade de ser e nada é agora, de uma vez por todas, colocado na base como a primeira verdade e constitui o elemento de todos o seguinte, são exemplos desta unidade, além de tornar-se ela mesma, todas as determinações lógicas subsequentes: o ser determinado ou existência, a qualidade e em geral todos os conceitos de filosofia.- Mas poderia o que se chama a si de senso comum ou bom senso (compreensão saudável) é convidado a descobrir um exemplo onde eles podem ser separados um do outro (algo sobre seu término ou limite, ou bem o infinito, Deus - como foi mencionado há pouco - com respeito a sua atividade) já que repudia a inseparabilidade do ser e do nada. Apenas as entidades ideais vazias, isto é, o ser e o nada em si, são estes separados, e são eles que aquele entendimento prefere à verdade, à inseparabilidade de ambos, que os parece em todos os lugares.

Não é possível propor como fim enfrentar de todos os lados as confusões com as quais o a consciência comum tropeça em tais proposições lógicas, pois elas são infinitas. Só podem ser mencionados algumas. Uma razão para tal confusão entre outros é que a consciência carrega consigo, [na consideração de] tais proposições lógicas, representações de algo concreto, e esquecer que não é mais tal concreto, mas apenas das abstrações puras do ser e do nada, e que estas somente devem permanecer firmes.

Ser e não-ser são os mesmos; portanto [diz-se] dá no mesmo se eu existo ou não, se existe ou não esta casa, se estas centenas de táleres estão ou não na minha herança. -Esta conclusão ou aplicação de essa proposição muda completamente o significado disso. A proposição contém abstrações puras de ser e nada; mas a aplicação as transforma em um determinado ser e um determinado nada. No entanto, aqui (de acordo com o que foi dito) não se fala de um determinado ser. Um ser determinado e finito é um tal ser que se refere a outro; é um conteúdo que está em relação da necessidade com outro conteúdo, com o mundo inteiro. No que diz respeito à dependência recíproca do todo, a metafísica poderia alcançar a afirmação - no contexto tautológico - que, se uma molécula fosse destruída, o universo inteiro entraria em colapso. Nas instâncias que são alegadas contra a proposição em questão, se algo aparece como não indiferente ao fato de ser ou não ser, não é a causa do ser ou não ser, mas por causa de seu conteúdo, então esse algo é ligado com outro Se um determinado conteúdo é pressuposto, uma certa existência determinada, a existência, a ser determinada, é encontrada em várias relações a respeito de outro conteúdo; para aquela existência não é indiferente se determinado conteúdo diferente, com o qual se relaciona, existe ou não existe; pois somente através desse relacionamento ela é essencialmente o que ela é. Idêntico é o caso na representação (em como transformar o não-ser no determinado sentido de se representar em oposição à realidade), em cujo conjunto não é indiferente o ser (existir) ou a ausência de um conteúdo que se represente como determinado em relação a outro.

Esta consideração contém o mesmo [argumento] que constitui um momento capital na crítica kantiana da prova ontológica da existência de Deus, para cuja crítica, no entanto, é aqui apenas abordada com relação à diferença que aparece entre o ser e o nada em geral e um determinado ser ou não-ser. -Sabe-se que nesta chamada prova se encontrava o conceito de um ser ao qual competiam todas as realidades, e com elas também a existência, que também se transformou em uma das realidades. A crítica kantiana insistia acima de tudo sobre isso, que a existência ou o ser (que aqui valem como de igual significado) não é de maneira nenhuma uma propriedade ou um predicado real, isto é, não é um conceito de algo que pode adicionar ao conceito de uma coisa(2). Kant quer dizer, com isso, que o ser não é uma determinação de conteúdo. — Portanto, Kant continua, o possível não contém nada mais que o real; uma centena de táleres reais não contém sequer o menor dos elementos mais de cem possíveis; - isto é, aqueles não têm outra determinação de conteúdo além desses. Para este conteúdo considerado como isolado é indiferente, na verdade, existir ou não existir; não o afetam cem taleres não viram menos se não existirem e não se tornarem mais se existirem. Uma diferença pode vir apenas de outra parte. "Ao contrário," lembra Kant , na minha herança há mais com cem thaleres reais do que com o puro conceito deles ou com a sua possibilidade. Bem, o objeto, na sua realidade, não é apenas conteúdo analiticamente no meu conceito, mas é sinteticamente adicionado ao meu conceito (que é uma determinação de minha situação), sem que através deste existente fora do meu conceito estes mesmos cem thaleres pensados se encontrem aumentados no mínimo."

Duas espécies de situação são pressupostas aqui, para permanecer dentro do escopo das expressões kantianas, que não estão isentas de certo pesada confusão: uma, que Kant chama de conceito, sob cuja expressão existe entender a representação e outra, que é a situação patrimonial. Para uma como para a outra, para o patrimônio quanto à representação, cem thaleres são uma determinação de conteúdo, isto é, como Kant se expressa, "eles adicionam essa determinação sinteticamente". Eu, como possuidor de cem thaleres ou como não-detentor deles, ou eu como aquele que representa uma centena de thaleres ou não representa, sem dúvida, constitui um conteúdo diferente. Expresso de maneira mais geral: as abstrações de ser e nada impedem que sejam abstrações quando adquirem conteúdo determinado: o ser então é uma realidade, o ser determinado de uma centena de thaleres; nada é uma negação, o não-ser determinado deles. Esta mesma determinação de conteúdo, os cem thaleres, mesmo tomados de maneira abstrata por si é, em um dos casos, sem variação, o mesmo que no outro. Mas então, assim que o ser é transformado em uma situação patrimonial, os cem táleres se relacionam com uma situação, e, para isso, uma determinação como a que eles representam não é indiferente. Seu ser ou não-ser é apenas um variação; eles são transferidos para a esfera da existência. Quando, então, contra a unidade do ser e do nada, insiste em dizer que não é indiferente se isto e aquilo (os 100 thaleres) existem ou não existem, é uma ilusão de que simplesmente nos referimos a ser e não-ser a diferença entre os dois casos que eu tenho ou não as centenas de thaleres - uma ilusão baseada, como foi mostrado, na abstração unilateral, que omite determinada existência, que é apresentada em tais exemplos, e mantém puramente o ser e o não-ser, tais como, inversamente, muda o ser abstrato e nada, que deve ser entendido, em um certo ser e nada, isto é, em uma existência. Somente a existência contém a diferença real entre Ser e nada, isto é, um algo e outro. Esta diferença real é apresentada à representação em vez do ser abstrato e do puro nada, e de sua diferença só pensada.

