MIA - Seção em Português
Samora Moisés Machel
foto Samora Moisés Machel
1933-1986

 

Filho de agricultor Samora entrou na escola primária com nove anos, quando o governo colonial português entregou a «educação indígena» à Igreja Católica. Quando terminou a escola primária, o jovem de cerca de 18 anos quis continuar a estudar, mas os padres só lhe permitiam estudar teologia e Samora decidiu ir tentar a vida em Lourenço Marques, actual Maputo. Trabalhou no Hospital Miguel Bombarda (o principal hospital da cidade) e, em 1952, começou o curso de enfermagem. Neto de um guerreiro de Gungunhana, Samora Machel foi educado como nacionalista e, como estudante, foi sempre um «rebelde». Em 1963 decidiu deixar o país em virtude das perseguições políticas de que era vítima e juntou-se à FRELIMO na Tanzânia. Fêz treinamento militar na Argélia e em 1966 já chefiava o Departamento de Defesa da FRELIMO. Em 1967 criou o Destacamento Feminino (DF) para envolver as mulheres moçambicanas na luta de libertação. Em 1969 passa a integrar o triunvirato que dirigia a FRELIMO e em 1970 assume a Presidência da FRELIMO, organiza a guerrilha e, finalmente, com a independência de Moçambique em 1975 assumiu a Presidência da República.

Atualmente estão disponíveis em Português as seguintes obras:

1970 - Set Educar o Homem para Vencer a Guerra, Criar uma Sociedade Nova e Desenvolver a Pátria
1970 - Dez Compreender a Nossa Tarefa - Notas de Estudo para os Instrutores
1971 Produzir é Aprender. Aprender para Produzir e Lutar Melhor
1971 No Trabalho Sanitário Materializemos o Princípio de que a Revolução Liberta o Povo
1972 - Ago A Luta Armada Começou em Manica e Sofala
1973 - Jan Pela Independência Imediata e Total de Moçambique
1973 A Libertação da Mulher é uma Necessidade da Revolução, Garantia da sua Continuidade, Condição do seu Triunfo
1973 Impermeabilizemo-nos Contra as Manobras Subversivas Intensificando a Ofensiva Ideológica e Organizacional no Seio dos Combatentes e Massas
1974 - Abr Mensagem aos Militantes da FRELIMO e ao Povo Moçambicano por Ocasião do Golpe de Estado em Portugal
1974 - Jul «A FRELIMO é o Povo Moçambicano em Armas» Introdução de José A. Salvador à coletânea "A Luta Continua"
1974 Estabelecer o Poder Popular para Servir as Massas
1975 - Jul Transformar o Hospital Central num Hospital do Povo
1976 - Jul Dar ao nosso Turismo um Conteúdo de Classe
1976 - Out Produzir é um Acto de Militância
1976 - Dez Sobre os Problemas, Função e Tarefas da Juventude Moçambicana
1978 Estruturar o Partido para Melhorar a Vida do Povo
1979 - Mai Fazer Viver a Linha do Partido em cada Trabalhador
1979 - Jul Organizemos Nossos Recursos para Resolver os Problemas do Povo
1979 - Ago Façamos de 1980-1990 a Década da Vitória Sobre o Subdesenvolvimento
1979 - Set Unidade Anti-Imperialista é a Base do Não-Alinhamento
1979 - Set Colher no 25 de Setembro Força Renovada para o Combate
1979 - Out Fazer do Niassa uma Base Sólida na Construção do Socialismo
1979 - Dez Reforçemos o Poder Popular nos Nossos Hospitais
1979 - Dez A Vitória do Povo do Zimbabwe é Fruto da Luta Armada, da Unidade e do Internacionalismo
1980 - Jan Fazer da Beira Ponto de Partida para uma Ofensiva Organizacional
1980 - Fev Transformar o Aparelho de Estado no Instrumento da Vitória
1980 - Mar Desalojemos o Inimigo Interno do Nosso Aparelho de Estado
1980 - Mar Na Educação só Investiremos em Terreno Fértil
1981 - Abr As Forças Armadas de Moçambique Devem Participar da Batalha Económica
1981 - Nov Desalojemos os Infiltrados nas Forças de Defesa e Segurança
1982 - Jun Rompamos Definitivamente com a Burguesia para Consolidar o Poder Popular
1982 Organizar a Sociedade para Vencer o Subdesenvolvimento
1983 - Out Sindicatos Organizarão os Trabalhadores para Matar a Fome e a Nudez
1984 - Abr Acordo de Nkomati: Vitória da Paz, Vitória do Socialismo
1984 - Abr Pela Independência, Dignidade e Paz
1984 - Mai O Poder Popular Garante a Legalidade
1984 - Dez Façamos de 1985 um ano de Consolidação da Independência
1984 - Dez Venceremos Também Hoje o Inimigo de Sempre
???? O Apartheid é o Nazismo da Nossa Época
  O Processo da Revolução Democrática Popular em Moçambique
  Fazer da Escola uma Base para o Povo Tomar o Poder
   
Seja um Voluntário! Se você deseja colaborar com a construção desta biblioteca, ou deseja iniciar uma nova biblioteca para um autor cujo trabalho contribui de alguma maneira para a compreensão do Marxismo, entre em contato conosco.

Abriu o arquivo 09/09/2011
Última alteração 12/09/2018