MIA - Seção em Português
Carlos Marighella
foto Carlos Marighella
1911-1969

 

Aos 18 anos iniciou curso de Engenharia na Escola Politécnica da Bahia e tornou-se militante do Partido Comunista. Conheceu a prisão pela primeira vez em 1932, após escrever um poema contendo críticas ao interventor da Bahia. Em 1932 muda-se para o Rio de Janeiro. Em 1o de maio de 1936 Marighella foi novamente preso e enfrentou, durante 23 dias, as terríveis torturas da polícia. Permaneceu encarcerado por um ano sendo solto pela “macedada” – nome da medida que libertou os presos políticos sem condenação. Transferindo-se para São Paulo, Marighella passou a agir em torno de dois eixos: a reorganização dos revolucionários comunistas, duramente atingidos pela repressão, e o combate ao terror imposto pela ditadura de Getúlio Vargas. Voltaria aos cárceres em 1939, sendo mais uma vez torturado de forma brutal na Delegacia de Ordem Política e Social (DOPS) de São Paulo, mas se negando a fornecer qualquer informação à polícia. Recolhido aos presídios de Fernando de Noronha e Ilha Grande pelo seis anos seguintes, ele dirigiria sua energia revolucionária ao trabalho de educação cultural e política dos companheiros de cadeia. Anistiado em abril de 1945, participou do processo de redemocratização do país e da reorganização do Partido Comunista na legalidade. Foi eleito deputado federal constituinte pelo estado da Bahia. Com o mandato cassado pela repressão que o governo Dutra desencadeou contra o comunistas, Marighella foi obrigado a retornar à clandestinidade em 1948, condição em que permaneceria por mais de duas décadas, até seu assassinato. Nos anos 50, exercendo novamente a militância em São Paulo, tomaria parte ativa nas lutas populares do período, em defesa do monopólio estatal do petróleo e contra o envio de soldados brasileiros à Coréia e a desnacionalização da economia. Cada vez mais, Carlos Marighella voltaria suas reflexões em direção do problema agrário, redigindo, em 1958, o ensaio “Alguns aspectos da renda da terra no Brasil”, o primeiro de uma série de análises teórico-políticas que elaborou até 1969. Após o golpe militar de 1964, Marighella foi novamente preso. Repetindo a postura de altivez das prisões anteriores, Marighella fez de sua defesa um ataque aos crimes e ao obscurantismo que imperava desde 1º de abril. Conseguiu, com isso, catalisar um movimento de solidariedade que forçou os militares a aceitar um habeas-corpus e sua libertação imediata. Desse momento em diante, intensificou o combate à ditadura utilizando todos os meios de luta na tentativa de impedir a consolidação de um regime ilegal e ilegítimo. Na ocasião, Carlos Marighella aprofundou as divergências com o Partido Comunista, criticando seu imobilismo. Em dezembro de 1966, em carta à Comissão Executiva do PCB, requereu seu desligamento da mesma, explicitando a disposição de lutar revolucionariamente junto às massas, em vez de ficar à espera das regras do jogo político e burocrático convencional que, segundo entendia, imperava na liderança. E quando já não havia outra solução, conforme suas próprias palavras, fundou a ALN – Ação Libertadora Nacional para, de armas em punho, enfrentar a ditadura. Na noite de 4 de novembro de 1969, surpreendido por uma emboscada, Carlos Marighella tombou varado pelas balas dos agentes da repressão.

Atualmente estão disponíveis em Português as seguintes obras:

1929 - ago Uma Prova em Versos (Poema)
1931 - out Balada à Descritiva (Poema)
1932 - ago Vozes da Mocidade Acadêmica (Poema)
1939 Liberdade (Poema)
1939 Rondó da Liberdade (Poema)
1939 O Urubu (Poema)
1944 Muralha (Poema)
1944 Prestes (Poema)
1945 - jan A Prestes (No dia do seu aniversário) (Poema)
1945 - jun A Democracia Está em Marcha
1945 - jul O que é o nosso Partido?
1946 - jul A Religião, o Estado, a Família
1947 - out Nossa Política (Editorial Problemas nº 3)
1947 - nov Nossa Política (Editorial Problemas nº 4)
1947 - dez Nossa Política (Editorial Problemas nº 5)
1948 - jan Nossa Política (Editorial Problemas nº 6)
1948 - fev Nossa Política (Editorial Problemas nº 7)
1948 - jul Nossa Política (Editorial Problemas nº 12)
1948 - set Nossa Política (Editorial Problemas nº 13)
1948 - out Nossa Política (Editorial Problemas nº 14)
1949 - mar Nossa Política (Editorial Problemas nº 17)
1950 - mai Mais Vigor e Audácia nas Lutas de Massas Pelo 1.° de Maio, Pela Interdição da Bomba Atômica, Pela Paz e a Independência Nacional
1951 Se Fores Preso, Camarada... pdf
1954 - nov O Programa do Partido, As Experiências das Eleições de 3 de Outubro e As Nossas Tarefas para a Campanha Eleitoral de 1955
1956 - jul Por um Amplo Trabalho de Agitação e Propaganda Entre as Mulheres
1958 - jun Alguns Aspectos da Renda da Terra no Brasil
1966 - dez Carta à Comissão Executiva do Partido Comunista Brasileiro
1965 Por que Resisti à Prisão
1966 - out Luta Interna e Dialética
1966 A Crise Brasileira
1966 - dez Carta à Executiva (págs 89-97 do livro Escritos de Carlos Marighella)
1967 - jun Crítica às Teses do Comitê Central
1967 - out Algumas Questões Sobre as Guerrilhas no Brasil   
1967 Ecletismo e Marxismo
1967 Entrevista à Rádio Havana (Cuba)
1968 - fev Pronunciamento do Agrupamento Comunista de São Paulo (págs 131-137 do livro Escritos de Carlos Marighella)
1968 - dez Chamamento ao Povo Brasileiro
1968 - dez Quem Samba Fica, Quem Não Samba Vai Embora
1968 - dez Questões de Organização
1969 - jun Mini-Manual do Guerrilheiro Urbano
1969 - ago Sobre a Organização dos Revolucionários
19?? A Alegria do Povo (Poema)
19?? A Guerrilha Rural
19?? Ao Povo Brasileiro
19?? Canto da Terra (Poema)
19?? Canto para Atabaque (Poema)
19?? Capoeira (Poema)
19?? Carta circular ao bancário brasileiro
19?? Carta circular aos homens das classes dominantes
19?? Confraternização (Poema)
19?? Desmascarando a provocação da carta falsa a Dom Agnelo, cardeal de São Paulo
19?? Escritos de Carlos Marighella pdf
19?? Gravações em Fita da Rádio Libertadora - com áudio
19?? O País de Uma Nota Só (Poema)
19?? O Perfume (Poema)
19?? A Vaga (Poema)
  Escritos sobre Carlos Marighella
  Carlos Marighella - 100 Anos de Nascimento
   
Seja um Voluntário! Se você deseja colaborar com a construção desta biblioteca, ou deseja iniciar uma nova biblioteca para um autor cujo trabalho contribui de alguma maneira para a compreensão do Marxismo, entre em contato conosco.

Abriu o arquivo: 10/01/2005
Última atualização: 29/04/2021