Como Kant se expressa, entra então "através da existência algo no contexto da experiência total",” alcançamos por este meio mais um objeto de percepção, mas nosso conceito de objeto não é por este meio aumentado. "Isto significa, como resulta dos esclarecimentos já dados o seguinte: que por meio da existência, essencialmente enquanto que algo representa uma existência determinada, este algo está em conexão com os outros, e entre os outros, também com o sujeito que percebe. O conceito dos cem thaleres, diz Kant, não é aumentado por meio da percepção. O conceito significa aqui os cem thaleres acima mencionados, representados isoladamente. Desta maneira isolada são um conteúdo empírico, mas cortado, sem conexão e determinação diante do outro; a forma de identidade consigo mesma remove a referência ao outro e os torna indiferente quanto ao fato de ser percebido ou não. Mas esse assim chamado conceito dos cem thaleres é um pseudo conceito; a forma da simples relação consigo não pertence a um conteúdo limitado e finito; mas é uma forma que tem foi lançado e emprestado pela compreensão subjetiva; cem thaleres não são algo que se refere a si mesmo, mas algo variável e perecível.

O pensar ou representar, diante do qual existe apenas um ser determinado, uma existência, deve ser encaminhado ao mencionado início da ciência, que Parmênides realizou, que esclareceu e criou a sua própria representar-se e com ele também a representação de todas as épocas seguintes, puro pensamento, ao ser enquanto tal, e com isso ele criou o elemento da ciência. Aquilo que é a primeira coisa na ciência teve que ser mostrado também historicamente como o primeiro. E nós temos que considerar ao Uno ou ser dos eleatas como o primeiro da ciência do pensamento. A água e outros princípios materiais similares devem certamente ser o universal, mas, como assuntos, eles não são pensamentos puros; e os números não são nem o pensamento primeiro simples, nem o que permanece em si mesmo, mas o que é totalmente externo a si mesmo.

O encaminhamento do ser particular e finito para o ser como tal em sua universalidade completamente abstrata, deve ser considerado como o primeiro requisito entre todos tanto teórico quanto prático. Quer dizer que quando tu superas, com relação aos cem thaleres, a condição que no meu patrimônio faz diferença se eu os tenho ou não, e ainda mais, se eu existo ou não, se alguma outra coisa existe ou não, então - mesmo sem mencionar que patrimônios podem ser dados para os quais é indiferente tal posse de cem thaleres - o seguinte deve ser lembrado a este respeito. Ou seja, aquele homem tem que subir em sua alma em direção a esta universalidade abstrata, na qual é de fato indiferente que os cem tháleres – qualquer que seja a relação quantitativa que eles possam ter com teu patrimônio - eles existem ou não existem; tanto quanto ocorra ser indiferente que ele próprio exista ou não, isto é, se está ou não na vida finita (desde que se compreenda uma situação, um ser determinado) etc. Mesmo se fractus illabatur orbis, impavidurno ferient ruinae [se o mundo desmorona em pedaços, as ruínas sustentarão o destemido] declarou um romano [Horácio]; e o cristão tem de estar ainda mais nessa indiferença.

É necessário enfatizar ainda a conexão imediata em que é a elevação acima dos cem tháleres e de coisas finitas em geral com a prova ontológica e a citada crítica de Kant a ela. Essa crítica tem sido genericamente plausível por meio de seu exemplo popular. Quem não sabe que cem thaleres reais são diferente de cem thaleres puramente possíveis? E que eles fazem diferença no meu patrimônio? Como essa diferença é tão óbvia em relação aos cem thaleres, eles diferem entre si o conceito — isto é, a determinação do conteúdo como uma possibilidade vazia — e o ser; portanto

também o conceito de Deus difere do seu ser, e como não consigo extrair da possibilidade dos cem thalares sua realidade, tampouco posso "extrair pouco a pouco" do conceito de Deus a sua existência. Mas neste "extrair pouco a pouco" a existência de Deus a partir de seu conceito deve consistir na prova ontológica. Agora, se tu tens sem dúvida a sua precisão o princípio de que o conceito é diferente do ser, muito mais diferente ainda é Deus com respeito aos cem thaleres e as outras coisas finitas. A definição de coisas finitas consiste em que nelas o conceito e o ser são diferentes, nos quais o conceito e a realidade, a alma e o corpo são separáveis e que, portanto, são transitórios e mortais. Pelo contrário, a definição abstrata de Deus é justamente esta: que seu conceito e seu ser são indissolúveis ​​e inseparáveis. A verdadeira crítica das categorias e da razão consiste precisamente nisso: instruir o conhecimento sobre essa diferença e distanciá-la da aplicação das determinações e relações do finito a Deus.

NOTA 2(3)

Também é necessário argumentar outra razão que pode contribuir para a rejeição da proposta sobre o ser e o nada. Esta razão é que a expressão dada ao resultado do consideração de ser e o nada, através da proposição: ser e nada são um e o mesmo. O acento é colocado preferencialmente em um só e o mesmo, como é geralmente no caso do juízo, enquanto que apenas o predicado afirma o que é o sujeito. O sentido, portanto, parece ser que a diferença foi negada, que, no entanto, é apresentada ao mesmo tempo imediatamente no proposição pois expressa as duas determinações, ser e nada e as contém como distintas. Não sei deve compreender, ao mesmo tempo, que deve ser abstraído deles e manter apenas a unidade. Este significado aqui em si seria unilateral, uma vez que aquele do qual deve ser abstraído está presente sem mas na proposição e é mencionado nele. Agora, assim que a proposição: ser e nada é o mesmo, expressa a identidade dessas determinações, mas na verdade também as contém ambos distintos, contradiz-se e dissolve-se. Se mantivermos a empresa mais precisamente isso, então, está sentado aqui uma proposição que, considerada mais de perto, tem o movimento pelo qual desaparece por si mesmo. Mas desta forma, o que é constituir o seu próprio conteúdo, isto é, devir. A proposição contém, então, o resultado, representa este resultado em si mesmo. Mas a circunstância sobre o qual é necessário chamar atenção aqui, consiste em defeito de não ser o resultado expresso mesmo na proposição; mas é uma reflexão externa que a reconhece. É devido a este respeito fazer também aqui no começo esta observação geral, que a proposição, na forma de um julgamento, não é capaz de expressar verdades especulativas; o conhecimento desta circunstância seria apropriado eliminar muitos erros sobre verdades especulativas. O julgamento é um relação de identidade entre sujeito e predicado; abstrai do fato de que o sujeito tem ainda mais determinações do que o predicado, bem como que o predicado é mais extenso que o sujeito. Mas se agora o conteúdo é especulativo, então também o elemento não idêntico do sujeito e o predicado é um momento essencial, embora não seja expresso no juízo. O aparecimento de contradição e extravagância, sob o qual grande parte da filosofia moderna aparece para aqueles que não são familiarizados com o pensamento especulativo, eles muitas vezes dependem da forma de juízo simples, quando usado para expressar os resultados especulativos.

Para expressar a verdade especulativa, esse defeito pode ser substituído, em primeiro lugar, adicionando-se a proposição oposta, isto é: o ser e o nada não são um e o mesmo, uma proposição que também tem sido expresso acima. No entanto, desta forma, o defeito subsequente ocorre, que essas proposições não estão em conexão mútua, e assim apresentam seu conteúdo apenas na antinomia, enquanto, no entanto, sua conteúdo refere-se a apenas um e o mesmo [objeto] e as determinações, expressas nos dois devem unir-se absolutamente por uma união que, portanto, só pode ser expressa como uma preocupação imediata de incompatíveis, ou como um movimento. A injustiça mais comum contra pensamento especulativo, é torná-lo unilateral, isto é, destacar apenas uma das proposições em que pode ser resolvido. Então não se pode negar que esta proposição é afirmada; Por mais que a afirmação seja correta, o mesmo é falso, porque quando uma foi tomada uma vez proposição da esfera especulativa, deve pelo menos ser levada em consideração e declarada igual e juntos o outro. Devemos mencionar aqui de uma maneira especial a palavra, por assim dizer, infeliz: unidade; Unidade indica ainda mais do que identidade uma reflexão subjetiva; é tomado de uma maneira particular como um relacionamento que surge da comparação, isto é, de uma reflexão externa. Tanto quanto esta reflexão encontrar o mesmo em dois objetos diferentes, uma unidade é apresentada para que haja pressuposto perfeita indiferença dos mesmos objetos que são comparados, em frente a esta unidade; para que isso comparar e a unidade reconhecida não se refere aos objetos em si e constituem uma atividade e determinação fora deles. A unidade, portanto, expressa a individualidade totalmente abstrata e reza quanto mais difícil e mais surpreendente, mais eles são diferentes, aqueles sobre os quais expressa isso. Melhor do que a unidade, portanto, deve-se dizer a esse respeito apenas a inseparação e inseparabilidade; mas, desse modo, o aspecto afirmativo da relação do todo não é expresso. Desta forma, o resultado total e verdadeiro, que foi alcançado aqui, está se tornando, o que não é puramente a unidade unilateral ou abstrata do ser e do nada, mas consiste no seguinte movimento: o ser puro é imediato e simples, portanto, também é puro nada, e a diferença entre eles existe, mas ao mesmo tempo é superada e não existe. O resultado afirma, então, também a diferença entre ser e nada, mas uma diferença só entendida.

Entende-se que o ser é, antes de tudo, diferente de nada, e nada é mais claro do que diferença absoluta, e nenhuma parece mais fácil do que poder declará-la. Mas é igualmente fácil se convencer que isso é impossível e que tal diferença é inexprimível. Aqueles que querem persistir na diferença entre o ser e o nada podem ser convidados a declarar em que consiste. Se o ser e nada tivesse alguma determinação, pelo qual eles se diferenciariam, então, como lembrado, eles seriam um certo ser e um nada determinado, não ser puro e nada puro como eles ainda estão aqui. Sua diferença, portanto, é completamente vazia e cada um dos dois é da mesma maneira que o indeterminado; a diferença assim tanto não subsiste em si, mas apenas em um terceiro, no entendimento. Mas a compreensão é uma maneira de subjetivo, alheio a essa esfera da exposição. No entanto, o terceiro, onde ser e nada tem o seu subsistir, também deve ser apresentado aqui; e também foi apresentado aqui, porque está no devir. No devir ambos são encontrados como distintos; o devir existe somente enquanto eles são diferentes. Este terceiro é um outro diferente deles; [dizer que] eles subsistem somente em um outro, significa por sua vez que não subsistem por si. O devir é o subsistir do ser tanto como do não-ser; ou seja, seu subsistir é somente seu ser [existir] em um; precisamente este seu subsistir é o que supera também sua diferença.

O convite a declarar a diferença entre o ser e o nada encerra em si também o outro [convite] quer dizer que é pois o ser e o quê é o nada. Os que recusam, ao contrario, reconhecer a um e ao outro somente como um travessia de um no outro, e afirmam a respeito ao ser e ao nada isto ou aquilo, poderiam declarar de quê falam. Quer dizer oferecer uma definição do ser e o nada, e mostrar que é correta. Sem haver satisfeito esta primeira exigência da antiga ciência, da qual, ademais, fazem valer e aplicam as regras lógicas, todas aquelas afirmações sobre o ser e o nada são somente assertivas, proposições inaceitáveis cientificamente. Quando se diz, por outro lado, que a existência - enquanto se considera sobretudo como equivalente ao ser- é o complemento da possibilidade, então se pressupõe com isto outra determinação, a possibilidade, e se expressa ao ser não já em sua imediação, e por isso não já como independente, mas como condicionado. Para o ser que é mediado, vamos conservar a expressão existência. Porém se representa o ser de certo modo com a imagem da pura luz, como a claridade da visão não turva, e o nada em troca como a pura noite, e se relaciona sua diferencia a esta bem conhecida diferença sensível. Mas na realidade, quando algo se representa também este ver de um modo mais exato, pode muito facilmente advertir que na claridade absoluta não se vê mais nem menos que na absoluta obscuridade, isto é, que um [dos dois modos de] ver, exatamente como o outro, é um ver puro, quer dizer um ver nada. A pura luz e a pura obscuridade são dois vazios que são a mesma coisa. Somente na luz determinada —e a luz se acha determinada por meio da obscuridade— e portanto somente na luz turva pode distinguir-se algo; assim como somente na obscuridade determinada —e a obscuridade se acha determinada por meio da luz— e portanto na obscuridade iluminada [é possível distinguir algo], porque somente a luz turva e a obscuridade iluminada têm em si a distinção e portanto são um ser determinado, uma existência [concreta].

Comentário 3(4)

A unidade, cujos momentos, o ser e o nada, são inseparáveis, está ao mesmo tempo diferente desses momentos. Assim, fica como um terceiro com respeito a eles - um terceiro que, na sua forma mais adequada, está no devir.

A travessia é o mesmo que devir, exceto que os dois termos, de um dos quais a travessia é feita para o outro, são representados mais como em repouso, fora um do outro, a travessia ocorrendo entre eles. Agora, onde quer que seja e como o ser ou o nada esteja em questão, este terceiro deve estar lá; pois os dois não têm subsistência por conta própria, mas estão apenas no devir, neste terceiro. Mas este terceiro tem várias formas empíricas que a abstração deixa de lado ou negligencia para manter os dois produtos, o ser e o nada, cada um por si, e mostrá-los como protegidos contra a travessia. Uma simples manobra de abstração pode ser combatida, com igual facilidade, simplesmente apontando para a existência concreta empírica em que que a própria abstração é apenas algo, tem uma existência determinada.

Ou então é em virtude de outras formas de reflexão que esta separação do inseparável seria mantido fixo. Mas em qualquer tal determinação de reflexão, o seu oposto está presente dentro e para si, e é assim possível refutá-lo em seus próprios termos sem voltar à natureza do fato e apelando para ele, tomando a determinação como se apresenta, e apontando para o outro nele. Seria trabalho em vão tentar enredar, por assim dizer, todas as mudanças e voltas de reflexão e sua argumentação em a fim de antecipar e tornar impossível todas as evasões e os saltos com que esconde sua própria contradição. Por esta razão eu também me refiro de tomar conhecimento das muitas objeções autointituladas e refutações que foram avançados contra a alegação de que nem ser nem nada são algo verdadeiro, mas que o devir é a sua verdade. A educação intelectual necessário perceber o nada dessas refutações, ou melhor, dissipar tais ideias arbitrárias por conta própria, serão alcançadas somente através de uma cognição das formas do entendimento. Mas aqueles que são os mais prolífico em tais objeções imediatamente se definir ao refletir nas primeiras proposições, sem se ajudar ou ter ajudado-se através de um estudo mais aprofundado da lógica para a consciência do natureza de suas reflexões cruas.

Vamos considerar alguns dos casos que ocorrem quando se está e nada são colocados isoladamente, cada um fora da esfera do outro, com o resultado que a travessia é negada.

Parmênides se manteve firme e foi o mais consistente, já que ele também disse de nada que absolutamente não é; sendo apenas totalmente para si, ser é, portanto, o indeterminado e, portanto, não tem referência de conexão para qualquer outro; consequentemente, parece que a partir deste começo não mais movimento para a frente é possível - isto é, a partir desse começo - e que um avanço só pode ocorrer adicionando algo estranho a ele de fora.

O avanço, onde o ser é o mesmo que nada, aparece como um segundo, início absoluto - uma travessia que é para si, e que seria adicionado ser externamente. Ser não seria um começo absoluto se tivesse uma determinidade; nesse caso, dependeria de outro e não seja imediato, não seria o começo. Se, no entanto, for indeterminado e é, portanto, um verdadeiro começo, não tem nada em virtude do qual possa passar para outro; como começo, é igualmente o fim. É tão impossível para qualquer coisa sair disso e entrar nela; com Parmênides como com Spinoza, não há nenhum avanço de ser ou de substância absoluta para o negativo, o finito. Se houver movimento para a frente, no entanto - algo que, como acabamos de observar, pode ocorrer apenas externamente se começarmos a ser desprovido de qualquer referência de conexão e assim sem movimento para a frente - então, esse avanço é um segundo novo começo. Assim, o mais absoluto de Fichte, primeiro princípio incondicional, A = A, é um postulado, uma tese; o segundo princípio é uma contraposição, uma antítese; este último deve ser parcialmente condicionado, parcialmente incondicionado (e, portanto, contradição em si) é um avanço pela reflexão externa que nega o absoluto com o qual faz o seu começo (a contraposição é a negação da primeira identidade), enquanto ao mesmo tempo reduz igualmente seu segundo explicitamente, para algo condicionado. Mas se houvesse alguma justificativa em tudo para o avanço, isto é, para sublocar o primeiro começo, então o possibilidade de que um outro poderia se conectar com ele teria que mentir na natureza deste primeiro começo em si; o começo teria que ser, portanto, um ser determinado. Mas ser, como também a substância absoluta, não será assim, pelo contrário. Ser é o imediato, o ainda absolutamente indeterminado.

Os relatos mais eloquentes, talvez mais esquecidos, da impossibilidade a capacidade de avançar de uma abstração para algo além dela, e de unindo os dois, são dadas por Jacobi em apoio de sua polêmica contra a síntese kantiana a priori da autoconsciência, em seu Tratado Relativo ao Empreendimento da Crítica para Reduzir a Razão para o Entendimento (Jacobi, Werke, vol. III) Ele define a tarefa (p. 113) como um demonstrar a origem ou a produção de uma síntese em um pouco puro, seja consciência, espaço ou tempo. “Deixe o espaço ser um; tempo um; conscientemente um. Agora, diga como qualquer um desses três "puramente se transforma” internamente em um múltiplo: cada um é um e nenhum outro; uma monotonia; apenas a individualidade em geral sem um capuz, para estes ainda dorme junto com o ele, ela, isto no infinito zero do indeterminado do qual todo e qualquer ser determinado ainda tem que proceder!

O que traz a finitude para essas três infinitudes? O que impregna o espaço e tempo a priori com o número e medida, e os transforma em um puro múltiplo? O que traz pura espontaneidade ("eu") em oscilação? Como seu som de vogal pura chega ao seu som concomitante, a consoante, ou melhor, como o seu som ininterrupto e sem som se interrompe e romper para ganhar pelo menos algum tipo de auto-som, um sotaque?” vê que Jacobi reconheceu muito distintamente que a abstração é uma não-essência, se esta não-essência é o chamado espaço absoluto (apenas abstrato), ou o tempo igualmente abstrato ou consciência pura abstrata, o "eu". Ele insiste nesta vacuidade por uma questão de manter a impossibilidade de qualquer avanço para um outro, que é a condição de uma síntese, e para uma síntese em si.

A síntese que é o ponto de interesse aqui não deve ser tomada como amarrando juntos de determinações externas já à mão. Pelo contrário, a questão é dupla: uma da gênese de um segundo ao lado de um primeiro, de um determinado algo ao lado de algo que é inicialmente indeterminado, mas também uma de síntese imanente, de síntese a priori - uma unidade de termos distintos que existe em e para si. Tornar-se é esta síntese imanente de ser e nada; mas porque o sentido mais intimamente ligado à "síntese" é que de uma reunião externa de coisas externamente à mão, o nome de síntese, de unidade sintética, com razão, saiu de uso. - Jacobi pergunta, como é que o a vogal pura do “eu” vem ao seu som concomitante, à consoante?

O que traz determinação à indeterminação? - A questão do que seria fácil de responder, e foi respondido por Kant em seu caminho. A questão do como, no entanto, significa: de que maneira? Em quê relação? E assim por diante, e requer a aplicação de uma determinada categoria; mas não pode haver nenhuma questão aqui de um "caminho" ou "maneira", das categorias do entendimento. A questão do como é ele mesmo que pertence a as más práticas de reflexão, que exigem compreensibilidade, mas por que pressupõe as suas categorias fixas e é assim assegurada desde o início para ser preparado contra a resposta ao que ele pede. Nem a questão tem em Jacobi o maior sentido de uma consulta sobre a necessidade do síntese, para Jacobi, como dissemos, permanece fixo nas abstrações para afirmar a impossibilidade da síntese. Especialmente gráfico é sua descrição (p. 147) do procedimento para obter a abstração do espaço. "Para tempo devo tentar limpar para esquecer que eu já vi alguma coisa, ouvi, tocou ou movido qualquer coisa, eu mesmo expressamente não isento. Limpo, limpo, limpo eu esqueço todo movimento, e deixo precisamente esse esquecimento ser meu mais urgente preocupação, uma vez que é o mais difícil. Assim como pensei em todas as coisas, então eu também devo me livrar completamente de todos eles, não retendo nada a não ser a intuição, que se manteve violentamente firme, do infinito imutável espaço. Eu não posso, portanto, pensar em mim mesmo de volta para ele como algo distingue-se dele, mas igualmente ligado a ele; posso não me deixar ser meramente cercada e permeada por ela, mas devo antes me entregar totalmente a ela, me tornar uma com ela, me transformar nela; devo permitir não sobrar de mim mesmo, exceto esta minha própria intuição, a fim de contemplá-lo como um verdadeiramente auto-subsistente, independente, única e única representação”.

Com essa pureza de continuidade totalmente abstrata, ou seja, com essa indefinição determinada e vazia de representação, é indiferente se um nomeia essa abstração “espaço” ou “intuição pura” ou “pensamento puro”.

É completamente o mesmo que um indiano chama de Brahma, quando por anos no final, olhando apenas para a ponta do nariz, externamente imóvel e igualmente indiferente em sensação, representação, fantasia, desejo e assim por diante, ele internamente diz apenas Om, Om, Om, ou então não diz absolutamente nada. Isso sem graça a consciência vazia, tomada como consciência, é apenas este ser.

Nesse vazio, Jacobi agora afirma mais, ele encontra o oposto de o que deveria acontecer com ele de acordo com a garantia de Kant. Ele não encontrar-se para ser um muitos e um múltiplo, mas para ser um pouco sem qualquer pluralidade e multiplicidade; na verdade, “eu sou impossibilidade em si, o nada de todas as coisas múltiplas e plurais - não pode, do meu puro, absolutamente essência simples e imutável, produzir novamente, ou conjurar em mim como sombra, mesmo o mínimo de qualquer coisa. . . Assim, toda externalidade e justaposição, qualquer multiplicidade e pluralidade dependente deles, são revelados nesta pureza como pura impossibilidade.”

O significado dessa impossibilidade nada mais é que a tautologia: Eu me apego à unidade abstrata e excluo toda a pluralidade e variedade; Eu me mantenho na indistinção e indeterminação, e olho para longe qualquer coisa distinta e determinada. A síntese a priori de Kant consciência, isto é, o trabalho desta unidade de se diferenciar, mas nesta diferenciação de preservar-se, é diluído por Jacobi para apenas este abstração. Ele unilateralmente reduz essa "síntese em si", o "original separação do julgamento”, para” a cópula em si; - um "é, é, é" sem começo e fim, sem "o que", "quem" ou "que"; esta repetição de repetição ad infinitum é a única ocupação, função e produção da mais pura de todas as sínteses puras; a síntese é ela mesma mera, pura, absoluta repetição.” Embora, de fato, não haja pausa, isto é, não há negação, sem distinção, a síntese não é uma repetição, mas sim ser simples indiferenciado. - Mas então, isso ainda é uma síntese quando Jacobi deixa de fora precisamente aquilo que faz da unidade uma unidade sintética?

Em primeiro lugar, deve-se dizer que quando Jacobi assume sua posição em absoluto (isto é, abstrato) espaço, tempo e consciência também, ele coloca-se em algo que é empiricamente falso, e se fixa lá. Não existe espaço espacial ou temporalmente ilimitado ou tempo, isto é, nenhum está empiricamente à mão que não seria preenchido com uma variedade contínua de existência limitada e de mudança, de modo que estes limites e essas mudanças não pertenceriam, inseparáveis ​​e inseparáveis, à espacialidade. A consciência é igualmente preenchida com uma sensação determinada representação, desejo e assim por diante; não existe em concreto para além de algum conteúdo particular ou outro. - A travessia para o empírico então vai sem dizer. Consciência pode de fato fazer espaço vazio, vazio tempo, e até mesmo consciência vazia ou ser puro, seu objeto pretendido e conteúdo, mas não fica com eles. Pelo contrário, desse vazio passa - mais do que isso, se força a um conteúdo melhor, isto é, um que seja de alguma forma mais concreto e, nesse sentido, sempre ruim como conteúdo, ainda melhor e mais verdadeiro. Precisamente tal conteúdo é o sintética como tal, “sintética” entendida em seu sentido mais geral. Portanto Parmênides tem que se contentar com aparência e opinião, o oposto de ser e verdade; Espinosa da mesma forma, com atributos, modos, extensão, movimento, compreensão, vontade e assim por diante. A síntese contém como bem como expõe a inverdade dessas abstrações; nele eles estão em unidade com o outro, não são, portanto, tão auto subsistentes, nem absolutos, mas estritamente como relativo.

A demonstração da nulidade empírica do espaço vazio e assim por diante não é, contudo, a tarefa aqui. Consciência pode, claro, por meio de abstração, preencha-se com tal indeterminação, e as abstrações a que assim se sustenta são os pensamentos de puro espaço, tempo, puro consciência, ser puro. É o pensamento do espaço puro etc. (isto é, puro espaço etc. tomadas em si) que deve ser demonstrado como nulo, que é, o que deve ser demonstrado é que, como tal pensamento, o seu oposto tem já forçou o seu caminho para isso, que por si só já está sendo que se foi fora de si, uma determinação.

Mas isso acontece neles imediatamente. Eles são, como Jacobi corretamente descreve-os, resultados de abstração; eles são expressamente determinados como indeterminado - e isso, para voltar à sua forma mais simples, é ser. Esta indeterminação é, no entanto, precisamente o que constitui seu ser. Pois a indeterminação é oposta à determinação; ao contrário, é, portanto, em si algo determinado ou negativo - o puro, inteiramente negativo abstrato. Essa indeterminação ou negação abstrata que assim estar nele é aquilo a que a reflexão, seja externa ou interna, dá voz quando iguala tal ser com nada, quando o declara ser um produto vazio do pensamento, um nada. - Ou, pode-se dizer, desde ser é o indeterminado, não é a determinação (afirmativa) que isto é; não é ser mas nada.

No puro reflexo do começo como é feito nesta Lógica com sendo assim, a travessia ainda está oculta; porque ser é colocado como imediato, o nada só irrompe imediatamente. Todos os determinações sequentes são, no entanto, mais concretas, como a existência segue logo depois; já existe que existe aquilo que contém e produz a contradição dessas abstrações e, consequentemente, sua transição. No ser, quando tomado nessa simplicidade e imediatismo, a memória que é o resultado de uma perfeita abstração, e que é aí antes já negatividade abstrata, nada, é deixado para trás a ciência que, partindo explicitamente da essência, exibirá aquela imersão unilateral como um imediatismo mediado onde o ser é posto como existência concreta, e aquele que media o ser, o chão, também é postulado.

Com a recuperação desta memória, é possível apresentar a transição do ser ao nada, ou também, como se diz, para esclarecê-lo e torná-lo apreensível, como algo em si fácil e trivial. Claro, o ser que é feito no início da ciência é um nada, uma vez que é possível abstrato de tudo, e quando a abstração é feita de tudo, nada sobra. No entanto, pode-se continuar, então entendi que o começo é nada afirmativo, não ser, mas apenas nada, e nada é então o fim, pelo menos tanto quanto ser imediato, e mais ainda. O mais curto é deixe que tal argumento siga seu curso e observe como os resultados vangloria-se de tomar forma. Que "nada" é o resultado do argumento, e que o começo teria então que ser feito sem nada (como em chinês filosofia) não precisa nos fazer levantar um dedo. Pois mesmo antes de termos levantado isto, este nada teria se tornado tanto quanto (veja Seção B acima, "Nada"). Mas além disso, se nós pressupusermos a dita abstração de tudo (um “tudo” que é um existente mesmo assim), tal uma abstração deve ser definida com maior exatidão. O resultado de tal uma abstração de tudo o que existe é antes de tudo ser abstrato, estar em geral. Pois, assim como na prova cosmológica da existência de Deus de o ser contingente do mundo, onde ascendemos acima deste contingente sendo, ser ainda é levado conosco na ascensão; é determinado como infinito ser. Mas, claro, pode-se abstrair também deste ser puro. Sendo pode ser jogado com o tudo do qual a abstração já foi feito, e então nada permanece. Agora, se queremos ignorar o pensamento de nada, isto é, que se transforma em ser, ou não saberia nada disso, pode-se, de fato, proceder dessa maneira no estilo da "uma lata".

Pode-se (louvado seja Deus!) Até abstrato do nada (para a criação de o mundo também é uma abstração do nada). Mas então, o que resta não é nada, já que a abstração seria feita mesmo com isso e então nós estaria de volta a ser novamente. - Este "um pode" gera um jogo externo de abstração em que o abstrair em si é apenas a atividade unilateral de o negativo. Diretamente implícito neste mesmo "um pode" é que ser é tão indiferente a isto como nada, e que como o um desaparece, o outro aparece por sua vez; mas se um começo é feito com a atividade de nada ou com nada é igualmente indiferente, para a atividade de nada, isto é, a mero abstrair, não é nem mais nem menos verdadeiro que o mero nada.

O tratamento dialético de Platão do Um no Parmênides também deve ser considerada antes como uma dialética da reflexão externa. Ser e o um são ambas as formas eleatas que são a mesma coisa. Mas, como Platão entende eles nesse diálogo, eles também devem ser distinguidos. Depois ele remove do Um as várias determinações do todo e partes, do ser-em em si, de estar em outro, etc. .; de figura, tempo, etc., seu resultado é que ser não pertence ao Um, pois não se acumula em algo exceto de acordo com um desses formulários. (Ed. Stephanus, Vol. II, p. 141e.)

Platão então se volta para a proposição "o Uno é"; e é aí que nós pode ver como, a partir desta proposição, ele realiza a transição para o não-ser do Uno. Isso acontece por meio de uma comparação entre o duas determinações da proposição pressuposta, a saber, de “o Uno é. ”Esta proposição contém“ o Uno ”e“ ser ”; mas "o que é" contém mais do que quando se diz apenas “o Um”. Nisto, em seu ser distinguido, o momento da negação é demonstrado. É claro que isso método tem uma pressuposição e é uma reflexão externa.

Assim como o Uno é colocado aqui em combinação com o ser, assim é ser, que deve ser mantido rapidamente resumido por si mesmo na forma mais simples sem entrar no pensamento, exibido em uma combinação que implica a oposição site do que deve ser afirmado. Tomado em seu imediatismo, sendo pertence para um sujeito, é algo dito, tem uma existência empírica em geral, e portanto, está em um terreno de restrição e negatividade. Qualquer que seja expressões ou as voltas da frase que o entendimento adota em protesto contra a unidade do ser e do nada, por mais que apele para o que é dado imediatamente, ele encontrará precisamente nesta experiência nada mas ser determinado, estar com uma restrição ou negação - a própria unidade que rejeita. A afirmação do ser imediato, portanto, se reduz a um existência concreta empírica, e não pode rejeitar a demonstração disso, já que é o imediatismo fora do pensamento ao qual ele quer se apegar.

O mesmo acontece com nada, apenas no sentido contrário. Isto é uma reflexão bem conhecida, feita muitas vezes sem respeitar nada. Quando tomada em sua imediação, nada se mostra como existente; pois é por natureza o mesmo que ser. Nada é pensado, representado; é falado sobre; Portanto, é; nada tem em pensar, representar, falar, etc. Mas, além disso, esse ser também se distingue dele; é dito, portanto, que nada é de fato em pensar ou representar, mas por essa mesma razão não é isto que é, não é isto a qual ser pertence, que só pensar ou representar é este ser. Mesmo nessa distinção, não há como negar que nada se refere a um ser; mas nesta referência, embora o último igualmente também contém distinção, há uma unidade com o ser. Em qualquer que seja maneira nada é dito ou demonstrado, mostra-se em combinação com ou, se alguém preferir, em contato com um ser, não separado de um ser, isto é para dizer, precisamente em uma existência determinada.

Mas quando a presença de nada em uma determinada existência é assim demonstrado, esta distinção de que ainda é comumente vem a mente, a saber, que a existência do nada não é nada que está em si. Dizem que nada não tem nele; é isso não sendo como tal; que é mais uma ausência de ser, assim como a escuridão é apenas a ausência de luz, frio apenas a ausência de calor e assim por diante. Isto Diz-se que a escuridão só tem sentido com referência ao olho, por ser externamente em comparação com o positivo, com a luz, assim como o frio é algo somente em nossas sensações, enquanto que a luz, o calor, assim como o ser, estão no objetivo contrário por si só, eles são o real, o efetivo, de outra qualidade e dignidade do que os negativos, do que nada. Um pode muitas vezes encontrá-lo avançado como um reflexo muito pesado e um item significativo de Cognição de que a escuridão é apenas ausência de luz, apenas ausência de calor.

Em relação a essa reflexão astuta, pode-se observar empiricamente neste campo de assuntos empíricos que a escuridão de fato mostra sua presença efetiva luz na luz, determinando-a como cor e, assim, conferindo visibilidade à em primeiro lugar, porque, como dissemos acima, pode-se ver tão pouco pura luz como na pura escuridão. Visibilidade, no entanto, é um efeito no olho, e o dito negativo faz tanto uma contribuição para ele como o faz luz que passa pelo real, o positivo; da mesma forma, o frio se faz presente o suficiente para a água, para a nossa sensação, e assim por diante, e se negarmos o seu assim chamado realidade objetiva, estamos, portanto, a ganhar absolutamente nada contra ela.

E devemos repetir ainda mais a queixa de que aqui a conversa é de novo um negativo com conteúdo determinado; aquele não se restringiu a o nada, a respeito do qual, no que diz respeito à abstração vazia, não está perdida nem em vantagem. - Mas devemos igualmente tomar frio, trevas e negações determinadas, apenas para si mesmas e, em respeito à sua determinação geral que está em questão aqui, vamos ver o que é posicionado assim. Eles não devem ser nada em geral, mas o nada em vez de luz, calor e assim por diante, de algo determinado, de um conteúdo; Assim, eles são um determinado, "nada de conteúdo", se é que se pode então fale. Uma determinidade, entretanto, como será encontrada mais adiante, é negação; assim são negativas; um nada negativo é no entanto algo afirmativo. A conversão de nada em afirmativo por virtude de sua determinação (que anteriormente aparecia como um existência em um assunto ou em que você) aparece para uma consciência ligada para a abstração do entendimento como o maior paradoxo. Simples como é, ou melhor, devido à sua simplicidade, a percepção de que a negação de negação é algo positivo aparece uma questão trivial a que o compreensão altiva precisa pagar nenhuma atenção, mesmo que a sua correção é negável - e não apenas a sua correção, mas também, por causa da unicidade versalidade das determinações envolvidas, sua extensão infinita e universal aplicabilidade, de modo que seria realmente bom prestar atenção a ela.

Quanto à determinação da transição do ser e do nada uns aos outros, a observação mais adicional pode ser feita que tal transição deve ser tomado exatamente como é sem determinação reflexiva adicional.

É imediata e inteiramente abstrata, devido à abstração de os momentos em transição, isto é, porque ainda há a ser postulado esses momentos a determinação do outro através do qual eles têm sofreu a transição. Nada ainda não está postulado em ser, embora o ser é essencialmente nada, e o contrário. É, portanto imprópria para aplicar aqui mediações mais determinadas, e para levar a ser e nada em alguma relação - sua transição ainda não é uma relação. Assim, É inadmissível dizer: nada é a base do ser, ou ser é o chão de nada; nada é a causa de ser e assim por diante; ou, a transição em nada pode ter ocorrido apenas sob a condição de que algo é, ou a transição em ser apenas sob a condição de não-ser. O modo da referência de conexão não pode ser determinado os lados conectados sendo ao mesmo tempo também determinados. O conexão do solo e consequente, e assim por diante, não tem mais ser e nada para os lados que ele liga, mas tem sido expressamente como terreno, e algo que, embora apenas postulado e não em pé sobre próprio, no entanto, não é nada abstrato.

Comentário 4(5)

Pode-se recolher a partir do que precede o que pensar da dialética dirigida contra o começo do mundo e também o seu fim (aquela dialética que provaria a eternidade da matéria), isto é, da dialética dirigida a tornar-se, contra o vir-a-ser ou o falecimento em geral. (Anti-nomeações sobre a finitude ou o infinito do mundo no espaço e no tempo serão mais cuidadosamente considerados abaixo, sob o conceito de ser. Essa dialética simples e comum repousa na fixação da oposição de ser e nada. Que um começo do mundo ou de qualquer coisa não é possível é comprovado da seguinte forma: Nada pode começar, seja na medida em que algo é, ou na medida em que é não; porque, na medida em que é, não começa a ser; e na medida em que não é, também não começa a ser. - Se o mundo, ou qualquer coisa, tivesse começado, seria começou em nada; mas em nada não há começo - ou nada não é um começo; pois um começo implica um ser, mas nada contém não ser. Nada é apenas nada. Em um terreno, uma causa e assim por diante, se isto é como nada é determinado, há uma afirmação, ser. - Pela mesma razão, também, algo não pode deixar de existir. Pois então seria não precisa conter nada, mas ser é apenas ser, não o oposto de si mesmo.

É claro que nesta prova não há nada contra o devir, ou início e cessar-se, contra esta unidade de ser e nada, exceto uma negação assertiva e a atribuição da verdade ao ser e nada tomado em separação um do outro. - Tal dialética é, no entanto, pelo menos mais consistente do que o pensamento reflexivo comum. Este pensamento aceita como toda a verdade de que ser e nada são apenas separados, mas permite por outro lado, para um começo e um cessar-se que são igualmente aceito como determinações verdadeiras; nestes, no entanto, na verdade, assume o inseparabilidade do ser e do nada.

Uma vez que pressupomos que o ser e o nada são absolutamente divorciados, começar ou tornar-se, como frequentemente ouvimos dizer, é obviamente incompreensível, pois fazemos uma pressuposição que elimina o começo ou a e mais uma vez admite isso. E essa contradição, que nós mesmos criamos e tornar impossível resolver, isso é o que é chamado de incompreensível.

A dialética citada é também a mesma que a compreensão implanta contra o conceito de magnitude infinitesimal dada por maior análise.

Mais será dito abaixo sobre este conceito. Essas magnitudes são tão determinou que eles estão em seu desaparecimento - não antes deste desaparecimento, por eles seriam então magnitudes finitas; não depois, pois então eles seriam nada. Contra este pensamento puro, é objetado e repetido infinitamente que essas magnitudes são algo ou nada; que não existe um estado intermediário entre o ser e o nada (o "estado" é aqui inadequado, expressão bárbara). - Assumido aqui é novamente a separação absoluta de ser e nada. Mas nós mostramos contra isso que ser e nada são de fato o mesmo, falando nas palavras citadas, que não há nada que não seja um estado intermediário entre o ser e o nada. A Matemática tem de agradecer seus êxitos exatamente àquela determinação, que o intelecto contradiz.

O raciocínio citado que formula a falsa premissa da separação absoluta entre o ser e o nada, persiste nisto, será chamado de antidialético e sofistico. Pois a sofistica é um argumento oriundo de uma premissa sem fundamento que prevalece aceita sem critica; mas chamamos de dialética ao superior movimento racional, no qual estes termos, parecem absolutamente separados, passam um sobre o outro por si, por meio do qual eles são, e a pressuposição de estar separados se supera. A imanente natureza dialética do ser e do nada consiste em que eles manifestam sua unidade, isto é o devir, como sua verdade.

2. Os momentos do devir: nascer e morrer.

O devir é a inseparabilidade do ser e do nada, não a unidade que abstrai do ser e do nada; como a unidade do ser e o nada, esta determinada unidade, ou seja, àquela em que está igualmente o ser e o nada. No entanto, enquanto o ser e o nada estão inseparados de cada seu outro [cada um deles], cada um não existe. Eles existem, pois nesta unidade, portanto, eles são, mas como desaparecidos, apenas como superados. Eles decaem de sua auto-subsistência inicialmente representada em momentos que ainda são distintos, mas ao mesmo tempo superados.

Se são tomados segundo esta sua diferença, cada um se acha na mesma unidade com seu outro. O devir, assim contém o ser e o nada como unidades, cada uma delas é a unidade do ser e do nada; uma é o ser como imediato e como referência ao nada; a outra não é o nada como imediato e como relação ao ser; nestas unidades as determinações são de desigual valor.

O devir assim é duplamente determinado. Em uma determinação, o nada é o imediato, isto é, a determinação começa com o nada e isso se relaciona ao ser; isto é, o atravessa. Na outra determinação, o ser é o imediato, isto é, a determinação começa com o ser e isso passa para o nada - vir-a-ser e cessar de ser.

Ambos são o mesmo, o devir, e até mesmo como estas direções são tão diferentes eles se interpenetram e paralisam mutuamente. Uma é perecer; o ser transpassa ao nada, mas o nada é exatamente o oposto de ser em si, a passagem para o ser, o vir a ser. Este futuro é a outra direção; nada passa a ser, mas sendo igualmente supera em si e é antes a passagem para o nada; está cessando de ser.

Eles não se superam reciprocamente - o que um supere o outro externamente - mas cada um deles se supera em si e está dentro dele o oposto de si.

3. O Superar do devir

O equilíbrio no qual o vir-a-ser e o perecer, estão equilibrados em o primeiro lugar se tornando ele mesmo. Mas este devém igualmente se recolhe em unidade tranquila. Ser e nada são apenas como desaparecer; mas o devir em si, no entanto, é apenas em virtude de serem diversos. Seu desaparecimento é, portanto, o desaparecimento do devir ou o desaparecimento do desaparecimento em si. O devir é uma inquietação incessante carente de firmeza, que cai em um resultado de repouso.

Isso também pode ser expresso assim: o devir é o desaparecimento de ser em nada, e de nada em ser, e o desaparecimento de ser e nada em geral; mas, ao mesmo tempo, repousa em serem distintos. Isto portanto se contradiz em si mesmo, porque o que une dentro de si é auto-oposição; mas tal unidade se destrói.

Este resultado é um desaparecimento, mas não é o nada; como tal, seria apenas uma recaída em uma das determinações já superada e não o resultado do nada e do ser. É a unidade do ser e nada que tenha o devir a simplicidade do repouso. Mas esta simplicidade do repouso está sendo, ainda não mais por si só, mas como determinação do todo.

O devir, como transição para a unidade do ser e do nada, uma unidade que é tão existente ou tem a forma da unidade unilateral imediata desses momentos são existência.

Observação

Superar e ser superado (o idealizado) constitui um dos conceitos mais importantes da filosofia. É uma determinação fundamental que repetidamente ocorre em toda parte, cujo significado deve ser compreendido com precisão e especialmente distinguido do nada. - O que é superado não se transforma em nada. Nada é o imediato; alguma coisa superada é, pelo contrário, algo mediado; é algo não existente, mas como resultado que procedeu de um ser; ainda tem em si, portanto, a determinação da qual deriva.

O alemão “aufheben” (“superar” em português) tem um significado duplo na linguagem: significa igualmente "manter", "preservar" e "causar perecer", "pôr fim a”. "Mesmo" preservar "já inclui um negativo note, vale dizer que algo, a fim de ser retido, é removido de seu imediatismo e, portanto, a partir de uma existência que é aberta a influências. - O que é superado é assim algo ao mesmo tempo preservada, algo que perdeu sua proximidade, mas não chegou a nada por isso. - Essas duas definições de “superar” podem ser citadas como dois significados do dicionário da palavra. Mas deve ter um como notável que um idioma chegou a usar uma e a mesma palavra para dois opostos significados. Para o pensamento especulativo é gratificante encontrar palavras que tenham em si um significado especulativo. A língua alemã tem várias dessas palavras. O duplo significado do latim “tollere” (notório pelo gracejo de Cícero, “tollendum est Octavium”)(6) não vai tão longe; sua afirmação de determinação só vai tão longe como "levantar". Algo só é superado na medida em que entrou em unidade com o seu oposto; neste mais perto determinação como algo refletido, pode apropriadamente ser chamado de um momento.

No caso da alavanca, “peso” e “distância de um ponto” são chamados de momentos mecânicos por causa da monotonia de seu efeito, apesar da diferença entre algo real como peso, e algo idealizado como a determinação meramente espacial da “linha”. (Ver Encycl. of the Phil Sc., 3rd edn, §261, Nota.) - Frequentemente, não ajudamos, mas observamos que a linguagem técnica da filosofia usa termos latinos para refletir determinações, seja porque a língua materna não tem termos para elas, ou, se tem como faz aqui, porque ao expressá-las é mais provável chamar para se importar com o imediato, enquanto a língua estrangeira lembra o refletido.

O sentido mais preciso e expressão precisa que ser e nada recebe agora que eles são momentos terão que transpirar a partir da consideração de existência, a unidade na qual eles são preservados. Ser é ser e nada é nada, apenas como distinto um do outro; na verdade deles, no entanto, em sua unidade, eles desapareceram como tais determinações e são agora outra coisa. Ser e nada são os mesmos e, precisamente porque eles são o mesmo, eles não estão mais sendo e nada além de possuir um diferente
determinação; no devir eles estavam vindo-para-ser e perecer; em existência, que é outra unidade determinada, eles são novamente momentos, mas diferentemente determinado. Esta unidade agora permanece sua base a partir da qual eles não mais aparecem no sentido abstrato de ser e nada.


Notas de rodapé:

(1) Título no índice: A oposição do ser e nada na representação. (retornar ao texto)

(2) KANT, Kritik der Vernunft [Crítica da Razão Pura], 2 * ed., P. 628 e sigts. (em Philosoph, Biblioth, Tomo 37, IX, página 517). (retornar ao texto)

(3) Título no índice: Imperfeição da expressão: unidade e identidade de ser e nada. (retornar ao texto)

(4) Título no índice: A ação isoladora destas abstrações. (retornar ao texto)

(5) Titulo no índice: Incompreensão do começo. (retornar ao texto)

(6) “César [Octavianus], ele diz, não fez nenhuma reclamação contra você para ter certeza, exceto quanto a uma observação que ele lhe atribuiu: 'o jovem deve ser louvado, honrado e elevado [o pedágio]'”.
Brutus (2001), Carta 401, para Cícero, p. 307. Tollendum também pode ser traduzido como "imortalizado". É claro que, para ser transformado em deus, é preciso morrer primeiro. (retornar ao texto)

Inclusão 17/10/2018
Última alteração 04/11/2018